A Prefeitura, por meio da Secretaria de Assistência Social, vai traçar um perfil dos frequentadores do Restaurante Popular. O estudo será conduzido pela coordenadora do Restaurante Popular, a psicóloga Fernanda Medeiros, que tenta entender os impactos da pandemia na vida daquele público. A pesquisa de campo deverá trazer respostas que vão fazer parte da estratégia de atuação do Governo Municipal com as famílias, principalmente aquelas em estado de vulnerabilidade social.

No Restaurante Popular são oferecidos, de segunda a sexta-feira, 1 mil cafés da manhã (a R$ 0,50 cada) e mil almoços (a R$ 1 cada). A pesquisa será iniciada ainda este mês permitir a identificação de pessoas que precisam de outros atendimentos sociais.

A meta é dar continuidade ao serviço que já são oferecidos. O número alto de pessoas que procuram uma alimentação barata pode fornecer dados importantes que irão abastecer um plano de ação da secretaria. Dessa forma, a intenção é ter um perfil geral desta população, com identificação das suas necessidades e poderemos fazer encaminhamentos a outros serviços como o Centro Pop, Cras e Creas.

Um fato observado pela coordenadora e autora da pesquisa é com relação à influência da pandemia no público que frequenta o estabelecimento popular. De acordo com a coordenadora, há pessoas que levam as quentinhas para outras pessoas que estão em quarentena. Essa ação solidária também será alvo da pesquisa. A aposentada Celinha Almir Gonçalves, de 72 anos, pega refeições para seu esposo, que tem 84 anos e uma vizinha que mora sozinha e tem complicações de saúde.

A Secretaria de Assistência Social vai criar um perfil detalhado do público, o que vai contribuir para que diferentes setores que cuidam das famílias em situação de vulnerabilidade possam identificar e atuar na assistência.

A Prefeitura de Petrópolis anunciou nesta quarta-feira (20.01) que os valores referentes ao Cartão Imperial estão disponíveis para as famílias cadastradas, que recebem mensalmente o recurso de R$ 70. O auxílio é direcionado para pessoas que comprovem viver em situação de vulnerabilidade social, de insegurança alimentar e/ou nutricional. Ao todo mais de quatro mil famílias garantem o acesso ao Cartão Imperial.

Vale destacar que os beneficiários do Cartão Imperial podem adquirir os alimentos em mais de 170 estabelecimentos comerciais cadastrados pela Prefeitura. O subsídio também é direcionado as famílias que possuem integrantes com deficiência ou portadores de doenças crônicas.

Cartão Merenda Certa será recarregado em fevereiro

O Cartão Imperial, programa social municipal que garante complemento de renda para compra de alimentos a famílias em situação de risco social na cidade, terá os valores depositados nesta semana. A Prefeitura trabalha para garantir os recursos o mais rapidamente possível, assegurando o benefício aos cadastrados no programa. O auxílio mensal é de R$ 70.

O Cartão Imperial é voltado para a compra de alimentos em estabelecimentos conveniados. O benefício é concedido a quase 4 mil famílias, que contam com a contribuição do programa social para complementar seu sustento. Todas as famílias cadastradas no programa estão registradas no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico).

Merenda Certa

O governo municipal também confirmou que o Cartão Merenda Certa voltará a ser recarregado em fevereiro. A informação é da secretária Municipal de Educação, Márcia Palma, que lembrou que, legalmente, o benefício não pode ser concedido em janeiro, por ser período de férias, segundo o calendário escolar.

Sabendo da importância do programa como auxílio no reforço alimentar das crianças que estão fora do ambiente escolar devido à pandemia, o governo municipal está agilizando todos os trâmites necessários para garantir a formalização da administração do Cartão Merenda por empresa do ramo, o que garantirá que a recarga do cartão volte a ser feita já em fevereiro.



Perdida e morando nas ruas em Pedro do Rio, uma mulher de 43 anos, com transtorno mental, foi reinseria nesta sexta-feira (17/07) à sua família após ser encontrada e receber o acompanhamento da equipe da Secretaria de Assistência Social por cerca de um mês. Ela é um dos 15 casos de reinserção da população em situação rua em Petrópolis neste ano. Só em 2019, foram outras 40 pessoas que retornaram à casa de suas famílias ou foram reinseridas na sociedade.

Em Petrópolis, a estimativa é de que tenham entre 120 e 150 pessoas em situação de rua. No caso da usuária reinserida nesta sexta-feira, ela foi encontrada pela equipe de abordagem de rua em Pedro do Rio no dia 18 de junho. Uma ação em conjunta entre o Centro Pop e o Consultório na Rua, da Secretaria de Saúde.

“A equipe de abordagem, após encontrar a usuária, verificou a necessidade de ela ser avaliada pelo Consultório na Rua, que a levou para a psiquiatria, onde foi medicada, estabilizada e acolhida na Unidade de Acolhimento Temporário. E desde então a gente vem oferecendo acompanhamento médico, acompanhamento psicossocial. Conseguimos contatar a família dela, que mora em Areal. A equipe do Centro Pop da abordagem social fez todo esse trabalho de entendimento, conscientização e reflexão com ela, que aceitou retornar para o seio da família”, explica a coordenadora do Centro Pop, Telma Resende.

Esse trabalho da Assistência Social é feito pela equipe de Abordagem Social. É por intermédio da equipe que os usuários chegam até o Centro Pop e então começa o trabalho para localização de familiares, enquanto os usuários são encaminhados ao NIS (Núcleo de Inclusão Social) ou a Unidade de Acolhimento Temporário (que está funcionando apenas neste período de pandemia) com acompanhamento de pedagogos e psicólogos. Em todos os equipamentos, os usuários recebem alimentação, orientações, atendimentos com psicólogos, assistentes sociais e pedagogos, além de máscaras.

“É um trabalho muito gratificante. Todo mês conseguimos reinserir pelo menos uma pessoa. É um desafio diário, no momento em que cada pessoa consegue sair dessa situação de risco, de vulnerabilidade social. A equipe dessa forma pode ver que está no caminho certo. E assim a gente continua atuando na perspectiva de realizar um trabalho com qualidade e eficiência”, completa Telma, lembrando que algumas pessoas também são reinseridas no mercado de trabalho e conseguem sair das ruas com a ajuda da equipe.

 

Centralizar importantes atividades da Secretaria de Assistência Social é o objetivo do novo Núcleo de Programas Socioassistenciais. O prédio, que fica na Rua D. Pedro, no número 199, no Centro Histórico, onde antes funcionava um CREAS e o NAPE-IJ (Núcleo de Atendimento Psicológico Especializado Infanto-Juvenil), agora abriga seis serviços voltados para a população em vulnerabilidade social. O objetivo é facilitar a comunicação e melhorar a capacidade de gestão dos programas, além de torná-los mais acessíveis aos usuários. O espaço também passou por reformas.

Nesta segunda-feira (13/07), o prefeito visitou o espaço e acompanhou o trabalho que é realizado no núcleo. No Núcleo de Programas Socioassistenciais continua funcionando o NAPE-IJ, que agora foi ampliado - além do container, é usada também uma sala. E o espaço abriga ainda o Programa Criança Feliz (o atendimento é domiciliar e lá funciona a gestão do programa); o Acessuas Trabalho (programa do Governo Federal de acesso ao mercado de trabalho); a gestão do Cartão Imperial; o cadastro de famílias para o Minha Casa, Minha Vida, e também é ali que se concentra toda a gestão das concessões de cestas básicas do primeiro distrito, dando assim mais acesso a população.

Só o Programa Criança Feliz atende mais de 500 famílias. É uma iniciativa do Governo Federal para ampliar a rede de atenção e o cuidado integral das crianças na primeira infância. Já o Cartão Imperial tem 4 mil beneficiários. O Programa de Segurança Alimentar e Nutricional tem como objetivo atender famílias em situação de vulnerabilidade social e de insegurança alimentar/nutricional.

O Programa Acessuas busca promover a integração dos usuários da assistência social ao mundo do trabalho, por meio de ações articuladas e mobilização social. E o programa Petrópolis Criança Cidadã - um convênio celebrado entre a Prefeitura de Petrópolis, Exército Brasileiro, Mitra Diocesana de Petrópolis, Vara da Infância e Governo do Estado - tem como objetivo prestar assistência a adolescentes do sexo masculino entre 14 e 17 anos em situação de vulnerabilidade social, visando a conquista da cidadania, através da educação integral.

O Nape realiza a escuta qualificada de crianças e adolescentes supostamente vítimas de violência sexual.  Lá é feito um trabalho especializado para a análise de cada denúncia de abuso sexual infantil. As crianças e adolescentes são encaminhadas pelo Conselho Tutelar, Delegacia ou Ministério Público.

A segunda etapa da campanha “#Petrópolis no combate ao coronavírus. Seja Solidário” – que começou no último dia 13 – já arrecadou mais três toneladas de alimentos. A Secretaria de Assistência Social entregou 190 cestas básicas a famílias em vulnerabilidade social. No total, desde o início da ação (no fim de março), foram 1.259 cestas, com o total de 21 toneladas de alimentos doados. A campanha é uma parceria entre a prefeitura, o Covida (Grupo Remir) e a Associação Petropolitana dos Pacientes Oncológicos (APPO).

Os atendimentos para as famílias necessitadas estão sendo feito pelos números: 08000242526/ 2233-8108/ 2233-8110. Todas as solicitações passam por análise de técnicos da Secretaria de Assistência ou visita domiciliar.

As doações continuam sendo recebidas nos pontos de coleta, espalhados por mercados, farmácias e petshops. Estão sendo recolhidos alimentos, produtos de higiene pessoal e ração para os animais. E elas também podem ser feitas em dinheiro, através da conta da APPO: Banco Itaú, agência 9244, conta corrente 24940-6, CNPJ: 36.548.949/0001-78. Uma porcentagem das doações fica para ajuda dos pacientes oncológicos e outra é revertida em compras para as famílias em vulnerabilidade social

Durante a campanha, novos parceiros têm surgido, como a Pizzaria Sottile’s, o Armazém do Grão e a DIB, além da sociedade civil. Os pontos de coleta estão nos seguintes estabelecimentos: Armazém do Grão; Terê Frutas; DIB; Megadelli e Grandelli; Super Market; Super Bingen; Super Serra; Mercado Delei; Empório Multimix; Multimix; Xodó de Minas; Super Bingen; Rede Economia; Tá no Gosto, Bread Fruit, Green Fruit e Petro Verde.

Em três meses, campanha arrecadou 37 toneladas de alimentos

A Campanha Seja Solidário ganhou mais um reforço nesta terça-feira (1º.07). A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias fez a doação de 772 cestas básicas, que serão entregues a famílias em vulnerabilidade social. Criada em parceria com o Covida (Grupo Remir), a Associação Petropolitana dos Pacientes Oncológicos (APPO) e a Secretaria de Assistência Social, a campanha tem o objetivo de ajudar famílias que tiveram a renda comprometida por conta do coronavírus. No total, em três meses, a ação já arrecadou 37 toneladas de alimentos.

Todas as solicitações para o recebimento de cestas básicas passam por análise de técnicos da secretaria ou visita domiciliar. Os atendimentos para as famílias necessitadas estão sendo feitos pelos números: 08000242526/ 2233-8108/ 2233-8110.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias mantém um projeto contínuo humanitário, além do projeto “Mãos que ajudam”. Todas as doações vieram de membros e amigos da instituição religiosa. Em Petrópolis, são 2.100 membros, divididos em seis unidades, em Cascatinha, Corrêas, Alto da Serra, Coronel Veiga e Centro.

“O programa de ajuda humanitária é um programa mundial, que tem como objetivo ajudar a comunidade em momentos de desastres, calamidades ou até mesmo pandemias, como estamos vivendo hoje. O nosso objetivo é o de servir. Aprender que a maior demonstração de amor ao próximo é o servir. É isso que aprendemos com o exemplo de cristo”, explica Alex Sander Estrella da Silveira, presidente da igreja.

“Estamos muito felizes em poder participar dessa ajuda à comunidade. Sabemos que isso não resolve todos os problemas, mas acreditamos que essa pequena demonstração será possível, de alguma forma, minimizar os efeitos dessa pandemia”, completa ele.

Além de alimentos, as doações também podem ser feitas em dinheiro, através da conta da APPO: Banco Itaú, agência 9244, conta corrente 24940-6, CNPJ: 36.548.949/0001-78. Uma porcentagem das doações fica para ajuda dos pacientes oncológicos e outra é revertida em compras para as famílias em vulnerabilidade social.

Ponto de coleta com parceiros:

Armazém do Grão; Terê Frutas; DIB; Megadelli e Grandelli; Super Market; Super Bingen; Super Serra; Mercado Delei; Empório Multimix; Multimix; Xodó de Minas; Super Bingen; Rede Economia; Tá no Gosto, Bread Fruit, Green Fruit e Petro Verde.

Petrópolis recebeu novos equipamentos para o Centro de Referência Especializado da Assistência Social, o CREAS. São computadores, projetores, TVs, bebedouros, aparelhos de ar condicionado, entre outros. O material é referente ao convênio com o Ministério da Cidadania. Além de melhorar a qualidade do serviço no CREAS que funciona no Centro Histórico, os equipamentos também serão usados no Centro que está sendo planejado para atuar nos distritos. Os itens foram adquiridos a partir de emenda parlamentar.

O CREAS oferta serviços voltados para pessoas e famílias em situação de risco social, por violação de direitos. São pessoas que sofreram ou sofrem com violência física, psicológica e negligência; discriminação sexual ou racial; cumprimento de medidas socioeducativas, entre outras. Atendimentos que são gerados por demandas espontâneas da população, através de denúncias feitas na própria unidade ou pelo Disque 100 e por casos que são encaminhados pela Vara da Infância, Juventude e Idoso.

Entre os itens adquiridos estão refrigerador, fogões, impressoras, projetores, TVs LED, telas de projeção, bebedouros, aparelhos de ar condicionado, mesas, cadeiras executivas e computadores. O CREAS funciona na Rua Dom Pedro, 353, Centro.

Objetivo é reforçar orientações de prevenção ao coronavírus e também o acompanhamento remoto das atividades

Mais de 500 famílias inseridas no Programa Criança Feliz, voltado para o desenvolvimento da criança na primeira infância, estão sendo acompanhadas mais de perto pela Secretaria de Assistência Social. As visitas – que chegaram a ser suspensas e agora estão restritas neste período de isolamento social – recomeçaram na última semana, de forma quinzenal, com o objetivo de fortalecer o vínculo com as famílias, dando orientações sobre a importância de ficar em casa para o combate ao coronavírus, e entregando kits de alimentação para o reforço nutricional dos pequenos. As equipes também fazem o acompanhamento remoto com o envio de atividades.

Diferente do que era feito dentro do programa, neste momento de prevenção à covid-19, os visitadores não entram nas residências e mantém distância durante o atendimento, além, claro, de usarem equipamento de proteção individual.

O programa, que é realizado com crianças de 0 a 3 anos de idade, é desenvolvido e custeado pelo Governo Federal e é voltado para as famílias em vulnerabilidade social, que sejam cadastradas no Bolsa Família. Desde que foi implantado, o programa já realizou mais de 10 mil visitas a famílias para acompanhar o desenvolvimento das crianças. O trabalho também é oferecido a famílias com crianças com deficiência, inseridas no Benefício de Prestação Continuada (BPC). Nesses casos, o acompanhamento se estende até a criança completar seis anos de idade.

“Mas neste período de pandemia estamos fazendo um acompanhamento remoto, via WhatsApp ou telefone.  Disponibilizamos informações, orientações sobre a covid- 19, sugestões de  brincadeiras, vídeos musicais para o cuidador realizar com a criança visando  fortalecer o vínculo afetivo família- criança, estimular o desenvolvimento infantil. As atividades são de acordo com a faixa etária das crianças. Também mantemos contato com as gestantes. As visitas domiciliares, com o técnico entrando nas casas, estão suspensas neste período, mas consideramos fundamental continuarmos acompanhando as famílias e dando suporte nesse momento difícil”, destaca a supervisora do Criança Feliz, a psicóloga Márcia Grotz.

O Programa consiste no trabalho de estimulação do desenvolvimento infantil e fortalecimento de vínculo afetivo. Quando possível, o trabalho começa desde a gestação. Durante as visitas, são realizadas atividades diversas que estimulam o crescimento saudável e fortalecem o vínculo socioafetivo entre a família.

A Secretaria de Assistência Social deu início esta semana à Operação Pernoite Covid-19, que tem como objetivo reforçar a proteção à população em situação de rua neste período de pandemia. Entre as ações está a readequação ainda maior dos alojamentos no NIS, o Núcleo de Integração Social, que fica no Alto da Serra. Também estão sendo criadas mais vagas para o pernoite – já que neste período de frio o movimento aumenta no local - e novos procedimentos para prevenção ao coronavírus foram adotados pela equipe.

Parte do repasse emergencial de R$ 2.009.700,00 destinado pelo Ministério da Cidadania será usado para transformar o espaço onde, hoje, estão as tendas da Defesa Civil em alojamentos individuais. Ao todo serão 26 alojamentos. Com isso, a capacidade do NIS será ampliada de 73 para 84 vagas. Desde o início da pandemia, o Núcleo já vem adotando medidas especiais para proteger as pessoas em situação de rua da doença.

A previsão é de que os novos alojamentos fiquem prontos em até um mês, mas, antes disso, todos que já funcionam atualmente seguem todas as recomendações do Ministério da Saúde e esta semana passaram por uma nova readequação. Os usuários que chegam ao NIS também passam pela checagem na enfermaria e recebem máscaras e orientações de higiene para prevenir o coronavírus. Uma enfermeira faz o trabalho de checagem dos sintomas da covid-19 duas vezes por dia. A alimentação também passou por mudanças no local, além de as refeições serem distribuídas em material descartável, o café da manhã agora é consumido no pátio e o almoço e o jantar tem um limite de pessoas por vez no refeitório.

A entrada no NIS vai das 19h30 às 21h, com lanche das 20h30 às 21h15 e café da manhã das 6h30 às 7h.

Ônibus do Consultório na Rua é reformado

O programa Consultório na Rua também presta assistência de saúde de pessoas em situação de rua. O ônibus onde os atendimentos são realizados foi reformado, com melhorias na parte elétrica, sistema de refrigeração e pintura e a Secretaria de Saúde estuda a instalação de um toldo para permitir ampliar as consultas. De janeiro a maio, o ônibus realizou 1.057 atendimentos.

A equipe do programa conta com médico, enfermeiro, técnico de enfermagem, técnico de saúde bucal, psicólogo e assistente social e o ônibus realiza o serviço junto a essa população no Centro e em Corrêas, pelo menos uma vez por semana. No local, são feitas vacinações, prevenção a infecções sexualmente transmissíveis, encaminhamento para atendimento odontológico, tratamento psiquiátrico, tratamento de dependência química, entre outros.

Pagina 10 de 82