Capacitação ofertada no novo espaço da Central de Libras da Secretaria de Assistência Social

Cinquenta e dois servidores municipais participaram da aula inaugural do curso de Libras, realizada nessa terça-feira (30/11) na Central de Libras, que fica na Avenida Dom Pedro. Os encontros, que ocorrerão sempre às terças-feiras, das 9h às 10h30, seguirão até 15 de março de 2022.

“Agradeço os servidores das mais diversas secretarias que fizeram questão de se inscrever nesse curso. A intenção do Executivo é ampliar o acesso da população aos equipamentos públicos”, afirmou o governo interino.

Responsável pelo curso, o pedagogo e intérprete de Libras disse que a primeira aula foi muio positiva. “Público dedicado. Pessoas de secretarias diferentes, como educação e saúde, todos muito empenhados em aprender”.

Michele Cirino, servidora da área técnica da Saúde, ressaltou que o curso é uma necessidade. “Temos que pensar em equidade. Todos devem ter acesso à informação e o poder público deve oferecer esse serviço. Sempre penso que posso um dia precisar ajudar uma pessoa e quero poder fazer isso com segurança e facilidade”, contou Michele ressaltando a importância da iniciativa do poder público. “Percebo que a prefeitura está mais atenta a esse tipo de informação, promovendo mais acesso e incentivo a esse tipo de curso. Isso é imprescindível”.

O secretário de Assistência Social ressalta que o curso é uma das ações do novo espaço da Central da Libras que também passou a contar com sala para atendimento reservado, gravação de vídeos e atendimento via whatsapp.

“Novos cursos de aperfeiçoamento e técnicos serão formulados também para a comunidade surda, tudo para garantir o pleno atendimento da população”, contou o secretário de Assistência Social.

Central de Libras

Vale destacar que na Central de Libras, portadores de deficiência auditiva têm acompanhamento específico com profissionais que os auxiliam tanto no encaminhamento para os programas sociais, quanto na marcação de consultas médicas, solicitação de emissão de documentos pessoais e consulta de benefícios. A Central de Libras também pode ser acionada para outras ações junto às unidades de saúde ou audiências judiciais, além de serviço junto às delegacias e interpretação em atendimento médico.

Após o horário de atendimento presencial na Central, a Secretaria de Assistência Social disponibiliza o serviço de plantão, 24 horas via atendimento por mensagens. Se for necessário, o técnico/interprete vai de encontro ao solicitante para ajudá-lo: o atendimento presencial ocorre de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h; o serviço de plantão, online é através do whatsapp (24) 99883-3461.

A reorganização do CRAS Centro, com reforço nas equipes e ampliação no horário de atendimento, garantiu um aumento de 260% nos atendimentos diários na unidade. Agora, o equipamento, na Avenida Dom Pedro, nº 340, funciona das 7h às 20h, de segunda a sexta-feira.

“Esta reorganização garante que todos os que procuram atendimento sejam atendidos num espaço menor de tempo. A demanda existe e é importante que tenhamos capacidade para atender o mais rapidamente possível este público”, disse o governo interino.

De acordo com a Secretaria de Assistência Social, após a reorganização, já houve dias em que 90 pessoas foram atendidas. O secretário de Assistência Social lembra que o município também promoveu mutirões para reduzir o tempo de espera por atendimento. Agora, a intenção é garantir que todo o público seja atendido mais rapidamente com uma rotina diária, com mais pessoal e horário ampliado.

“O CRAS Centro é o mais procurado. Daí a reestruturação. Estamos aqui para atender a população, seja esclarecendo dúvidas, orientando, agindo na atualização ou inserção dos dados em programas que garantem auxílio. A Secretaria de Assistência Social seguirá empenhada em fazer o que for necessário para acelerar os atendimentos. A projeção é que, em dois meses, novembro e dezembro vamos garantir mais de 3 mil atendimentos”, disse o secretário de Assistência Social.

Vale destacar que novos telefones do CRAS Centro também estão à disposição para esclarecer as dúvidas da população: (24)2019-4717 e (24)2019-5865. Nesse primeiro momento, a ampliação no horário de atendimento ocorrerá no CRAS Centro. Os demais oito CRAS distribuídos no município continuarão seguindo o horário de 8h às 17h. A lista completa dos CRAS com endereço pode ser conferida no link:
https://petropolis.rj.gov.br/pmp/index.php/cras-centro-de-referencia-de-assistencia-social.html

A Prefeitura, por meio da Secretaria de Assistência Social realizou nessa sexta-feira (26/11) a entrega de 20 Carteiras do Idoso. O documento permite viajar de forma gratuita ou com 50% de desconto no valor das passagens interestaduais de ônibus e é direcionado a idosos com mais de 60 anos que recebem até dois salários mínimos e não possuem meios de comprovação de renda. Em outubro, outras 38 carteiras foram entregues pela SAS.

“Ação importante e que faz a diferença na vida dessas pessoas. Quem tiver dúvidas sobre a aquisição das carteiras pode procurar auxílio em um dos nove Centros de Referência em Assistência Social, CRAS, do município”, afirma o governo interino.

De acordo com o governo federal, para solicitar a carteira é preciso ter o Número de Identificação Social (NIS), o número de credenciamento no Cadastro Único para programas sociais do governo federal. Caso a pessoa ainda não possua o NIS, é possível fazê-lo em um CRAS - Centro de Referência de Assistência Social ou em um posto do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS.

“Caso o idoso já tenha o NIS, basta solicitar a carteira no próprio CRAS. A entrega também é realizada no próprio CRAS, onde foi feito o pedido”, reforçou o secretário de Assistência Social.

Importante destacar que, para o uso do bilhete de viagem do idoso, a solicitação deve ser feita diretamente nos guichês das empresas, com a carteira e um documento de identidade com foto. O pedido deve ser feito com antecedência.

“Rita de Cácia Andrade, 67 anos, recebeu a carteirinha. “Ajuda muito. Fico muito feliz com esse auxílio, faz toda diferença para mim”, contou.

Equipamento também conta com novos números de telefone: (24) 2019-4717 e (24) 2019-5865.

Para dar ainda mais celeridade aos atendimentos da Secretaria de Assistência Social, a Prefeitura ampliou o horário de funcionamento do CRAS Centro, que funciona na Avenida Dom Pedro, nº 340: agora, o atendimento é das 7h às 20h, de segunda a sexta-feira. Novos telefones também estão à disposição para auxílio da população: (24)2019-4717 e (24)2019-5865.

Antes, o horário de funcionamento era de 8h às 17h. “A ação proporcionará mais agilidade nos atendimentos, facilitando a vida de quem precisa atualizar seus dados ou fazer a sua inscrição no CadÚnico, por exemplo. Também estamos fazendo mutirões e ações do CRAS Volante nos bairros, justamente para garantir o suporte necessário para a população”, disse o governo interino.

O secretário de Assistência Social reforça a importância do trabalho. “Fizemos um levantamento e diagnosticamos a necessidade de ampliação no horário do atendimento do CRAS Centro para acelerar os agendamentos e viabilizar o acesso das famílias no PAIF - Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família – que também é oferecido em todos os Centros de Referência em Assistência Social e, também, para melhor identificar a inclusão ou atualização cadastral das famílias no Cadastro Único. Novos telefones também já estão disponíveis, reforçando a marcação do atendimento”, explica.

Para o cumprimento do horário, a equipe do CRAS vai se dividir em dois turnos. “Garantindo também que o servidor tenha qualidade e conforto no local”, acrescenta o secretário de Assistência Social. Importante destacar que, nesse primeiro momento, a ampliação no horário de atendimento ocorrerá no CRAS Centro. Os demais oito CRAS distribuídos no município continuarão seguindo o horário de 8h às 17h. A lista completa dos CRAS com endereço pode ser conferida no link:
https://petropolis.rj.gov.br/pmp/index.php/cras-centro-de-referencia-de-assistencia-social.html 

Central de Libras no CRAS Centro

No CRAS Centro, em um local anexo, também funciona o novo espaço da Central de Libras, onde portadores de deficiência auditiva têm acompanhamento específico com profissionais que os auxiliam tanto no encaminhamento para os programas sociais, quanto na marcação de consultas médicas, solicitação de emissão de documentos pessoais, consulta de benefícios e auxílio em qualquer situação onde necessite de um intérprete. O serviço da Central funciona, agora, 24 horas: o atendimento presencial ocorre de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, já após esse horário, a central disponibiliza o serviço de plantão, online, através do whatsapp (24)99883-3461.

A Central de Libras também pode ser acionada para outras ações junto às unidades de saúde ou audiências judiciais, além de serviço junto às delegacias e interpretação em atendimento médico. A Central está com inscrições abertas para curso de libras, direcionado aos servidores municipais. As inscrições podem ser realizadas pelo telefone (24)99883-3461 ou pelo email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

A Prefeitura, por meio do Centro de Referência em Atendimento à Mulher - CRAM está lançando duas importantes cartilhas para orientação e conscientização de homens e mulheres sobre violência doméstica. O material começará a ser distribuído a partir do próximo dia 25, durante a programação dos 16 Dias de Ativismo Contra a Violência de Gênero.

 
“Com a Lei Maria da Penha e todos os projetos desenvolvidos para as mulheres, percebemos que além de oferecer proteção às vítimas, também é necessário um trabalho preventivo junto ao público masculino. Mostrar, de forma bem didática e clara todos os tipos de violência, que nem sempre é a física”, explica o governo interino.
 
Para a coordenadora do Centro de Referência em Atendimento à Mulher – CRAM, o machismo está enraizado na cultura contemporânea, mas há formas de transformar essa realidade. Além da distribuição das cartilhas, a ideia é promover debates e rodas de conversa ainda aproveitando as ações do Novembro Azul.
 
No caso da cartilha do homem, ela é destinada a todos que conhecem alguém ou que de alguma forma se envolveram em uma situação de violência doméstica ou intrafamiliar e, também, para os que não entendem a violência em todas as suas formas. “Precisamos trazer os homens para a conversa, não para reduzir sua responsabilidade, mas porque eles precisam fazer parte e podem ser agentes transformadores. Estamos focando na prevenção”, afirma a coordenadora do CRAM.
 
Já a Cartilha do Cram é destinada, especificamente, ao público feminino. Isso porque, as equipes do equipamento já perceberam que a maioria das mulheres vítimas não sabem que estão sofrendo violência, por deduzirem que somente existe na forma física. “Elas só conseguem identificar depois de explicarmos cada um dos tipos de agressões. Essa cartilha vai garantir que elas tenham esse conhecimento. Entendemos que não adianta ter leis e equipamentos se não há informação. As mulheres precisam saber quem procurar, ter os telefones necessários e entenderem quando estão vivenciando uma relação abusiva”, frisa a coordenadora do CRAM.

Em parceria com o governo de Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, a Secretaria de Assistência Social realizou nessa quarta-feira (24/11) a entrega de 350 cartões SuperaRJ, no Clube Petropolitano. Essa foi a segunda grande entrega realizada em Petrópolis. Na primeira, no dia 8, outros 200 cartões foram distribuídos. Vale salientar que o Supera RJ é um programa do governo do Estado que garante auxílio emergencial mensal no valor de até R$ 380 – sendo R$ 300 do programa mais R$ 80 referentes ao auxílio gás - para famílias que estão enfrentando dificuldades financeiras, por conta da pandemia.

“É um programa importante e que está auxiliando a população, principalmente nesse momento em que os reflexos da pandemia ainda podem ser notados na economia. Petrópolis vem registrando uma recuperação, sobretudo na geração de empregos, principalmente nessa época de final de ano, no entanto, os mais atingidos pela recessão econômica precisam do suporte do poder público. Agradeço o governo do Estado pelo apoio à cidade”, disse o governo interino.

Na ocasião, o assessor especial da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, representando o Secretário de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos do Estado agradeceu a equipe da Secretaria de Assistência Social. “Acompanho de perto o carinho e empenho desses servidores que estão em contato com as famílias. Eles não medem esforços para fazer valer a importância desse programa”, disse o assessor especial da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

Ingrid Luani, de 24 anos, destacou a importância de receber o cartão nessa época. “Tenho um filho de quatro anos, estou desempregada e posso dizer que as coisas ainda estão muito difíceis, por isso, recebo com alegria esse cartão. Perto do Natal, reacendeu a minha esperança”.

Karina Fernandes, de 20 anos, que tem dois filhos, um com três anos e outro com quatro meses, também ficou feliz. “Sem palavras. Estava esperando por essa boa notícia. Preciso desse auxílio para os meus filhos e também para ajudar a minha mãe”.

Importante salientar que a Secretaria de Assistência Social entrou em contato previamente com as pessoas, marcando a entrega do cartão para esta quarta-feira. “O Estado nos envia os cartões, realizamos a conferência e, a partir disso, estamos marcando as entregas. Importante que todos saibam que o cartão já é entregue carregado”, confirmou o secretário de Assistência Social.

Também participaram da entrega a secretária de Serviços e Ordem Pública, a Coordenadora de Relações Institucionais, o Coordenador de Segurança Pública e o vereador Gil Magno.

Como funciona o Supera:

O valor do benefício é de, no mínimo, R$ 280,00 (duzentos e oitenta reais) com adicional de R$ 50,00 (cinquenta reais) por filho menor de idade, limitado a 2 (dois) filhos, podendo chegar no valor máximo de R$ 380,00 (trezentos e oitenta reais).

O secretário estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos reforça a importância do SuperaRJ. “É dever do poder público ajudar o cidadão. Em Petrópolis, graças ao apoio da prefeitura, estamos conseguindo organizar essas entregas em grupo, com organização, escalonamento, respeitando os protocolos de segurança. Posso dizer que, hoje, Petrópolis já é referência nesse atendimento”, explica o Secretário de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos do Estado.

Importante destacar que as famílias que são beneficiárias de outras programas de transferência de renda, como o Auxílio Brasil e Auxílio Emergencial, não têm direito ao auxilio do Supera RJ, que prioriza famílias desassistidas por programas sociais.

A Secretaria de Assistência Social está entrando em contato com as pessoas que devem receber o cartão. Quem tiver dúvidas sobre o cartão SuperaRJ pode procurar um dos nove CRAS do município (https://petropolis.rj.gov.br/pmp/index.php/cras-centro-de-referencia-de-assistencia-social.html) ou ligar para o call center do SuperaRJ, no telefone 0800 071 7474. A página oficial do programa (www.superarj.rj.gov.br) contém a discrição de quem pode e quem não pode receber o cartão.

A ação é parte do trabalho de cinoterapia retomado pela Prefeitura de Petrópolis em junho.

Esta terça-feira (23) foi mais um dia de cinoterapia no Centro de Tratamento Oncológico (CTO). O trabalho realizado pelo Grupamento de Operações com Cães, do canil Rufus Von Kru Gdorf, da Guarda Civil Municipal. A agente especial Jujuba - cadela de três anos de idade, da raça Golden Retriever - como sempre faz quinzenalmente às terças-feiras, tinha a responsabilidade de recepcionar os pacientes. Enquanto, na sala de espera, o grupo Crochemigas distribuiu gorros e mantas de crochê para alegrar o momento de quem luta contra o câncer.

“Estou muito feliz. Acho muito legal isso que elas estão fazendo. Adorei o presente”, destacou a aposentada Maria do Socorro Pereira que, aos 67 anos, venceu a luta contra o câncer. Ela foi uma das pacientes presenteadas com o trabalho das Crochemigas, parceiras da Guarda Civil Municipal no trabalho de cinoterapia desde que o grupo surgiu em 2018. “Começamos como um grupo de quatro amigas que nos reuníamos para apreender o crochê. Decidimos então fazer com que esse trabalho chegasse a mais pessoas, por meio de doações e foi assim que formamos a parceria com a Guarda. É um orgulho para nós poder trazer um pouco de alegria para quem vive esse momento tão difícil”, destacou a relações públicas do grupo, Márcia Coelho Neto, que junto de outras crochemigas como a Cleuza Amaral, Andreia Gaivão e Lúcia Leone entregou mais de 40 peças de crochê na ação no CTO.
Antes de ir embora, Maria do Socorro fez questão de cumprimentar a anfitriã Jujuba. “Amo cachorro e fico tão feliz quando ela está aqui”, destacou a aposentada, que ainda aproveitou para agradecer ao inspetor Diego Costa da Guarda Civil Municipal. “É para nós, guardas, uma satisfação muito grande poder realizar esse trabalho também. Estou na cinoterapia há três anos, desde que a Jujuba começou aqui também. Tenho muito orgulho disso”, destacou o inspetor.
Para a psicóloga do CTO, Cristina Volker, o trabalho de cinoterapia e também a ação do grupo Crochemigas tem efeito muito positivo sobre os pacientes. “Há estudos sobre isso, sobre o efeito da relação de amizade do homem com o cão sobre o bem-estar. Os animais têm se mostrado muito importantes nesse trabalho de cinoterapia. E a ação de hoje, com o grupo de crochê também colabora muito para reduzir a pressão que essas pessoas sofrem na luta contra o câncer. Ajuda a tornar esse momento tão difícil muito mais leve”, afirma a psicóloga.
A cinoterapia, que foi retomada esse ano pela Guarda Civil, promove bem-estar físico, emocional, cognitivo e social e tem o “melhor amigo do homem” como principal agente terapêutico. “É um trabalho fundamental prestado pela nossa Guarda Civil, que felizmente conseguimos fazer com que retornasse. Os cães são a alegria não só dos pacientes, que passam por um momento muito difícil, como também dos familiares, que estão ali acompanhando todo esse processo”, destaca o cinotécnico do Grupamento de Operações com da Guarda.

Ação acelera as devolutivas e encaminhamentos necessários para atendimento nos equipamentos públicos

Encaminhamento para atendimento nos CRAS e inclusão em programas federais de auxílio, além do diagnóstico das necessidades urgentes das famílias. Esses são alguns dos objetivos alcançados pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Assistência Social, a partir da instituição de uma equipe multidisciplinar que começou, em outubro, a atender os casos encaminhados a partir das denúncias do Disque 100 (Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos) e Ministério Público.

Com profissionais das áreas de psicologia e serviço social, a equipe consegue acelerar a devolutiva: a partir do recebimento da denúncia, os profissionais realizam um levantamento sobre o caso, conferindo, inclusive, se a pessoa / família já é atendida em algum equipamento público. Durante a visita, a equipe faz o estudo de caso que, posteriormente é enviado como devolutiva para o Disque 100 ou Ministério Público, com os apontamentos necessários: encaminhamento para inclusão em programas governamentais - atendimento em equipamentos como CRAS, CREAS ou, até mesmo, Secretaria de Saúde.

“A equipe está conseguindo dar celeridade necessária para o cumprimento dos prazos estipulados para resposta. Além disso, fortalece o trabalho da Assistência Social no auxílio às pessoas que estão precisando do suporte do poder público”, afirmou o governo interino.

Segundo o secretário de Assistência Social, a centralização da demanda na equipe multidisciplinar também desafoga a demanda dos CRAS. “Agora, profissionais específicos recebem as notificações e conseguem planejar as ações de forma que as conclusões dos casos sejam feitas respeitando prazos e fortalecendo o usuário que necessita de auxílio”, explicou.

Sobre o Disque 100:

Importante salientar que o Disque 100 é um programa do governo federal de disseminação de informações sobre direitos de grupos vulneráveis e de denúncias de violações de direitos humanos.

Qualquer pessoa pode reportar fato relacionado a violações de direitos humanos, da qual seja vítima ou tenha conhecimento – a denúncia pode ser anônima. É através dos relatos feitos pelo Disque 100 que o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos recebe, analisa e encaminha aos órgãos de proteção e responsabilização as denúncias de violações de direitos de crianças e adolescentes, pessoas idosas, pessoas com deficiência, população LGBTQIA+, população em situação de rua, entre outros.

O serviço funciona diariamente, 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados. As ligações podem ser feitas de todo o Brasil por meio de discagem direta e gratuita, de qualquer terminal telefônico fixo ou móvel, bastando discar 100.

“Cozinhas comunitárias: da teoria à prática” é o tema no próximo dia 18 de novembro, do Ciclo Básico de Formação em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável, realizado pelo Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (Comsea), em parceria com a Prefeitura e o Ministério Público, por meio da 2ª Promotoria de Tutela Coletiva de Petrópolis. O assunto será abordado por Maria da Conceição de Almeida Ferreira, a Concita da Pindoba.

Pedagoga e presidente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar do Maranhão e coordenadora Geral do Fórum Maranhense de Segurança Alimentar e Nutricional, Concita iniciará a palestra, que será transmitida pelas redes oficiais da Prefeitura, como Facebook e Youtube, às 19h. O Ciclo Básico de Formação em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável é voltado para a formação de gestores, servidores públicos da Saúde, Educação, Assistência Social, Defesa Civil e Meio Ambiente e membros de conselhos municipais.

A assistente social e coordenadora do Mesa Brasil Sesc, Cida Pessoa e Denise Tarin, procuradora de Justiça do Ministério Público do Rio de Janeiro, coordenadora do Projeto Segurança Humana-MPRJ também serão as palestrantes e vão falar, respectivamente, nos dias 25 de novembro e dois de dezembro, sobre “Banco de alimentos: da teoria à prática” e “Aspectos jurídicos do direito à alimentação”.

Começou na quinta-feira (11), o Ciclo Básico de Formação em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável, realizado pelo Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (Comsea), em parceria com a Prefeitura e o Ministério Público, por meio da 2ª Promotoria de Tutela Coletiva de Petrópolis. A iniciativa é voltada para a formação de gestores, servidores públicos da Saúde, Educação, Assistência Social, Defesa Civil e Meio Ambiente e membros de conselhos municipais.

O evento foi aberto com uma palestra da assistente social da Prefeitura de Juiz de Fora, Dora Vargas, que falou sobre “Intra e intersetorialidade para a garantia da Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável”. Ela defende que são necessárias políticas públicas que colaborem para o combate da insegurança alimentar. “Além disso, é importante integrar cada vez mais os órgãos de Assistência Social e de Defesa Civil, pois são eles que estão na ponta, ou seja, dentro das comunidades. Com essa integração, é preciso atuar na prevenção e não apenas nos momentos de emergência, como nos casos de desastres naturais”, disse.

A palestra, que aconteceu de forma online, teve pouco mais de uma hora e meia de duração, com a visualização de quase 400 pessoas. A promotora de Justiça Vanessa Katz, a presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar, Talita Berti e a coordenadora Especial de Articulação Institucional, acompanharam o evento. O Ciclo Básico de Formação em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável é transmitido pelas redes oficiais da Prefeitura: Youtube e Facebook.

A próxima palestra acontece no dia 18 de novembro, com a pedagoga e presidente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar do Maranhão e coordenadora Geral do Fórum Maranhense de Segurança Alimentar e Nutricional, Concita da Pindoba. Ela vai falar sobre o tema “Cozinhas comunitárias: da teoria à prática”.

A assistente social e coordenadora do Mesa Brasil Sesc, Cida Pessoa e Denise Tarin, procuradora de Justiça do Ministério Público do Rio de Janeiro, coordenadora do Projeto Segurança Humana-MPRJ também serão as palestrantes e vão falar respectivamente nos dias 25 de novembro e dois de dezembro, sobre “Banco de alimentos: da teoria à prática” e “Aspectos jurídicos do direito à alimentação”.

Pagina 4 de 82