Estão abertas as inscrições para o curso de Dicção e Oratória, que acontecerá no próximo dia 23, na Casa dos Casa dos Conselhos, sediada na Prefeitura. O aulão será gratuito e terá a duração de 9h à 13h, e tem como objetivo ajudar na elaboração de um bom  discurso e da fala em público. O evento chega a Petrópolis graças à parceria da Prefeitura, por meio da Coordenadoria da Juventude, com a Fundação Ulysses Guimarães (FUG). O palestrante será o presidente da instituição, Amaury Cardoso. Os interessados devem procurar a Coordenadoria de juventude até o dia 15, para realizar as inscrições.

O aulão será aberto a todos que se interessam pelo assunto. E, para a inscrição é necessário dispor de nome completo, CPF, telefone e e-mail. O evento contará com material gratuito e certificado emitido pelo MEC. Para os universitários, o aulão valerá hora complementar. Para a inscrição e mais informações, basta entrar em contato pelos telefones da Coordenadoria de Juventude, (24) 98845-4866 e (24) 99240-2936.

Onze instituições totalizando 13 delegados irão representar o município na Conferência Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, que acontece em julho do ano que vem. Os selecionados, e mais 25 propostas, foram aprovados durante IX Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente que aconteceu no último fim de semana na Casa dos Conselhos.

As instituições selecionadas para enviar um delegado para representar o município na Conferência Estadual foram: Projeto Social Aprendendo a Brincar, Seelyg, Grupo Assistencial SOS Vida, Associação Creche São Cherbel, Sadias, Comac, OAB, Fórum das Associações Moradores de Petrópolis, Conselho Tutelar, Conselho de Direito e Poder Público.

Durante a conferência foram discutidos cinco eixos temáticos, e de cada um saíram cinco propostas, totalizando 25 sugestões que serão encaminhadas para a comissão da Conferência Estadual, onde serão avaliadas, com possibilidade de serem aprovadas para a Conferência Nacional que acontece em outubro de 2019. Entre elas são: criar o Programa Municipal de acesso ao primeiro emprego ao adolescente em vulnerabilidade social, uso consciente de novas tecnologias e aprimorar o diálogo entre a rede de atendimento socioassistencial entre outras.

Foram dois dias de evento, que contaram com a participação especial de dois palestrantes:  o delegado da Polícia Federal, Clayton Bezerra e o psicólogo Claudio Augusto Vieira da Silva, que abordaram temas de violência contra criança, além das apresentações dos corais infantis Orquestra de Cidadania Sinfônica de São Charbel e Projeto C3. Mais de 100 pessoas participaram dos dois dias de Conferência.

“Aqui representamos as crianças e seus anseios para serem discutidos e esse espaço é de suma importância para todos inclusive para o município. Nos eixos de política pública queremos levar a questão da educação das criança”, contou educadora social e vice-presidente da Seelyg – instituição associada ao CMDCA, Ana Eleutero.

Com o tema “Proteção Integral, diversidade e enfrentamentos das violências”, a IX Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente acontece nos dias 9 e 10 de novembro na Casa dos Conselhos. Serão dois dias de debates, com o objetivo de construir propostas voltadas para o princípio da proteção integral de crianças e adolescentes nas políticas públicas, fortalecendo as ações de enfrentamento às violências, para serem apresentadas na Conferência Estadual no próximo ano. O credenciamento será no dia, uma hora antes do início do evento.

O primeiro dia conta com abertura com Momento Cultural oferecendo uma apresentação de coral além da presença especial do delegado da Polícia Federal Clayton Bezerra explanando sobre o tema da conferência. O delegado é idealizador do evento “Federal Kids”, que promove o combate à pedofilia, unindo a sociedade e a Polícia Federal em um grande movimento nacional de conscientização que culmina com uma corrida envolvendo pais, responsáveis e as crianças.

No sábado (10.11), o presidente do CMDCA, junto com a Comissão Organizadora – composta por quatro conselheiros, inicia o encontro com a plenária para leitura e aprovação do regimento interno e discussão dos eixos temáticos que será ministrada pelo psicólogo Cláudio Augusto Vieira da Silva. São cinco assuntos que serão analisados por cinco grupos (divididos no dia), com a finalidade de elaborar as propostas que serão aprovadas pela plenária e encaminhadas para a Conferência Estadual.

Os eixos debatidos serão: garantia dos direitos e políticas públicas integradas e de inclusão social; prevenção e enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes; orçamento e financiamento das políticas para crianças e adolescentes; participação, comunicação social e protagonismo de crianças e adolescentes e espaços de gestão e controle social das políticas públicas de crianças e adolescentes. No total, o município apresentará 25 propostas.

“Precisamos despertar a população de Petrópolis para discutir sobre o crime de abuso sexual contra as crianças e adolescentes. Mais de 70% dos casos de abuso acontecem dentro da casa da vítima. Essa situação traz para família um medo e uma vergonha e faz com que o crime seja subnotificado, ou seja, as pessoas não vão até uma unidade da polícia para fazer a denúncia”, destacou o delegado da Polícia Federal Clayton Bezerra.

 Após a definição das propostas, o grupo define os Delegados que irão representar a cidade na Conferência Estadual que acontece em julho de 2019. A lista será composta por 13 delegados municipais representantes Conselheiros de Direito, Conselheiro Tutelar, Movimento Social, Sistema de Justiça, Crianças e Adolescentes, Rede de Atendimento e Universidades públicas ou Privadas.

“Preparamos a Conferência com o objetivo de extrair bons questionamentos, além de ser um momento importante, pois as propostas definidas serão encaminhadas para Conferência Estadual e que depois irão para a Conferência Nacional. Podemos ter propostas do município sendo discutidas em nível de todo o país”, frisa o presidente do CMDCA.

PROGRAMAÇÃO:

09.10 - Sexta-feira

18h - Credenciamento

19h - Abertura Solene

9h20 - Momento Cultural- apresentação do Coral da Creche São Charbel

19h40 - Palestra com o delegado da Polícia Federal Clayton Bezerra sobre o tema "Proteção Integral, Diversidade e Enfrentamento das Violências"

20h20 - Confraternização

10.11 - Sábado

08:30 - Recepção e Credenciamento dos novos participantes;         

09:20 - Composição da mesa;

09:40 - Plenária para Leitura e Aprovação do Regimento Interno da IX Conferência;

10:10 - Momento Cultural com Apresentação do Coral Projeto - C3;

10:30 - Apresentação dos Eixos Temáticos da IX Conferência; com o Psicólogo Claudio Augusto Vieira da Silva;

12:00 - Intervalo

13:00 - Divisão dos Grupos de Trabalhos;

14:30 - Plenária para apresentação e Aprovação das Propostas dos Grupos de trabalho;

15:30 - Apresentação do Relatório Consolidado das propostas da IX Conferência;

16:00 - Plenária para Eleição dos Delegados para Conferência Estadual,

16:30 - Apresentação dos Delegados eleitos e Encerramento.

Este ano, a IX Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente recebe dois convidados especiais – o delegado da Polícia Federal Clayton Bezerra e o psicólogo Claudio Augusto Vieira da Silva, para discutir o tema “Proteção Integral, diversidade e enfrentamentos das violências”. O encontro acontece nos dias 9 e 10 de novembro na Casa dos Conselhos Ângelo Zanatta, na Av. Koeler, 260 – Centro. O credenciamento pode ser feito pelo site da prefeitura ou no dia, uma hora antes do início do evento.

Na sexta-feira (09.11) o delegado da Polícia Federal Clayton Bezerra apresenta e explana sobre o tema, com o objetivo de dar clareza aos participantes, para que possam construir propostas voltadas para o princípio da proteção integral de crianças e adolescentes nas políticas públicas, fortalecendo as ações de enfrentamento às violências, para serem apresentadas na Conferência Estadual no próximo ano.

“Precisamos despertar a população de Petrópolis para discutir sobre o crime de abuso sexual contra as crianças e adolescentes. Mais de 70% dos casos de abuso acontecem dentro da casa da vítima. Essa situação traz para família um medo e uma vergonha e faz com que o crime seja subnotificado, ou seja, as pessoas não vão até uma unidade da polícia para fazer a denúncia”, destacou o delegado da Polícia Federal, Clayton Bezerra.

O primeiro dia do evento ainda conta com a abertura solene realizada pelo presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Petrópolis (CMDCA), Renan Campos; e com o Momento Cultural oferecendo uma apresentação do coral da Creche São Charbel.

“A Conferência Municipal é o espaço onde novas possibilidades de melhorias aparecem e onde são construídas as propostas que serão levadas para a Conferência Estadual. Estamos focados em ações de fortalecimento em prol dos direitos das crianças e adolescentes”, pontuou o presidente do CMDCA Renan Campos.

Já no sábado (10.11) o psicólogo Claudio Augusto Vieira da Silva irá apresentar e debater sobre os cinco eixos temáticos da Conferência: garantia dos direitos e políticas públicas integradas e de inclusão social; prevenção e enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes; orçamento e financiamento das políticas para crianças e adolescentes; participação, comunicação social e protagonismo de crianças e adolescentes e espaços de gestão e controle social das políticas públicas de crianças e adolescentes.

“Os eixos temáticos são considerados em todas as Conferências nas etapas estaduais e municipais. Eles serão motivos de avaliação e aprovação das propostas em nível nacional. Os municípios devem aproveitar e fazer suas escolhas para que essas propostas sejam efetivadas na cidade, mesmo que não estejam nas etapas. A Conferência é o momento onde o município cria suas próprias propostas e isso é muito importante” destacou o Psicólogo Claudio Augusto que ressaltou que Petrópolis é um dos primeiros municípios do Brasil a ter um Conselho de Direitos da Criança e do Adolescente.

No total, o município apresentará 25 propostas que serão aprovadas pela plenária e encaminhadas para a Conferência Estadual.

Após a definição das propostas, o grupo define os Delegados que irão representar a cidade na Conferência Estadual que acontece em julho de 2019. A lista será composta por 13 delegados municipais representantes Conselheiros de Direito, Conselheiro Tutelar, Movimento Social, Sistema de Justiça, Crianças e Adolescentes, Rede de Atendimento e Universidades públicas ou Privadas.

O Gabinete da Cidadania realizou uma palestra sobre Cidadania, nesta terça-feira (30.04), na Casa Cláudio de Souza.  O evento faz parte do “Café com Sabedoria” oferecido pelo Inpas aos aposentados e pensionistas. Mais de 100 pessoas participaram do encontro que acontece mensalmente com assuntos diversificados.

Apresentações culturais aconteceram  na Praça da Inconfidência

Atrações culturais, musica, torneios de futebol e vôlei, além de rodas de conversa para conscientizar os jovens sobre o uso abusivo de álcool e drogas, e sobre sintomas da depressão na juventude, fazem parte da programação da Semana da Juventude. Com a temática “Pensando o presente, formando o futuro”, a Semana Municipal da Juventude visa dar mais incentivo e espaço ao jovem da cidade. O evento é realizado pela prefeitura, por meio da Coordenadoria de Juventude, e foi aberto na noite de sexta-feira (10.08), na Praça da Inconfidência com a participação de mais de 100 pessoas.

“Os jovens são o presente e não o futuro, por isso convidamos os jovens junto ao Conselho Municipal de Juventude para construir este evento. Ele é fruto da lei municipal 7.279 de janeiro de 2015, e visa valorizar o jovem e dar mais abertura para sua atuação na sociedade. E uma semana aberta a várias atividades esportivas, atrações culturais, eventos educacionais e debates sobre questões importantes para os jovens”, aponta o coordenador de Juventude Wesley Barreto.

A abertura contou com a participação da Banda Marcial Professora Leila de Souza Castro, do Morin, a Orquestra de Câmara de Petrópolis, além de apresentações de dança e musica.

A Banda Marcial Professora Leila de Souza Castro, da Escola Municipal Nossa Senhora da Glória deu inicio as atrações do evento. Em seguida se apresentaram cantores de Rap da cidade, a Orquestra de Câmara de Petrópolis, a 1° Companhia de Dança do passinho da Região Serrana do Rio de Janeiro, um solo de Dança Afro quem engloba jazz e dança contemporânea, além de teatro e outras atrações culturais.

O cantor de rap da cidade, Winícius Lago, que se apresentou na abertura destacou o espaço que a Coordenadoria de Juventude cedeu aos jovens. “É muito importante o jovem ter este espaço. Acho que deveriam ter mais eventos como este na cidade. A Semana da Juventude é toda semana do ano. Foi muito bom essa troca com as pessoas que estiveram aqui. Se tivessem mais eventos como este, sem dúvidas eu participaria e outros jovens também”, comenta Winícius Lagos.

Para a criação da semana os jovens foram convidados a dar a sua opinião e suas ideias. O objetivo é que a semana fosse construída para o jovem e pelo jovem petropolitano.

“O Conselho Municipal de Juventude se reuniu com a Coordenadoria de Juventude, a Prefeitura de Petrópolis, e a sociedade civil para ajudar na criação da Semana. Foram muitas reuniões e muito trabalho para tudo acontecer. Estamos só na abertura, mas já posso reafirmar que deu certo. Contamos com a população para estar presente no outros dias de evento que está com uma programação muito bacana”, conta Carem Carolina presidente do Conselho Municipal de Juventude.

“Gostaria de agradecer a todos que nos ajudaram a construir a Semana da Juventude, ao Conselho que foi parceiro em todo o processo de criação da Semana, aos voluntários, aos apoiadores da Coordenadoria, e a prefeitura que nos deu a possibilidade de realizar esse evento na praça. Contamos coma participação de todos durante toda a semana que está com uma ótima programação”, completa Wesley Barreto.

Participaram ainda da abertura o vice-presidente do Conselho Municipal de Juventude, Willian Vieira, e o vereador Leandro Azevedo, que ressaltaram a importância da juventude ter um espaço na sociedade. Entre os presentes também estiveram outras autoridades locais, jovens apoiadores da Coordenadoria, e o público que prestigiou os jovens talentos da cidade.

O coordenador de políticas públicas para a juventude lembra que este ano, a Semana da Juventude também terá um caráter solidário. “A Coordenadoria de Juventude estará arrecadando alimentos com a finalidade de doar para instituições filantrópicas”, conta. O ponto de coleta estará no Gabinete da Cidadania, localizado na Avenida Koeler, 260 – Centro, de 9h às 18h, durante toda a semana da juventude, que tem programação até o dia 17.

Confira a programação:

11.08

09h – Torneio de Futebol no bairro 24 de Maio

Local: Quadra da Escola Municipal Clemente Fernandes

13h – Torneio de Vôlei

Local: Quadra da COMAC

13.08

Roda de Conversa sobre os temas “Prevenção do uso abusivo de álcool e drogas” e “Depressão e suicídio na juventude” e Apresentação e cadastramento do Programa ID jovem

Local: 9h CENIP – 14H Cecília Meireles (Corrêas)

14.08 (Aberto ao público)

14h – Debate sobre educação e cidadania

Local: Teatro Afonso Arinos – Centro de Cultura Raul de Leoni

15.08 (Aberto ao público)

14h Roda de Conversa sobre diversidade

Local: Casa da Cidadania – R. Visconde de Souza Franco, 474 – Centro

16.08

08h Plantio de mudas de Ipê e sementes para valorização do solo agredido

Local: Cascatinha

11h Doação de Sangue e Arrecadação de alimentos

Local: Hospital Santa Teresa – Rua Paulino Afonso 477, Centro

17.08

10h – Torneio de futebol e tarde cultural com música e dança

Local: Colégio Gabriela Ministral – Posse

“Se existe a violência contra mulher, é porque existe um agressor, e é com ele que precisamos falar. A conscientização precisar ser para ele que usa da violência para se auto afirmar”, foi assim que o Deputado Estadual do Rio Grande do Sul, Edegar Pretto, abriu a palestra sobre Desconstrução do Machismo e Enfrentamento a Violência Contra a Mulher. O encontro, idealizado pelo Gabinete da Cidadania lotou a Casa dos Conselhos nesta quinta-feira (21.03), com mais de 200 pessoas. A palestra faz parte da programação da comemoração do Mês da Mulher.

O palestrante explanou sobre os trabalhos de conscientização que realiza no Rio Grande do Sul, além de apresentar o Comitê Estadual do Movimento Eles por Elas, criado em 2016, onde são construídos vários projetos, entre eles, Dia He for She nas universidades, Projeto Fim da Linha dentro dos trens e a ação Aqui tem Respeito, onde as equipes de restaurantes e bares são treinadas para ajudar as mulheres em alguma situação de violência ou assédio.

“A cada dia a violência está maior, é importante que os jovens percebam que este não é o caminho. Não é porque o homem é mais forte que ele tem que usar da violência contra a mulher. O melhor caminho é o diálogo para que tudo isso que vemos acontecer nas mídias chegue ao fim”, ressaltou a professora Márcia Mello.

A ação tem o objetivo de chegar às pessoas dos distritos

Mais de 300 pessoas participaram da terceira ação itinerante do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos de Pessoa com Deficiência (CMDDPD), que aconteceu no último sábado (23), na Praça de Corrêas.

Na ocasião, os alunos deficientes da Escola Municipal Paulo Freire fizeram uma apresentação musical, além dos profissionais que o plano de saúde “Cartão Para Todos” disponibilizou para aferir a pressão, fazer testes de glicemia e aplicação de flúor. O Instituto Mix de Profissões realizou palestras de vários assuntos, além de sorteios de brindes.

“As pessoas ficaram mais interessadas em conhecer o trabalho do nosso Conselho. Assistiram as apresentações e participaram das atividades oferecidas. Eu creio que isso vai trazer um novo olhar, uma nova ótica para o Conselho”, disse o presidente do CMDDPD Luis Felipe Cruz.

Segundo o presidente do Conselho o objetivo da ação foi alcançado. “Este movimento tem o intuído de divulgar nosso trabalho e levar para as ruas as questões sobre inclusão social, viabilidade, acessibilidade e a defesa do direito de pessoa com deficiência entre outros assuntos que levantamos durante as reuniões que acontecem mensalmente, também para a sociedade civil, na Casa dos Conselhos”, pontuou o presidente.

As reuniões do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência são realizadas sempre nas segundas sextas-feiras de cada mês, na Casa dos Conselhos Augusto Ângelo Zanatta, na Avenida Koeler, 260, no Centro e é aberta ao público.

O Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM) encerrou a programação de comemorações do mês de março –  mês em que se comemora o Dia da Mulher, nesta sexta-feira (29.03) com o ônibus Lilás, no Alto da Serra. Foram 10 atividades, entre palestras em escolas da rede, panfletagem, mesa redonda entre outros. Mais de 500 pessoas participaram das ações de conscientização de violência contra mulher. O Cram que é subordinado ao Gabinete, irá continuar as atividades por todo ano com a ação ‘Mulher 365 dias’.

O Ônibus Lilás é um equipamento do município, de atendimento itinerante para as mulheres que não têm acesso a sede do Cram. O veículo esteve no primeiro dia de março, na Praça Alcindo Sodré, no Centro com a ação pré-carnaval, #diversaosemagressao. O ônibus esteve no Caxambu, na Escola Municipal Abelardo Delamare e no Alto da Serra.

“Todas as ações foram muito importantes. Conseguimos atingir nosso objetivo em alcançar também os jovens junto as escolas. As palestras foram muito produtivas, onde as mulheres puderam conhecer toda assistência que o município disponibiliza para essas mulheres tão fragilizadas”, contou a coordenadora do Cram, Cleo de Marco.

O objetivo da extensa e diversificada programação de conscientização, é encorajar as mulheres para que denunciem qualquer tipo de agressão sofrida. Os homens também foram o foco das ações, com informações sobre os tipos de agressões e as consequências da violência, principalmente familiar.

Nos três primeiros meses de 2019, o Cram já realizou mais de 163 atendimentos, entre assistências iniciais e retornos. O órgão possui uma equipe multidisciplinar e oferece gratuitamente assistência social, jurídica e psicológica para mulheres que sofreram qualquer tipo de agressão.

“Conseguimos com várias ações, conscientizar as pessoas sobre a violência contra mulher, que está tão em voga hoje nas mídias. Estamos ampliando os atendimentos na rede para esta vítima, já tão fragilizada, para que ela seja assistida de forma especial. A Sala Lilás e a Violeta são grandes conquistas do nosso município”, frisa a coordenadora do Gabinete da Cidadania, Anna Maria Rattes.

Município contou com várias ações

Ainda no mês de março, a cidade inaugurou a Sala Violeta no Fórum em Itaipava, como mais um suporte de atendimento na rede, para a vítima de violência. O objetivo é garantir a segurança e a proteção das mulheres vítimas de violência doméstica, acelerando o acesso à Justiça. Todo o processo deve ser concluído em cerca de quatro horas. As obras da Sala Lilás, que será implantada no Instituto Médico Legal (IML) de Petrópolis, já começaram. O novo setor será voltado para o atendimento especial às mulheres vítimas de violência, com espaço reservado e profissionais especializados.

O Gabinete da Cidadania realizou palestras com a delegada da 106ª DP, Juliana Ziehe nas escolas da rede, palestra com Edegar Pretto, realizou festival de cinema com debate, Festival de música no Palácio de Cristal, fez homenagens às mulheres destaque e um culto ecumênico.

O município contou com ações em várias secretarias como a Saúde, Educação, Guarda Civil, entre outras. O trabalho em conjunto tem um único objetivo, que a rede possa atender de forma eficaz esta mulher que foi vítima de violência e realizar um trabalho de prevenção com toda a população.

Denuncie:

O Cram possui um telefone de emergência, disponível para chamadas de voz, mensagens de texto ou WhatsApp no número (24) 98839-7387. Para denunciar ou solicitar informações, pode-se ligar para o telefone 2243-6152 ou comparecer à sede do Cram, localizada na Rua Santos Dumont, número 100, no Centro. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, de 8 às 17h. Caso se sinta violentada de alguma forma, a mulher pode contatar a Polícia Militar pelos números 2291-5071, 2242-8005 ou na Central de Atendimento à Mulher pelo 180, além de poder contatar via WhatsApp a emergência da Polícia Militar, pelo número (24) 99222-1489.

“Fico me perguntando quando isso vai parar? Por que eu? O que eu fiz?” questiona D.S., aos 56 anos. Ela sofreu sucessivos episódios de abusos ao longo da vida – o primeiro quando tinha apenas 9 anos de idade. Após o caso mais recente, em agosto do ano passado em uma cidade litorânea do Rio, ela voltou para a Petrópolis e encontrou, no Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM), a rede de apoio que precisava, ter acompanhamento e apoio emocional, destruído pelos episódios da vida. O caso de D.S. não é diferente de outras vítimas que recebem o acompanhamento semanal do órgão. E o crescimento no número de pessoas que buscam a proteção cresceu 45,85% comparadas a 2017. De janeiro a dezembro de 2018 foram 638 assistências prestadas às mulheres.

Ainda na infância, D.S sofreu o primeiro abuso sexual cometido pela irmã mais velha, que também era abusada pelo padrasto. Aos 15 anos, em busca de uma vida melhor mudou de cidade junto com os primos. Porém, na nova jornada começou a ser abusada moralmente, e explorada pelos familiares. Já aos vinte, D.S chega a Petrópolis para realizar um sonho profissional. Mas a nova profissão bem-sucedida, foi o marco de mais abusos no ambiente de trabalho. D.S não se calou, e na época, ao denunciar o agressor foi julgada e difamada por outras colegas de trabalho.

“O abuso não está no gênero – homem ou mulher, está no ser humano. Eu já briguei com o mundo, mas hoje tenho de fazer algo diferente. Mas todo dia quando eu saio de casa é uma batalha. Há mais de seis meses frequento as reuniões semanais no CRAM, pude perceber que essa batalha não é só minha e estar nesse acolhimento, junto com outras mulheres que sofreram o mesmo trauma que eu, me fortalece, me faz perceber que não estou sozinha” conta a vítima em meio a muitas lágrimas.

A psicóloga do CRAM, Liane Diehl, explica como é feito o acolhimento. Segundo ela, o primeiro contato com a vítima é feito de forma ampla, para uma avaliação do caso. A equipe observa a esfera jurídica, apresentando os direitos que a mulher possui. Em seguida um acolhimento com assistente social e finalizando com um panorama psicológico. Dentro deste contexto é identificado em qual estado do ciclo de violência essa mulher se encontra, avaliando seu estado emocional e grau de consciência sobre a violência sofrida.

“Quando essa mulher se sente acolhida e percebe que quem está do outro lado está ouvindo e aceitando a história que ela está trazendo, começamos a trabalhar o estabelecimento de um vínculo positivo com ela de confiança. Ouvir e não julgar. E assim acompanhamos o processo dela e orientando como ela deve manejar a essa situação”, pontuou a psicóloga do CRAM, Liane Diehl.

A história de D.S. se confunde a muitos outros casos, por vezes ocultados pela vergonha ou medo de denunciar. Criou dois filhos sozinha, e na primeira gravidez, por mais uma vez sofreu abusos sexuais do companheiro. Por medo e por querer preservar o bebê, dessa vez se calou e separou do agressor. “Por querer sempre dar o melhor para os meus filhos, eu trabalhava demais e fui bem ausente na vida deles. A gente tenta compensar a ausência com qualidade de vida, porém isso impediu a nossa afetividade, eles cresceram com o amor de outras pessoas e não com o meu. Essa é uma culpa que eu tenho e que eu carrego”, contou ela, emocionada.

Há seis meses, D.S sofreu o quinto abuso sexual em sua própria casa, onde o agressor era, como na maioria dos casos, um conhecido. “ Na hora eu entrei em estado de choque e não conseguia reagir. Me assustei e fiquei perguntando porque aquilo estava acontecendo, foi um misto de sentimentos. O que era para ser um encontro romântico virou um pesadelo. Me senti suja e muito culpada. Ainda tenho marcas pelo corpo e tem sido muito difícil conviver com tudo isso por mais uma vez”, contou.

“De acordo com a avaliação emocional da mulher, fazemos uma terapia individual para depois trabalharmos com grupo de terapia, onde elas vão direcionando o tema e, a partir dessa emergência, desse tema, eu faço uma provocação na percepção delas. É uma reunião com música, relaxamento, alongamento, consciência corporal para que elas percebam o corpo dela que geralmente é uma morada de dor. Abordamos o discurso de gênero, interface da violência doméstica com o uso de álcool e drogas e assim vamos retomando e resgatando essa mulher”, destaca a psicóloga do CRAM, Liane Diehl.

O estopim para D.S., explica, foi o abuso do então conhecido dela. No Cram, ela explica, “não existem pessoas descomprometidas com as mulheres” e completa:  “cheguei aqui tão ferida, magoada e fui tão bem acolhida de um jeito que eu nunca fui. Quando chegamos no CRAM, estamos com uma gama de problemas sociais, emocionais e físicos, pois no fundo as vítimas são mulheres sempre excluídas por gritarem por seus direitos. Todo acolhimento do CRAM melhora nossa autoestima e faz com que o medo e a vergonha sejam minimizados. Liberdade é denunciar um homem sem sentir medo”desabafou.

Trabalho do CRAM em 2018

O aumento no número de denúncias não é atribuído, necessariamente, ao número de casos. Ocorre que as redes de apoio e maior incentivo às denúncias tem aumentado, consideravelmente, a busca de mulher por ajuda no órgão. Estes dados mostram a importância do acompanhamento, das palestras e instruções que o CRAM tem realizado na cidade. O órgão humanizou o atendimento e o acolhimento às usuárias, e o resultado é perceptível no número de mulheres que retornam ao Centro de Referência.

“Em 2018, tivemos um crescimento também na experiência da equipe. Conseguimos resolver os casos sem perder nenhuma mulher. Nosso trabalho não é fácil, estamos a todo momento envolvidas em sanar a violência doméstica. Houve um crescimento de denúncia, pois hoje as mulheres sabem dos seus direitos e estão conscientes. Espero que 2019 seja um ano sem agressões e mais respeito”, destacou a coordenadora do CRAM, Cleo de Marco.

O CRAM, órgão subordinado ao Gabinete de Cidadania, realiza orientação jurídica, acompanhamento social e psicológico e trabalha em parceria com as delegacias de Petrópolis para atender à mulher em situação de violência – seja ela moral, verbal, patrimonial, física ou sexual. E ainda conta com um atendimento na sede do órgão, todas as quartas, de 14h às 16h, com a psicóloga Dra. Liane Diehl, que ministra um Grupo de Apoio Terapêutico (GATE), onde as mulheres são ouvidas, respeitadas e contam umas com o apoio das outras e da equipe do CRAM.

Para denunciar ou solicitar informações, basta ligar para o telefone 2243-6152 ou comparecer à sede do Cram, na Rua Santos Dumont, número 100, no Centro. O funcionamento é de segunda a sexta, de 8h às 17h. Em casos de emergência, a mulher pode ligar em qualquer horário para o número (24) 98839-7387, disponibilizado pelo órgão. Caso se sinta violentada de alguma forma, a mulher pode contatar a Polícia Militar pelos números 2291-5071, 2242-8005 ou 180, além de poder contatar via WhatsApp a emergência da Polícia Militar, pelo número (24) 99222-1489.

Pagina 10 de 16

Notícias por data

« Novembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            

Prestação de conta COVID-19

Alvará Online - BANNER

Casa dos Conselhos

DO

Cadastro da inscrição do IPTU para crédito da Nota Imperial

turispetro

iluminacao

balcao empregos

plano compras

portal transparencia

licitacao

Concursos

Casa dos Conselhos

ecidade

jrestaurativa

gabinete cidadania.fw

cpge

EOUVmunicipios

selo acesso_informacao.fw

Relatorio CMVP

cmv-logo