Para o fim de semana, pode haver declínio na temperatura em função da passagem de frente fria

As condições do tempo no município sofrerão alterações a partir de hoje (8/6), com previsão de chuva fraca a moderada, de forma isolada, nos períodos da tarde e noite. Nesta quinta e sexta-feira (9 e 10/6) os dias permanecem com céu variando entre parcialmente nublado a nublado, com tempo chuvoso. De acordo com o Boletim Meteorológico da Defesa Civil, neste período a temperatura vai variar entre a máxima de 13°C e 23°C.

A instabilidade no tempo se estende até sexta-feira (10/6), em função da passagem de uma frente fria, que aumentará a nebulosidade e mantém a condições favoráveis para a ocorrência de chuva. Para sábado (11), pode haver declínio na temperatura.

As equipes da Defesa Civil mantêm o acompanhamento das condições meteorológicas para o município e novos informes podem ser enviados ao longo do período.

Para receber os avisos por SMS, basta cadastrar o CEP por meio de mensagem de texto para o número 40199. O acesso aos avisos também é possível por meio de grupos por aplicativo, através do link https://t.me/defesacivilpetropolis.

O acompanhamento diário da previsão do tempo também pode ser feito pelo Boletim Meteorológico, acessado pelo link https://bit.ly/3vmRgZ2 e disponível no site da Defesa Civil https://www.petropolis.rj.gov.br/dfc/.

Quarta, 08 Junho 2022 - 10:53

Prefeitura trabalha para reativar NIS

A Prefeitura segue trabalhando para reativar o Núcleo de Integração Social (NIS), no Alto da Serra. Para isso, mais de 30 caminhões de terra já foram retirados do local. Para as próximas semanas, estão previstas ações de limpeza, pintura, pequenos reparos e acabamento no equipamento.

O NIS é a principal unidade de abrigamento de pessoas em situação de rua em Petrópolis, com capacidade de receber cerca de 150 pessoas. No desastre das chuvas de 15 de fevereiro, o terreno foi atingido por deslizamento de terra e por queda de árvores. Na ocasião, não houve feridos. Alguns pontos no telhado foram atingidos e danificados.

Desde então, a unidade encontra-se fechada. Nesse período, a população em situação de rua é atendida na Unat (Unidade de Acolhimento Temporário), no Retiro, e no Centro Pop, no Centro.

"Nesses quase quatro meses após o maior desastre das chuvas da história de Petrópolis, muita coisa aconteceu. A Prefeitura estruturou abrigos para as famílias que perderam suas casas, conseguiu aluguel social para mais de três mil famílias, esvaziou as escolas para que pudessem voltar a receber os alunos. Paralelamente a isso, viemos atendendo diariamente a população em situação de rua na Operação Inverno e trabalhando para reativar o NIS o quanto antes", disse o secretário de Assistência Social, Fernando Araújo.

A recuperação do NIS é um trabalho que envolve a Comdep, a Secretaria de Assistência Social, a Secretaria de Defesa Civil e a Secretaria de Meio Ambiente.

Após as chuvas, a Defesa Civil interditou o imóvel e recomendou o corte das árvores na encosta no terreno acima. Após esse laudo da Defesa Civil, a Secretaria do Meio Ambiente autorizou o corte das árvores ali, serviço que vem sendo realizado pela Comdep.

Serviço é um dos instrumentos de prevenção e alerta para as áreas suscetíveis a queimadas no período de estiagem

A Secretaria de Defesa Civil retomou a emissão diária do Boletim de Risco de Incêndio em Vegetação, que nesta quinta-feira (2/6), indicou risco muito alto para as localidades do 2º ao 5º distrito. O informe alerta sobre áreas de maior possibilidade de ocorrência de fogo em vegetação e considera a umidade relativa, a temperatura do ar e o volume de chuva ocorrida na cidade. Nas áreas apontadas como de maior risco neste primeiro boletim, não há registro de chuva desde o início do mês de maio. Essas regiões são prioridade para as Rondas Preventivas que já começaram a ser realizadas.

As medidas fazem parte do Plano de Contingência elaborado pela Defesa Civil, para o período de inverno, que prevê medidas para o enfrentamento dos dias de estiagem e ações para a prevenção a incêndios florestais. “Já começamos a adotar medidas que são importantes para a prevenção de ocorrências nesse período. O boletim é um importante mecanismo para o planejamento das nossas operações nesse período”, destaca o secretário de Defesa Civil, Tenente Coronel Gil Kempers, reforçando que além das ações de prevenção, são realizadas ações de orientação à população.

Além de apontar as áreas com maior risco na cidade, o boletim também indica ações que devem ser evitadas como: a soltura de balões, a queima de lixo e o descarte da guimba de cigarro aceso próximo à vegetação. E ainda, durante as Rondas Preventivas, os agentes aproveitam para orientar a população sobre os cuidados necessários nesta época.

“Nossas equipes percorrem toda a cidade com o intuito de identificar situações de risco em que precisamos acionar o Corpo de Bombeiros e ainda aproveitamos para explicar aos moradores sobre o risco de condutas que devem ser evitadas, principalmente neste período”, destaca o secretário. Durante o outono - estação de transição para o inverno - já é possível observar a mudança no tempo, com menor índice pluviométrico e predomínio de ar seco. Essas condições favorecem a baixa umidade relativa do ar, o que facilita a propagação de queimadas em vegetação.

Além das medidas de prevenção, a população pode ajudar no alerta de focos de incêndio através dos telefones da Defesa Civil (199) ou Corpo de Bombeiros (193). A prefeitura também oferece serviço para a retirada do lixo verde, que pode ser solicitada a COMDEP, por meio do Disque Entulho, pelo número 2243-7822.

Iniciativa faz parte do Plano Inverno que está na reta final de elaboração para ações de prevenção e enfrentamento ao período de estiagem

A Secretaria de Defesa Civil antecipa parte das ações do Plano Inverno – que será lançado no mês de junho - e já conta com equipe especializada para o suporte ao combate a incêndios florestais. No último fim de semana - sábado (28) e domingo (29) – os agentes atuaram em apoio ao Corpo de Bombeiros em focos de incêndio registrados em Itaipava, Provisória e Caxambu. As equipes também já retomaram as Rondas Preventivas, que nesse período ajudam na identificação de focos de fogo em vegetação, além de conscientização da população.

Neste fim de semana, as Rondas Preventivas foram realizadas em Cascatinha, Corrêas, Itaipava, Pedro do Rio e Posse. “Agora vamos unir nossos esforços para um novo momento. Vamos atuar com frentes principalmente na conscientização da população sobre os cuidados que são necessários nessa época”, destacou o prefeito Rubens Bomtempo.

A Defesa Civil passa a atuar com equipe especializada na realização das Rondas Preventivas e apoio ao combate a incêndios. “Agora, além do nosso efetivo padrão, temos equipe específica para o apoio no combate ao incêndio florestal. Em muitos casos conseguimos identificar o início do foco do incêndio e atuar preventivamente. Durante as rondas também conseguimos orientar melhor a população, principalmente no que se refere aos riscos da prática de queima de lixo”, pontua o secretário de Defesa Civil, Tenente Coronel Gil Kempers, que chama a atenção ainda para os riscos da soltura de balões e para da queima de vegetação para a limpeza de terrenos.

O secretário reforça que em muitos casos o fogo se alastra por conta da queimada de lixo verde. “Existe maneira correta para o descarte desse material e, no entanto, verificamos que muitas vezes as pessoas optam por queimar o lixo verde por desconhecerem o serviço que o município oferece. A queimada dessa vegetação seca oferece grande risco, pois estamos entrando numa época de clima mais seco, que contribui em muito para que o fogo se alastre, colocando vidas em risco, além de degradar o meio ambiente”, explica o Kempers.

A retirada do lixo verde pode ser solicitada por meio do serviço oferecido pela COMDEP, por meio do Disque Entulho, pelo número 2243-7822. “Estamos com esse serviço à disposição da população para a retirada desse material de forma segura”, destacou o diretor da COMDEP, Léo França. Alertas sobre focos de incêndio podem ser feitas pelos telefones da Defesa Civil (199) ou Corpo de Bombeiros (193).

Defesa Civil retoma Boletins de Risco de Incêndio

Neste período de estiagem, entre junho e agosto, a Secretaria de Defesa Civil retoma o envio diário do Boletim de Risco de Incêndio em Vegetação. Esse documento aponta o risco de incêndio florestal em cada distrito, a partir de índice que considera a umidade relativa, a temperatura do ar e o volume de chuva ocorrida na cidade. “A partir desse boletim e de estatísticas de áreas com maiores ocorrências que obtemos com o Corpo de Bombeiros, conseguimos mapear as áreas de maior risco para atuar de forma mais assertiva nas rondas que realizamos pela cidade”, pontua o secretário.

As ações de prevenção de agora geram resultados inclusive durante o verão, levando-se em conta que as áreas que sofrem com as queimadas no período de estiagem são as que estarão mais suscetíveis a deslizamentos. “Existe relação direta entre o incêndio florestal e o escorregamento. Toda vez que tem incêndio, tem empobrecimento do solo e as áreas afetadas fatalmente ficam suscetíveis a escorregamentos”, explica o Kempers.

Cidade estava em estado de crise, por conta do alto número de registros de ocorrência

Após 100 dias da chuva que afetou a cidade em fevereiro, a Secretaria de Defesa Civil retorna o município para o Estágio Operacional de Alerta. A mudança ocorre a partir da redução de riscos em função da chuva e pela conclusão de cerca de 95% dos atendimentos das vistorias das áreas afetadas, principalmente por deslizamentos.

Desde o dia 15 de fevereiro, já são mais de 10,9 mil casos. Ao longo de todo esse período, a cidade esteve em estágio de Crise, tendo em vista o elevado número de Registros de Ocorrências.

Até o momento, mais de 10,3 mil laudos de vistorias estão concluídos e as equipes seguem em atuação constante para a conclusão de todos os atendimentos referentes às chuvas. Desse total de casos atendidos, a maior parte foi por deslizamentos, que representa 76% dos casos. Ao todo, são mais de 8,3 mil registros de escorregamentos em áreas de cerca de 60 localidades no primeiro distrito na maioria.

Diariamente as equipes percorrem diferentes regiões da cidade. Nesta quinta-feira (26), os técnicos vistoriaram áreas pelo Quissamã, Estrada da Saudade, Bingen, Vila Felipe, Alto da Serra, Itaipava, Centro, Sargento Boening, Retiro e Quitandinha.

No momento, além da conclusão das vistorias de áreas afetadas, as equipes ainda se dividem em força-tarefa para reavaliação de áreas interditadas. A iniciativa visa verificar imóveis que possuem condições de habitabilidade ou terão a interdição mantida. A região do Vila Felipe é a primeira a ser revista pelos técnicos, que vão estar até esta sexta (27) na localidade reavaliando as áreas afetadas.

A Secretaria de Defesa Civil começa nesta quarta-feira (25) uma força-tarefa para reavaliar imóveis que foram interditados após as chuvas de fevereiro e março. O objetivo é, por meio de novas vistorias, verificar quais imóveis têm condições de habitabilidade e os que precisam permanecer desocupados.

Nesta primeira semana, as equipes da Defesa Civil estarão no Vila Felipe, com o posto avançado montado na Escola Municipal Dr. Rubens de Castro Bomtempo. Durante todo o dia, engenheiros, geólogos e técnicos atenderão a população e percorrerão as vias atingidas.

Na região, serão feitas novas análises nos imóveis onde foram registrados 802 laudos de interdição.

“Vamos iniciar agora uma nova frente de trabalho para o atendimento da população afetada. Vamos revisitar todos os locais para garantir o retorno seguro da população nos casos possíveis”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.

A ação será realizada em todas as áreas afetadas para reavaliar imóveis que foram afetados diretamente ou tiveram o entorno atingido.

“Vamos revisar os laudos de interdição. Há casos em que os imóveis foram afetados por ocorrências, como deslizamentos no entorno, que bloquearam o acesso, e agora as vias já foram liberadas. Assim é possível retomar com serviços essenciais nos locais, e as pessoas podem voltar para suas casas com segurança”, explica o secretário de Defesa Civil, Gil Kempers.

Há casos que dependerão de obras de contenção (no entorno dos imóveis ou na própria construção). Nesses casos, serão necessárias intervenções de recuperação e segurança estrutural, para que então haja nova vistoria para possível desinterdição.

Ruas do Vila Felipe que serão revisitadas pela força-tarefa

Jacinto Rabelo, Peroni Américo, Permínio Schmidt, João Pomim, Carmen da Ponte Marcolino, João Rodrigues Batista, João Pedro Tesch, Paulo Roberto Filgueiras, Apolonia Kaipper, José Fonseca Braga, Goitacazes, Juvenal do Amaral, Manoel Vieira Bayão, Zenobio Pozzato, Paulino Guimarães, Eduardo de Morais, Alfredo Batista, Alfredo Schilick, Inocêncio Montes Afonso, Aldo Tamancoldi, Balduino de Oliveira e Gustavo Sampaio.

Maior parte das áreas afetadas já tem mais de 90% das vistorias concluídas

A Secretaria de Defesa Civil concluiu mais de 10 mil laudos de vistorias de áreas e imóveis afetados em função das chuvas de fevereiro e março. Esse número representa 93,4% do total de Registros de Ocorrências cadastrados em áreas de cerca de 60 localidades. Das 10.777 ocorrências, a maior parte foi por deslizamentos, que representam 76% dos casos. Até o momento, foram apontados mais de 6,9 mil laudos de interdição na cidade.

Das regiões com maior número de ocorrências registradas, já estão com mais de 90% dos pedidos de vistorias concluídos, entre as quais o Alto da Serra, Chácara Flora, Castelânea, Quitandinha, Centro, São Sebastião, Valparaíso, Independência, Vila Militar, Siméria, Corrêas, Quissamã, Meio da Serra e Retiro.

A Secretaria de Defesa Civil mantém com as equipes reforçadas para a conclusão de todos os atendimentos referentes às chuvas. As equipes técnicas seguem diariamente com vistorias por toda cidade. Nesta quarta-feira (18), 13 equipes vistoriaram áreas no Caxambu, Bingen, Koeler, Itaipava, Centro, Morin, Quitandinha, Estrada da Saudade, Floresta, Alto da Serra, Siméria, Thouzet e São Sebastião.

A população que aguarda para obter o laudo de vistoria, pode consultar a disponibilidade do documento no site da Defesa Civil https://www.petropolis.rj.gov.br/dfc/. No mesmo ambiente, pode ser solicitada a versão digital do laudo. As equipes também realizam atendimento presencial, de 8h às 17h e a população pode adquirir o laudo impresso.


A Secretaria Defesa Civil alerta para a previsão de rajadas de vento intensas ao longo do dia de amanhã (quinta-feira, 19). A equipe de monitoramento da secretaria destaca ainda a possibilidade de haver geadas nas regiões mais elevadas da cidade. As condições meteorológicas não indicam chuva para amanhã, no entanto, a temperatura no município se mantém em declínio, podendo ter a mínima de 5°C e máxima de 17°C.

Um sistema de baixa pressão continua influenciando as condições de tempo no município, que na sexta-feira (20), permanecerá com a temperatura em queda, variando entre 8°C e 16°C. O céu permanecerá entre nublado e parcialmente nublado, podendo haver chuviscos ou chuva fraca de forma isolada ao longo do dia.

As equipes de monitoramento da Defesa Civil seguem acompanhando as condições do tempo e atualizações sobre a meteorologia serão informadas a qualquer momento ao longo do período de instabilidade. O órgão orienta que a população fique atenta aos informes, que podem ser enviados por SMS ou grupos de comunicação por aplicativo.

Para receber os avisos por SMS, basta cadastrar o CEP por meio de mensagem de texto para o número 40199. O acesso aos avisos também é possível por meio de grupos por aplicativo, através do link https://t.me/defesacivilpetropolis.

Rajadas de vento também estão previstas entre quarta e sábado

A Defesa Civil alerta para a queda brusca na temperatura nos próximos dias, em função de avanço de massa de ar frio e seco. A partir de amanhã (quarta, 18) até o sábado (21), a mínima deve variar entre 5°C e 9°C; e a máxima, entre 16°C e 18°C.

Também há previsão de geadas, principalmente em regiões mais altas. A Defesa Civil também alerta para a possibilidade de aumento da intensidade dos ventos entre esta quarta (18) e sexta-feira (20). Para a quinta-feira (19), pode haver rajadas de vento de intensidade forte a muito forte.

Nestas quarta e quinta-feira, apesar de céu nublado, não há previsão de chuva. Isso começa a mudar na sexta-feira (20), que terá céu variando entre parcialmente nublado e nublado, com chuviscos a chuva fraca, de forma isolada.

A Defesa Civil enviou alerta por SMS e grupos de comunicação por aplicativo. A equipe permanece monitorando as condições do tempo e poderá emitir novos alertas ao longo do período. O órgão orienta que a população fique atenta aos informes.

Para receber os avisos por SMS, basta cadastrar o CEP por meio de mensagem de texto para o número 40199. O acesso aos avisos também é possível por meio de grupos por aplicativo, através do link https://t.me/defesacivilpetropolis.

Trabalho visa aprimorar sistema de monitoramento para a geração de indicadores mais precisos, que possibilitem atuação antecipada em caso de emergência

A Secretaria da Defesa Civil recebeu as equipes da Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN) para análise de áreas afetadas pelas chuvas de fevereiro e março. O objetivo foi entender os perfis dos deslizamentos registrados, com foco no aprimoramento de métodos e tecnologias para o monitoramento da cidade. O Morro da Oficina foi uma das principais áreas de estudo, onde atuaram sete técnicos – 1 geofísico, 2 geólogos, 2 geógrafos, 1 físico e 1 engenheira cartógrafa – incluindo equipes operacionais de emissão de alertas de emergência.

“Passamos por graves ocorrências e precisamos estar em constante aprimoramento de tecnologias que nos ajudem atuar de forma preventiva e minimizar os impactos dos desastres que as fortes chuvas causam na nossa cidade. Esse trabalho é de grande relevância para o município”, pontuou o prefeito Rubens Bomtempo.

Ao todo, de acordo com os registros da Defesa Civil, a cidade contabiliza mais de 7,8 mil ocorrências de escorregamentos de massa e bloco. Esses registros afetaram de forma generalizada, 277 áreas com demarcação de polígonos de risco, afetando em alguns pontos, de forma definitiva áreas habitadas no município. A partir do levantamento de dados, os técnicos do CEMADEN avaliam o modelo geológico da cidade para entender as causas que justifiquem a gravidade e volume das ocorrências.

“Esse é um estudo de suma importância para que possamos aprimorar os mecanismos de monitoramento para a cidade e assim, contar com mais suporte para as ações de prevenção aos desastres”, destacou o secretário de Defesa Civil, o Tenente Coronel Gil Kempers.

Com o levantamento geofísico, as equipes do CEMADEN terão condições de investigar os perfis do subsolo de áreas onde houve deslizamentos de grande porte, como no Alto da Serra. “É como se fizéssemos um raio-x em profundidade para a analisar o contraste do solo. Verificamos que a cidade tem áreas de massa (solo) mais superficial, sobreposta a rocha maciça, propícia a escorregamentos e áreas de maior profundidade, como no Morro da Oficina”, explica o pesquisador geólogo do CEMADEN, Marcio de Andrade, destacando que o trabalho conta com o apoio da FINEP.

De acordo com o técnico, em dois dias de trabalho, foi possível avaliar áreas onde houve movimento de massa mais superficial e outras de maior complexidade. No Morro da Oficina foram registrados pontos com movimento de massa em grandes proporções, chegando a atingir seis metros de profundidade. “Vamos interpretar os dados coletados para entender os desafios para fazer o monitoramento em lugares como esse e aprimorar nosso sistema de alerta”, acrescentou o geólogo do CEMADEN, que segue com a equipes em análise pela Região Serrana. Os técnicos, que se baseiam em São José do Campos, em São Paulo, também fazem o mesmo trabalho em Teresópolis.

Órgão mantém pluviômetros e estações geotécnicas para a alertas na cidade

Em Petrópolis, o trabalho das equipes do CEMADEN visa fortalecer a estrutura de monitoramento já existente. Atualmente a cidade conta com 31 pluviômetros instalados e monitorados pelo órgão, em todos os distritos – outros 19 pluviômetros são geridos pelo INEA.

O CEMADEN conta ainda com outras cinco Estações Geotécnicas instaladas nas localidades do Chácara Flora, Bingen, Quitandinha, São Sebastião e Dr. Thouzet fazem o monitoramento do impacto da infiltração da chuva no solo. Os equipamentos contribuem para o planejamento de ações de prevenção e resposta em caso de emergência, por conta de ocorrências causadas pelas fortes chuvas.

“Tendo em vista as recentes ocorrências se faz cada vez mais necessária a atualização de dados e novos estudos para o estabelecimento de novas metodologias de monitoramento, principalmente nas áreas afetadas com eventos de grandes proporções com os que tivemos. Nossas equipes estão à disposição para esse trabalho em conjunto para avançar na estrutura de monitoramento do município”, destacou a geógrafa da Defesa Civil, Eduarda Conde.

Pagina 1 de 139