Unidades já realizaram mais de dois mil cadastros sociais

Os Centros de Referência de Assistência Social (Cras) continuam o trabalho de referenciamento das famílias que foram afetadas pelas chuvas de fevereiro e agora também, de março. São oito unidades fixas distribuídas pela cidade e atendimentos volantes em pontos críticos.

Entre os dias 15 de fevereiro e 22 de março, os Cras cadastraram 2.525 famílias no Cadastro Único. A inscrição neste sistema de informações é importante para o enquadramento dessas famílias em programas e políticas públicas assistenciais. “O CadÚnico é um conjunto de informações sobre as famílias em situação de vulnerabilidade social. Os dados permitem que elas acessem programas de complemento de renda ou contra insegurança alimentar, via recebimento de cestas de alimentos, por exemplo. Nesse momento em que a cidade foi atingida duramente pela chuva, é importante que as famílias, que tenham o perfil para ter direito aos benefícios, de fato recebam os benefícios”, explica Fernando Araújo, secretário de Assistência Social (SAS).

Para continuar atendendo a demanda que aumentou devido aos eventos envolvendo as chuvas, as unidades do Cras Centro e Alto da Serra, além das Unidades do Aluguel Social estarão abertas neste sábado (26). “Esses são pontos com maior procura principalmente de pessoas com dúvidas sobre o Aluguel Social. E visando o público que não consegue vir às unidades durante a semana, estendemos o atendimento”, pontua Márcia Schanuel, responsável pelo Cras Centro.

Unidades em funcionamento neste sábado (26.03):
Cras Centro - Rua Dom Pedro, 340 – 8h às 17h
Cras Alto da Serra - Rua Santo Antônio, 248 – 8h às 17h
Unidade do Aluguel Social – Rua Dom Pedro, 199 – centro – 8h às 17h
Unidade do Aluguel Social – Cras Alto da Serra – Rua Santo Antônio, 248 – 8h às 17h

Quinta, 24 Março 2022 - 12:09

CRAS retomam atendimento

As unidades dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) da cidade retomam o funcionamento normal nesta quinta-feira (24), incluindo o ponto de atendimento recém inaugurado no Alto da Serra. A nova unidade tem foco na população diretamente afetada pelas chuvas na região.

Endereços dos CRAS :

  • Centro - Av. Dom Pedro I, 340
  • Alto da Serra - Rua Santo Antônio, 248
  • Alto Independência – Rua José Lino Pai, ao lado da UBS
  • Quitandinha – Avenida Ayrton Senna, próximo ao 545 (pórtico)
  • Carangola – Rua Waldemar Vieira Afonso, 19
  • Corrêas – Rua Vigário Corrêa, 443
  • Itaipava – Estrada União e Indústria, 11.860
  • Posse – Estrada União e Indústria, ao lado do Ciep

Material será entregue às famílias que conseguiram novos lares

Nesta terça-feira (22), o prefeito Rubens Bomtempo, a secretária-chefe de gabinete, Luciane Bomtempo e o secretário de Assistência Social, Fernando Araújo receberam uma doação de 50 geladeiras, 50 fogões e 50 lava-roupas (tanquinho) do Grupo Big, que administra uma rede de supermercados no Rio de Janeiro. “Eu fiz questão de vir aqui receber essa doação. É muito importante garantir um novo lar com equipamentos novos para as famílias que já sofreram tanto. Através desse gesto vamos conseguir promover justiça social. Agradeço ao Grupo Big que escolheu ter um gesto de solidariedade com a cidade”, agradeceu o prefeito. Para os diretores do Grupo Big, Jorge Herzog e Carlos Ely esse é um momento de unir forças para reconstruir a cidade. “Ficamos felizes de contribuir. Sabemos que será difícil, mas com a união de forças vamos conseguir recomeçar”, pontuou Jorge.

Mais de 700 contratos de aluguel foram formalizados pelas equipes da Prefeitura de Petrópolis até o momento. São famílias que estavam em abrigos ou desalojadas e que conseguiram um novo lar. Desde fevereiro, uma força-tarefa com cerca de 50 envolvidos, faz um trabalho para auxiliar as vítimas da chuva na busca por um imóvel seguro. “Diariamente me reúno com essa equipe para juntos buscarmos soluções para os problemas que vão surgindo. Garantir uma moradia digna é nosso foco”, pontua o prefeito Rubens Bomtempo.

Depois que os contratos são formalizados, as famílias são auxiliadas, também, na mudança. Caminhões e pessoal estão disponíveis para transportar os bens. Ainda dentro da ajuda institucional oferecida pelo município, o governo está doando eletrodomésticos da linha branca e móveis para as famílias que perderam tudo. Até esta terça-feira (22), 128 famílias receberam itens novos para mobiliar as residências. “Nosso foco agora é dar um pouco de conforto às pessoas que se encontram em uma situação de vulnerabilidade extrema. Seguimos atuando em diferentes frentes, tudo ao mesmo tempo, para tentar amenizar um pouco a situação em que estão”, afirma Fernando.


Outras unidades da Secretaria de Saúde também enfrentam dificuldades devido aos problemas causados pelas chuvas. São eles: UBS Morin, UBS Quitandinha, USF Alto da Serra, USF Santíssima Trindade, USF Pedras Brancas, USF Bairro Castrioto, USF Meio da Serra, USF São Sebastião, USF Siméria, USF Castelo São Manoel, USF Jardim Salvador e USF Sargento Boening.

Educação

Os atendimentos realizados na sede, na Praça Visconde de Mauá (Praça da Águia), continuam suspensos devido aos alagamentos. Já na Casa da Educação (Barão do Rio Branco), há atendimento nos setores de protocolo e recursos humanos.

Procon

O Procon Petrópolis terá que passar por serviços de limpeza e, por isso, permanece sem atendimento na sede. A previsão é que a autarquia reabra ainda nesta semana.

Centro Administrativo

Os serviços do Centro Administrativo Frei Moser, na Avenida Barão do Rio Branco, continuam a funcionar parcialmente nesta terça-feira (22).

Prefeito determinou reforma da Praça Miguel Couto, devolvendo espaço para a comunidade

Em cumprimento a decisão da 4ª Vara Cível, a Prefeitura de Petrópolis retirou todas as roupas estragadas que foram deixadas pelo Governo do Estado na Praça Dr. Miguel Couto, no Alto da Serra.

Além de devolver o espaço para a comunidade, o prefeito Rubens Bomtempo determinou a reforma da praça, com o objetivo de revitalizar a área.

Desde que o polo de atendimento foi transferido para o Colégio Estadual Princesa Isabel, no Quitandinha, a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social deixou, além da montanha de roupas usadas, barraca e banheiros químicos. Imagens publicadas nas redes sociais também mostram que a Prefeitura de Belford Roxo despejou centenas de sacolas à revelia do governo municipal de Petropolis, agravando o problema.

Há 15 dias, o município notificou o Estado e deu ciência à Defensoria Pública e ao Ministério Público sobre o descaso com essas doações. A decisão da 4ª Vara, proferida neste sábado, determinou que a Prefeitura retirasse o material da praça. Agentes do Estado retiraram a barraca do local.

A Prefeitura ressalta que só realiza a doação de roupas novas, em perfeitas condições, fruto de doações da Receita Federal do Brasil. Esclarece, ainda, que a central de doações administrada pela gestão municipal é o galpão da Tec Auto, em Itaipava, com logística, normas de condicionamento, separação e segurança dos donativos, conforme divulgado por diversas vezes.

Atendimentos às vítimas da chuva de fevereiro são realizados em oito unidades e por equipes volantes

Os Centros de Assistência Social (CRAS) do município foram reativados e retornaram com as orientações e atendimento da demanda reprimida que surgiu em consequência da chuva de 15 de fevereiro. As unidades atendem aos desabrigados e desalojados em oito pontos da cidade.

“No primeiro momento tivemos que manter as unidades fechadas para avaliação da Defesa Civil. Os CRAS ficam localizados em comunidades que foram afetadas pela chuva forte de alguma maneira. Era necessário garantir a segurança do público que ia acessar o espaço e das equipes”, explica Fernando Araújo, secretário de Assistência Social.

Enquanto as unidades eram vistoriadas, o atendimento às demandas nos pontos de abrigamento era feito por equipes da Secretaria com Assistente Social, Orientador Social, e Psicólogos. Nos locais, os profissionais faziam o primeiro atendimento cadastrando as pessoas e observando as necessidades de cada núcleo familiar.

“Estivemos em todos os pontos de apoio para o cadastro dessas famílias. O serviço foi feito manualmente, pois a tragédia também afetou nossos equipamentos. O importante naquele momento era realizar os registros daquelas famílias para garantir o acesso aos serviços que têm direito. Agora vamos qualificar e analisar todos os dados”, pontua o secretário.

Não posso voltar para casa, o que devo fazer?

As pessoas que estavam nos pontos de abrigamento oficiais e comunitários foram cadastradas pelas equipes da Secretaria de Assistência Social que prestavam o serviço de maneira itinerante nos abrigos. Essas famílias foram cadastradas através da ficha de atendimento emergencial que já era praticada em Petrópolis, devido a atuação em outras situações envolvendo desastres. “Essas pessoas já estão com o direito ao Aluguel Social, por exemplo, assegurado pelo Município e pelo Estado nesse primeiro momento. Atuamos no momento de tensão e para garantir o atendimento. Agora vamos afinar o serviço”, explica Fernando.

O decreto municipal N.º 041 de 24 de fevereiro de 2022, norteia as ações para a concessão do Aluguel Social no valor de R$1.000 (R$800 pagos pelo Estado e complemento de R$200 pelo município). O documento desobriga, por 90 dias, o cadastramento no CadÚnico e por 60 dias a apresentação do laudo da Defesa Civil. Esses documentos serão solicitados ao final dos prazos.

Uma força tarefa foi montada para agilizar a assinatura dos contratos de aluguel para que as famílias que estão nos abrigos encontrem um imóvel. Até esta quinta-feira (10), 172 contratos formalizados estavam na sala da Procuradoria-Geral do Município.

Estou desalojado, o que devo fazer?

Os desalojados foram cadastrados pelo Estado no Colégio Estadual Rui Barbosa ou no Colégio Estadual Princesa Isabel. O município também realizou alguns cadastros. As pessoas que não fizeram esse cadastramento devem procurar uma das unidades dos Centros de Atendimento em Assistência Social (CRAS) para referenciamento. “Importante frisar que todos os cadastrados passarão por análise criteriosa, com confronto de dados, incluindo composição familiar original antes da tragédia”, pontua o secretário.

CRAS em funcionamento:

  • Centro - Av. Dom Pedro I, 340 – 7h às 20h
  • Alto Independência – Rua José Lino Pai, ao lado da UBS – 9h às 17h
  • Quitandinha – Avenida Ayrton Senna, próximo ao 545 (pórtico) - 9h às 17h
  • Carangola – Rua Waldemar Vieira Afonso, 19 - 9h às 17h
  • Corrêas – Rua Vigário Corrêa, 443 - 9h às 17h
  • Itaipava – Estrada União e Indústria, 11.860 - 9h às 17h
  • Madame Machado – Rua Geraldo Lourenço Dias, s/n - 9h às 17h
  • Posse – Estrada União e Indústria, ao lado do Ciep - 9h às 17h

Em pauta as próximas reuniões do CMAS que discutirão assuntos relacionados à chuva de fevereiro

Nesta quarta-feira (9), o secretário de Assistência Social, Fernando Araújo se reuniu com a Mesa Diretora do Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS) para discutir alguns assuntos que serão abordados na reunião mista e em reunião extraordinária marcadas para a próxima semana. Em pauta, assuntos relacionados à chuva de fevereiro. “O Conselho é um órgão essencial nesse momento para garantir o funcionamento das nossas políticas públicas. Vamos dar continuidade ao trabalho de parceria para que os projetos sejam implementados”, pontuou o secretário.

Será apresentado e apreciado o Plano de Ação do Cofinanciamento do Estado para este ano, além do Termo de Aceite do Serviço de Prestação em Situações de Calamidades Públicas e Emergências. A reunião extraordinária está agendada para o início da próxima semana. Participaram do primeiro encontro com a nova gestão da pasta a presidente do Conselho, Cristiane Maria Rodrigues Ferreira e o primeiro secretário, Carlos Jorge Guimarães. “Esse é um momento de diálogo e cooperação”, destacou a presidente.

Neste sábado, equipes do município estarão na servidão Humberto da Costa, no Dr. Thouzet

As equipes das secretarias de Defesa Civil e Assistência Social seguem com o mutirão de atendimentos pelas comunidades. Nesta sexta-feira (11) as equipes técnicas estão na comunidade do Alto da Serra com os serviços de cadastramento de Registro de Ocorrência (RO) e apresentação dos mapas com as demarcações dos trechos de risco remanescentes nas localidades. Ontem as equipes realizaram atendimento aos moradores do bairro Floresta e, neste sábado (12), o posto avançado estará na comunidade do Dr. Thouzet, na Servidão Humberto da Costa.

Da mesma forma, os profissionais do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) dão orientações e fazem os encaminhamentos para os casos de aluguel social e demais benefícios adequados ao perfil de cada grupo familiar. “Seguimos com os atendimentos volantes para alcançar todas as localidades afetadas com os serviços que são urgentes no momento. Nossas equipes estão empenhadas para garantir celeridade no atendimento da população”, destacou o prefeito Rubens Bomtempo. O trabalho teve início na última segunda (7) e já percorreu as regiões do Caxambu, Vila Militar, Vila Felipe e Rua Nova.

O trabalho tem acelerado o cadastramento dos Registros de Ocorrência (RO) e auxiliado a população quanto aos serviços que estão sendo disponibilizados. Como aconteceu com Vanessa Pessoa Campos, que acolhe uma amiga que perdeu a casa por conta de um dos deslizamentos no Floresta. “Esse trabalho é muito necessário, contribui em muito para que possamos saber onde recorrer e como vamos resolver a situação das pessoas que perderam suas casas”, destacou Vanessa.

As localidades do Sargento Boening, Chácara Flora, Dr. Thouzet, Quitandinha, Alto da Serra e Castelânea estão entre as regiões que vão receber o posto avançado. Antes da instalação dos postos avançados nas regiões afetadas, as equipes da Defesa Civil visitam cada localidade para orientar sobre o trabalho que será realizado, mobilizar e definir dia e local para que o serviço seja disponibilizado.

Boletim passa a contar com dados de locais organizados por ONGs, igrejas e outras entidades

A partir desta terça-feira (1º), o boletim sobre os efeitos das chuvas passa a contar também com os abrigos voluntários, montados em comunidades. A Secretaria de Assistência Social fez busca ativa e mapeou esses locais, que se somam às estruturas oficiais da Prefeitura de Petrópolis. Hoje, são 162 pessoas nos pontos voluntários, administrados por ONGs e igrejas. Em escolas municipais e estaduais, há 955 pessoas, totalizando 1.117 cidadãos desabrigados em 34 pontos de apoio (veja a lista no fim da matéria).

Em todos os pontos de apoio a população recebe alimentação, suporte para a higiene pessoal, atendimento de assistência, saúde, psicólogos, além de orientações sobre benefícios sociais. Todas as pessoas que precisaram recorrer aos pontos de apoio por terem perdido suas casas, terão direito ao aluguel social no valor de R$ 1 mil. Desabrigados têm prioridade e já foram cadastrados por equipes da Prefeitura.

Cerca de 2 mil vistorias em andamento

Com relação à Defesa Civil, continua o trabalho de vistoria das áreas afetadas. No total, 50 profissionais estão atendendo a mais de 3,6 mil ocorrências – somente nesta terça-feira (01), houve 87 novos chamados. Há, neste momento, cerca de 2 mil vistorias estão em andamento.

Buscas continuam no Chácara Flora e Rio Quitandinha

O resgate das vítimas se concentra nas regiões do Chácara Flora e Rio Quitandinha, onde o Corpo de Bombeiros atua com indícios de cinco vítimas. Para a realização das buscas é deslocado efetivo para isolamento das áreas de trabalho, além de organização e desvio de trânsito quando necessário. O trabalho continua à noite com suporte da Enel Distribuição Rio, que fornece iluminação. A Polícia Civil mantém o número de 231 óbitos, sendo 137 mulheres, 94 homens e 44 menores.

Confira a lista de pontos de abrigo:

- Pontos administrados pela Prefeitura:

  • Escola Germano Valente
  • E. M. Papa João Paulo
  • E.M. Dr. Rubens de Castro Bomtempo
  • E. M. Duque de Caxias
  • E.M. Joaquim Deister
  • E.M. Alto Independência
  • E. Rui Barbosa
  • E.M. Geraldo Ventura Dias
  • E. M. Maria Campos
  • E. M. Bom Jesus
  • E.M. Carlos Demiá
  • E. Nossa Sra. da Gloria
  • E. João Batista
  • E. Irmãs Oblatas
  • CEI Chiquinha Rolla
  • CEI Carolina Amorim
  • E.C. Santo Antônio
  • Paróquia Santo Antônio

- Pontos voluntários nas comunidades:

  • 2ª Igreja Batista; Igreja Católica (Floresta)
  • Igreja Assembleia de Deus Ministério Nação
  • Igreja Metodista (Instituto Wesleyana)
  • Igreja Nova Jerusalém
  • Igreja Batista do Quitandinha
  • Igreja Unção
  • Igreja Santíssima Trindade
  • Igreja Videira
  • Quadra Oswaldo Cruz – PSF
  • Associação Vila São Jose
  • Capela São Paulo Apóstolo
  • Salão do BNH do Sargento Boening
  • Ministério Profético
  • Clube Palmeiras

Prefeitura trabalha em uma série de medidas para assistir quem foi atingido

Aluguel social de R$ 1 mil, isenção de IPTU, isenção da taxa de coleta de lixo, Cartão Imperial de R$ 70, isenção da taxa de água, isenção da taxa de energia elétrica, kits-moradia, pontos de apoio. Essas são algumas das medidas trabalhadas pela Prefeitura para assistir as famílias atingidas pelas chuvas de 15 de fevereiro.

O prefeito Rubens Bomtempo explicou essas medidas.

Aluguel Social

As famílias que perderam suas casas terão direito ao aluguel social no valor de R$ 1 mil (sendo R$ 800 pagos pelo governo estadual e R$ 200 pagos pela Prefeitura).

Todas as pessoas que estão nos abrigos estão automaticamente cadastradas no programa do Aluguel Social. Já com relação às famílias desalojadas, o cadastro está sendo feito na Escola Princesa Isabel, pelo Governo do Estado.

Para viabilizar a concessão do aluguel social, a Prefeitura já montou um força-tarefa, em parceria com o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-RJ), para buscar imóveis que possam ser alugados para essas famílias.

Isenção de IPTU e da taxa de coleta de lixo

O prefeito Rubens Bomtempo apresentou, nesta semana, um projeto de lei para a isenção do IPTU para imóveis alugados por beneficiários do aluguel social. O projeto, que foi encaminhado à Câmara Municipal para votação, também prevê a isenção da taxa da coleta de lixo.

O objetivo do projeto é facilitar o aluguel dos imóveis pelas famílias que perderam suas casas nas chuvas do dia 15 de fevereiro. Com menos essas despesas, ficará mais atrativo para os proprietários o aluguel dos seus imóveis para os beneficiários do programa.

“Queremos incentivar as pessoas a disponibilizarem esses imóveis. Para que esses imóveis se transformem em um equipamento social importante neste momento”, disse Bomtempo.

Isenção das taxas de água e energia elétrica

“Vamos solicitar que as concessionárias de água e energia elétrica façam as ligações, assim que acontecer o aluguel (pelo programa Aluguel Social). E vamos solicitar também a isenção da taxa para essas pessoas que estiverem morando lá com o aluguel social. Vamos nos empenhar pra que as concessionárias façam essa isenção”, disse Bomtempo.

Cartão Imperial

Para cada desabrigado, a Prefeitura vai disponibilizar o Cartão Imperial no valor de R$ 70, para a compra de alimentos. O cartão é por pessoa.

“Então se a família tiver de três a quatro pessoas, ela pode ganhar de R$ 210 a R$ 280. Essa medida é para ajudarmos essas famílias no que é essencial na vida delas, que é a alimentação”, disse Bomtempo.

Kit-moradia

A Prefeitura busca, junto ao terceiro setor, ajudas e parcerias para a compra de kits-moradia para as famílias que perderam tudo. Nesses kits, estarão móveis e utensílios essenciais para uma casa, mas que as famílias perderam no desastre das chuvas de 15 de fevereiro: fogão, geladeira, cama, armário etc. O objetivo é viabilizar o recomeço dessas famílias em suas novas casas, pagas com o aluguel social.

Pontos de apoio

Neste primeiro momento pós-desastre, antes da concessão do aluguel social, as famílias que precisaram de abrigo puderam contar com os pontos de apoio da Prefeitura. São famílias que perderam suas casas ou que não podem voltar para casa por conta do risco.

Até o momento, 875 pessoas estão abrigadas nos 13 pontos de apoio montados em escolas da rede municipal de Educação da Prefeitura, além do Colégio Estadual Rui Barbosa.

Os pontos de apoio oferecem, aos abrigados, alimentação e atendimentos de assistência social e de psicólogos, médicos e enfermeiros. Há também ali recreação para as crianças. Os pontos de apoio também funcionam como pontos de recebimento para pequenas doações.

Pagina 4 de 84