As equipes de enfermagem, sob coordenação do departamento de Vigilância em Saúde, deram sequência na quarta-feira (09/06) a vacinação contra a Covid-19. Durante todo o dia, 1.514 pessoas foram vacinadas na cidade. Destas 987 receberam a primeira dose e 527 receberam a segunda dose. Até o momento 91.615 já receberam a primeira dose e 38.028 receberam a segunda dose do imunizante. Por conta da logística de informações para fechamento dos dados o boletim da vacinação passou a ser divulgado na parte da manhã.

Nos pontos de imunização foram vacinados 548 idosos, sendo 160 com a primeira dose e 388 com a segunda. Além destes 14 pacientes crônicos acamados receberam a primeira dose e dois paciente crônicos institucionalizados foram vacinados com a segunda dose.

Receberam também a primeira dose, sete pessoas com deficiências e 404 pessoas com comorbidades, sendo 403 com a primeira dose e uma com a segunda. Além destes, oito gestantes foram vacinadas, sendo quatro com a primeira dose e quatro com a segunda. Quatro puérperas também foram vacinadas, sendo três com a primeira dose e uma com a segunda.

Equipes vacinaram ainda 255 profissionais de Saúde, sendo 126 com a primeira dose e 129 com a segunda. Também receberam a primeira dose da vacina, 270 profissionais de Educação. Dois integrantes de Forças de Segurança receberam a segunda dose do imunizante.

A campanha de imunização contra a covid-19 segue nesta quinta-feira (10/06) em 10 pontos da cidade. A partir de hoje pessoas sem comorbidade com 59 anos podem se cadastrar para a vacinação que terá início para este público nesta sexta-feira (11/06). Para a vacinação é preciso estar cadastrado junto a Secretaria de Saúde. Os dados devem ser preenchidos no site da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br).

Em caso de dúvidas é possível utilizar o Whatsapp da Saúde, um assistente virtual que fornece informações sobre a vacinação, locais de atendimento a pacientes com sintomas da doença e boletins. Há, ainda, informações sobre a vacinação contra a gripe. O atendimento está disponível pelo número (24) 9.9200-1428.

Podem se cadastrar para a vacinação no momento:

- Pessoas com mais de 59 anos sem comorbidades

- Pessoas com comorbidades acima de 18 anos

- Profissionais da Educação acima de 18 anos que atuam na Educação infantil (crianças de 0 a cinco anos) em Centros de Educação Infantil e em escolas que têm turmas da educação infantil

- Trabalhadores da saúde com mais de 18 anos

- Pessoas com síndrome de down maiores de 18 anos

- Pessoas com autismo maiores de 18 anos

- Pessoas com deficiência permanente cadastradas no Programa de Benefício de Prestação Continuada (BPC) com mais de 18 anos.

- Pacientes renais crônicos em diálise com mais de 18 anos

- Pessoas com paralisia cerebral maiores de 18 anos

- Idosos com mais de 60 anos (aqueles que perderam o chamamento feito anteriormente)

* Gestante e puérperas com comorbidades acima de 18 anos (não precisam se cadastrar previamente e devem apresentar laudo indicando que estão aptas a receber a vacina)

A vacinação de gestantes e puérperas maiores de 18 anos com comorbidades, está sendo feita com a aplicação da vacina CoronaVac. As doses do imunizante do Butantan destinadas a este público estão sendo aplicadas em dois pontos da cidade: no campus da UCP Benjamin Constant (Centro) e no Parque Municipal, em Itaipava.

A taxa de ocupação de leitos para pacientes com covid-19 no Sistema Único de Saúde se mantém, nesta quarta (09/06), em 41,56% em leitos clínicos e 43,24% em UTIs. Levando em conta toda a rede de saúde da cidade, incluindo hospitais públicos e privados, são 168 pacientes internados, sendo 103 em UTIs e 65 em leitos clínicos. Dez óbitos foram confirmados e inseridos na base de dados do município nesta quarta.

Até agora foram realizados no município 164.394 testes para Covid-19, com 38.842 resultados positivos e 122.665 negativos (levando em consideração testes rápidos e Swab).

A Secretaria de Saúde esclarece que o número de óbitos, hoje em 1.233 é atualizado nos boletins apenas após o registro do atestado de óbito e do resultado do exame do paciente no sistema da Vigilância Epidemiológica, o que é feito por equipe administrativa. Trata-se de medida de segurança para evitar erro na informação divulgada pela Secretaria de Saúde.

A Secretaria acrescenta, ainda, que trabalha na atualização de dados de notificações e casos em análise no sistema, inserindo ainda dados pendentes de meses anteriores. É possível acompanhar a evolução dos casos no portal da transparência do coronavírus, no site da Prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br).

Óbitos registrados:

1. Homem, 73 anos, morador na Mosela. Internado em 27.05.2021 no Hospital Unimed. Óbito registrado em 28.05.2021 no Hospital Unimed. Paciente com doença cardiovascular crônica e câncer de pulmão.

2. Homem, 74 anos, morador no Quitandinha. Internado em 27.05.2021 na UPA Cascatinha e transferido para o HNSA. Óbito registrado em 30.05.2021 no HNSA. Paciente com hipertensão arterial.

3. Homem, 73 anos, morador em Corrêas. Óbito registrado em 28.05.2021. Paciente com hipertensão arterial e diabetes.

4. Homem, 57 anos, morador na Mosela. Internado em 11.05.2021 no Hospital Unimed. Óbito registrado em 03.06.2021 no Hospital Unimed.

5. Homem, 32 anos, morador em Araras. Internado em 27.05.2021 na UPA Cascatinha e transferido para o HNSA. Óbito registrado em 31.05.2021 no HNSA. Paciente com bronquite.

6. Mulher, 56 anos, morador em Corrêas. Internada em 18.05.2021 na UPA Cascatinha e transferida para o HCC. Óbito registrado em 03.06.2021 no HCC. Paciente sem comorbidades.

7. Homem, 37 anos, morador no Roseiral. Internado em 22.05.2021 na UPA Cascatinha e transferido para o HCC. Óbito registrado em 03.06.2021 no HCC. Paciente com hipertensão arterial e obesidade.

8. Mulher, 59 anos, moradora em Corrêas. Internada em 16.05.2021 na UPA Cascatinha e transferida para o SMH. Óbito registrado em 04.06.2021 no SMH. Paciente com hipertensão arterial e diabetes.

9. Homem, 83 anos, morador no Alto da Serra. Internado em 29.05.2021 na UPA Cascatinha e transferido para o HNSA. Óbito registrado em 05.06.2021 no HNSA. Paciente com doença cardiovascular crônica, hipertensão arterial, tabagista e diabetes.

10. Mulher, 51 anos, moradora no Centro. Internada em 26.05.2021 na UPA Cascatinha e transferida para o HNSA. Óbito registrado em 05.06.2021 no HNSA. Paciente com hipertensão arterial e obesidade.

A cobertura da quadra da Rua Professora Angélica Lopes de Castro, no Valparaíso, foi anunciada pelo governo municipal, durante visita à Comunidade Chapa 4, na manhã desta quarta-feira (09). A medida faz parte do pacote de ações previstas no mutirão de serviços do programa Acelera Petrópolis, que já está em andamento em nove bairros do município.

“A cobertura dessa quadra era uma reivindicação antiga da comunidade e a medida vai permitir que o espaço seja usado para a realização de várias modalidades esportivas. Sem dúvida, é uma grande conquista para os moradores”, disse o governo interino, destacando que a obra usará recursos de uma emenda parlamentar do deputado Federal Hugo Leal.

Na Comunidade do Chapa 4, a Comdep iniciou a manhã com ações de capina, roçada e recolhimento de entulho, principalmente no entorno da quadra esportiva. No local ainda estão previstas melhorias na área do parquinho e da academia ao ar livre. Ao mesmo tempo, a Secretaria de Serviços, Segurança e Ordem Pública providenciou a substituição de lâmpadas convencionais pelas de Led. A CPTrans iniciou a recuperação de sinalização, inclusive, com trocas de placas.

“Os serviços têm sido realizados, mas a presença do prefeito na comunidade nos dá mais confiança de que não ficaremos esquecidos. Demonstra a preocupação da Prefeitura e valoriza nosso bairro. A notícia da cobertura da quadra também nos enche de esperança, pois nossas crianças e adolescentes serão acolhidos no espaço”, disse a vice-presidente da associação de moradores da comunidade Josiane Marques da Silva. A tesoureira da entidade, Sueli Gualberto, também acompanhou os serviços.

Durante a manhã, além do Valparaíso, o prefeito interino esteve ainda na Rua C, no Quitandinha, onde estava acontecendo uma operação de tapa buracos e no Independência, onde a Comdep, entre outros serviços de responsabilidade da companhia, providenciou a substituição das lixeiras conteinerizadas nos principais pontos do bairro. “Com isso, além de limpar o bairro, estamos oferecendo mais saúde e, principalmente, qualidade de vida para todos os moradores”, disse o presidente da Comdep.

Dentro das ações do programa Acelera Petrópolis, estão sendo realizadas pelo mutirão de serviços a substituição de lixeiras, recolhimento de entulho, troca de lâmpadas convencionais por equipamentos de led, capina, roçada, revitalização de sinalização viária, entre outra série de ações. Nesta primeira edição do programa Acelera Petrópolis, estão sendo contempladas as comunidades do Independência São Sebastião, Siméria, Quitandinha, Taquara, Bairro Mauá, Cremerie, Dr. Thouzet, Quitandinha e Valparaíso.

Unidade foi destaque no 1º Prêmio de Aprendizagem Solidária Experiências Que Transformam em 2020

Após conquistar o 1º lugar na categoria 3 do 1º Prêmio Aprendizagem Solidária - Experiências que transformam, promovido pela Rede Brasileira de Aprendizagem Solidária (RBAS), em 2020, a Escola Municipalizada Santa Terezinha, no Vila Rica, tem novo motivo para comemorar: nesse ano, a escola foi escolhida para integrar um novo projeto, dentro do programa Escolas Solidárias. A ação é resultado do protagonismo da escola e trabalho positivo efetuado pelos alunos premiados em 2020, que mostrou a importância da reciclagem do lixo na comunidade e a conscientização e ajuda da população. Agora, através de suporte metodológico, a escola está se preparando para implantar novas técnicas de aprendizagem solidária que envolverão toda a comunidade. Vale destacar que o programa “Escolas Solidárias” é coordenado pela Associação Movimento Futuro, que integra a Rede Brasileira de Aprendizagem Solidária.

O projeto “Escolas Solidárias” acontece em alguns países como Argentina, Peru, Chile e no Brasil, atualmente, está em quatro escolas: três em São Paulo e uma no Rio de Janeiro, na Escola Municipalizada Santa Terezinha. A iniciativa consiste em reuniões periódicas com a equipe da escola envolvida na ação - gestores e professores- que têm a oportunidade de participar de formações à distância promovidas pela Associação Movimento Futuro em parceria com o Centro Latino Americano de Aprendizagem e Serviço Solidário (CLAYSS).

“Ótima oportunidade para a escola e comunidade. Professores estão participando das formações e serão os responsáveis por multiplicar todo o aprendizado, levando sempre em consideração o que os levou até a esse patamar, a preocupação com o descarte correto, as técnicas de reciclagem e o cuidado com o Meio Ambiente, além da conscientização dos moradores do local e o sentimento de pertencimento, do cuidado que eles devem ter com a sua comunidade”, comemora o governo municipal.

Até agosto, a escola apresentará seu planejamento, de que forma seu plano interventivo de aprendizagem solidária será implantado na comunidade, levando em consideração conceitos como: diagnóstico, planejamento e execução. A comunidade está opinando em todas as fases do planejamento, tendo, inclusive, participado de reuniões com os representantes do projeto.

Prêmio e consagração

Importante destacar que todas as escolas participantes em todo o Brasil do projeto já tinham iniciativas em andamento e foi esse o caso da Escola Municipalizada Santa Terezinha. Em 2019, alunos do 9º ano da EM Santa Terezinha, junto com os professores Ana Carolina Kapler e Ronaldo Yallouz, percorreram o bairro e registraram o maior problema encontrado por eles: o lixo.

“A escola foi premiada no ano passado por um projeto sobre reciclagem, mostrando como a comunidade poderia ser um parceiro nas ações de cuidado e conscientização. Agora, graças e esse trabalho que começou lá atrás com os alunos de 9º ano, a escola conseguiu formação para os professores envolvidos no projeto e a chance de ampliar essa ação, pensando em novas iniciativas, sempre com o viés de cuidado com o Meio Ambiente, interação e participação da comunidade em todas as iniciativas. A escola está de parabéns”, confirma a secretária de Educação.

Em 2019, alunos e professores da EM Santa Terezinha inovaram: fizeram panfletos, produziram um vídeo e conversaram com os moradores sobre a importância do descarte correto do lixo. No ano seguinte, o projeto da Escola Municipalizada Santa Terezinha foi finalista com mais 8 projetos de escolas de todo o Brasil. A colocação de 1º lugar, na categoria 3 – Instituições de Educação Básica II - garantiu, inclusive, a participação virtual no Seminário Internacional de Aprendizagem Solidária que acontecerá em Buenos Aires, nesse ano.

“Saímos pelo bairro observando e anotando tudo o que poderia ser considerado um problema. No retorno à escola debatemos e chegamos à conclusão de que o que mais incomodava era a questão do descarte incorreto do lixo. Pensamos em uma forma de amenizar a situação. Daí surgiu o projeto. Criamos argumentos de conscientização, descarte correto de lixo e conseguimos o 1º lugar. Graças a esse resultado, as ações de conscientização que envolvem toda a comunidade estão tendo continuidade. É o caso da Horta Sustentável que está sendo construída na escola. Vai servir como polo de estudo e também como ponto visível de transformação do Meio Ambiente através de ações assertivas de conscientização ambiental”, explica a subsecretária de Educação.

Novas Metas

Em novembro, as equipes das escolas que estão participando do programa “Escolas Solidárias” terão oportunidade de apresentar seus projetos no 3º seminário de Aprendizagem Solidária no Brasil. A Escola Municipalizada Santa Terezinha recebeu verba de mais de R$ 6.500 para implantar suas metodologias. O que será apresentado ainda está sendo formulado pelos professores envolvidos no projeto, no entanto, as reuniões com as formações são periódicas e acompanhadas por Isabella Alchorne e Sofia Carvalho, da Associação Movimento Futuro, que integram a Rede Brasileira de Aprendizagem Solidária (RBAS).

“A escola nos surpreendeu com a simplicidade de seu trabalho que tem um impacto enorme na comunidade onde está inserida através do cuidado com a reciclagem, um impacto social de grande importância. Estamos animados esperando pelo próximo planejamento da escola”, contou Sofia.

A Rede Brasileira de Aprendizagem Solidária tem como grupo de trabalho executivo as seguintes organizações: Centro de Estudos em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC), do Instituto Singularidades, da Associação Movimento Futuro, da Organização dos Estados Ibero-americanos para Educação, Ciência e Cultura (OEI) no Brasil e da Mori Educação, com o apoio do Centro Latino-americano de Aprendizagem e Serviço Solidário (CLAYSS).

No dia 10 de junho, os professores da Escola Municipalizada Santa Terezinha participarão de uma programação especial para apresentação de todos os projetos escolhidos no Brasil para integrarem o Programa Escolas Solidárias. O evento, chamado “Trocando Ideias Solidárias” será transmito pelo YouTube da Rede Brasileira de Aprendizagem Solidária, das 16h às 18h.