“Cozinhas comunitárias: da teoria à prática” é o tema no próximo dia 18 de novembro, do Ciclo Básico de Formação em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável, realizado pelo Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (Comsea), em parceria com a Prefeitura e o Ministério Público, por meio da 2ª Promotoria de Tutela Coletiva de Petrópolis. O assunto será abordado por Maria da Conceição de Almeida Ferreira, a Concita da Pindoba.

Pedagoga e presidente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar do Maranhão e coordenadora Geral do Fórum Maranhense de Segurança Alimentar e Nutricional, Concita iniciará a palestra, que será transmitida pelas redes oficiais da Prefeitura, como Facebook e Youtube, às 19h. O Ciclo Básico de Formação em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável é voltado para a formação de gestores, servidores públicos da Saúde, Educação, Assistência Social, Defesa Civil e Meio Ambiente e membros de conselhos municipais.

A assistente social e coordenadora do Mesa Brasil Sesc, Cida Pessoa e Denise Tarin, procuradora de Justiça do Ministério Público do Rio de Janeiro, coordenadora do Projeto Segurança Humana-MPRJ também serão as palestrantes e vão falar, respectivamente, nos dias 25 de novembro e dois de dezembro, sobre “Banco de alimentos: da teoria à prática” e “Aspectos jurídicos do direito à alimentação”.

Começou na quinta-feira (11), o Ciclo Básico de Formação em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável, realizado pelo Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (Comsea), em parceria com a Prefeitura e o Ministério Público, por meio da 2ª Promotoria de Tutela Coletiva de Petrópolis. A iniciativa é voltada para a formação de gestores, servidores públicos da Saúde, Educação, Assistência Social, Defesa Civil e Meio Ambiente e membros de conselhos municipais.

O evento foi aberto com uma palestra da assistente social da Prefeitura de Juiz de Fora, Dora Vargas, que falou sobre “Intra e intersetorialidade para a garantia da Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável”. Ela defende que são necessárias políticas públicas que colaborem para o combate da insegurança alimentar. “Além disso, é importante integrar cada vez mais os órgãos de Assistência Social e de Defesa Civil, pois são eles que estão na ponta, ou seja, dentro das comunidades. Com essa integração, é preciso atuar na prevenção e não apenas nos momentos de emergência, como nos casos de desastres naturais”, disse.

A palestra, que aconteceu de forma online, teve pouco mais de uma hora e meia de duração, com a visualização de quase 400 pessoas. A promotora de Justiça Vanessa Katz, a presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar, Talita Berti e a coordenadora Especial de Articulação Institucional, acompanharam o evento. O Ciclo Básico de Formação em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável é transmitido pelas redes oficiais da Prefeitura: Youtube e Facebook.

A próxima palestra acontece no dia 18 de novembro, com a pedagoga e presidente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar do Maranhão e coordenadora Geral do Fórum Maranhense de Segurança Alimentar e Nutricional, Concita da Pindoba. Ela vai falar sobre o tema “Cozinhas comunitárias: da teoria à prática”.

A assistente social e coordenadora do Mesa Brasil Sesc, Cida Pessoa e Denise Tarin, procuradora de Justiça do Ministério Público do Rio de Janeiro, coordenadora do Projeto Segurança Humana-MPRJ também serão as palestrantes e vão falar respectivamente nos dias 25 de novembro e dois de dezembro, sobre “Banco de alimentos: da teoria à prática” e “Aspectos jurídicos do direito à alimentação”.

Petrópolis já tem 4 famílias habilitadas pelo programa

Informações sobre acolhimento, encontros preparatórios e as técnicas usadas com as famílias que se preparam para acolher uma criança ou adolescentes. Esses foram alguns pontos abordados durante o encontro entre profissionais que atuam no Programa Família Acolhedora em Petrópolis e os responsáveis pelo projeto em Arraial do Cabo. O encontro ocorreu nessa semana, na Casa da Cidadania, em Petrópolis.

Famílias Acolhedoras são voluntárias que recebem, nas suas residências, de forma temporária, crianças e adolescentes vítimas de negligência, abandono ou violência. Com o acolhimento necessário, essas famílias garantem a continuidade dos vínculos afetivos dessas crianças, evitando que sejam encaminhadas para equipamentos institucionais.

Vale destacar que no cadastro do Programa, em Petrópolis, já há quatro famílias. “Petrópolis pode servir de exemplo para outros municípios porque, graças ao trabalho realizado pela equipe do programa na cidade, já temos quatro famílias habilitadas e, continuamos na campanha para que mais pessoas se interessem por essa causa tão importante, que é a de oferecer carinho, proteção e segurança para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade”, contou o governo interino.

De acordo com a coordenadora do Programa, a troca foi positiva. “Tivemos a oportunidade de mostrar como são feitos os nossos treinamentos, conversamos sobre os desafios dos encontros online por conta da pandemia e nossa rotina de acompanhamento. Essa troca é muito valiosa e estimulante para aqueles que estão se dedicando a causa”.

Importante salientar que nas capacitações realizadas em Petrópolis pelo programa, são trabalhados oito temas com os integrantes da família, desde o histórico sobre o trabalho da Assistência Social, até sobre o acesso a programas nos CRAS e suporte psicológico necessário para lidar em situações pontuais. Após passarem pela capacitação online, os inscritos para participação do Programa Família Acolhedora mantém o contato com a Secretaria de Assistência Social que será a responsável pelo encaminhamento dos casos necessários de acolhimento para essas famílias, quando necessário.

“A Secretaria de Assistência Social está de portas abertas para receber outros municípios que tenham interesse em conhecer um pouco mais sobre a atuação do Programa Famílias Acolhedoras em Petrópolis. Além disso, é importante que as famílias petropolitanas saibam que continuamos em busca de mais famílias para habilitação no programa”, afirma o secretário de Assistência Social.

Um os objetivos da Família Acolhedora é preservar a convivência da criança com a família. Durante o todo o período em que a família estiver no lar, profissionais e a própria família trabalharão para possibilitar o retorno ao convívio familiar. Quem tiver interesse em participar do programa pode se inscrever através do cadastro no site da prefeitura, através do telefone 2249-4319, ou, ainda, pelo email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Mais informações sobre o programa também podem ser adquiridas na sede:

Serviço de Acolhimento Familiar
Avenida D. Pedro I, 199, Centro.
2249-4319
Atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.
Inscriçoes também pelo site da prefeitura: www.petropolis.rj.giv.br
Email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O segundo mutirão de atendimentos promovido pela Secretaria de Assistência Social nos CRAS do Centro e Itaipava atendeu 230 pessoas no último sábado (05/11), sendo 141 no Centro e 89 em Itaipava. O objetivo da ação foi o de dar celeridade no atendimento às famílias petropolitanas. A intenção é de que um mutirão por mês seja realizado pela SAS.

“Mais uma vez, o mutirão da Assistência Social reforça a rede de atendimento às pessoas que precisam de um apoio do poder público. Importante destacar que a ação porque permite o atendimento dentro do mês do cadastro, dando celeridade a todo processo de inserção e atualização de dados em programas como o CadÚnico”, afirmou o governo Interino.

O secretário de Assistência Social destaca que pelo menos um mutirão deverá ser feito todos os meses. “Através desses atendimentos simultâneos no Centro e em Itaipava, nos dois CRAS que receberam mais pessoas, conseguimos auxiliar aqueles que estavam agendados para dezembro e janeiro, ou seja, esses petropolitanos recebem a devolutiva mais rapidamente e conseguimos, dessa forma, também esclarecer dúvidas sobre as ações governamentais de auxilio tão importantes para a população”, contou.

Vale salientar que, no primeiro mutirão, realizado em outubro, 171 pessoas foram atendidas e tiveram sua situação regularizada no CadÚnico, meio importante para acesso a programas como o Bolsa Família, o Benefício de Prestação Continuada (BPC), o SuperaRJ e a tarifa social de energia elétrica.

Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, e Prefeitura, pela Secretaria de Assistência Social, realizaram nessa segunda-feira (08/11) a entrega de aproximadamente 200 cartões do programa Supera RJ. A ação ocorreu no Clube Petropolitano, no Centro. A previsão é de que mais cerca de 300 cartões sejam entregues na cidade, de forma escalonada, respeitando os protocolos de segurança e prevenção por conta do coronavírus.

Supera RJ é um auxílio emergencial mensal no valor de até R$ 380 – sendo R$ 300 do programa mais R$ 80 referentes ao auxílio gás - para famílias que estão enfrentando dificuldades financeiras. O programa é do governo do Estado.

“O objetivo é auxiliar as pessoas que estão precisando de auxílio financeiro, principalmente nesse momento em que todos os municípios continuam no enfrentamento e lutam pela superação da crise econômica causada pelas medidas de combate ao novo coronavírus. Importante agradecer o apoio do governo do Estado nessa ação que prioriza a população em situação de vulnerabilidade social”, explicou o governo interino.

A Secretaria de Assistência Social está avisando as famílias sobre a entrega do cartão de forma prévia. “Essa é a primeira entrega. Outras serão realizadas e a equipe da Secretaria de Assistência Social está em contato com as pessoas para informar sobre a data de entrega. Importante destacar que tivemos cuidado de conferir cartão por cartão, com ajuda do Estado para garantir que as pessoas já tenham acesso ao crédito no ato do recebimento”, contou o secretário de Assistência Social.

Melissa Ramos, 19 anos, afirmou que o cartão chegou em boa hora. “Tenho um bebê de dez meses e estou desempregada, precisando de ajuda não só para as cobrir as necessidades do bebê, mas também as de casa. Fiquei feliz e aliviada. Vai ajudar muito”, contou.

Como funciona a divisão de valores do Supera:

O valor do benefício será de, no mínimo, R$ 280,00 (duzentos e oitenta reais) com adicional de R$ 50,00 (cinquenta reais) por filho menor de idade, limitado a 2 (dois) filhos, podendo chegar no valor máximo de R$ 380,00 (trezentos e oitenta reais).

"O programa SuperaRJ vem ajudar àquelas famílias que mais precisam do apoio do Estado neste momento difícil que vivemos. Agora, a parceria do Governo do Estado com a Prefeitura de Petrópolis será essencial para acelerar a distribuição dos cartões no município. Queremos fazer de Petrópolis a referência do sucesso do programa SuperaRJ", disse o secretário de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

Elias Montes, assessor especial da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, auxiliou a equipe de Petrópolis no planejamento do evento. “Agradeço o apoio dos servidores que atuam na Assistência Social. Tenho orgulho de participar desse momento marcante onde as pessoas fizeram o melhor possível para ajudar o próximo”.

Importante destacar que as famílias que são beneficiárias de outras programas de transferência de renda, como Bolsa Família e auxilio emergencial, não têm direito ao auxilio do Supera RJ, que prioriza famílias desassistidas por programas sociais.

Quem tiver dúvidas pode procurar um dos nove CRAS do município ou ligar para o call center do SuperaRJ, no telefone 0800 071 7474. A página oficial do programa (www.superarj.rj.gov.br) contém a discrição de quem pode e quem não pode receber o cartão.

A Secretaria de Assistência Social participou, nessa sexta-feira (05/11) de uma ação conjunta com a Secretaria de Saúde e Cobea no Catobira, em Itaipava. Na ocasião, os servidores da SAS atenderam 35 famílias, conferindo a inserção em programas, serviços e atendimentos ofertados pelo poder público.

“Iniciativas como esta aproximam as equipes das secretarias da população, ampliando o acesso àqueles que precisam dos serviços públicos”, explicou o governo interino.

Uma das principais ações foi a verificação dos dados das famílias no CadÚnico, lembrando que o cadastro é a porta de entrada para o acesso a programas como o Bolsa Família, o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e a tarifa social de energia elétrica.

“Levamos informação, mostrando que o poder público pode e deve estar mais próximo, esclarecendo dúvidas e mostrando a importância dos serviços ofertados, auxílio e a garantia dos direitos da população. Agradeço a equipe da Secretaria de Assistência Social por todo empenho”, disse o secretário de Assistência Social.

Na ocasião, a equipe da Cobea verificou a situação dos animais que dividem o espaço com essas famílias, para controle de zoonoses. Já os funcionários da Saúde fortaleceram o trabalho que já é realizado na comunidade, com vacinação e atendimento psicológico.

CRAS Volante nas Comunidades

O CRAS VOLANTE, que integra a equipe do Centro de Referência de Assistência Social – CRAS – visitará comunidades nesse mês de novembro para atendimento da população, também com o objetivo de dar suporte a famílias que residem em locais de difícil acesso, por meio de recadastramento, inscrição no Cartão Imperial e atualização do cadastro único (CadÚnico).

Confira a programação:
No mês de novembro estaremos nos seguintes bairros:
De 16 a 19 - Escola Municipalizada Marieta Gonçalves – (Glória) das 9h às 16h
De 10 a 12 - Quadra do Bonfim – (Corrêas) das 9h às 16h

Previsão de 250 atendimentos

Para dar celeridade no atendimento das famílias nos CRAS Centro e CRAS Itaipava, a Secretaria de Assistência Social realizará o segundo mutirão nesses equipamentos nesse sábado (06/11), das 9h às 17h. A previsão é de que sejam realizados 250 atendimentos, já previamente agendados pela equipe da Assistência Social. Vale destacar que nos Centros de Referência de Assistência Social são executados serviços de proteção social básica, além da organização e coordenação da rede de serviços sócio-assistenciais locais.

O mutirão diminui a demanda reprimida de atendimentos, principalmente no que diz respeito aos dados do CadÚnico - entre os programas que podem ser acessados com o CadÚnico em dia estão o Bolsa Família, o Benefício de Prestação Continuada (BPC), o SuperaRJ e a tarifa social de energia elétrica.

“No primeiro mutirão, realizado em outubro, 171 pessoas foram atendidas e tiveram sua situação regularizada no CadÚnico. Essa é uma iniciativa importante que garante rapidez no suporte a essas famílias que precisam do acesso a programas governamentais de auxílio”, explicou o governo interino.

O secretário de Assistência Social explica que os mutirões estão sendo realizados para agilizar os atendimentos e evitar espera em função da demanda. Sem os mutirões, estaríamos agendando para janeiro. Não queremos esta espera, especialmente num momento como o que vivemos", frisou.

“Com o mutirão conseguimos adiantar esses atendimentos, as pessoas não estão precisando esperar, o que é extremamente importante para o público que é atendido nos CRAS. São petropolitanos que precisam desse cuidado; A atualização de dados ou a inserção em programas específicos garante o auxílio necessário para as pessoas em vulnerabilidade social. Estamos aqui para apoiar quem mais precisa e vamos fazer da melhor forma possível”, garantiu o secretário de Assistência Social.

O CRAS Centro fica na Avenida Dom Pedro I, nº 340. O CRAS Itaipava fica no Centro da cidadania - Estr. União e Indústria, nº 11860.

A Secretaria de Assistência Social já possui no cadastro quatro famílias habilitadas para atuar no Programa Família Acolhedora, no entanto, busca mais interessados para fortalecer a iniciativa. Quem tiver interesse pode se inscrever através do cadastro no site da prefeitura, através do telefone 2249-4319, ou, ainda, pelo email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Famílias Acolhedoras são voluntárias que recebem, nas suas residências, de forma temporária, crianças e adolescentes vítimas de negligência, abandono ou violência. Com o acolhimento necessário, essas famílias garantem a continuidade dos vínculos afetivos dessas crianças, evitando que sejam encaminhadas para abrigos institucionais. Após passarem pela capacitação online, os inscritos mantêm o contato com a Secretaria de Assistência Social, através de equipe técnica, que é a responsável pelo encaminhamento dos casos necessários de acolhimento para essas famílias, quando necessário.

“Todas as pessoas podem se cadastrar no serviço, inclusive solteiros. O importante é que estejam dispostos a acolher com carinho e cuidado essas crianças ou adolescentes”, explica o governo Interino.

Após o cadastro e seleção, a família passa por um processo de capacitação e a equipe técnica da Secretaria de Assistência Social, formada por assistentes social e psicólogos continua realizando o acompanhamento enquanto durar o processo.

“Nas capacitações são trabalhados oito temas, desde o histórico do acolhimento no Brasil, os direitos da criança e do adolescente, o desenvolvimento infantojuvenil e o atendimento no âmbito da política de assistência social, como o acesso a serviços e programas desenvolvidos pelos CRAS, suporte psicológico necessário para lidar com situações pontuais”, disse a coordenadora do Serviço.

Importante sempre destacar que o Serviço de Família Acolhedora busca preservar a convivência familiar e comunitária da criança ou adolescente.

“Durante todo o período que estiverem na residência de acolhedores, os profissionais e a família acolhedora, juntamente com a rede socioassistencial, trabalharão para possibilitar o retorno da criança ou adolescente para sua família. É a disponibilização do amor e do carinho ao outro da melhor forma possível. Quem tiver interesse pode procurar a equipe do programa e tirar as dúvidas”, afirma o secretário de Assistência Social.

Quem tiver interesse em participar do serviço pode se inscrever através do cadastro no site da prefeitura, através do telefone 2249-4319, ou, ainda, pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Sobre o Processo de Habilitação

Como funciona?
Para ser um acolhedor é necessário passar por algumas etapas obrigatórias:

*Entrevista inicial e pré-cadastro;
Solicitação de Documentos:
(Apresentar o original e entregar cópias)
• RG, Registro Civil e CPF de todos os membros da família;
• Comprovante de residência;
• Certidões Negativas dos cartórios distribuidores: Civil e Criminal dos membros maiores de 18 anos do núcleo familiar;

*Participação das reuniões de Capacitação;
*Visita Domiciliar (agendada com a equipe técnica);
*Entrevista Final e elaboração do perfil da criança ou adolescente a ser acolhido (no final do processo).
Observações:
* Para que possam acolher nenhum membro do núcleo familiar poderá estar inscrito no Sistema Nacional de Adoção
* Deverão ser residentes do Município de Petrópolis

Dando continuidade ao fortalecimento do Programa de Segurança Alimentar e Nutricional, a Prefeitura de Petrópolis, por meio da Secretaria de Assistência Social, entregou, nesta quinta-feira (28) o Cartão Imperial para 24 famílias petropolitanas. Todas foram incluídas agora no programa e receberam os cartões em uma ação realizada na Casa dos Conselhos Augusto Ângelo Zanatta. O cartão, que é recarregado mensalmente com o valor de R$ 70, tem o objetivo de dar um auxílio a famílias em situação de vulnerabilidade social e insegurança nutricional.

Desde janeiro foram entregues 138 novos cartões. No total, hoje, quase 4 mil famílias petropolitanas têm acesso ao benefício. “O programa é importante pois garante um suporte para aqueles que estão precisando desse apoio para reforço alimentar. O cartão é destinado para a compra de alimentos, que podem ser adquiridos em mais de 170 estabelecimentos comerciais da cidade”, disse o governo interino.

O subsídio também é direcionado às famílias que possuem integrantes com deficiência ou portadores de doenças crônicas. Esses devem apresentar laudo ou comprovante de acompanhamento médico para ter acesso ao benefício.

“Para ser incluída no programa, a família deve estar registrada no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico). A Secretaria de Assistência Social mantém um acompanhamento de todos os trâmites do programa e através dessa entrega simbólica reafirma o compromisso de auxiliar a população petropolitana. Agradeço ao governo interino pelo apoio e à equipe da Secretaria de Assistência Social pelo empenho”, afirma o secretário de Assistência Social.

Marta Regina Barbosa, 58 anos, foi uma das beneficiárias que recebeu o cartão. “Chegou em uma ótima hora! Vai me ajudar muito. Tomo remédios controlados, tenho que controlar a alimentação e estou em busca de um novo emprego. Voltei a estudar, e, agora, com o cartão, tudo começará a melhorar, tenho certeza. É um dia feliz”, contou.

Para se cadastrar no programa, as pessoas devem procurar a Secretaria de Assistência Social ou um dos nove CRAS em funcionamento na cidade, apresentar documento de Identidade e CPF, comprovante de residência, carteira de trabalho ou comprovante de renda, certidão de nascimento dos filhos menores, comprovante de escolaridade e carteira de vacinação dos menores de 10 anos.

Sexta, 22 Outubro 2021 - 10:43

Equipes dos CRAS na campanha do Outubro Rosa

Para conscientizar as pessoas que são atendidas diariamente nos nove centros de Referência em Assistência Social (CRAS) mantidos pela Secretaria de Assistência Social, as servidoras que atuam nos espaços estão vestindo a camisa do Outubro Rosa. O objetivo é exaltar o mês de conscientização sobre o câncer de mama.

“Informação é tudo e a camisa é um dos símbolos de sensibilização. Agradeço as servidoras que estão na linha de frente, atendendo as famílias nesses equipamentos públicos que realizam atendimentos importantes para famílias e pessoas que precisam do suporte do poder público”, disse o governo interino.

A campanha Outubro Rosa é realizada mundialmente e leva, através de ações conjuntas, informações de tratamento sobre a doença para a redução da mortalidade.

Só em setembro, os CRAS do município realizaram mais de seis mil atendimentos. “Um assunto que pode e deve estar em foco em todos os locais que realizam atendimento da população. Muito além de vestir a camisa, as equipes da Assistência Social estão a postos para orientar, tirar dúvidas e encaminhar as pessoas que precisam de ajuda e informação sobre atendimentos e acesso a programas governamentais de apoio”, comentou o secretário de Assistência Social.

Em Petrópolis, até o dia 31 de outubro, o Palácio Sérgio Fadel (prédio da Prefeitura) e os monumentos 14 Bis e Obelisco estarão iluminados com a cor rosa também em alusão à campanha.

Pagina 7 de 84