Quinta, 02 Agosto 2018 - 19:04

Prefeitura quer imediata volta às aulas

A Secretaria de Educação vai cortar o ponto dos professores e pessoal de apoio em greve que não cumprirem reposição das aulas. A informação foi dada à comissão de grevistas em reunião nesta quinta-feira (02.08) na prefeitura. A Educação também vai abrir processo disciplinar para levantar se as direções das escolas mantiveram unidades fechadas. Medidas legais também podem ser pedidas para que não haja interrupção de trânsito nas manifestações nas vias públicas como vêm ocorrendo com o fechamento das ruas pelos grevistas.

O governo assinala que não há dinheiro para recomposição salarial neste momento, mas permanece em diálogo para avançar em outros benefícios até que seja possível fazer reajuste. Em momento algum houve um cessar de negociação.

A gestão atual sinalizou com a apresentação do levantamento dos triênios, quinquênios e enquadramentos para estabelecimento de um cronograma para pagamento ainda neste semestre. O levantamento ficará pronto na próxima semana e será apresentad

A Secretaria de Educação vai cortar o ponto dos professores e pessoal de apoio em greve que não cumprirem reposição das aulas. A informação foi dada à comissão de grevistas em reunião nesta quinta-feira (02.08) na prefeitura. A Educação também vai abrir processo disciplinar para levantar se as direções das escolas mantiveram unidades fechadas. Medidas legais também podem ser pedidas para que não haja interrupção de trânsito nas manifestações nas vias públicas como vêm ocorrendo com o fechamento das ruas pelos grevistas.

O governo assinala que não há dinheiro para recomposição salarial neste momento, mas permanece em diálogo para avançar em outros benefícios até que seja possível fazer reajuste. Em momento algum houve um cessar de negociação.

A gestão atual sinalizou com a apresentação do levantamento dos triênios, quinquênios e enquadramentos para estabelecimento de um cronograma para pagamento ainda neste semestre. O levantamento ficará pronto na próxima semana e será apresentado em uma nova reunião com o Sepe. O acordo, no entanto, pressupõe a suspensão do movimento de paralisação, que deverá ser levada à próxima assembleia da categoria marcada para a sexta-feira com o retorno das aulas já na próxima semana.

O governo pontua que o esforço atual é manter os salários em dia frente a uma folha de pagamento que chega a R$ 525 milhões anualmente. Mais de uma dezena de cidades colocaram os servidores em estado de penúria com atrasos nos vencimentos por meses. Até mesmo o governo estadual levou mais de um ano e dependeu de recursos federais para deixar o salário do funcionalismo minimamente em dia. Em Petrópolis, os salários estão rigorosamente em dia, apesar da crise local e crise nacional e todo esforço do governo é que assim permaneçam.

Durante a reunião, o governo reafirmou as portas abertas para o diálogo com a categoria e que vem empenhando todos os esforços para garantir a recuperação econômica do município. A prefeitura está regularizando todas as pendências que as antigas gestões acumularam. Reafirma o compromisso com os servidores da categoria, mas também há o compromisso com a população que não pode ser penalizada por conta da greve.

Rose Silveira, do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe), que integrou a comissão representando os grevistas, lembrou dos mais dos mais de 200 inquéritos contra servidores que a atual administração arquivou. “Existe interesse dos professores em voltar para a sala de aula e tudo o que foi discutido será levado para assembleia”, destacou.

o em uma nova reunião com o Sepe. O acordo, no entanto, pressupõe a suspensão do movimento de paralisação, que deverá ser levada à próxima assembleia da categoria marcada para a sexta-feira com o retorno das aulas já na próxima semana.

O governo pontua que o esforço atual é manter os salários em dia frente a uma folha de pagamento que chega a R$ 525 milhões anualmente. Mais de uma dezena de cidades colocaram os servidores em estado de penúria com atrasos nos vencimentos por meses. Até mesmo o governo estadual levou mais de um ano e dependeu de recursos federais para deixar o salário do funcionalismo minimamente em dia. Em Petrópolis, os salários estão rigorosamente em dia, apesar da crise local e crise nacional e todo esforço do governo é que assim permaneçam.

Durante a reunião, o governo reafirmou as portas abertas para o diálogo com a categoria e que vem empenhando todos os esforços para garantir a recuperação econômica do município. A prefeitura está regularizando todas as pendências que as antigas gestões acumularam. Reafirma o compromisso com os servidores da categoria, mas também há o compromisso com a população que não pode ser penalizada por conta da greve.

Rose Silveira, do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe), que integrou a comissão representando os grevistas, lembrou dos mais dos mais de 200 inquéritos contra servidores que a atual administração arquivou. “Existe interesse dos professores em voltar para a sala de aula e tudo o que foi discutido será levado para assembleia”, destacou.

Notícias por data

« Agosto 2019 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  

Alvará Online - BANNER

Casa dos Conselhos

DO

iptu

turispetro

iluminacao

balcao empregos

plano compras

portal transparencia

licitacao

Concursos

Casa dos Conselhos

ecidade

jrestaurativa

gabinete cidadania.fw

cpge

EOUVmunicipios

selo acesso_informacao.fw

cmv-logo

Relatorio CMVP