Objetivo é preparar as pessoas envolvidas no trabalho que vai atender a toda rede municipal de ensino

A capacitação dos profissionais de ensino que participam do Defesa Civil nas Escolas acontece na próxima segunda-feira (24.09) na Câmara Municipal. São 103 pessoas envolvidas na inserção dos temas Proteção e Defesa Civil e Educação Ambiental em toda rede municipal de ensino. Colégios estaduais e particulares também estão convidados para integrar o programa. O treinamento será realizado em duas turmas: uma de 8h às 12h e a outra de 13h às 17h. O objetivo é preparar os elementos focais de cada instituição participante para trabalhar na primeira política pública de inserção dos temas nas salas de aula.

Lançado na última quarta-feira, o programa oferece a oportunidade dos alunos desenvolverem a cultura de prevenção aos desastres de origem natural e de percepção de riscos. A iniciativa faz parte do conjunto de ações do governo municipal no desenvolvimento de uma cultura de resiliência na cidade, com a orientação dos alunos sobre como se comportar em caso de ocorrências. O secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, destacou a importância do projeto para a cidade.

“Esse é mais um grande passo para a consolidação do Defesa Civil nas Escolas. Os profissionais de ensino serão nossos multiplicadores, levando o conhecimento necessário de prevenção de desastres para as crianças e adolescentes em sala de aula. Dessa maneira esperamos garantir um futuro mais resiliente para Petrópolis”, disse.

A elaboração da lei contou com o apoio do Conselho Municipal de Educação (COMED), do Sindicato dos Profissionais de Ensino (SEPE), além de membros das secretarias de Defesa Civil, Educação e Meio Ambiente. A iniciativa vai reforçar as ações do município na prevenção aos desastres de origem natural, não apenas no ambiente escolar, mas também nas comunidades. A secretária de Educação, Samea Ázara, destacou a importância da capacitação para os profissionais envolvidos no programa.

“O trabalho integrado que está sendo desenvolvido em conjunto, entre as secretarias de Educação, Meio Ambiente e Defesa Civil, vai garantir que o projeto seja um sucesso na rede municipal de ensino. Toda e qualquer informação sobre a prevenção deve ter toda a atenção de toda a comunidade escolar. É importante que as crianças criem essa cultura e entendam a importância de cuidarem do meio ambiente”, explica Samea.

Além da política pública, a Defesa Civil começa em setembro as reuniões setoriais que definem as matrizes de atividades e responsabilidades e os planos de contingência que fazem parte do Plano Verão 2019 de Petrópolis. O trabalho antecipado está sendo realizado em cima das principais ameaças da estação: deslizamento de solo ou rocha, inundações, rolamento de blocos rochosos, vendavais e tempestades e raios. A medida tem como foco prevenir os desastres de origem natural, além de investir na orientação dos moradores nas comunidades.

“Ganhamos o reconhecimento da Organização das Nações Unidas e do Tribunal de Contas do Estado por causa das nossas ações de prevenção aos desastres de origem natural. São indicativos de que estamos no caminho certo na busca por uma cidade mais resiliente”, completa o secretário de Defesa Civil.

Trabalho antecipado tem como objetivo prevenir as tragédias de origem natural

A Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias está intensificando o trabalho de prevenção aos desastres de origem natural antes do período de fortes chuvas: um calendário de operações nas praças e nas comunidades começa a funcionar em novembro com o objetivo de orientar a população e visitar os pontos de apoio existentes no município. Cartilhas ensinando os moradores a agir em caso de ocorrências, como deslizamentos de terra e inundações, também serão entregues aos moradores nestes locais. O trabalho antecipado acontece em virtude dos números do último verão. Os índices de chuva cresceram 120% e a quantidade de ocorrências registradas subiu 48%. As atividades estão inseridas no SOS Chuvas, programa da prefeitura que conta com 48 estagiários voluntários de engenharia e arquitetura da Estácio e da UCP atuando de maneira preventiva em três áreas: Meio Ambiente, Obras e Defesa Civil.

Com 234 áreas de risco alto ou muito alto – equivalente a 18% do município - e um déficit habitacional de 12 mil casas, a prefeitura trabalha com foco na prevenção. Também como parte dessas atividades, os testes das sirenes do Sistema de Alerta e Alarme estão sendo realizados mensalmente desde abril para que estejam funcionando em um momento de crise. No último, realizado no dia 10 de outubro, todo o conjunto operou perfeitamente. O trabalho antecipado e a organização das equipes dos órgãos de resposta serão apresentadas pela prefeitura no dia 28 de novembro, data de lançamento do Plano Verão 2019 de Petrópolis.

A prevenção aos desastres de origem natural é uma prioridade do governo. Desde o ano passado, a prefeitura organiza os órgãos para que trabalhem com ações em conjunto e em pronto atendimento as ocorrências. É importante que a cidade esteja preparada para os momentos de crise. Após o lançamento da versão atualizada do Plano Verão municipal, as equipes estarão prontas para trabalhar no período mais crítico.

Outra ação importante do governo municipal na prevenção aos desastres de origem natural é a inserção dos temas Defesa Civil e Educação Ambiental nas escolas da rede municipal de ensino. A inclusão dos assuntos em sala de aula é inédita no Brasil e oferece a oportunidade de os estudantes desenvolverem a percepção dos riscos do seu bairro. Ao longo deste semestre, os alunos estão desenvolvendo trabalhos de acordo com as ameaças de desastres características do verão, como deslizamentos de terra e inundações.

"O Defesa Civil nas Escolas é a principal ferramenta do governo para garantir uma cidade mais resiliente no futuro", garante o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, destacando a importância da presença na pasta nas comunidades, permanecendo próxima da população.

"O programa vai trazer muitos benefícios para o futuro da cidade. Pensando no presente, nossas ações têm foco nas áreas de maior risco geológico do município e que contam com o sistema de sirenes. Precisamos estar bem próximos dos moradores para que a gente tenha a redução do número de ocorrências neste verão", disse o secretário.

Criado no ano passado pela prefeitura para impedir o avanço das ocupações e construções irregulares na cidade, o SOS Chuvas segue aberto para os universitários interessados em participar. Os alunos devem procurar a coordenação de seus cursos para se inscreverem. As ações são direcionadas para articulação e mobilização comunitária, com a distribuição de panfletos informativos e de orientação; fiscalização e controle da ocupação desordenada e de proteção ambiental. Cada setor da prefeitura vai utilizar os estudantes dentro da sua atribuição, sempre acompanhado de um responsável técnico.

“Os benefícios para a cidade com a criação do SOS Chuvas são diversos, colaborando para o desenvolvimento dos estudantes. Os alunos trabalham com profissionais competentes da prefeitura, desde geólogos, engenheiros e arquitetos, adquirindo mais conhecimento. Além disso, conhecem a realidade da nossa cidade e as dificuldades encontradas”, explica Paulo Renato.

Prefeitura faz a limpeza de bueiros pela cidade como parte do Plano Verão

O trabalho de limpeza de bueiros na cidade continua sendo realizado pela prefeitura como preparação para o período de chuvas e prevenção a alagamentos. Locais como ruas Eugênio Werneck (Morin), Frederico Noel, Vila São José (Bingen), Rocha Miranda (Quarteirão Ingelheim), Carolina Justen (Vila Militar), Coriolano Bastos (Comunidade Oswaldo Cruz), Rua do Imperador, Souza Franco, 16 de Março, Imperatriz e Ipiranga (Centro) receberam o serviço nas últimas semanas.

Outra ação dentro do Plano Verão municipal, a Secretaria de Obras vai realizar uma nova etapa do programa de dragagem de rios, o “Rio Limpo”. As máquinas que farão o programa já começaram a ser posicionadas próximo ao Palácio de Cristal, que está assoreado com areia que é arrastada, em geral, pela própria água e pelo vento. O programa vai passar em diferentes pontos dos rios Piabanha, Palatinato e Quitandinha em Bingen, Cel. Veiga e outros locais. No ano passado, mais de cinco mil toneladas de sedimentos foram removidas do curso dos rios.

Mais de 100 alunos do primeiro segmento da E.M. Fábrica do Saber, na Estrada da Saudade, participaram do simulado da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias nesta terça-feira (19.11). O treinamento de evacuação das salas de aula em caso de deslizamento de terra mobilizou equipes da Aeronáutica, Cruz Vermelha, Bombeiros Civis e os Rádio Amadores. A atividade faz parte do Plano Verão municipal e tem como finalidade preparar e organizar as equipes de pronto atendimento para o período de fortes chuvas, que começa neste mês e vai até abril.

Além da integração entre os órgãos – são 57 que compõe o Plano Verão – o simulado também serve no trabalho de conscientização das crianças. A atividade foi realizada na Fábrica do Saber por causa do destaque da unidade na política pública de Defesa Civil nas Escolas. Neste ano, o colégio realizou nove atividades sobre o assunto. Além disso, diariamente, são mais de duas mil pessoas no prédio da instituição, que também conta com um Centro Esportivo.

“Existe uma grande preocupação nossa pelo tamanho do prédio e a quantidade de pessoas que estão aqui dentro. Além disso, é um dia muito especial para as crianças, que enxergam nessas equipes verdadeiros heróis”, conta a diretora da Fábrica do Saber, Raquel Girardi Sixel. “Os riscos existem e com esse treinamento eles aprendem a lidar com as situações mais críticas”, completa a diretora.

Os números do Defesa Civil nas Escolas no primeiro semestre chamam a atenção: foram mais de 20 mil alunos envolvidos em 631 atividades. Os trabalhos foram desenvolvidos em todas as 182 unidades da rede municipal, além de outras 30 particulares e outras duas estaduais. O programa também está alinhado à estratégia internacional de redução do risco de desastres das Organizações das Nações Unidas (ONU).

Já o lançamento da edição de 2020 será na próxima quinta-feira (21.11), às 14h, na Casa dos Conselhos. O plano determina a função de cada órgão de pronta resposta nos atendimentos das ocorrências ocasionadas pelas fortes chuvas.

Agentes distribuíram o material na Praça da Liberdade

Ideia é conscientizar a população sobre os riscos das queimadas

Mais de 500 cartilhas de prevenção a incêndios florestais foram distribuídas pelos agentes da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias nesta quinta-feira (23.08), na Praça da Liberdade. A ideia é conscientizar a população sobre os riscos das queimadas, que causam diversos prejuízos para o meio ambiente e também para a saúde. A ação acontece em resposta ao número de casos na cidade: desde o início do período de estiagem, em julho, são mais de 170 hectares destruídos pelo fogo – o equivalente a mais de 170 campos de futebol. O último caso de maior proporção ocorreu no fim de semana, na Rua Dr. Agostinho Goulão, em Corrêas, quando foram queimados cerca de 18 hectares de vegetação.

O trabalho de conscientização faz parte do eixo operacional do Plano Inverno de Petrópolis 2018, organizado pela prefeitura, que busca reduzir o número de casos de incêndios florestais na cidade, além de estabelecer um plano de ação para agilizar a resposta às ocorrências. Dados do 15° Grupamento de Bombeiro Militar comprovaram a eficácia do trabalho antecipado realizado na cidade, que começou no ano passado: foram registrados 116 casos de fogo em vegetação em 2017 contra 258 em 2016.

O secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, acompanhou de perto o trabalho dos agentes. Ele lembrou os prejuízos causados pelos incêndios florestais e ressalta a importância da prevenção.

"Na semana passada tivemos mais um grande incêndio florestal, atrás de um colégio, na zona urbana da cidade. Apesar de já ter passado dois meses do início do inverno, o período de estiagem segue até meados de novembro. Não podemos perder o foco, os incêndios florestais são um dos principais desastres de Petrópolis e quase todos os casos são causados pela ação humana. Queremos, e precisamos, ter a população como nossa maior aliada nesse combate preventivo", disse o secretário.

A petropolitana Laudicéia da Silva recebeu a cartilha e contou que em casa avisou ao marido sobre os prejuízos de outra prática: a soltura de balões. "Eu insisti muito e agora ele entendeu o que pode acontecer. Acho muito importante, além dos problemas ambientais, a queimada também faz muito mal para a saúde. A ação da Defesa Civil pode evitar um grande incêndio, igual a gente vê em outros países", disse.

Outra ferramenta importante na prevenção a incêndios florestais é o drone, que foi utilizado pela Defesa Civil em parceria com órgãos ambientais no mapeamento e monitoramento de áreas de preservação. Mesmo após o término deste trabalho, o equipamento permanece disponível para os órgãos ambientais e para o Corpo de Bombeiros em caso de queimadas.

“Seguimos à disposição, não apenas com o drone, mas também com a nossa brigada de combate aos incêndios florestais. O trabalho antecipado e organizado busca reduzir o número de ocorrências deste tipo na cidade. Esperamos conseguir bons resultados com as ações em conjunto”, explica o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

O trabalho preventivo da Defesa Civil também estabelece ações de resposta para agilizar o atendimento às ocorrências e minimizar os efeitos das queimadas. O Plano Inverno de Petrópolis 2018, com suas respectivas matrizes de atividades e responsabilidades, está disponível para download no site da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br).

Órgãos promovem ação de conscientização da população sobre os problemas causados pelos incêndios florestais

A Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias e a Polícia Militar realizam na próxima quinta-feira (30.08), às 13h30, uma ação de conscientização da população sobre os riscos e os problemas causados pelos incêndios florestais. O trabalho antecipado e organizado - chamado de Blitz Verde - acontece no DPO de Itaipava, na Estrada União e Indústria, 8.764. Agentes e militares distribuem cartilhas de prevenção a queimadas para motoristas e pedestres, orientando os moradores sobre os perigos da prática. Também será instalada uma barraca da Defesa Civil municipal com equipamentos de combate ao fogo em vegetação, com bombas costais e foices, que ficará aberta ao longo do dia para visitantes. A ação faz parte do Plano Inverno de Petrópolis 2018, que busca enfrentar as ameaças da estação com ações em dois eixos: operacional e humanitário.

A distribuição das cartilhas acontece em Itaipava por causa do número de casos de incêndios florestais nos distritos. Neste ano, desde janeiro, são 47 casos registrados pelo Corpo de Bombeiros em regiões como Araras, Secretario, Itaipava, Nogueira e Posse. O último caso de maior proporção ocorreu na Rua Dr. Agostinho Goulão, em Corrêas, quando foram queimados cerca de 18 hectares de vegetação. Desde o início do período de estiagem em julho, são mais de 170 hectares destruídos pelo fogo – o equivalente a mais de 170 campos de futebol. A ideia dos órgãos é reduzir a quantidade de ocorrências deste tipo.

“O período de estiagem, que favorece o surgimento e a propagação dos incêndios florestais, vai até meados de novembro. Com a presença da polícia, vamos reforçar que a prática é crime, causando danos ao meio ambiente e a saúde da população. Não podemos perder o foco e precisamos da ajuda da população como nossa grande aliada contra as queimadas”, afirma o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

Na última quinta-feira, a Defesa Civil distribuiu mais de 500 cartilhas de prevenção a incêndios florestais na Praça da Liberdade. O trabalho dos agentes foi realizado no Centro com o objetivo de chegar a moradores de todos os bairros da cidade, buscando a redução no número de casos. Desde o ano passado, a pasta realiza ações deste tipo buscando a prevenção as ocorrências de cada estação.

“Os incêndios florestais são um dos principais desastres de Petrópolis e quase todos os casos são causados pela ação humana. Queremos, e precisamos, ter a população como nossa maior aliada nesse combate preventivo. Quanto mais pessoas conscientizadas sobre o assunto, melhor", explicou o secretário, reforçando que a Defesa Civil vai realizar a entrega das cartilhas em outros locais da cidade.

Outra ferramenta importante na prevenção a incêndios florestais é o drone, que foi utilizado pela Defesa Civil em parceria com órgãos ambientais no mapeamento e monitoramento de áreas de preservação. Mesmo após o término deste trabalho, o equipamento permanece disponível para os órgãos ambientais e para o Corpo de Bombeiros em caso de queimadas.

“Seguimos à disposição, não apenas com o drone, mas também com a nossa brigada de combate aos incêndios florestais. O trabalho antecipado e organizado busca reduzir o número de ocorrências deste tipo na cidade. Esperamos conseguir bons resultados com as ações em conjunto”, explica Paulo Renato.

O trabalho preventivo da Defesa Civil também estabelece ações de resposta para agilizar o atendimento às ocorrências e minimizar os efeitos das queimadas. O Plano Inverno de Petrópolis 2018, com suas respectivas matrizes de atividades e responsabilidades, está disponível para download no site da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br).

Órgão distribui cartilhas de prevenção aos incêndios florestais na Praça da Liberdade

A ideia é conscientizar a população sobre os riscos e os problemas causados pelas queimadas

A Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias distribui cartilhas de prevenção a incêndios florestais nesta quinta-feira (23.08) na Praça da Liberdade. A ideia do trabalho antecipado é conscientizar a população sobre os riscos e os problemas causados pela prática, comum em áreas rurais do município. A ação foi elaborada como resposta aos casos de queimadas na cidade: desde o início do período de estiagem em julho, são mais de 170 hectares destruídos pelo fogo – o equivalente a mais de 170 campos de futebol. O último caso de maior proporção ocorreu no fim de semana, na Rua Dr. Agostinho Goulão, em Corrêas, quando foram queimados cerca de 18 hectares de vegetação.

A ação de conscientização faz parte do eixo operacional do Plano Inverno de Petrópolis 2018, organizado pela prefeitura, que busca reduzir o número de casos de incêndios florestais na cidade, além de estabelecer um plano de ação para agilizar a resposta às ocorrências. Segundo o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, o trabalho educativo vai garantir a redução do número de casos de queimadas na cidade.

“O período de estiagem, que favorece o surgimento e a propagação dos incêndios florestais, vai até meados de novembro. Não podemos perder o foco e precisamos da ajuda da população como nossa grande aliada contra as queimadas. Vale ressaltar que soltar balões é crime e a Polícia trabalha na repressão da prática”, afirma Paulo Renato Vaz.

Neste ano, também como parte das ações do Plano Inverno municipal, a Defesa Civil realizou uma série de operações preventivas aos incêndios florestais em parceria com órgãos ambientais com o auxílio de um drone. Mesmo após o término deste trabalho, a ferramenta permanece disponível para os órgãos ambientais e para o Corpo de Bombeiros em caso de queimadas.

“Seguimos à disposição, não apenas com o drone, mas também com a nossa brigada de combate aos incêndios florestais. O trabalho antecipado e organizado busca reduzir o número de ocorrências deste tipo na cidade. Esperamos conseguir bons resultados com as ações em conjunto”, explica o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

Dados do 15° Grupamento de Bombeiro Militar comprovaram a eficácia do trabalho antecipado realizado na cidade, que começou no ano passado: foram registrados 116 casos de fogo em vegetação contra 258 em 2016. O trabalho preventivo estabelece ações de resposta para agilizar o atendimento às ocorrências e minimizar os efeitos das queimadas.

“Com o trabalho em conjunto, podemos estudar os locais e ver, antecipadamente, como devemos atuar para combater um incêndio que venha atingir uma área de difícil acesso. Estes estudos são importantíssimos e vêm a contribuir demais com os nossos planos, que já obtiveram resultados excepcionais no ano passado”, destaca Paulo Renato.

O Plano Inverno de Petrópolis 2018, com suas respectivas matrizes de atividades e responsabilidades, está disponível para download no site da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br). 

Governo municipal vai reforçar as ações de prevenção e orientação nas comunidades

Começam em setembro as reuniões setoriais que definem as matrizes de atividades e responsabilidades e os planos de contingência que fazem parte do Plano Verão 2019 de Petrópolis. O objetivo é organizar os órgãos que atendem as ocorrências no período de fortes chuvas, que vai de novembro até a primeira quinzena de abril. O trabalho antecipado será realizado em cima das principais ameaças da estação: deslizamento de solo ou rocha, inundações, rolamento de blocos rochosos, vendavais e tempestades e raios. A medida da prefeitura tem como foco prevenir os desastres de origem natural, além de investir na orientação dos moradores nas comunidades e dos estudantes nas escolas da rede municipal.

A elaboração do Plano Verão está sendo conduzida em dois eixos: operacional e comunitário. O início dos esforços começou cinco meses antes da estação por causa dos números do último verão comparados com o ano anterior: os índices de chuva foram em média 120% mais altos, além da quantidade de ocorrências que subiram 48%. O lançamento está marcado para o dia 28 de novembro, na Casa dos Conselhos, na Av. Koeler.

"Agora em setembro já daremos início aos encontros setoriais para discutirmos a responsabilidade de cada órgão envolvido no atendimentos das ocorrências que acontecem na cidade. O trabalho antecipado e organizado é fundamental para uma resposta melhor e mais rápida dos órgãos em caso de desastres no verão", explica o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

Também como parte das ações antecipadas do governo municipal, o SOS Chuvas está com vagas abertas para inscrições para novos estagiários. O programa criado no ano passado pelo prefeito Bernardo Rossi em parceria com a Universidade Católica de Petrópolis (UCP) e Estácio de Sá, busca reduzir os prejuízos causados pelas chuvas de verão em três áreas: Defesa Civil, Meio Ambiente e Obras.

“Os estagiários participam ativamente dos trabalhos desenvolvidos pela prefeitura. O programa SOS Chuvas trabalha justamente com a fiscalização, mobilização e conscientização comunitária. Estamos montando um calendário de atuação nas comunidades de maior risco”, garante o secretário de Defesa Civil.

Além disso, a Defesa Civil vai montar um calendário de visitas nas comunidades e nas escolas municipais e organizar o treinamento das equipes de resposta às ocorrências. As ações de prevenção aos desastres de origem natural tem o objetivo de melhorar a resposta em caso de uma grande tragédia, proporcionando um melhor atendimento à população.

"Essa será a segunda edição do nosso Plano Verão de Petrópolis e estaremos ainda melhor preparados e ainda mais integrados para enfrentarmos, conjuntamente, as ameaças da estação", completa Paulo Renato.

Órgãos de resposta emergencial participam do primeiro encontro que será realizado na Sala de Cooperação

Determinar a função de cada órgão no atendimento das ocorrências ocasionadas pelas fortes chuvas. Com esse objetivo, começam nesta terça-feira (16.10) as reuniões setoriais que definem as matrizes de atividades e responsabilidades e os planos de contingência que fazem parte do Plano Verão 2019 de Petrópolis. O primeiro encontro acontece na Sala de Cooperação, na sede da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias, reunindo as equipes de resposta emergencial, como o Corpo de Bombeiros, CPTrans, Comdep e as concessionárias de água e energia. O trabalho de organização está sendo elaborado em cima das principais ameaças desta estação: deslizamento de solo ou rocha, inundações, rolamento de blocos rochosos, vendavais e tempestades de raios.

A elaboração antecipada do plano acontece também em virtude dos números do último verão: os índices de chuva cresceram 120% e a quantidade de ocorrências registradas subiu 48%. A medida da prefeitura tem como foco prevenir os desastres de origem natural, além de proporcionar a orientação dos moradores nas comunidades e dos estudantes nas escolas da rede municipal. Segundo o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, as reuniões setoriais fazem parte de um conjunto de ações do governo.

"O trabalho antecipado e organizado é fundamental para uma resposta melhor e mais rápida dos órgãos em caso de desastres no verão. Os encontros setoriais discutem responsabilidade de cada órgão envolvido no atendimentos das ocorrências que acontecem na cidade. Cada instituição precisa saber o seu papel no momento de crise”, disse o secretário, que confirmou o lançamento do Plano Verão municipal para o dia 28 de novembro, na Casa dos Conselhos, na Av. Koeler.

Também como parte das ações de prevenção do governo municipal, o SOS Chuvas está com vagas abertas para inscrições para novos estagiários. O programa criado no ano passado pela prefeitura em parceria com a Universidade Católica de Petrópolis (UCP) e Estácio de Sá, busca reduzir os prejuízos causados pelas chuvas de verão em três áreas: Defesa Civil, Meio Ambiente e Obras. Os estudantes devem procurar pela coordenação dos cursos de arquitetura e de engenharia para participar.

Para os estudantes, o programa é uma forma de executar aquilo que aprenderam dentro de sala de aula. Também ganham com a troca de experiências com os profissionais concursados da prefeitura. Segundo o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, o SOS Chuvas é mais uma ação do governo municipal com foco na prevenção aos desastres de origem natural.

“Estamos trabalhando de forma antecipada para garantir a redução do número de ocorrências no próximo verão. O SOS Chuvas faz parte do eixo operacional, com ações de conscientização nas comunidades com maiores riscos geológicos”, disse Paulo Renato.

Também como forma de intensificar o trabalho de prevenção aos desastres de origem natural antes do período de fortes chuvas, a Defesa Civil está preparando um calendário de operações nas praças e nas comunidades com o objetivo de orientar a população e visitar os pontos de apoio existentes no município. Cartilhas ensinando os moradores a agir em caso de ocorrências, como deslizamentos de terra e inundações, também serão entregues aos moradores. Os agentes iniciam esse trabalho em novembro.

“Nossas ações têm foco nas áreas de maior risco geológico do município e que contam com o sistema de sirenes. Precisamos estar bem próximos dos moradores para que a gente tenha a redução do número de ocorrências. Essa será a segunda edição do nosso Plano Verão de Petrópolis e estaremos ainda mais preparados e ainda mais integrados para enfrentarmos, conjuntamente, as ameaças da estação", garante o secretário de Defesa Civil.

Reuniões fazem parte de um conjunto de ações de prevenção da prefeitura para o período de fortes chuvas

O último encontro setorial para a atualização das matrizes de atividades e responsabilidades e dos planos de contingência que fazem parte do Plano Verão municipal acontece nesta quinta-feira (19.10) na Sala de Cooperação da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias. Participam representantes das secretarias de governo que trabalham na resposta imediata às ocorrências, como a Comdep, CPTrans, Guarda Civil e Assistência Social. O plano determina a função de cada órgão nos atendimentos ocasionados pelas fortes chuvas em cima das principais ameaças desta estação: deslizamento de solo ou rocha, inundações, rolamento de blocos rochosos, vendavais e tempestades de raios.

No último verão, os índices de chuva cresceram 120% e a quantidade de ocorrências registradas subiu 48%. A atualização do Plano Verão municipal é uma resposta da prefeitura a esses números, com o objetivo de atender a população de forma mais rápida e eficaz neste período. As ações de prevenção do governo têm como foco reduzir o risco de desastres no município.

O trabalho organizado e de prevenção é fundamental para a cidade no período de fortes chuvas. Além da atualização do Plano Verão municipal, a cidade tem o programa SOS Chuvas, em parceria com duas universidades da cidade e que busca impedir o avanço das construções irregulares. A prefeitura também inseriu na rede municipal de ensino os temas Defesa Civil e Educação Ambiental, pensando no futuro da cidade. O município está trabalhando em várias frentes para a redução do risco de desastres. 

Também como forma de intensificar o trabalho de prevenção aos desastres de origem natural antes do período de fortes chuvas, a Defesa Civil está preparando um calendário de operações nas praças e nas comunidades com o objetivo de orientar a população e visitar os pontos de apoio existentes no município. Cartilhas ensinando os moradores a agir em caso de ocorrências, como deslizamentos de terra e inundações, também serão entregues aos moradores. Os agentes iniciam as atividades em novembro.

“Nossas ações têm foco nas áreas de maior risco geológico do município e que contam com o sistema de sirenes. Precisamos estar bem próximos dos moradores para que a gente tenha a redução do número de ocorrências. Ao lado da população, vamos estar ainda mais preparados e integrados para enfrentarmos, conjuntamente, as ameaças do verão", garante o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

SOS Chuvas contam com 48 estagiários voluntários cadastrados

O programa SOS Chuvas conta com 48 estagiários voluntários cadastrados este ano. São estudantes de arquitetura e engenharia das universidades Estádio de Sá e UCP que se colocaram à disposição da prefeitura para trabalhar nas áreas de Defesa Civil, Obras e Meio Ambiente. Os interessados em participar devem procurar a coordenação de seus cursos para se inscreverem. O projeto foi criado no ano passado para impedir o avanço das ocupações e construções irregulares na cidade, reduzindo os prejuízos causados pelas chuvas de verão.

  O programa é uma oportunidade para os alunos executarem na prática aquilo que aprendem dentro de sala de aula. Além disso, existe a troca de experiências com os profissionais da prefeitura que trabalham em uma das secretarias que participa do projeto. Segundo o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, o SOS Chuvas é mais uma ação do governo municipal com foco na prevenção aos desastres de origem natural.

“O programa faz parte do eixo operacional, com ações nas comunidades com maiores riscos geológicos. Os benefícios para a cidade são diversos. Para os alunos o desenvolvimento profissional é indiscutível, pois vão trabalhar com profissionais competentes da prefeitura, desde geólogos, engenheiros e arquitetos”, disse Paulo Renato.

Aumentar a eficiência na pronta resposta aos desastres de origem natural que possam ocorrer em Petrópolis. Com esse objetivo, o prefeito recebeu, nesta quarta-feira (02.10), os generais Alcio Alves Almeida e Costa, comandante da 4ª Brigada de Infantaria Leve de Montanha de Juiz de Fora, e William Georges Felippe Abrahão, comandante da 1ª Divisão de Exército do Rio de Janeiro. A reunião realizada na Prefeitura reforçou a importância da integração entre as equipes de atendimento do governo municipal e as forças militares.

O prefeito ressaltou que desde o início da gestão, o município trabalha de maneira preventiva aos desastres de origem natural. Ele lembrou também que foi na sua gestão que o município criou os planos Verão e Inverno, organizando a pronta resposta.

"Sabemos da importância da integração entre as equipes na hora de atender a população. Cada vez mais o Exército procura os municípios justamente com esse objetivo. Petrópolis é uma cidade vulnerável aos desastres de origem natural e precisamos estar prontos para a pronta resposta caso seja necessário", ressaltou o general Alcio Alves Almeida e Costa.

Igualmente com o objetivo de integração, começou ontem (1º.10) o “Exercício Simulado de Emprego da Força de Apoio à Defesa Civil”, que acontece no 32º Batalhão de Infantaria Leve de Montanha, na Vila Militar. A atividade está estruturada dentro de um cenário fictício de calamidade pública, no qual se faz necessário o emprego das Forças Federais em apoio integrado e sinérgico aos órgãos de Petrópolis. Também nesta quarta, o prefeito visitou os militares que estão baseados no Parque Municipal em Itaipava para o simulado.

Neste treinamento participam 800 militares do Exército, além do Corpo de Bombeiros e os agentes da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias. Também serão empregados - para transporte de equipes e tarefas simuladas de remoção de escombros - viaturas militares, um helicóptero e equipamentos especializados de engenharia, além de uma tropa militar especializada em Defesa Química Biológica Radiológica é Nuclear (DQBRN).

O trabalho integrado em conjunto do Exército com a Defesa Civil acontece desde 2017, quando mais de 200 pessoas participaram do Exercício Conjunto de Apoio à Defesa Civil (Ecadec).

Pagina 2 de 112

Notícias por data

« Outubro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  

Prestação de conta COVID-19

Alvará Online - BANNER

Casa dos Conselhos

DO

Cadastro da inscrição do IPTU para crédito da Nota Imperial

turispetro

iluminacao

balcao empregos

plano compras

portal transparencia

licitacao

Concursos

Casa dos Conselhos

ecidade

jrestaurativa

gabinete cidadania.fw

cpge

EOUVmunicipios

selo acesso_informacao.fw

Relatorio CMVP

cmv-logo