Segunda, 25 Fevereiro 2019 - 11:19

Petrópolis tem mais de 5 mil moradias em projetos para classe média

Petrópolis tem mais de 5 mil moradias em projetos para classe média

O índice de confiança da construção civil medido pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/Ibre) atingiu, em dezembro, o maior patamar do levantamento desde o fim de 2014 (85,5 pontos, numa escala até 100). Reflexo de uma economia que vem aquecendo e da expectativa gerada pela mudança nos cenários políticos a nível federal e estadual. Nesse contexto, a classe média está retomando o investimento, especialmente na área habitacional, o que já está impulsionando o setor. Atualmente, a prefeitura tem 18 projetos de empreendimentos sendo analisados, já autorizados ou em fase de obras, que somam 5.207 unidades voltados para essa camada.

Mas esse número vai aumentar: a Secretaria de Obras já foi procurada por empreendedores interessados em construir mais 1.050 moradias em quatro projetos. Eles ainda não foram apresentados, mas já foram feitos os primeiros contatos para sabe quais sãos os procedimentos e exigências legais e do município.

Esses empreendimentos são financiados pelo programa Minha Casa Minha Vida e são destinados para quem tem renda familiar de até R$ 4 mil. A Secretaria de Obras estima uma movimentação de quase R$ 900 milhões nessa área.

Em termos de empregos, é uma cadeia de produção que envolve de 1,5 mil a 2 mil pessoas, com a construção servindo como um dos motores da economia.Os novos empreendimentos que estão surgindo representam a construção de moradias seguras, que vão dar qualidade de vida para essas pessoas. É uma forma de reduzir as construções irregulares na cidade.

Minha Casa Minha Vida como fator de equilíbrio de demanda e oferta

A retomada do setor começa a ser percebida depois um período de forte desaceleração. No país, o lançamento de imóveis subiu 30,1% no terceiro trimestre de 2018 na comparação com o mesmo período no ano anterior. E esse movimento também ocorre em Petrópolis.

“Um imóvel que em 2009 foi vendido na cidade entre R$ 90 mil e R$ 120 mil, em 2014 estava sendo oferecido por R$ 450 mil a R$ 500 mil. A classe média não acompanhou, e foi isso que causou a bolha imobiliária. Nesse cenário, surgiu o Minha Casa Minha, que tem preços para a classe média a partir de R$ 160 mil a R$ 195 mil, dentro da realidade dessa classe. Está mais adequado ao mercado, o Minha Casa Minha Vida conseguiu dar um equilíbrio. E é por isso que a demanda está começando a aquecer e os empreendimentos estão começando a surgir”, analisa o coordenador do Grupo de Análise de Empreendimentos (GAE), Ernane Dias.

Soma-se a isso a retomada do emprego, que apresentou resultado positivo na cidade em 2018 (251 vagas criadas), interrompendo três anos de números negativos. E o emprego é um dos fatores influenciam, segundo a FGV/Ibre, a confiança do consumidor, que também atingiu o melhor resultado desde 2014 (96,6 pontos numa escala até 100).

Recuperação do mercado

No mercado, a retração entre o ápice do setor imobiliário em 2014 e o ano passado rondou na casa de 1/3 em Petrópolis. Mas a expectativa é de recuperação a partir de agora e conquistar, nos próximos cinco anos, a metade do que foi perdido.

“A gente diz que o “telefone voltou a tocar”. É uma cadeia de expectativas, pela reforma da previdência, pela organização financeira do estado do Rio, o que vai impactar na indústria do petróleo e beneficiar todo estado. E essas expectativas é que fazem deslanchar os investimentos. Aqui na cidade, a gente tem se preparado aqui tirando os projetos da gaveta e se tudo realmente acontecer como se espera, a perspectiva é ainda melhor para o segundo semestre”, considera o presidente da Sola Construtora, Sauro Sola.

A empresa já está com dois empreendimentos em construção, um em Corrêas e outro em Nogueira. No primeiro, todas as 336 unidades já estão vendidas e tem previsão de entrega para maio. A segunda começou as obras há apenas seis meses, mas mesmo assim tem 65% dos 300 apartamentos já comprados, e serão finalizados em dois anos. Só nestes dois casos, o investimento é de R$ 75 milhões, gerando 300 empregos diretos.

Trabalho do GAE

Todos esses projetos passam pelo Grupo de Análise de Empreendimentos, composto pelas secretarias de Obras, Gestão Estratégica, Meio Ambiente, Assistência Social, CPTrans e Comdep. É nesse grupo que são discutidos, junto com os empreendedores, soluções para o impacto que as novas moradias vão gerar para a vizinhança e para a malha viária.

Notícias por data

« Setembro 2019 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            

Alvará Online - BANNER

Casa dos Conselhos

DO

iptu

turispetro

iluminacao

balcao empregos

plano compras

portal transparencia

licitacao

Concursos

Casa dos Conselhos

ecidade

jrestaurativa

gabinete cidadania.fw

cpge

EOUVmunicipios

selo acesso_informacao.fw

Relatorio CMVP

cmv-logo