Com a chuva que se mantém de forma contínua no município, a Secretaria de Defesa Civil bloqueou a Rua Coronel Veiga, no início desta tarde. Agentes da CPTRans foram acionados para dar suporte para o fechamento da via no trecho entre as Duas Pontes e Ponte Fones, onde foi registrada inundação. Com o aumento do número de ocorrências e manutenção da previsão de chuva, a Defesa Civil estabelece Estágio Operacional de Alerta.

Ao todo, 30 agentes estão em atuação para o atendimento a ocorrências registradas por conta da chuva, que afeta a cidade desde a noite desta quinta-feira (6). Até o momento são 43 chamados, sendo a maioria, 18 deles, para casos de deslizamentos. Até o momento foram 10 situações de queda de árvore e os demais atendimentos foram de avaliações geológicas, de risco estrutural, problemas em via e infiltração.

De acordo com o setor de monitoramento da Defesa Civil, o município está sob a influência da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), com isso a previsão é de chuva moderada a forte para esta sexta-feira (7), se estendendo até este sábado (8). A Defesa Civil mantém o reforço das equipes com agentes operacionais, técnicos, engenheiros, geólogos e assistentes sociais.

A Secretaria de Defesa Civil de Petrópolis mantém Estágio Operacional de Atenção para o município, desde a última quinta-feira (6), tendo em vista a previsão de chuva moderada a forte que se concretizou na madrugada desta sexta (7), com condições para o aumento da intensidade da chuva ao longo do dia. Nas ultimas 24 horas, o maior acumulado de chuva foi registrado no Quitandinha, com 125,5 milímetros. Desde ontem, foram registradas 13 ocorrências, sendo maior parte de queda de árvores. Na manhã desta sexta, a Defesa Civil emitiu ainda, boletim geológico, em que informa risco para deslizamento alto, especificamente, para as regiões do primeiro distrito.

Durante a madrugada, as equipes da Defesa Civil mantiveram-se em sobreaviso para o atendimento de chamados por conta da chuva. Os agentes se deslocaram para a Posse, para a região da Jacuba, onde houve deslocamento de blocos rochosos. Nenhuma casa foi atingida e não houve interdição de vias. Na Rua Coronel Veiga, as equipes realizaram rondas para a identificação de inundações e atenderam um chamado de deslizamento em uma servidão, que foi interditada para a passagem de pedestres.

Ainda de acordo com boletim geológico, para o 2º, 3º e 4º distritos os acumulados podem gerar pequenos deslizamentos. Já no 5º distrito, a chuva localizada na região nas últimas 24h, deixa o distrito com risco moderado para deslizamentos.

O setor de monitoramento da Defesa Civil informa que o município está sob a influência da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), que tem como característica a ocorrência de chuva persistente. Assim, há previsão de chuva contínua, de intensidade moderada a forte ao longo desta sexta (7), que poderá se manter para os próximos dias. Dado este cenário são esperados volumes de chuva significativos para a cidade. Cabe destacar que a Defesa Civil realiza previsão de tempo de curto prazo, com o objetivo planejar as ações operacionais. Os boletins atualizados diariamente podem ser consultados através do link https://bit.ly/3vmRgZ2.

Últimos acumulados:

1º Distrito: LNCC às 08h
125.5 mm/24h 132.25 mm/48h 132.5 mm/72h 134 mm/96h

2º Distrito: Bonfim às 08h
48.25 mm/24h 75 mm/48h 75 mm/72h 75.25 mm/96h

3º Distrito: Itaipava às 08h
56.25 mm/24 81.5 mm/48h 81.5 mm/72h 82 mm/96h

4º Distrito: Capim Roxo às 08h
51.75 mm/24h 79.75 mm/48h 79.75 mm/72h 80.25 mm/96h

5º Distrito: Posse ás 08h
67.75 mm/24h 89.25 mm/48h 89.75 mm/96h 89.75 mm/96h

Petrópolis terminou a quinta-feira (06) com a taxa de ocupação dos leitos clínicos destinados para o tratamento da covid-19 no sistema público de saúde em 0%. Já em UTIs do SUS, a taxa foi de 4,35% (uma internação). A rede privada registrou uma internação clínica e nenhuma em terapia intensiva.

As equipes da Secretaria de Saúde realizaram, até ontem, 217.546 testes, dos quais 50.461 tiveram resultados positivos e 166.550 negativos (considerando swab e rápidos).

Desde o início da pandemia, foram 1.571 óbitos registrados. Este número é atualizado nos boletins apenas após o registro do atestado de óbito e do resultado do exame do paciente no sistema da Vigilância Epidemiológica, o que é feito por equipe administrativa. É uma medida de segurança da Secretaria de Saúde, para evitar erros nos registros.

Mais 1.357 doses de vacinas aplicadas

Também na quinta-feira (06), as equipes da Secretaria de Saúde aplicaram 1.357 doses da vacina contra a covid-19 nos 10 postos disponíveis. Foram 1.055 doses de reforço, 281 aplicações de segunda dose e 21 de primeira.

No total, a cidade conta com 240.523 vacinados com a primeira dose, 222.227 com a segunda dose e 57.107 com a dose de reforço. A dose única chegou a 6.805 pessoas desde o início da campanha de vacinação.

Na quinta-feira, 257 idosos foram vacinados, sendo três com a segunda dose e 254 com a dose de reforço. A dose de reforço também foi aplicada em nove pessoas com comorbidades.

Cinco gestantes e uma puérpera foram imunizadas com a segunda dose.

As equipes também aplicaram a primeira dose em 10 adolescentes e a segunda em 118 indivíduos entre 12 e 18 anos. Houve ainda a vacinação de quatro trabalhadores da saúde com o reforço.

Por faixa etária, foram 788 adultos vacinados com a dose de reforço, 154 com a segunda dose e 11 com a primeira.

O acompanhamento da situação da covid-19 na cidade pode ser feito através do portal de monitoramento, disponível no site da Prefeitura: https://petropolis.rj.gov.br/pmp/

Sexta, 07 Janeiro 2022 10:04

Informativo Meteorológico - 06/01 21h30

Núcleos de chuva atuam no município de Petrópolis desde o fim da tarde, provocando chuva moderada a forte na cidade. Os maiores registros até o momento, são:

Posse às 21h15 - 42.75 mm/h
Itaipava (INEA) às 21h15 - 27 mm/h
Capim Roxo às 21h00 - 26.75 mm/h
São Sebastião - Geo às 18h50 - 24.8 mm/h

Ressaltamos que permanece a previsão de chuva moderada a forte nas próximas horas.

Em situação de emergência, ligue 199.

O governo municipal anunciou oficialmente, na manhã desta quinta-feira (06), o cancelamento do Carnaval de rua no município. A medida visa a proteção da população, principalmente por conta do aumento do número de casos por Síndrome Respiratória Aguda Grave – SRAG, causadas por covid-19 e gripe influenza em todo o Estado. Pelo calendário anual, a festa de momo aconteceria no fim do mês de fevereiro e inicio de março.

“A medida visa a proteção de toda a nossa cidade. É necessário que toda a sociedade tenha a consciência de que a pandemia não acabou. Precisamos repercutir entre a população a nossa realidade sanitária. Diante do atual cenário epidemiológico, não é o momento para aglomerações desta ordem e seria um risco de disseminação do vírus”, frisou o prefeito Rubens Bomtempo.

O anúncio foi feito durante uma reunião na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com representantes de todo o governo municipal, principalmente dos setores da saúde. Para o secretário de Saúde, Marcus Curvelo, a intenção é evitar aglomerações que provoquem o aumento do número de casos na cidade. “A vacinação está avançada na cidade, mas é preciso cautela. É importante que a população mantenha as medidas de segurança, como uso de máscaras e álcool em gel e procure concluir o esquema vacinal, inclusive com as doses de reforço”, frisa.

Atualmente, a cidade conta com 240.502 vacinados com a primeira dose, 221.946 com a segunda dose e 56.052 com a dose de reforço. A dose única chegou a 6.805 pessoas desde o início da campanha de imunização.

O estágio atual da pandemia do Coronavírus e as medidas de proteção necessárias para garantir a segurança sanitária dos petropolitanos foram temas da primeira reunião do comitê científico formado por integrantes do governo municipal, médicos e representantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O grupo, criado para analisar e deliberar as medidas de contenção da pandemia, teve a sua primeira reunião nesta quinta-feira (6), no Palácio Itaboraí, sede da Fiocruz em Petrópolis.

“A formação do Comitê é fundamental e estratégico para o enfrentamento à covid no município. A pandemia já dura dois anos e é importante deixar claro que não acabou. Temos que sensibilizar a população sobre os cuidados necessários, como distanciamento social, uso de máscaras e álcool em gel, além de se evitar aglomerações. Cada um de nós temos que fazer a nossa parte para superar de vez esse momento”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.

Bomtempo destacou, ainda, que a ciência é soberana e garantiu os avanços nesse processo. “Não é necessário fazer uma retrospectiva, mas é importante frisar que é graças a toda a colaboração cientifica mundial que podemos estar aqui, hoje, em uma reunião presencial, pois colocaram a vida como principal valor”, completou o prefeito.

Para o secretário de Saúde, Marcus Curvelo, a criação do Conselho Cientifico é fundamental para a elaboração de uma agenda de trabalho produtiva. “Queremos que ela, de fato, pense naqueles mais frágeis da sociedade e que nem sempre têm acesso as informações necessárias”, destacou o secretário.

“Nós temos uma satisfação muito grande em colaborar com a gestão pública municipal. A missão do Fórum Itaboraí está centrada na promoção da saúde e na redução das desigualdades sociais. Portanto, é a partir dessa perspectiva que temos colaborado e continuaremos colaborando. Nosso trabalho é eminentemente comunitário, acontece nos territórios. E nossa visão parte da determinação social da saúde, ou seja, de como as condições socioeconômicas afetam o bem-estar, o bem-viver das pessoas”, explica Felix Rosenberg, Diretor do Fórum Itaboraí/Fiocruz-Petrópolis.

Rosenberg apresentou uma síntese do histórico de cooperação entre o Fórum Itaboraí/Fiocruz-Petrópolis e a Prefeitura Municipal desde 2010, bem como os principais projetos em curso na unidade. Dentre eles está o georreferenciamento por zona de calor da covid no município, realizado desde 2020. São mapas de Petrópolis que indicam as áreas de mais incidência e persistência da doença ao longo de quase dois anos, a partir de dados fornecidos pelo departamento de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde.

“O endemismo na região central do município é uma das principais conclusões que esse trabalho nos trouxe. Ou seja, o mapa de calor gerado a partir dos dados oficiais da covid no município nos mostra a persistência dos casos no centro da cidade. Assim, se com esse sistema geográfico passamos a entender onde está a doença e como ela se comporta ao longo do tempo no território, temos os alertas claros e necessitamos de estratégias para reduzir a contaminação. Essa área central merece um olhar mais específico e atento, até porque a covid ainda está aí e precisamos pensar e atuar com medidas epidemiológicas de prevenção. E os modelos e tecnologias sociais que desenvolvemos e aplicamos podem contribuir com enfrentamento de outras doenças que afetam a população e com políticas públicas intersetoriais de saúde”, destaca Rosenberg.

Além do Secretário de Saúde, os médicos Marco Liserre, Luís Eduardo Fontes e Luís Arnaldo e o diretor do Serviço Autônomo do Hospital Alcides Carneiro (Sehac), Ricardo Patuléa, também participaram do encontro, assim como os secretários Marcelo Soares, de Desenvolvimento Econômico; Silvia Guedon, de Turismo; Diana Iliescu, diretora presidente do Instituto Municipal de Cultura, Adriana de Paula, de Educação e Karoline Cerqueira, de Assistência Social.

Acordo de cooperação científica

O governo municipal e a Fiocruz assinaram, durante a reunião, dois acordos de cooperação: um deles para fortalecer e desenvolver ações locais e intersetoriais em regiões de maior fragilidade social, voltado para a promoção da saúde, gestão socioambiental e o direito à cidade e o outro para implementar o monitoramento cartográfico participativo da covid e de outros agravos à saúde prioritários.

A Prefeitura, por meio da Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes (CPTrans), está atuando para minimizar os efeitos no tráfego pelas obras de recuperação da Estrada União e Indústria, feitas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Agentes da CPTrans foram enviados para o local para ajudar na organização do trânsito da região.

“A mobilidade urbana é um dos grandes desafios da nossa cidade. As obras da União e Indústria são importantes, mas geram retenções, por se tratarem de trechos movimentados, como esse de Itaipava. Por isso, estamos dando apoio logístico para que os efeitos sejam os menores possíveis”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.

Nesta quinta-feira (6), o presidente da CPTrans, Jamil Sabrá, esteve no local. “Apesar da responsabilidade principal das obras ser do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), a CPTrans organiza e já está executando um planejamento estratégico para a área”, disse.

A Prefeitura promoveu, na tarde desta quinta-feira (6), uma reunião para tratar do Conjunto Habitacional do Vicenzo Rivetti. Participaram representantes do Movimento do Aluguel Social e Moradia de Petrópolis, da Caixa Econômica Federal (CEF) e de uma das empresas contratadas pela Caixa para fazer as obras de reparos nos problemas construtivos do condomínio. O objetivo da reunião, realizada de forma remota, foi a nova gestão da Prefeitura, que assumiu a administração no fim de dezembro, se inteirar sobre a retomada das obras pela Caixa no condomínio.

Como explicou o assessor especial de governo, Felippe Rocha, que representou a Prefeitura na reunião, a proposta é que essas reuniões sejam permanentes, de modo a aproximar os moradores dos atores envolvidos com as obras do conjunto habitacional.