Mesa redonda reuniu mais de 100 pessoas

"A escola como protagonista na prevenção e promoção da Saúde Mental". Esse foi o tema da mesa redonda realizada pelo Departamento de Educação Especial e pela Assessoria em Psicologia Escolar, da Secretaria de Educação, nessa semana na UCP. Mais de 100 pessoas participaram do evento entre servidores da rede municipal de Educação e da Saúde, estudantes de pedagogia e Psicologia.

O evento contou com palestras sobre: “Saúde Mental no ambiente escolar”, com o psicólogo Rui Carlos Stockinger; “Processos Psicossociais em Saúde com ênfase nos estudos sobre violência escolar e bullying”, com a psicóloga Dra. Luciana Xavier Senra e “Mediação Escolar”, com a coordenadora do Programa Petrópolis da Paz, Elsie Elen Carvalho.

A mesa redonda possibilitou um momento de reflexão, acerca do papel da escola contemporânea. “Verificamos, de fato, a teoria associada a prática, por meio da fundamentação teórica e da pesquisa de campo. Refletimos também, sobre nosso papel como educadores e a necessidade em desempenhar um trabalho humanizado no espaço escolar", explicou a responsável pelo Departamento de Educação Especial, Bianca Caetano.

Inauguração aconteceu no Palácio Sérgio Fadel, que ficou na cor da Campanha

O Palácio Sergio Fadel ganhou, nesta quinta-feira (04.10), a cor da campanha Outubro Rosa, que promove o incentivo à prevenção e ao diagnóstico precoce do câncer de mama. Esta é a 10ª edição da campanha, que foi aberta oficialmente na sede do executivo municipal com a presença de cerca de 300 pessoas. O Outubro Rosa é uma realização da prefeitura e da Associação Petropolitana dos Pacientes Oncológicos (APPO).

É uma grande honra poder contar com a APPO nesta parceria que tem uma causa muito importante: a prevenção ao câncer de mama. A Associação vem fazendo um trabalho muito belo neste sentido. O município também tem trabalhado para ampliar o acesso a consultas e exames de mamografia. Também já conquistou emenda parlamentar para a compra de um mamógrafo digital, que será mais uma ferramenta na luta pelo diagnóstico precoce da doença.

Seguindo a objetivo da campanha, a Secretaria de Saúde tem reforçado junto às equipes de Atenção Básica a importância da conscientização e promoção da Saúde da Mulher, com capacitação dos profissionais e ampliação do número de atendimentos, principalmente na oferta de exames de mamografias. Em 2018, de janeiro a agosto, foram realizados 7.471 exames de mamografia no município. Somente no Hospital Alcides Carneiro (HAC), foram mais de 3 mil exames. A tendência é que o número deste ano ultrapasse o de 2017, quando foram feitos 8.988 exames em toda rede da Saúde.

“O Ministério da Saúde indica que o município realize pouco mais de 10 mil mamografias em um ano. De quatro anos para cá, temos aumentado a oferta e nos aproximando desta meta. Antes, o Petrópolis chegava a 50%, 60% desta meta. Neste ano, já passamos de 70% e estamos perto de chegar ao que o Ministério da Saúde estipula. Isto pode ser explicado pela melhor capacitação dos nossos profissionais e pela conscientização da população, que está entendendo cada vez mais a importância de se prevenir”, destacou a secretária de Saúde, Fabiola Heck.

Como mais uma ação da Secretaria de Saúde, 380 mulheres já estão agendadas para ser atendidas em um mutirão de consultas no HAC, neste sábado (06.10). Este será o nono realizado este ano. Mais uma vez, a ação vai ser realizada no Ambulatório da unidade, que vai oferecer consultas em seis especialidades: 160 atendimentos de ginecologia pré-operatória, 50 de dermatologia e 50 de proctologia, além de neurologia, oftalmologia e cardiologia (40 cada).

A abertura da 10ª edição do Outubro Rosa teve início com show da cantora Milla, que foi acompanhada pelo músico Guido Martini, seguido da apresentação dos secretários de governo e demais autoridades presentes. O evento teve sequência com a benção do diácono da Catedral São Pedro de Alcântara, Luciano Schmidt, e do pastor da Igreja Luterana, Elton Potin, além da apresentação da madrinha desta edição, Nídia Hammes, que há oito anos doa malhas para a confecção das camisas da campanha.

Após a contagem regressiva conduzida pelo prefeito Bernardo Rossi, foi inaugurada a iluminação especial do Palácio Sergio Fadel. O encerramento foi com o Grêmio Recreativo Bloco Carnavalesco Guerreiros da Vinte, que apresentou a música tema da campanha deste ano.

“Temos percebido os esforços do município para oferecer um melhor atendimento a pacientes com câncer. Neste ano, por exemplo, recebemos pela primeira vez uma equipe do Inca 4, que vai capacitar os profissionais do HAC em cuidados paliativos. A unidade também vem implementando o serviço de capelania na unidade, como forma de dar um apoio espiritual para pacientes. Temos que divulgar estas coisas boas que acontecem em prol da população”, disse Ana Cristina Mattos, presidente da APPO.

A programação do Outubro Rosa terá sequência com ação voltada para o atendimento de mulheres e caminhada no Sesc de Nogueira, no próximo sábado (06.10), e com o Bazar da APPO, entre os dias 8 e 10, na Casa de Apoio da Associação. No dia 9, haverá a inauguração da iluminação dos demais atrativos turísticos, às 19h, na Câmara de Vereadores. Está marcado para o dia 27 a tradicional Caminhada do Outubro Rosa. Ela vai acontecer às 15h, pelas ruas do Centro Histórico.

A Sífilis, uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST), voltou a ser considerada uma epidemia nacional e os índices notificados em Petrópolis acompanham o crescimento registrado no Brasil. No município, os dados chamam a atenção para o crescimento da doença detectada em gestantes. Os últimos registros do mês de setembro de 2018, feitos pelo Programa Municipal de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) Aids e Hepatite B e C, apontam que o número de casos já ultrapassou em 50% em relação ao ano de 2017 inteiro. Para combater a epidemia, os profissionais da saúde do município têm reforçado o trabalho de conscientização, identificação e tratamento da doença.

Em nove meses de acompanhamento em 2018, os registros já chegavam a 42 casos, enquanto em todo ano de 2017, foram constatadas 28 pessoas infectadas. O elevado índice detectado em gestantes é preocupante, tendo em vista que se a doença não for tratada, gera aumento de casos da sífilis congênita, que é quando há a transmissão da doença da mãe para o bebê. Os efeitos da doença nos recém-nascidos podem gerar sequelas definitivas para a vida das crianças.      

No Brasil, os dados do Ministério da Saúde em último relatório de 2016, já apontava um crescimento dos registros da doença. De acordo com o relatório, a sífilis adquirida, que teve sua notificação implantada em 2010, teve sua taxa de detecção aumentada de 2,0 casos por     100 mil habitantes em 2010 para 42,5 casos por 100 mil habitantes em 2016. Pelo levantamento, os estados do Sudeste são os que mais apresentam o crescimento. Dos 87.593 registros de 2016, 53,5% foram detectados nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. O Rio de Janeiro já ocupava a terceira posição do ranking depois de São Paulo e Minas Gerais.

De acordo com as profissionais do Programa Municipal de IST/Aids, esse aumento de casos se agravou em 2016. E, além da prática da atividade sexual sem proteção, o preconceito e a falta de informações, são fatores que muitas vezes levam as pessoas a não se tratarem e, com isso, a doença se instala no organismo, deixando sérias sequelas e no caso dos bebês, até a morte. A Sifilis é uma doença curável e pode apresentar várias manifestações clínicas, em diferentes estágios (sífilis primária, secundária, latente e terciária). Nos estágios primário e secundário da infecção, a possibilidade de transmissão é maior.

A partir dos atendimentos feitos pelo Programa de IST no município, observa-se a presença da doença em adolescente que já começam a vida sexual infectados. “Estamos observando os adolescentes começando a atividade sexual cada vez mais cedo e com falta de informação, que leva à falta de prevenção, acabam sendo infectados”, destaca enfermeira, Coordenadora Geral de Áreas Técnicas de Saúde, Patrícia Ramos Pereira.

A doença apresenta os primeiros sinais de forma muito discreta, com o surgimento de feridas no órgão sexual, que podem sumir em até 10 dias. O que faz com que muitas pessoas não se atentem para a gravidade e não busquem atendimento. “Como os sintomas do primeiro estágio da doença somem, as pessoas acham que se trata de uma simples alergia e não buscam tratamento, mas é aí que está a gravidade, a doença continua evoluindo no organismo e daí, passa para o segundo estágio, que começa a gerar mais complicações”, explica a enfermeira.

Se não tratada a doença pode causar danos irreparáveis

Se não diagnosticada logo no primeiro estágio, a doença continua evoluindo no organismo e pode não se manifestar por um tempo. Em até um ano, a pessoa infectada pode começar a apresentar lesões na pele, que podem afetar a planta das mãos, a sola dos pés e manchas pelo corpo, que não chegam a ser feridas, mas podem deixar cicatrizes. “Nessa fase muitas pessoas confundem com reações alérgicas, melhoram e assim, acabam não procurando tratamento”, conta a enfermeira, destacando que a partir desse estágio, a doença evolui para o estágio terciário.

A sífilis terciária, se não tratada, pode durar trinta anos no organismo. Nessa fase, a doença começa a atingir o sistema imunológico, podendo apresentar várias complicações, entre as quais as neurológicas e outros comprometimentos como ocular e ósseo. “Todas as fases têm tratamento, mas a terciária pode deixar sequelas e isso ganha maior gravidade com a possibilidade da transmissão de mãe para filho”, ressalta Patrícia. Quando a doença não é detectada na gravidez, o bebê já nasce com manchas pelo corpo, pode ter comprometimento ocular, auditivo, ósseo, cardíaco e neurológico: “o bebê, quando sobrevive, já nasce com a doença na fase terciária, com lesões que não se recuperam, ficando com sequelas”.

Durante o pré-natal, já há regulamentação que determina a realização do exame específico para a detecção da doença no início, no meio e no final da gestação. “É muito comum as gestantes se contaminarem durante a gravidez, por isso a necessidade do exame durante o período gestacional”, explica Patrícia, reforçando que o trabalho de conscientização é feito de forma intensificada entre as mulheres, mas os homens também são foco: “a gente se preocupa com a adesão ao tratamento principalmente por parte do homem, que não se trata, não se envolve. O homem é um transmissor em potencial, pois muitas vezes a mulher se trata e o parceiro a reinfecta”.  

Tratamento simples e disponível

A penicilina, o medicamento indicado para o tratamento é   disponibilizado pela rede pública. Ao chegar nos postos de atendimento, como na sede do programa, localizada em prédio ao lado do Municipal Nelson Sá Earp, as pessoas são orientadas, podem fazer o teste rápido e já recebem as primeiras orientações. Pelo teste rápido, que fica pronto em até 30 minutos, é possível se saber se a pessoa está infectada e havendo indicação positiva, são direcionadas para fazer o exame de sangue mais detalhado, que indica em qual estágio de evolução está a doença e a partir daí, começa o tratamento adequado.

O Programa IST/Aids realiza palestras através do projeto Fique Sabendo, que faz orientações todas as quartas, das 12h às 19h; e sextas das 7h30 às 12h, na sede do programa. As palestras também são feitas em escolas e empresas. Os testes rápidos também são disponibilizados nas unidades de saúde do município.

O II Seminário de Prevenção da SAF (Síndrome Alcoólica Fetal) foi realizado na manhã desta terça-feira (26.11) no pavilhão de ensino do Hospital Alcides Carneiro (HAC). Durante o evento, a secretária de saúde Fabíola Heck recebeu o anteprojeto SAF Petrópolis da coordenadora do Programa de Políticas sobre Drogas, Leandra Iglesias. O projeto visa ampliar o trabalho de prevenção e orientação que já vem sendo desenvolvido no Centro de Saúde Coletiva. Estima-se que dez em cada 1.000 nascidos vivos sejam afetados pela síndrome.

Desde 2018, grávidas que fazem o pré-natal no Centro de Saúde coletiva já recebem orientações sobre os danos ao feto e também ao futuro indivíduo com a ingestão de álcool em qualquer fase da gestação. Além disso, 70 profissionais da Atenção Básica já foram capacitados para atuar junto às gestantes. O programa está em fase inicial de desenvolvimento no Ambulatório Escola daFMP/FASE, em Postos de Saúde da Família e também no Hospital Alcides Carneiro. Petrópolis foi a primeira cidade da América Latina a ganhar uma semana dedicada ao tema. A Lei 6.641 é de autoria do prefeito, quando foi vereador.  

O evento teve como palestrante convidado o médico José Mauro Braz de Lima, professor de Medicina da UFRJ e diretor geral científico da Associação Brasileira de Álcool e Drogas que falou sobre os danos ao indivíduo antes de nascer até o fim de sua expectativa de vida. “Naturalmente temos que ter esse olhar, na saúde, na educação, na justiça. Mas também temos que ter o olhar econômico, quanto custa isso pra sociedade?”, questionou. Diferentes de outras síndromes e acometimentos na saúde, o médico ressaltou que a SAF é 100% previsível, justificando desta forma o investimento em prevenção.

Segundo Leandra Iglesias, a Síndrome Alcoólica Fetal, é caracterizada por um conjunto de sinais e sintomas apresentados pela criança decorrentes da ingestão de álcool pela mãe durante a gravidez. O que pode acarretar diversos problemas futuros para o indivíduo, desde a má formação de órgãos aos problemas de aprendizagem, retardos e até microcefalia.

O novo sistema de informatização da rede municipal de saúde foi pauta nesta semana de reunião no Hospital Alcides Carneiro, com a presença do prefeito Rubens Bomtempo, os secretários de Saúde e Ciência e Tecnologia, André Pombo e Aírton Coelho, diretores do HAC, a diretora da Faculdade de Medicina de Petrópolis e Faculdade Arthur Sá Earp Neto (FASE), Maria Isabel Sá Earp, e o diretor-presidente da Eco Empresa de Consultoria e Organização de Sistemas e Editoração Ltda, Marco Aurélio Duarte da Silva.

“Temos o desafio de construir um novo modelo de saúde, com uma perspectiva melhor para 2014. Esse sistema vai permitir qualificar a rede municipal de saúde, garantindo agilidade no atendimento aos pacientes”, destacou Rubens Bomtempo, acrescentando que, este ano, estão previstos mais de R$ 15 milhões em investimentos na saúde. “São recursos provenientes do co-financiamento do estado, dos royalties e das emendas parlamentares que estamos destinando para a área da saúde”, explicou.

O projeto de informatização é inovador e está sendo implantado pela primeira vez no município. Além de agilizar o atendimento ao paciente com a criação do prontuário eletrônico, o sistema também irá aperfeiçoar a rede. Permitirá o acompanhamento em tempo real dos contratos e contratualizações e dos gastos com pacientes de outros municípios, além de facilitar o controle dos medicamentos e equipamentos disponibilizados pela rede.

A diretora da Fase, Maria Isabel de Sá Earp, considerou o processo de informatização audacioso, fundamental e acessível. Para o secretário de Ciência e Tecnologia, este é o melhor momento para a implantação do sistema, uma vez que a unidade passará por uma grande reforma. “Temos que aproveitar este momento, quando o hospital vai iniciar um processo de reestruturação”, destacou.

A implantação do projeto será dividida em três partes: infraestrutura, sistemas e capacitação dos recursos humanos. A estrutura será montada em 78 unidades (entre postos de saúde, unidades básicas, centros de especialidades, setores da secretaria de saúde e urgências) e contará com 72 pontos de conexão, 344 pontos de rede lógica, 274 estações de trabalho e 189 impressoras. O sistema estará interligado às centrais de regulação de leitos, de consultas e de exames; das urgências e emergências; da gestão de materiais; e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

A rede de urgência e emergência (Hospital Alcides Carneiro, Hospital Municipal Nelson de Sá Earp, Pronto Socorro do Alto da Serra, UPA´s Cascatinha e Centro e serviços de pronto atendimento da Posse e Pedro do Rio) será a primeira a receber o sistema, seguindo depois para a rede de atenção básica. “A implantação já está acontecendo, e de forma bem rápida. Da secretaria de Saúde, por exemplo, já consigo ter acesso aos dados das UPA´s e ver, em tempo real, como estão os atendimentos nessas unidades”, disse o secretário de Saúde.

Um ano e oito meses após ter sido iniciado, o sistema de informatização na área da saúde já chegou a quase 100% das unidades da rede municipal. Postos e centros de saúde, hospitais, emergências e almoxarifado já estão informatizados. O sistema, além de agilizar o atendimento ao paciente com a criação do prontuário eletrônico, também irá aperfeiçoar o funcionamento da rede, permitindo o acompanhamento em tempo real dos contratos e das contratualizações e dos gastos com pacientes de outros municípios, além de facilitar o controle dos medicamentos e equipamentos disponíveis no sistema público do município.

“O sistema está funcionando e permitindo que toda a rede se integre. O importante agora é fazer com que os profissionais que atuam no sistema se apropriem desse mecanismo, que está permitindo a construção de um novo modelo de saúde em Petrópolis”, afirmou o prefeito Rubens Bomtempo, acrescentando que até o fim do mês os equipamentos começarão a ser instalados no último posto de saúde a ser informatizado, no Bonfim. “A rede conveniada também será integrada. Onze unidades já fazem parte do sistema”, lembrou o prefeito.

O secretário de Saúde, André Pombo, destacou a importância destas conquistas. “Neste período de implantação do sistema vencemos várias barreiras, incluindo as dificuldades topográficas e também a resistência das equipes à utilização do novo modelo. Muitos funcionários há anos trabalham de outra forma e é claro que houve grande dificuldade no início. Aos poucos estamos avançando, superando as barreiras uma a uma. A parceria com a Eco (empresa responsável pela implantação do sistema de informatização) tem sido fundamental para que alcancemos 100% das nossas unidades”, ressaltou. O diretor-presidente da Eco, Marco Aurélio Duarte da Silva, também destacou a parceria e a integração com departamentos da rede municipal de saúde. “A estrutura que foi montada permitiu evoluirmos na concretização do projeto. O trabalho em conjunto foi fundamental”.

Além da informatização das unidades de saúde, o sistema está implantado nas centrais de regulação de Leitos e Consultas. Até o momento, mais de 56 mil consultas e quase quatro mil exames foram agendados pelo sistema. Cem por cento das consultas de especialidades e dos leitos dos SUS também estão sendo regulados pelo sistema.

A Prefeitura acaba de dar mais um grande passo para organizar melhor o sistema de agendamento de consultas e exames na rede pública de saúde no município: a Secretaria de Saúde já envia aos pacientes, por SMS (Short Message System), informações sobre datas e horários agendados pela Central de Regulação Ambulatorial. Com a ação, o município conclui mais uma etapa do sistema de informatização da rede implantada pela Prefeitura, por meio das secretarias de Saúde e de Ciência e Tecnologia. Diariamente, o sistema envia em média 1.100 mensagens de texto informando o horário, local e dia do exame ou consulta.

“O envio do SMS é mais uma passo do sistema de informatização, que está trazendo mais comodidade ao paciente. Agora, ele não precisa se deslocar de um lado para o outro para marcar as consultas e exames. Dentro do posto de saúde, o paciente tem o nome inserido na Central de Regulação Ambulatorial e, assim que o agendamento é feito, ele recebe a mensagem de texto com as informações de data e horário. É um avanço dentro da rede de saúde municipal e um passo importante para um sistema mais organizado”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.

Os pacientes também podem responder o SMS. Estas respostas chegam para uma caixa de correio eletrônico e são avaliadas pela equipe da secretaria. O casal Maria Thereza Saraiva e Wilson Fischman Chazan adorou o novo sistema e fez questão de responder o SMS, elogiando o serviço. “Quando recebi pela primeira vez achei que era mentira. Como que a Prefeitura ia mandar uma mensagem informando minha consulta? Então resolvi ligar para a secretaria e me disseram que estava correto e que agora iria receber as mensagens informando minhas consultas e exames. Fiquei muito feliz”, disse a aposentada.

A moradora do Quissamã, Maria Ademilde de Freitas Melcado, também é só elogios para o novo serviço. “Eu fiz questão de responder, dizendo que achei o serviço muito eficiente”, ressaltou. Para o morador de Cascatinha, João Honório dos Reis o envio das mensagens de texto é mais prático para o paciente. “Dei os parabéns quando recebi a mensagem. Foi uma ótima iniciativa”, frisou.

Além das mensagens de texto, os pacientes também são informados das consultas e exames por telefone. “Estamos modernizando a comunicação com o paciente. O sistema de informatização é um avanço dentro da nossa rede”, ressaltou o secretário de saúde André Pombo. “Além de tornar a rede mais organizada, é importante informar ao paciente a data e o horário da sua consulta e exame para que ele não esqueça de comparecer, pois isto é fundamental para não perdermos agendas e otimizar o uso dos recursos da rede de saúde”, lembrou o secretário de Ciência e Tecnologia, Airton Coelho.

A informatização da rede municipal de saúde teve início há um ano e dez meses, e, neste período, o sistema já chegou a quase 100% das unidades. Postos e centros de saúde, hospitais, emergências e almoxarifado já estão informatizados. O sistema, além de agilizar o atendimento ao paciente com a criação do prontuário eletrônico, também irá aperfeiçoar o funcionamento da rede, permitindo o acompanhamento em tempo real dos contratos e das contratualizações e dos gastos com pacientes de outros municípios, além de facilitar o controle dos medicamentos e equipamentos disponíveis no sistema público do município.

Todos os veículos a serviço da rede pública de saúde passam a ser rastreados

A Secretaria de Saúde amplia o sistema de monitoramento dos serviços e agora atua com o rastreamento de todos os veículos a serviço da rede pública de saúde. Os 50 veículos entre ambulâncias, veículos administrativos para transporte de carga e pacientes, passam a ser controlados 24 horas. A medida visa qualificar do serviço e vem somar às ações para melhor controle de gastos. Com baixo custo de manutenção, o sistema, que prevê investimento de R$ 1,5 mil por mês, contribuirá para o aumento na economia com combustível, que poderá chegar até 60% no comparativo com 2016.

A partir da nova gestão, algumas medidas de controle para a manutenção da qualidade dos serviços e redução de gastos, vem sendo tomadas. No que se refere aos veículos da Secretaria de Saúde, desde que foi adotado o controle detalhado de logística, já se alcançou uma redução de 50% de gastos com combustíveis. Em 2018, o gasto foi de R$ 610 mil, enquanto na gestão anterior foi registrado um gasto de R$ 1,2 milhão para abastecer os automóveis.

O sistema de rastreamento dos veículos, feito por GPS (satélite) ou GPRS (telefone), possibilita o controle em tempo real dos carros usados a serviço da Secretaria de Saúde. Além das 12 ambulâncias monitoradas, outros 38 veículos administrativos, para o transporte de carga e de pacientes, são acompanhados. Diariamente são traçadas as rotas e serviços a serem feitos por cada veículo. Uma Central de Monitoramento foi criada, onde um profissional verifica em tempo real o cumprimento dos percursos, evitando que os carros saiam das rotas definidas, dando maior controle sobre o uso de combustível.

O serviço ainda possibilita o controle da condução responsável dos automóveis. Um alerta é acionado quando a velocidade máxima permitida é ultrapassada. Dentro do perímetro urbano, os veículos são programados a andar a 50 km/h e em rodovias o limite é de 90 km/h. O novo sistema regula todo o setor de transporte evitando o uso indevido dos veículos a serviço da rede pública.

Para os veículos, controle de velocidade é válido inclusive para as 12 ambulâncias, para as quais é dada a flexibilidade apenas para a mudança da rota para o transporte do paciente, visando garantir a agilidade no atendimento. O sistema de rastreamento vai contribuir para a responsabilização do motorista em caso de multas. “Já vínhamos adotando várias medidas de controle dos veículos, mas para algumas situações o controle era dificultado. No caso das multas, por exemplo, era difícil responsabilizar o motorista infrator. Agora o sistema nos mostra quem estava conduzindo o veículo e nos comprova a má conduta”, destaca do superintendente administrativo financeiro, Diego Marcelino Oliveira.

Quinta, 27 Novembro 2014 - 09:34

STJ mantém o Sehac

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Francisco Falcão, proferiu na última semana uma importante decisão para o Hospital Alcides Carneiro (HAC): ele suspendeu todos os efeitos da liminar da 2º Vara Federal de Petrópolis, que determinava a extinção do Serviço Social Autônomo do Hospital Alcides Carneiro (Sehac), até o julgamento da sentença de mérito da ação, quando não houver mais nenhuma possibilidade de recurso. A medida garante a manutenção de mais de 600 empregos e permite que mais avanços e investimentos sejam realizados no hospital, melhorando o atendimento à população.

Na decisão, o ministro ressalta que a “saúde do município sofrerá grave impacto” sob os efeitos da decisão da 2º Vara Federal de Petrópolis. Em um dos trechos do texto ele argumenta que “os atuais 607 funcionários do hospital são contratados pelo Sehac e não contam para o cálculo da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Portanto, o impacto orçamentário da contratação dos serviços públicos, diretamente pela Secretaria Municipal de Saúde, é manifesto e proporcionará grave lesão à economia pública”.

Por fim, o presidente do STJ também se mostra preocupado com a manutenção dos serviços prestados no hospital: “em consequência, serão demitidos os 607 funcionários que lá trabalham sob o regime de CLT. São diretores, gerentes e funcionários que conhecem os trâmites administrativos do hospital, sabem manusear os equipamentos disponíveis, são conhecidos pela população e possuem experiências em situações de emergências”.

Uma equipe técnica da Secretaria de Estado de Saúde esteve hoje (19/9) em Petrópolis visitando os hospitais municipais e as unidades da rede conveniada. Foram vistoriados os hospitais Alcides Carneiro e Nelson de Sá Earp; além do Santa Teresa e do Sanatório Oswaldo Cruz.

A visita contou com a presença da subsecretária de Estado de Saúde, Monique Fazzi. “Essa visita técnica é o desdobramento de um encontro ocorrido entre o secretário de Estado Sérgio Côrtes e os secretários e prefeitos da Região Serrana. Estamos visitando todas as unidades da região com o objetivo de traçar um diagnóstico de toda a rede”, disse.

O relatório das visitas será encaminhado ao secretário de Estado de Saúde Sérgio Côrtes e um novo encontro com os secretários municipais e prefeitos da Região Serrana será convocado. “Com base nesses dados vamos construir projetos e ações para a Região”, informou Monique Fazzi.

A subsecretária visitou todas as instalações do HAC, incluindo os novos espaços – Centro de Diagnóstico (inaugurado em agosto) e o setor de emergência (reaberto em julho) – a maternidade, a pediatria e a UTI Neo Natal. Durante a visita o secretário de Saúde, André Pombo falou sobre o convênio com o governo do Estado, por meio do programa Somando Forças.

Com os recursos do convênio – cerca de R$ 6 milhões – serão reformados os setores da pediatria, maternidade, clínica cirúrgica, enfermaria da clínica médica e a portaria. Com a reforma serão criados no hospital aproximadamente 60 novos leitos; além de proporcionar uma melhor organização, conforto e um atendimento mais humanizado.

Alvará Online - BANNER

Notícias por data

« Janeiro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    

Alvará Online - BANNER

Casa dos Conselhos

DO

Cadastro da inscrição do IPTU para crédito da Nota Imperial

turispetro

iluminacao

balcao empregos

plano compras

portal transparencia

licitacao

Concursos

Casa dos Conselhos

ecidade

jrestaurativa

gabinete cidadania.fw

cpge

EOUVmunicipios

selo acesso_informacao.fw

Relatorio CMVP

cmv-logo