Capacitação sobre boas práticas para serviço de alimentação ocorre dia (26)

Os profissionais que atuam na área de alimentação poderão ser capacitados de graça em um curso promovido pela prefeitura no dia 26 de fevereiro. Estão abertas as inscrições para a capacitação sobre as boas práticas de manipulação de alimentos que corre de 9 às 13h no Auditório do Centro de Saúde, na rua Santos Dumont, 100. Centro. São 60 vagas disponíveis onde o trabalhador aprenderá como manipular alimentos de forma segura e com menos risco sanitário para o público. Para se inscrever basta enviar o nome completo para o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . As inscrições também poderão ser realizadas no dia do curso.

Essa é primeira capacitação promovida este ano com a integração entre as Secretarias de Saúde e de Desenvolvimento Econômico, onde 309 profissionais já foram capacitados em 2017 sobre as normas de segurança, vigilância e qualidade dos alimentos comercializados junto à população. De acordo com Dayse Carvalho, coordenadora da Vigilância Sanitária, durante o encontro, os participantes receberão o treinamento de acordo com as recomendações da RDC Anvisa 216 de 2004.

“A proposta é mostrar as formas seguras de atuar no segmento. O curso vai desde a aquisição do alimento, preparo, transporte, até a conservação dos alimentos crus, em conserva ou já prontos, além da forma de servir para o comércio. Iniciamos essa parceria na Bauernfest e já estamos montando o calendário dos cursos que agora só retorna em fevereiro de 2018”, explica Dayse Carvalho, coordenadora da Vigilância Sanitária.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Elisabeth Wildberger, alerta que o curso é uma forma dos profissionais se conscientizarem sobre os riscos sanitários envolvidos na comercialização de alimentos, como por exemplo, provocar ao consumidor uma intoxicação alimentar.

“O objetivo é diminuir o risco sanitário dessa atividade, sensibilizar o prestador de serviço de alimentação que não basta apenas oferecer uma comida gostosa e nutritiva, mas também uma comida segura do ponto de vista higiênico e sanitário, livre de contaminações. Os alimentos podem ser causadores de doenças, dependendo da quantidade e dos tipos de micro-organismos neles presentes. Desta forma, as boas práticas de manipulação são regras que, quando praticadas, ajudam a evitar ou reduzir os perigos ou contaminação de alimentos”, reforça.

A prefeitura organizou um calendário com minicursos mensais totalmente gratuitos contemplando diversas áreas com as principais atividades comerciais no município. A meta é capacitar, atualizar ou apresentar as normas de segurança, vigilância e qualidade a fim de se prestar serviços com excelência à população. Além do curso de manipulação de alimentos, também estão previstos cursos de biossegurança para profissionais que atuam na área da beleza e estética. Dayse Carvalho afirma ainda que vem recebendo sugestões para realização de novos cursos ao longo deste ano.

“Estamos muito satisfeitos com o resultado e com a resposta do público. 2017 foi marcado por uma procura muito grande de empresários e profissionais para se capacitarem. Temos a meta de fazer um curso especial para a Páscoa para quem trabalha com chocolates e pescados. Nós estamos à disposição para fornecer o curso para outros estabelecimentos que assim desejarem. A proposta é mostrar as formas seguras de atuar no segmento”, explica Dayse Carvalho, coordenadora da Vigilância Sanitária.

As inscrições para a capacitação pode ser realizada pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  ou diretamente na sede da Vigilância Sanitária está localizada na rua Dr. Sá Earp, 433, centro, e funciona de segunda a sexta-feira, de 8 às 17h. Os telefones de contato são: (24) 2246-9041

Estão abertas as inscrições para o minicurso de boas práticas para serviços de alimentação que será realizado na sexta-feira (25.08), de 8 às 12h na Casa dos Conselhos, ao lado da prefeitura. São 50 vagas disponíveis onde o trabalhador aprenderá como manipular alimentos de forma segura e com menos risco sanitário para o público. Para se inscrever basta enviar o nome completo para o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou pessoalmente na sede da Vigilância Sanitária. As inscrições também poderão ser realizadas no dia do curso.

De acordo com Dayse Carvalho, coordenadora da Vigilância Sanitária, durante o encontro, os participantes receberão o treinamento de acordo com as recomendações da RDC Anvisa 216 de 2004.

“Eles receberão material gráfico educativo em forma de cartilhas. A proposta é mostrar as formas seguras de atuar no segmento. O curso vai desde a aquisição do alimento, preparo, transporte, até a conservação dos alimentos crus, em conserva ou já prontos, além da forma de servir para o comércio. O objetivo é prevenir a intoxicação alimentar”, explica Dayse Carvalho, coordenadora da Vigilância Sanitária.

A iniciativa é uma integração entre as Secretarias de Saúde e de Desenvolvimento Econômico que proporcionarão um minicurso por mês para capacitar, atualizar ou apresentar as normas de segurança, vigilância e qualidade a fim de se prestar serviços com excelência à população. As aulas são voltadas aos profissionais do comércio em geral, ambulantes e microempreendedores individuais (MEI). Em Petrópolis são 22.700 pessoas cadastradas com (MEI) exercendo variadas funções. Acompanhando o crescimento do mercado, a Prefeitura iniciou um cronograma ofertando capacitações para esses trabalhadores de forma gratuita.

 A Vigilância Sanitária organizou um cronograma com cursos mensais até o fim do ano. Os próximos serão nos dias 22 de setembro, 20 de outubro, 17 de novembro e 15 de dezembro, todos ministrados na Casa dos Conselhos de 8 às 12h. “Todos os cursos são gratuitos e abertos à população. Nós estamos montando o cronograma de temas, mas em setembro teremos o minicurso pedicures, manicures e podólogos, com foco em biossegurança, já que é um mercado em crescimento no município, então é preciso garantir a segurança e proteção dos profissionais e clientes”, anuncia Dayse Carvalho.

A Vigilância Sanitária está localizada à Avenida Dom Pedro I, 353, Centro, e funciona de segunda a sexta-feira, de 8 às 17h. Os telefones de contato são: (24) 2246-9041 e 2246-9209.

 

Curso tem vaga limitada e é voltado para profissionais e público em geral interessados em conhecer sobre normas para o manuseio de alimentos

As inscrições estão abertas para mais uma turma do curso de Boas Práticas para Manipuladores de Alimentos, realizado pela Coordenadoria de Vigilância Sanitária. A próxima edição da capacitação será realizada na próxima segunda-feira (15.04), das 9h às 13h, na sede da Defesa Civil, na rua Buarque de Macedo, 128 – Centro. Oferecido gratuitamente aos profissionais que atuam no ramo de alimentação, o curso visa dar orientações sobre as formas seguras e adequadas para a manipulação, estoque e comercialização de alimentos.

As inscrições podem ser feitas pelos telefones 2246-9209 ou 2246-9041 e pelo e-mail  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . O curso é aberto ao público, em especial para empresários e profissionais que atuam com a manipulação ou comercialização de alimentos seja em restaurantes, lanchonetes, bares, quiosques, supermercados e demais estabelecimentos que fabriquem ou vendam itens alimentícios. O intuito é melhor instruir os profissionais de forma a garantir a manutenção da qualidade dos produtos comercializados.

Os cursos são realizados com periodicidade e até o momento cerca 750 pessoas foram capacitadas. 

O curso vem sendo realizados desde 2017, com oferta de 50 vagas por turma, onde são passadas orientações de preparo adequado dos alimentos, além regras de manuseio como por exemplo, formas de fracionamento, etiquetagem e armazenamento, em local e temperatura corretas. O curso é ministrado por técnicos da Vigilância Sanitária com foco da preservação da qualidade do alimento e na segurança dos profissionais. “O intuito é evitar o risco de ocorrer doenças transmitidas por alimentos”, destaca o chefe da Fiscalização Sanitária, Carlos Feliceti Schaefer, ressaltando que o curso já resulta na mudança de práticas nos estabelecimentos e conduta dos profissionais da cidade.

A iniciativa de realizar a capacitação surgiu a partir da constatação de infrações durante as vistorias realizadas pelos fiscais da Vigilância Sanitária. “Notamos substancial diminuição de infrações sanitárias cometidas por simples falta de conhecimento por parte dos profissionais. O nosso trabalho visa, antes de punir, orientar sobre as formas corretas de manuseio com o alimento”, destaca o fiscal. Durante o curso são passadas ainda orientações higienização correta das mãos e equipamentos utilizados; utilização de acessórios no momento da manipulação; certificação de controle pragas; entre outros.

Órgão tem recebido denúncias de comerciantes que perceberam atitudes suspeitas

A Coordenadoria de Vigilância Sanitária (Covisa) recebeu, só nos últimos três meses, oito contatos de empresários, que buscaram mais informações junto ao município após suspeitarem da atuação de falsos fiscais do órgão. Segundo os relatos dos comerciantes, o objetivo dessas pessoas é cobrar dinheiro para evitar possíveis fiscalizações no comércio. Os criminosos entram em contato por telefone, alertam sobre as fiscalizações e pedem o dinheiro. Em troca, as inspeções seriam frustradas.

“Recebemos relatos de que um homem se faz passar por fiscal sanitário. Algumas vezes, se dizendo ser da Vigilância municipal e outras da Vigilância estadual, sempre com nomes diferentes. Já foram utilizados os nomes Rogério, Carlos Alberto e Carlos Eduardo. Queremos alertar a população que não fazemos contato por telefone para comunicar ações fiscalizatórias. Muito menos, cobramos qualquer taxa pelos serviços prestados ou para deixar de fiscalizar algum estabelecimento”, destaca a coordenadora de Vigilância Sanitária, Dayse Carvalho.

A Covisa reforça a importância de as denúncias serem feitas diretamente na delegacia. A Coordenadoria de Vigilância Sanitária é um órgão da Secretaria de Saúde do município e não realiza cobranças de qualquer natureza, nem faz contato por telefone. As taxas devidas e tributos arrecadados pela Coordenadoria são aceitos, exclusivamente, através de conta bancária em nome da Prefeitura, sendo repassados diretamente para o Tesouro municipal.

Todos os fiscais, em ações durante o dia e à noite, sete dias por semana, utilizam colete de identificação com o brasão do município no peito e logomarca da Covisa nas costas. Os agentes possuem carteira de identificação de fiscais sanitários e, em todas as ações de fiscalização, são emitidos termos oficiais com o brasão da cidade.

“O empresário pode verificar, ainda, identificação da Secretaria Municipal de Saúde e do Departamento de Vigilância em Saúde neste documento. Esses termos oficiais são talões numerados em quatro vias, sendo que o empresário inspecionado recebe uma das vias coloridas, ficando a original em seu processo, uma terceira via sob controle da administração da Covisa e a última anexada ao bloco de controle, que são arquivados por até cinco anos”, explica Dayse.

A denúncia deve ser feita diretamente pela vítima à delegacia mais próxima, que pode apurar com base nas informações passadas. Mas, em caso de dúvidas, os contatos da Coordenadoria de Vigilância Sanitária estão disponíveis pelos telefones (24) 2246-9209 e 2246-9041. O serviço funciona nos dias úteis, das 8 às 17h.

A Secretaria de Saúde, por meio da Coordenadoria de Vigilância Sanitária vai promover, na próxima segunda-feira (26.03), um Curso de Boas Práticas de Fabricação para Produtores e Industrializadores de Alimentos. O curso servirá para atualizar e capacitar o segmento da fabricação artesanal ou industrialização de alimentos, reconhecendo a atuação do órgão na capacitação em diversas áreas da indústria e comércio. A capacitação é um pedido do Sistema Firjan.

“Estamos dando sequência à atuação da Vigilância Sanitária, que vai desde a capacitação e orientação sobre a melhor forma de manuseio dos insumos e produtos até a fiscalização destas operações. Este curso foi um pedido da Firjan, por ocasião de uma reunião em que estive representando a Secretaria no ano passado, e de empresários do setor que souberam dos cursos que estamos aplicando em várias áreas”, disse a coordenadora de Vigilância Sanitária, Dayse Carvalho.

Segundo Dayse, a ideia é que este curso seja levado aos empresários a cada seis meses e é baseado na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), número 275/2002. A expectativa é que 60 pessoas participem da edição desta segunda-feira.

“A vigilância sanitária inspeciona todas as indústrias e fabricações artesanais, inclusive, microempreendedores individuais, para garantir a minimização de riscos sanitários e intimar as adequações estruturais que se fizerem necessárias, bem como fiscalizar o processo de trabalho. São atividades que por lei necessitam licenciamento sanitário renovado anualmente”, finalizou Dayse.

O curso que vai acontecer no auditório do Centro de Saúde, que fica na rua Santos Dumont, número 100, no Centro, das 9 às 13h. As inscrições ainda podem ser feitas pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. , ou no local do evento.

São 50 vagas para as orientações sobre segurança e redução de riscos de contaminação

Dando sequência ao cronograma de cursos gratuitos voltados para profissionais informais, a Coordenadoria de Vigilância Sanitária vai promover, na próxima segunda-feira (28.05), o Curso de Boas Práticas para Manipuladores de Alimentos. São 50 vagas disponíveis onde o trabalhador aprenderá como manipular alimentos de forma segura e com menos risco sanitário para o público.

De acordo com Dayse Carvalho, coordenadora da Vigilância Sanitária, durante o encontro, os participantes receberão o treinamento de acordo com as recomendações da RDC Anvisa 216 de 2004.

“A proposta é mostrar as formas seguras de atuar no segmento. O curso vai desde a aquisição do alimento, preparo, transporte, até a conservação dos alimentos crus, em conserva ou já prontos, além da forma de servir para o comércio. O objetivo é prevenir a intoxicação alimentar”, explica a coordenadora da Vigilância Sanitária.

A iniciativa é uma integração entre as Secretarias de Saúde e de Desenvolvimento Econômico que proporcionam um minicurso por mês para capacitar, atualizar ou apresentar as normas de segurança, vigilância e qualidade a fim de se prestar serviços com excelência à população. As aulas são voltadas aos profissionais do comércio em geral, ambulantes e microempreendedores individuais (MEI). Em Petrópolis são 22.700 pessoas cadastradas com (MEI) exercendo variadas funções. Acompanhando o crescimento do mercado, a Prefeitura iniciou um cronograma ofertando capacitações para esses trabalhadores de forma gratuita.

“Todos os cursos são gratuitos e abertos à população. Foi montado o cronograma de temas, como o minicurso para profissionais da área de beleza e tatuadores, realizado na última segunda-feira, com foco em biossegurança. É preciso garantir a segurança e proteção dos profissionais e clientes”, destaca Dayse Carvalho.

As inscrições podem ser feitas pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . Os telefones de contato são: (24) 2246-9041 e 2246-9209. A capacitação vai acontecer no auditório da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias, que fica na Rua Buarque de Macedo, 128, no Centro, das 9 às 13h.

Evento vai tratar da importância da higiene e como prevenir contaminações no ambiente de trabalho

Estão abertas as inscrições para o minicurso de biossegurança para profissionais que atuam na área de embelezamento, que será realizado na próxima segunda-feira (21.05), das 9 às 13h, no auditório da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias. São 50 vagas disponíveis e o trabalhador aprenderá como realizar o controle sanitário, em especial às relacionadas aos riscos químicos (durante a utilização de produtos) e biológicos e ainda o manuseio de objetos cortantes. Para se inscrever basta enviar o nome completo para o e-mail  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . As inscrições também poderão ser realizadas no dia do curso.

É importante que a biossegurança seja debatida com estes profissionais, pois, com este conhecimento, eles podem avaliar e reconhecer os riscos com os quais estão lidando no ambiente de trabalho. Assim, é possível organizar melhor o espaço e trabalhar da melhor forma possível na limpeza do local, na higiene e na esterilização das ferramentas utilizadas, por exemplo.

A área de estética e beleza vem crescendo no município. Há pelo menos 500 estabelecimentos oferecendo serviços de embelezamento e inúmeros profissionais informais atuando como manicures, pedicures e cabeleireiros. De acordo com Dayse Carvalho, coordenadora da Vigilância Sanitária, o encontro tem como objetivo explicar sobre o risco químico relacionado ao manuseio de tintas, alisamentos, entre outros produtos, além da orientação sobre os materiais registrados na Anvisa. Já os riscos biológicos se aplicam à limpeza, desinfecção e esterilização dos materiais utilizados durante os procedimentos estéticos. 

“O curso é importante para orientá-los quanto às normas da ANVISA que evitam a transmissão de doenças tanto para as clientes quanto os profissionais. Também será explicado sobre as doenças fúngicas em unhas e peles, transmissão de doenças a partir dos instrumentos cortantes utilizados e que são transmitidos pelo sangue, em especial as hepatites B e C e o vírus HIV”, explica Dayse Carvalho, coordenadora da Vigilância Sanitária. 

As inscrições para a capacitação podem ser realizadas pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . Os telefones de contato são: (24) 2246-9041 e 2246-9209. O auditório da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias fica na Rua Buarque de Macedo, 128, no Centro.

Equipes da Vigilância Sanitária e da Coordenaria de Fiscalização vistoriaram nesta quarta-feira (30/3) uma borracharia na Rua Duarte da Silveira, no Bingen. No local, os fiscais e os agentes de combate de endemias encontraram larvas de mosquito e focos do Aedes aegypti – transmissor da dengue, zika vírus e febre chikungunya. O proprietário foi intimado a adequar o local onde os pneus são guardados.

O local foi vistoriado após denúncias de moradores. “Os pneus ficam em um terreno ao lado da borracharia, no tempo, sem nenhum tipo de cobertura. Encontramos larvas e vamos levar para análise. Pneus devem ficar em local coberto para não acumular água”, disse o coordenador da Vigilância Sanitária, Eduardo de Lucena.

No início deste ano, o prefeito Rubens Bomtempo criou a Frente Municipal de Combate ao Mosquito Aedes aegypti, formada por secretarias municipais, Defesa Civil, Comdep, Guarda Civil Municipal e CPTrans, que tem como objetivo promover ações intersertoriais na luta contra o mosquito. A operação conjunta com a Coordenadoria de Fiscalização também reforça as ações da Prefeitura no combate ao Aedes aegypti. “Estamos intimando os proprietários dos imóveis fechados e abandonados para limpar e manter os locais limpos e livres do mosquito”, ressaltou o secretário de Fazenda, Paulo Roberto Patulea

Entre janeiro e fevereiro deste ano, os agentes de combate a endemias já vistoriaram mais de 20 mil imóveis em todo o município. Desses, 2.507 foram tratados com larvicidas. “É importante que a população colabore e faça parte desta luta. Se cada um cuidar do seu terreno, mantendo o espaço limpo e não deixando água parada, vamos conseguir vencer esta batalha contra o mosquito”, disse o secretário de Saúde, Marcus Curvelo.

A próxima Deguste – a feira de produtores de cerveja artesanal de Petrópolis – acontece nos dias 9 e 10 de fevereiro, mas os expositores já passaram pela capacitação da Vigilância Sanitária. A ação educativa tem como objetivo orientar os empresários sobre como devem manipular as bebidas e alimentos de forma segura e com qualidade à saúde dos consumidores. Essa é a segunda capacitação feita pelo órgão iniciando o calendário oficial de eventos da Turispetro para 2018. A primeira aconteceu com participantes do Petrópolis Beer Festival, outra feira que reúne cerveja artesanal e gastronomia. 

Na quarta-feira (24.01), o encontro foi realizado no Centro de Cultura Raul e Leoni e agentes da Vigilância Sanitária fizeram uma roda de conversa com representantes de empresas de diversos segmentos alimentícios que fazem parte da Deguste, como pizza, embutidos, salgadinhos, batata frita. De acordo com a coordenadora do órgão, Dayse Carvalho, a ação tem o objetivo de prevenir doenças transmitidas por alimentos (DTA).

“Os problemas podem ir desde uma dor de cabeça até a morte. Por isso as ações educativas são tão importantes. E a função da Vigilância Sanitária não é apenas fiscalizar. Nós orientamos sobre a forma de transporte dos alimentos, acondicionamento, higiene, organização do ambiente, resíduos gerados. E depois vamos ao local para a fiscalização”, explica ela.

A prefeitura tem a expectativa de que o comércio de alimentos e bebidas foque nesta prevenção das doenças. As ações serão de cunho educativo, onde os empresários, expositores, produtores de alimentos artesanais e manipuladores serão capacitados conforme as normas da RDC 2016 de 2004 da Anvisa e demais legislações pertinentes. Para Andreia Rixhon, uma das expositoras da Deguste, a ação é muito importante tanto para os empresários quanto para os consumidores. “A gente sempre procura fazer o melhor possível para atender o consumir, mas capacitações como esta nos mostram o que fazer pra melhorar. Muitas vezes a gente desconhece a legislação”, explica.

Depósito era utilizado para produção clandestina de embutidos

A Coordenadoria de Vigilância Sanitária (Covisa) inutilizou quase 60 quilos de carnes e doces durante fiscalização em um mercado, nesta segunda-feira (13.08), em Corrêas. Na ação, os fiscais flagraram produtos acondicionados de forma irregular e outros fora da validade. Um imóvel, em frente ao estabelecimento, funcionava como depósito das carnes, utilizadas na fabricação de linguiças. Por não possuir licença para este tipo de serviço, os proprietários foram impedidos de continuar com os trabalhos.

“Foram interditados o açougue, pela falta de boas práticas e de licença, e o depósito de carnes. Lá era feita a desossa, corte e preparo das carnes para a fabricação das linguiças. Só que o serviço era feito sem o licenciamento obrigatório da Secretaria Estadual de Agricultura ou diretamente do Ministério da Agricultura”, frisou a coordenadora de Vigilância Sanitária, Dayse Carvalho.

A ação foi motivada por denúncias encaminhadas diretamente à Coordenadoria de Vigilância Sanitária. O depósito era utilizado ainda para montagem e estoque de cestas básicas vendidas pelo mercado. Chamou a atenção dos fiscais, também, as más condições do freezer onde estavam armazenadas parte do estoque de carne.

“Os responsáveis não tinham boas práticas no manuseio de produtos. Isso, além das ilegalidades de fabricação de linguiças,como falta de licença da Agricultura, e não ter licença sanitária que incluísse açougue no estabelecimento. Ele não constava na licença do estabelecimento e nem na constituição da empresa”, completou Dayse Carvalho

Entre os produtos inutilizados, estão ainda carnes salgadas para preparo de feijoada, inadequadas para consumo. Elas estavam avermelhadas, o que indicava contaminação. O estabelecimento foi autuado pelas infrações, além das interdições do açougue e da produção de linguiças, e proibição de uso da casa como depósito irregular de carnes para abastecimento do mercado.

“O proprietário foi intimado a comparecer na próxima semana à Covisa para recebimento de outros termos pertinentes à inspeção geral que foi feita no estabelecimento, além de adequações a serem feitas nos processos de trabalho e boas práticas, na estrutura e de regularização das atividades que pretende e hoje não possui”, completa a coordenadora de Vigilância Sanitária.

Para denúncias e pedidos de fiscalização, a Coordenadoria de Vigilância Sanitária (Covisa) atende pelos números (24) 2246-9209 e 2246-9041.

Notícias por data

« Agosto 2019 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  

Alvará Online - BANNER

Casa dos Conselhos

DO

iptu

turispetro

iluminacao

balcao empregos

plano compras

portal transparencia

licitacao

Concursos

Casa dos Conselhos

ecidade

jrestaurativa

gabinete cidadania.fw

cpge

EOUVmunicipios

selo acesso_informacao.fw

cmv-logo

Relatorio CMVP