Funcionários do parque fizeram a reforma do equipamento, que já está à disposição de 12 mil frequentadores por mês 

O Parque Cremerie agora conta com mais um atrativo para os frequentadores do espaço. As 12 mil pessoas que vão ao local por mês já podem curtir o moinho que fica no lago. O aparelho, que ficou desmontado por três décadas, foi reformado pelos próprios funcionários. Desde que a atual administração assumiu o parque, diversos equipamentos foram recuperados e colocados à disposição do público.

A revitalização teve início pela limpeza da piscina, que conta desde os primeiros dias de janeiro com água cristalina. Banheiros e almoxarifado foram organizados e as churrasqueiras foram restauradas. O gramado foi cortado, valorizando toda área verde. O lago ganhou proteção em toda margem e foi instalado um sistema de som do parque, que toca música durante o dia e passa informações sobre o horário de funcionamento.

As casinhas também foram recuperadas e, com isso, possibilitou que o moinho pudesse ser restaurado. As partes em madeira que estavam quebradas tiveram substituição e ganharam nova pintura.

Toda essa revitalização atrai mais público. É o caso da balconista Fernanda Coutinho, que tem ido mais ao local esse ano.

Com 40 mil metros quadrados, o Cremerie recebe cerca de três mil pessoas por semana, principalmente aos sábados e domingos. A entrada é gratuita – apenas a utilização dos equipamentos é paga. Para usar a piscina, o valor é de R$ 10 – menores de cinco anos não pagam, mas é necessário estar acompanhado o tempo todo por um responsável (o horário é de 10h às 16h30). As quatro churrasqueiras podem ser usadas dentro do horário de funcionamento do parque por R$ 10 (o uso é definido por ordem de chegada). Já a quadra esportiva pode ser alugada a R$ 20 por hora.

O Parque Cremerie fica Estrada da Independência, s/nº – Quitandinha. Ele fica aberto de 8h às 17h30, de terça a domingo.

 

A Comdep começou nesta sexta-feira (18.08) a fazer corte de 51 árvores e poda de 135 que estão secas ou mortas na cidade. O trabalho teve início após a Secretaria de Meio Ambiente apontar quais deveriam ser removidas e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) dar autorização. Para realizar o serviço, o setor de paisagismo já fez a reposição com o plantio de 146 mudas.

O objetivo é evitar que galhos ou troncos secos acabem caindo, o que pode ser um perigo para pedestres e veículos. Técnicos da Secretaria de Meio Ambiente fizeram vistorias no final de junho e emitiram laudos indicando a necessidade de remoção e de limpeza de erva-de-passarinho – planta que suga os nutrientes das árvores e deixa os troncos secos.

O trabalho começou pela Av. Koeler e pela Av. Ipiranga. Já estão previstos para os próximos dias a remoção de árvores nas ruas da Imperatriz, Manuel Afonso, Buenos Aires e Av. Kennedy.

O Iphan determina que para que uma árvore seja removida, é necessário fazer reposição. Por isso, antes de começar o serviço, o setor de paisagismo da Comdep realizou o plantio de magnólias, pau-brasil e ipê amarelo em todos os locais onde serão haverá corte. 

A Comdep começou a instalar placas informando sobre a proibição de jogar entulho e divulgando o contato do Disque Entulho. Essas placas serão colocadas em locais onde a empresa faz a coleta frequentemente, mas o descarte irregular continua – principalmente próximo a lixeiras. Algumas delas já estão em Vila Rica, Nogueira, Castelo e Corrêas, por exemplo, e a previsão é de que sejam colocadas 50 placas nessa primeira fase em toda cidade.

A placa lembra que jogar entulho sobre calçadas e ruas é infração grave, de acordo com o Código de Posturas. Quem é flagrado descartando restos de obras, lixo verde, móveis e eletrodomésticos em desacordo com a legislação municipal recebe multa de R$ 800 e é intimado a fazer a retirada imediata. A Fiscalização de Posturas faz rondas em carros descaracterizados para coibir a prática e essas placas são mais uma forma de impedir a irregularidade.

O modo correto para descartar os chamados “resíduos volumosos” é levando para o aterro de Pedro do Rio. Quem tem dificuldade de fazer o transporte para lá conta com o Disque Entulho, um serviço gratuito disponibilizado pela Comdep para fazer o recolhimento de até 20 sacos de entulho. Basta ligar para 2243-7822 e agendar a coleta em casa.

As placas de metal são preparadas pelo setor de obras da Comdep. As chapas são preparadas com material antiferrugem e adesivadas. Além dos primeiros locais, já estão previstas outras para Pedras Brancas, Fazenda Inglesa, Alto da Serra, Quitandinha, Quarteirão Ingelheim, Quarteirão Brasileiro, Saldanha Marinho e Estrada da Saudade. Os próprios moradores desses bairros fizeram pedidos de instalação de placas. As demais serão colocadas em locais a ser decidido pela empresa. Após essa leva, a Comdep vai planejar a instalação de mais placas.

Serviço foi reativado pela Comdep em maio e beneficia população que procura fazer o descarte correto

Apenas três meses após ser reativado pela Comdep, o Disque Entulho ultrapassou nesta terça-feira (15.08) a marca de 1 mil coletas realizadas.  O serviço foi reativado há 90 dias e faz média de 12 coletas de entulho por dia.  A quantidade, somada à limpeza também feita pela Secretaria de Serviços Públicos, representa 70 mil toneladas de entulho que deixaram de ser despejadas nas ruas ou em locais de preservação ambiental. A marca é comemorada pela Comdep.

Para os moradores, esse serviço representa uma economia grande e dá confiança sobre a destinação correta do entulho. O mecânico Marcio Aragão, que mora no bairro Castrioto, está fazendo uma pequena reforma em casa há cerca de um mês. Ele chegou a procurar um caminhão para levar os restos da obra, mas o preço cobrado (R$ 300) e a dúvida sobre para onde esses detritos seriam levados fez com que ele preferisse ligar para a Comdep.

“Acho esse serviço importante e responsável, porque assim a gente sabe que vai ser dado o destino adequado. É gratuito e nos dá a certeza de onde será levado, enquanto muitas vezes é cobrado o transporte e a gente não sabe se é jogado em uma lixeira em qualquer lugar”, destaca o mecânico, que fez o agendamento na semana passada e recebeu o recolhimento nesta terça.

De acordo com o Código de Posturas, quem gera o entulho é responsável por fazer a destinação correta – que é levar os restos de obras, lixo verde, móveis e eletrodomésticos para o aterro de Pedro do Rio. Quem é flagrado jogando os chamados “resíduos volumosos” sobre calçadas e ruas é multado em R$ 800 e intimado a fazer a retirada imediata. Ao longo do ano, a Comdep e a Secretaria de Serviços, Segurança e Ordem Pública (SSOP) já removeram mais de 70 mil toneladas de entulho em toda a cidade.

O Disque Entulho é gratuito e faz a coleta em casa de até 20 sacos de entulho. O serviço tem rotas fixas diariamente, mas os moradores de todos os bairros podem pedir o recolhimento – o agendamento é realizado conforme a disponibilidade das equipes. A passagem do caminhão pode ser marcada pelo telefone 2243-7822.

É importante que os moradores deixem o entulho na via principal da rua e no dia anterior ao da coleta. Outros pontos que o morador deve se atentar é sobre o acesso à rua (locais muito estreitos podem prejudicar a chegada do caminhão) e ao peso – sacos com mais de 25 kg atrapalham os coletores e demandam a utilização de tratores.

Disque Entulho

Segunda-feira: Valparaíso, Centro, Caxambu e Morin
Terça-feira: Retiro, Carangola, Roseiral e Jardim Salvador
Quarta-feira: Bingen, Mosela, Quarteirão Brasileiro, Av. Barão do Rio Branco e Atílio Marotti
Quinta-feira: Quitandinha, Independência, Castelânea e Alto da Serra
Sexta-feira: Itamarati, Provisória e Floresta
Sábado: Samambaia, Cascatinha e Estrada da Saudade

 

Funcionários da empresa começaram a desmontagem das barracas da festa japonesa no Palácio de Cristal

Nos quatro dias de festa do Bunka-sai, a Comdep removeu sete toneladas de lixo do Palácio de Cristal, palco do evento. A empresa também começou a fazer a desmontagem das barracas que tiveram artesanato, culinária e exposições sobre as tradições japonesas expostos durante os quatro dias de evento. O trabalho deve ser finalizado mais um ou dois dias.

O setor de obras da Comdep deslocou 10 funcionários para o trabalho de remoção dos estandes. Um caminhão faz o transporte das peças de madeira para o galpão da Turispetro, na Mosela.

A limpeza do Palácio de Cristal foi feita por 10 pessoas diariamente. O efetivo que trabalha nas ruas do entorno, que chega a 40 durante o dia, foi mantido normalmente. A coleta ocorreu em três períodos, de manhã, de tarde e de noite.

Estande mostra artigos de artesanato com tema japonês feitos a partir de reciclagem e apresenta material informativo sobre coleta seletiva

 

O festival da cultura japonesa também abre espaço para tratar da reciclagem dos resíduos sólidos. Durante os dias do Bunka-sai, a Comdep repete ação já desenvolvida em outros grandes eventos da cidade e mantém um estande dentro do Palácio de Cristal. No espaço, o público encontra artigos de artesanato com alusão ao país asiático feitos com materiais reaproveitados. Além disso, os visitantes podem obter informações sobre a coleta seletiva.


No estande, há vários cartazes explicando sobre o tempo de decomposição de diferentes tipos de materiais, além de dicas sobre como ter um estilo de consumo mais sustentável e como fazer a coleta seletiva. Em Petrópolis é possível levar o lixo inorgânico para o Ecoponto e, assim, conseguir descontos na conta de luz.


“O que é legal é que, além do lado educacional que a gente desenvolve e do reaproveitamento dos resíduos sólidos, também tem a valorização dos artesãos. Temos uma equipe que sempre está junto da Comdep incentivando e apoiando este trabalho de divulgação do artesanato. O acolhimento com toda a equipe da organização da festa permitiu uma integração muito grande. Essa união foi fundamental para esse sucesso”, avalia a coordenadora de eventos da Comdep, professora Jussara Justen, que também é responsável pela educação ambiental da empresa.


Durante o período do evento, o pessoal que trabalha no Centro de Reciclagem de Cascatinha e no Ecoponto do bairro Mosela se reveza para recepcionar o público. Além disso, o grupo “Dobraduras da Serra”, que trabalha com origamis, também está junto da Comdep no trabalho durante o Bunka-sai.


“É muito interessante, muito proveitoso. Nosso grupo já trabalha com origamis há 10 anos e essa foi uma oportunidade de se juntar com o pessoal da reciclagem para fazer algumas peças e divulgar nosso trabalho. Nosso grupo ficou feliz de estar aqui junto”, afirmou a artesã Neidyr Maria de Souza.


A Comdep já teve estandes para falar de coleta seletiva e reciclagem em eventos como a Expo Petrópolis e a Bauernfest. Ao longo do ano, a empresa já deu apoio a mais de 30 eventos.


No Bunka-Sai a equipe da Comdep fez a montagem e pintura de todas as barracas, além de garantir ligação de água e a pintura em ruas do entorno do Palácio de Cristal. Nos dias de festa, a Companhia vai manter o efetivo que já trabalha próximo a região do ponto principal da celebração e reforçar a limpeza dentro do local.


 



12 mil pessoas visitam o espaço por mês


Espaço conta com piscinas, churrasqueiras, quadra, parquinho e extensa área verde para ser aproveitado

 

Um dos pontos turísticos e de lazer ao ar livre para o petropolitano, o Parque Cremerie tem atraído cada vez mais visitantes. Com 40 mil metros quadrados de muito verde, lagos, piscina e trilhas, o local tem recebido mais de 12 mil pessoas por mês.  Nesta quinta-feira (10.08), por exemplo, um grupo de 82 crianças entre sete e 12 anos de uma escola de Nova Iguaçu fez um passeio pelo Cremerie. Fazia cinco anos que o colégio não visitava o parque. A diferença na manutenção do espaço, segundo os funcionários que acompanharam os alunos, é grande.


“O parque está lindo, está tudo bem legal. Melhor do que a última vez que viemos, mais bem cuidado. Realmente é uma oportunidade muito boa para eles correrem, brincarem, aproveitar tudo que pode”, afirmou a psicóloga da escola, Elane Correa.


As crianças aproveitaram os brinquedos do parquinho, parte da trilha para brincar e andaram de pedalinho – parte favorita do passeio. “Eu gostei do pedalinho porque ele anda sobre a água e eu gostei de pedalar na água”, disse o aluno do 2º ano do ensino fundamental, Enzo Vargas, de sete anos.


Em janeiro, a administração recebeu o parque destruído e abandonado. Em poucos dias, as piscinas e os jardins foram limpos, os banheiros e o almoxarifado foram organizados e as churrasqueiras, restauradas. As casinhas passaram por recuperação, assim como as pontes, que ganharam nova pintura. Agora, o Cremerie tem sistema de som, com música ao longo dia e que também serve para avisos, como do horário de fechamento.


“O parque voltou a ser um local agradável, para trazer a família, aproveitar a natureza, fazer fotos ou um piquenique. Os funcionários do parque trabalharam muito, reaproveitando os materiais que a gente tinha por aqui, para proporcionar isso para o público”, falou o administrador do parque, Luiz Roberto de Souza.


Para usar a piscina, o valor é de R$ 10 – menores de cinco anos não pagam, mas é necessário estar acompanhado o tempo todo por um responsável. As quatro churrasqueiras podem ser usadas dentro do horário de funcionamento do parque por R$ 10 (o uso é definido por ordem de chegada). Já a quadra esportiva pode ser alugada a R$ 20 por hora.


Hoje, o Cremerie recebe cerca de três mil pessoas por semana. O parque fica na Estrada da Independência, s/nº – Quitandinha. A entrada no parque é gratuita (apenas utilização dos equipamentos é paga) e o horário de funcionamento é de 8h às 17h – com exceção de segunda-feira, dia em que permanece fechado para manutenção geral.

 
Empresa vai deslocar 10 funcionários por dia para fazer a manutenção dentro do espaço da festa e manter o efetivo normal na rua


Durante a realização do Bunka-Sai, a Comdep vai manter a limpeza das ruas próximas ao Palácio de Cristal com 40 pessoas durante o dia e 15 à noite. Além disso, vai deslocar 10 funcionários para fazer a manutenção dentro do local da festa da cultura japonesa. A coleta de lixo vai acontecer em três horários: 10h, 16h e 23h.


O trabalho da Comdep será similar ao já realizado durante dois grandes eventos na cidade: a Expo Petrópolis, no fim de abril, e a Bauernfest, que aconteceu na última semana de junho. Ao longo do ano, a Companhia já deu apoio a mais de 30 eventos no Centro, Quitandinha, Posse, Araras, Corrêas, Siméria, Serra Velha, Madame Machado, Itaipava, Quissamã e Carangola.

 

O setor de obras fez a montagem das 10 barracas desde de segunda-feira (07.08). Foram mobilizados 15 funcionários para fazer as instalações das estruturas que vão expor a cultura, a culinária e as tradições japonesas. A área de saneamento trabalhou para fazer a ligação de água para as barracas e melhorias para o banheiro do Palácio de Cristal.


Também foi feita pintura de postes da Rua Alfredo Pachá e da Montecaseros. As pontes próximas ao Palácio de Cristal, Praça da Confluência, na Avenida Piabanha e em frente à Bohemia também ganharam reforço de tinta nos últimos dias.


No período do Bunka-Sai, a Comdep terá novamente a barraca para falar de reciclagem e mostrar a importância da coleta seletiva e como isso pode ser feita no município. Os trabalhadores do Centro de Reciclagem de Cascatinha e do Ecoponto da Mosela vão se revezar nos dias da festa para mostrar peças de artesanato com tema japonês feito a partir de reaproveitamento de materiais e passar as informações que estarão disponíveis para o público.

 

Com a pasta mais próxima dos distritos, Comdep consegue ampliar a coleta de entulho nos bairros mais próximos do Centro

A divisão de trabalhos entre a Secretaria de Serviços, Segurança e Ordem Pública (SSOP) e a Comdep tem sido fundamental para deixar a cidade mais limpa. Em pouco mais de sete meses, mais de 70 mil toneladas de entulho foram removidas em Petrópolis. A pasta, sediada no distrito de Itaipava, consegue atender com mais agilidade os moradores de toda região. Com isso, a Companhia Municipal de Desenvolvimento de Petrópolis pode concentrar a atuação no primeiro distrito e em bairros mais próximos ao Centro.

Esta semana, por exemplo, o trabalho da SSOP está acontecendo em um trecho da Estrada União e Indústria, entre o Parque Municipal de Itaipava e Pedro do Rio. Neste período foram retiradas 115 toneladas de restos de obras, mato, móveis e eletrodomésticos. O serviço continua no quarto distrito de Petrópolis, avançando para a Comunidade Boa Vista (localidade conhecida como Bananeira) e também para o bairro Vila Rica.

O trabalho da SSOP é feito por funcionários, maquinário e caminhões da Força Ambiental, empresa que faz o recolhimento de lixo na cidade. A limpeza entre Itaipava e Pedro do Rio, foi feito por cinco homens, com o apoio de dois caminhões e um retroescavadeira. Paralelo ao trabalho executado nos distritos, a Força Ambientatambém retira entulho, removendo as caçambas de metal, que tem capacidade de cinco toneladas cada uma. Estes compartimentos servem justamente para o descarte dos chamados “resíduos volumosos”. Nesta quarta (09.08), esse serviço – neste caso coordenado pela Comdep - passou por ruas dos bairros Independência, Bairro Mauá, Quarteirão Brasileiro e Duarte da Silveira.

A Comdep também realiza a limpeza nos arredores do Centro. Nesta quarta (09.08), por exemplo, as equipes passaram pela Cel. Veiga, Barão do Rio Branco, Quarteirão Brasileiro, João de Deus, Max Molter, Cristóvão Colombo (Castelânea), Álvaro Lopes de Castro (Mosela), Rua Kopke (Duchas) e Duque de Caxias (Vila Militar).

Diariamente a Comdep utiliza cinco caminhões e duas retroescavadeiras para fazer a coleta do entulho. No total, são 11 pessoas, entre motoristas, operadores das máquinas e ajudantes, que fazem o serviço. Cada caminhão faz de três a quatro viagens por dia, conseguindo remover de 80 a 100 toneladas de detritos diariamente.

 Disque entulho retira materiais gratuitamente

Outro meio de remover os resíduos é pelo Disque Entulho. A Comdep faz em média 15 atendimentos por dia, retirando gratuitamente até 20 sacos de entulho a partir da coleta agendada. Para marcar uma data para passagem do caminhão, qualquer pessoa pode ligar para 2243-7822. O programa possui rotas fixas, mas moradores de qualquer bairro podem pedir o recolhimento – o serviço, que é voltado para quem gera pequena quantidade, vai ser programado de acordo com a disponibilidade.

O serviço facilita a vida da população, uma vez que sem a coleta, o entulho deve ser descartado no aterro de Pedro do Rio, como prevê o Código de Posturas. Quem é flagrado jogando esses detritos sobre ruas e calçadas recebe notificação e pode ser multado em R$ 800, além de ser intimado a fazer a remoção imediata.

 
 

 

Material de publicidade vira tela de proteção, tubos de ferros se transformam em corrimões e peças de lixeiras se tonam novas coletoras

 

Tela de proteção para corte de grama, corrimão, latas de tinta e lixeiras: tudo isso faz parte do dia a dia da Comdep. Porém, a Companhia tem reaproveitado vários materiais para o trabalho dos funcionários e utilização na cidade. O setor de obras da empresa é responsável por dar novas funções a itens que seriam completamente descartados, mas que acabam ajudando a economizar.


Um exemplo são os banners de divulgação dos shows da Expo Petrópolis. Depois do evento, eles não tinham mais utilidade, mas uma ideia de um funcionário acabou beneficiando as equipes que fazem corte de grama: elas foram usadas para as telas de proteção durante o serviço.


“Essa tela serve para que não voe pedrinhas ou outras coisas em cima das pessoas ou de carros. A gente tinha uma outra tela, que acabou furando. Então trouxe uma lona de casa para usar e funcionou. Depois, tiveram a ideia de usar esse material”, conta o funcionário Robson Amaral, que trabalha há 13 anos no corte de grama e há 17 anos na empresa.


Faz pouco mais de dois meses que os banners passaram a substituir as telas. Até agora, já são 26 grades de proteção (que mede 1,5 m de altura e dois metros de comprimento) feitas com esse material. Para se ter uma ideia, no mercado, uma tela simples com 1,5 m de altura e cinco metros de comprimento pode custar cerca de R$ 70.


Materiais de ferro trocados de quadras esportivas e do Instituto da Mulher (antigo Centro de Saúde) são reaproveitados para fazer a base de corrimões e guarda corpo de pontes. Latas de tinta (seja de alumínio ou de plástico, de que tamanho for) são higienizadas e usadas para a preparação de mudas que serão plantadas na cidade – especialmente de árvores.


Lixeiras também entram nessa conta. Até aqui, 145 coletoras de poste já foram recolocadas em diferentes pontos depois do reaproveitamento de peças. A Comdep também já está preparando quase 40 outras coletoras para ficarem à disposição dos petropolitanos. As lixeiras fixas também podem ser reaproveitadas – as partes de alumínio em bom estado são usadas para fazer novos equipamentos, que acabam ajudando a deixar a cidade limpa.


Pagina 1 de 19

DO

LDO 2018

LDO 2018

iptu

iluminacao

balcao empregos

plano compras

portal transparencia

licitacao

Concursos

Casa dos Conselhos

Casa dos Conselhos

ecidade

selo acesso informacao.fw