Uma construção irregular na beira do rio na Rua Hermogênio Silva, no Retiro, já embargada pelo município, foi nesta quinta-feira (26/02) também interditada pela Justiça. A obra, sem autorização da Prefeitura e sem técnico responsável, acontecia em uma área de preservação, às margens do Rio Piabanha, sem licença ambiental. A ação integrada do poder público para que a obra não tenha continuidade, envolvendo Prefeitura, Poder Judiciário e Polícia Civil, foi comandada pelo juiz titular da 4ª Vara Cível de Petrópolis, Jorge Martins. Além da interdição, segue na Justiça processo do Ministério Público contra o proprietário determinando a demolição do que foi construído no local.

No terreno, além da obra irregular, há uma casa de dois andares e um espaço onde já funcionou um lava-jato. Na ação, adesivos e faixas sinalizam a área interditada (a construção e o pátio). Por determinação do juiz Jorge Martins, a residência está com acesso livre ao morador, que não estava no local no momento da ação. Também por determinação do juiz, a Comdep deu início à instalação de tapumes no local para impedir o acesso e a continuidade da obra. Durante a ação, policiais civis da 105ª Delegacia (Retiro) apreenderam mercadorias encontradas na casa.

O caso teve início em 2011. Desde então, o proprietário já foi notificado e multado mais de dez vezes pelo município, mas o responsável não cumpriu as determinações. “Não há alternativa alguma às condutas desafiadoras da lei, se não houver integração entre os poderes da República. Em respeito ao Ministério Público e ao município de Petrópolis, esse órgão conheceu os autos ontem (quarta-feira) e entendeu ser um caso grave, já que leis municipais, estaduais e federais foram desrespeitadas. Por isso, a importância de se realizar uma inspeção judicial em prazo brevíssimo. A obra foi interditada pelo poder judiciário ante inúmeras infrações legais e atos de desobediência”, disse o juiz Jorge Martins.

O secretário de Fazenda, Paulo Roberto Patuléa, destacou a atuação integrada do poder público, entre Prefeitura, 105ª Delegacia de Polícia e 4ª Vara Cível, para uma ação com caráter educativo para Petrópolis. “Essa interdição mostra à população que construir de forma irregular representa, além de risco à segurança dos moradores e um desrespeito às leis municipais, um prejuízo ao responsável. O proprietário fez investimentos nessa obra, mesmo depois de notificado diversas vezes pela Coordenadoria de Fiscalização”, disse Patuléa.

O delegado titular da 105ª DP, Alexandre Ziehe, participou da ação, que também teve a participação da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, da Procuradoria Geral do Município e da Comdep.

Os dois técnicos da Secretaria de Proteção e Defesa Civil que foram ao Japão, em 2014, ministraram nesta quinta-feira (26/02) um curso aos demais técnicos do órgão, dividindo o que aprenderam naquele país sobre mapeamento de risco e alerta antecipado. A viagem, custeada pela Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), faz parte da parceria de quatro anos, iniciada no fim de 2013, entre o governo brasileiro e o Japão para a prevenção de desastres das chuvas em Petrópolis, Nova Friburgo e Blumenau (SC).

O diretor técnico da Secretaria, engenheiro Ricardo Branco, e o geólogo Yuri Garin explicaram aos engenheiros, geólogos, arquitetos e técnicos em edificações da Defesa Civil a metodologia japonesa para calcular as áreas onde há risco ou alto risco de deslizamentos. O grupo começou a debater como implantar a metodologia em Petrópolis.

Essa metodologia consiste em uma fórmula matemática que, a partir das características do solo e das construções da região, calcula a quantidade de terra que pode se deslocar por causa das chuvas e o alcance desse deslizamento. No Japão, os técnicos da Defesa Civil viram que, nas áreas apontadas como sendo de alto risco, é permitida a existência de casas, desde que os proprietários realizem intervenções estruturais para proteger as moradias de deslizamentos.

Desde que a parceria teve início, além da vinda de técnicos japoneses a Petrópolis, o prefeito Rubens Bomtempo, o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, e três técnicos da Prefeitura – sendo dois da Defesa Civil – já foram ao Japão. “A viagem desses técnicos ao Japão, paga pela Jica, foi uma grande oportunidade para o município aumentar o conhecimento sobre prevenção de desastres naturais. Até agora, foram três técnicos representando a Prefeitura, mas o que foi aprendido lá está sendo dividido com os demais técnicos, para que todo o corpo técnico da Prefeitura aprenda também, possibilitando avanços à população. O curso desta quinta-feira na Defesa Civil vai nesse sentido”, disse o secretário Rafael Simão.

Agentes da Secretaria de Defesa Civil de Nova Friburgo visitaram nesta semana a Secretaria de Proteção e Defesa Civil de Petrópolis para conhecer o sistema de registro de ocorrências do município. O modelo usado em Petrópolis será levado para Nova Friburgo, para que a Defesa Civil local possa dar uma resposta mais ágil às solicitações da população.

Criado em 2007, no segundo governo do prefeito Rubens Bomtempo, o sistema informatizado de registro de ocorrências da Defesa Civil de Petrópolis substituiu o registro manual. A mudança representou um avanço para a Defesa Civil, porque permitiu criação de base estatística, impressão de segunda via dos registros, o controle das ocorrências e a entrega de laudos com mais rapidez aos moradores – diminuindo de 15 para cinco dias, em média, desde a data da solicitação.

“O programa vai ser de grande importância, muito útil para nós. O nosso possui muitas falhas. Vamos adaptar esse modelo de Petrópolis para Nova Friburgo, o que vai nos ajudar a melhorar o atendimento à população e na tomada de decisões”, disse Kelly Amorim, gerente administrativa da Secretaria de Defesa Civil de Nova Friburgo, acompanhada pelo técnico em informática Gustavo Portugal.

O secretário de Proteção e Defesa Civil de Petrópolis, Rafael Simão, lembrou o bom relacionamento que mantém com o secretário de Defesa Civil de Nova Friburgo, João Paulo Mori. “Com Nova Friburgo, a relação é muito positiva, até porque os dois municípios fazem parte da parceria com o Japão para a prevenção de desastres das chuvas. Defesa Civil é uma só, então há um sentimento de parceria entre os municípios, para que a população seja beneficiada. Dividimos os nossos avanços com as Defesas Civis de outras cidades, assim como também buscamos crescer com as experiências bem sucedidas delas”, disse o secretário Rafael Simão.

Desde 2013, a Defesa Civil de Petrópolis já recebeu agentes das Defesas Civis de outros municípios, como Magé (RJ), São José do Vale do Rio Preto (RJ) e Juiz de Fora (MG), que vieram conhecer a sede da Secretaria, criado pelo prefeito Rubens Bomtempo em 2013, e a experiência de Petrópolis na prevenção e na resposta a desastres das chuvas.

A comunidade do Contorno recebeu, nesta terça-feira (24/02), um pluviômetro semiautomático, para o monitoramento das chuvas. O equipamento foi instalado pela Secretaria de Proteção e Defesa Civil na Escola Municipal Leonardo Boff, na BR-040, km 81,5, sentido Rio. Além de permitir à Defesa Civil um acompanhamento mais preciso da intensidade das chuvas no município, o pluviômetro será utilizado também para atividades educativas na escola, com os professores debatendo com os alunos as consequências das chuvas, a prevenção de desastres naturais e o funcionamento do equipamento.

A diretora da escola, Angélica Domingas, afirmou que irá orientar os professores a trabalhar o pluviômetro com os alunos, debatendo a questão das chuvas com profundidade. “O histórico que Petrópolis tem com as chuvas faz parte da história dessas crianças. Sempre alguém da família fala para elas sobre deslizamentos que houve tempos atrás. Então, esse equipamento será um instrumento para trabalhar a questão das chuvas com alunos, gerando um debate em toda a sua complexidade, envolvendo a importância do saneamento básico, da habitação, de se jogar lixo no local correto. Os deslizamentos podem acontecer mesmo onde não houve ação humana, mas essa ação humana acelera o processo”, disse a diretora.

Com esse, já são 71 pluviômetros automáticos e semiautomáticos em todo município. Desses, 45 foram instalados pela Prefeitura desde 2013. Com essa rede de pluviômetros cada vez maior, a Secretaria de Proteção e Defesa Civil pode otimizar a resposta a chuvas fortes, podendo tomar decisões com rapidez, já que sabe em tempo real quanto está chovendo em cada ponto.

“Estamos com uma rede extensa de pluviômetros automáticos e semiautomáticos no município, em diversos bairros. Petrópolis vem avançando muito nesse sentido. Conseguimos esses 45 equipamentos do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), e mais 13 serão instalados nas próximas semanas”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

O pluviômetro semiautomático depende de uma pessoa para ler os dados apontados no viso e repassá-los para a Defesa Civil. Já os automáticos transferem essas informações diretamente para a internet. No pátio da escola, o pluviômetro, que funciona por bateria, recebe a água das chuvas. Em uma parte coberta da escola, um visor digital informará aos alunos e funcionários em tempo real, sem que eles precisem se molhar, quanto está chovendo e o acumulado nos intervalos de uma hora, quatro, 24, 48, 72 e 96 horas. Como acontece com os pluviômetros semiautomáticos já instalados no município, a Defesa Civil entrará em contato com a diretora Angélica, quando chover forte, para saber o índice pluviométrico da comunidade do Contorno.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil participou, na última semana, em Nova Friburgo, de curso sobre mapeamento de risco da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica). A proposta do curso foi trazer para a realidade brasileira a metodologia japonesa sobre como calcular as áreas onde há risco ou alto risco de deslizamentos. Em março haverá novo curso sobre o tema.

O curso faz parte da parceria de quatro anos, iniciada no fim de 2013, entre o governo brasileiro e o Japão para a prevenção de desastres das chuvas em Petrópolis, Nova Friburgo e Blumenau (SC). Participaram cerca de 20 pessoas, entre técnicos dos três municípios, do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e do Serviço Geológico do Estado do Rio (DRM-RJ).

“Essa parceria vem avançando muito e já está claro que é promissora. Depois de pouco mais de um ano de convênio, com visitas técnicas entre os dois países, já vemos os nossos técnicos aumentarem o nosso conhecimento acumulado sobre mapeamento de risco, alerta antecipado e planejamento urbano, o que possibilitará novas medidas para a redução de riscos de desastres das chuvas em Petrópolis”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

De Petrópolis, fizeram o curso o diretor técnico da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, engenheiro Ricardo Branco, e o geólogo Yuri Garin. Os dois estiveram no Japão em 2014, onde aprenderam essa metodologia japonesa, em viagem custeada pela Jica.

“Iniciamos nesta semana esse processo de adaptação de metodologia para a nossa realidade. É uma metodologia que já tínhamos aprendido no Japão. No curso em Friburgo, fizemos um trabalho de escritório, analisando o mapeamento já existente no município, e depois fomos a campo, analisando alguns pontos da cidade onde houve quedas de blocos rochosos e corrida de massa para aplicarmos a metodologia japonesa”, disse Ricardo Branco.

Essa metodologia consiste em uma fórmula matemática que, a partir das características do solo e das construções da região, calcula a quantidade de terra que pode se deslocar por causa das chuvas e o alcance desse deslizamento. No Japão, os técnicos da Defesa Civil viram que, nas áreas apontadas como sendo de alto risco, é permitida a existência de casas, desde que os proprietários realizem intervenções estruturais para proteger as moradias de deslizamentos.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil teve resultado positivo nas ações preventivas realizadas neste Carnaval: as vistorias realizadas diariamente nas barracas de Carnaval tiveram boa aceitação dos comerciantes, que cumpriram as orientações dos agentes da Defesa Civil em relação à disposição dos botijões de gás e ao uso de extintores de incêndio. Os comerciantes que não contavam com extintores foram cobrados pelos agentes e providenciaram o equipamento no dia seguinte.

As vistorias nas barracas do CarnaVerão Imperial foram uma determinação do prefeito Rubens Bomtempo, para levar mais segurança à população durante as festas. Além de atuar 24 horas dias, para o atendimento a ocorrências relacionadas às chuvas, a Secretaria aumentou o seu efetivo de plantão neste feriadão para a realização do trabalho.

“Neste Carnaval, o município deu mais uma passo para o fortalecimento da cultura da Defesa Civil. Levamos mais segurança para o Carnaval, com a exigência do extintor de incêndio, e difundimos ainda mais a ideia de que prevenção de acidentes é uma responsabilidade de todos, não só do poder público, mas também da população e de comerciantes”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

Antes do Carnaval, os comerciantes receberam uma aula de noções básicas de prevenção de incêndio e sobre o uso e extintores – uma parceria entre Corpo de Bombeiros, Secretaria de Proteção e Defesa Civil e Secretaria de Trabalho, Assistência Social e Cidadania (Setrac).
“Felizmente não tivemos incidentes neste Carnaval, como um princípio de incêndio, por exemplo.

Mas, se houvesse, os comerciantes estariam mais preparados para lidar com a situação, pois contariam com o extintor e saberiam como utilizá-lo. Outra orientação nossa foi no sentido de colocar os botijões de gás longe da chapa e em local ventilado. Nas vistorias diárias nas barracas, fomos muito bem recebidos pelos comerciantes”, disse o diretor operacional da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, Ramon Camilo.

Agentes da Secretaria de Proteção e Defesa Civil circularam, nesta sexta-feira (13/2), pelos pontos que receberão festas de Carnaval nos próximos dias. Acompanhados por bombeiros, os agentes orientaram os comerciantes das barracas montadas em Corrêas, em Cascatinha e na Praça da Liberdade, sobre o uso de botijões de gás e de extintores de incêndio.

A medida foi uma determinação do prefeito Rubens Bomtempo, para deixar a população mais segura nas festas de Carnaval. “Em todos os dias de Carnaval, agentes da Defesa Civil estarão circulando pelas festas de rua avaliando a segurança das barracas e dos palcos”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

Caso os agentes constatem algo que ofereça risco, a Defesa Civil tomará as providências necessárias e, se preciso, mobilizará outros órgãos. “Nesta sexta-feira, explicamos aos comerciantes que os botijões de gás devem ficar em uma área ventilada, afastada da chapa. Falamos também que as barracas devem contar com um extintor de incêndio em local próximo e visível. São ações para reduzir os riscos de acidentes e todos devem atuar nesse sentido, poder público e população”, disse o diretor operacional da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, Ramon Camilo.

Quarta, 11 Fevereiro 2015 - 09:47

Bomtempo se reúne com moradores de Pedro do Rio

O prefeito Rubens Bomtempo se reuniu na noite de segunda-feira (9/2) com cerca de 80 moradores da região onde houve um escorregamento de lama das encostas, em Pedro do Rio, e anunciou intervenções a área. O trecho da Estrada União e Indústria, que passa por limpeza desde a chuva e já teve bueiros e tubulações desobstruídas, terá a rede de abastecimento da concessionária Águas do Imperador estendida. Todas as antigas lixeiras também serão substituídas pelas conteinerizadas.

No encontro Bomtempo falou sobre a resposta do município às chuvas no local e tirou dúvidas de moradores. Também participaram da reunião secretários de governo e vereadores. O prefeito explicou que técnicos da Secretaria de Proteção e Defesa Civil estão realizando um levantamento geotécnico da região, de forma a implementar ações que reduzam o risco de novos escorregamentos.

“Trabalhamos muito nos últimos dias, com o apoio da comunidade. Envolvemos diversas secretarias, mobilizamos máquinas, mais de 80 funcionários e devolvemos a normalidade à região. Terminada essa etapa de resposta ao que aconteceu, vamos pensar na prevenção, para reduzir as chances de que aconteça de novo”, disse o prefeito.

A reunião, realizada em uma igreja evangélica na via, foi considerada positiva por prefeito, secretários de governo, vereadores e moradores, já que o debate foi propositivo. Representaram a Câmara Municipal, no encontro, os vereadores Vadinho e Pastor Sebastião. “Os moradores nos receberam em suas casas e nos apoiaram nas ações de resposta. No domingo, por exemplo, algumas das reuniões técnicas da Defesa Civil foram na casa de moradores. A reunião de segunda-feira também foi positiva, porque os moradores nos ouviram e puderam fazer perguntas”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

A chuva da noite de sábado em Pedro do Rio foi uma pancada, de curta duração e localizada, em um pequeno trecho do distrito. A lama que desceu das encostas da Estrada União Indústria afetou cerca de 80 casas. Não houve vítimas, feridos ou casas interditadas. Na mesma noite, a Prefeitura deu início ao trabalho de limpeza na região, e mais de 100 caminhões de terra já foram retirados da região. Equipes da Secretaria de Obras também estiveram no local, assim como homens da Comdep, que trabalharam em reparos e limpeza dos bueiros. A Secretaria de Trabalho, Assistência Social e Cidadania (Setrac) distribuiu kits de limpeza e de higiene aos moradores.

Domingo, 08 Fevereiro 2015 - 21:37

Boletim da Defesa Civil (21h)

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil informa que as chuvas fortes da tarde deste domingo (8/2) não geraram ocorrências graves em Petrópolis. Não houve vítimas ou feridos. Nenhuma casa foi atingida. Como medida preventiva, às 17h28 a Defesa Civil acionou 11 sirenes com o alerta para risco de deslizamentos generalizados nos bairros Quitandinha (Amazonas, Ceará, Duques, Espírito Santo e Rio de Janeiro), Independência (Rua Ó e Taquara), Siméria, Dr. Thouzet e Vila Felipe (Campinho e Chácara Flora). Às 20h30, as sirenes foram desligadas.

Houve um deslizamento de terra no bairro Independência, interditando a Rua José Chaves, na esquina com a Rua Ó. Nenhuma casa foi atingida. A Defesa Civil acionou o Plano de Contingência de Petrópolis e mobilizou a Comdep para a limpeza da via. A Companhia está no local retirando a terra.

O Rio Quitandinha, na altura da Rua Coronel Veiga, transbordou durante uma hora e meia. A Guarda Civil sinalizou os acessos à rua, orientando os motoristas a buscarem vias alternativas. Agentes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros percorreram a via preventivamente, para auxiliar quem pudesse estar na rua. Carros foram removidos das áreas inundadas por meio de cordas. A Defesa Civil mobilizou a concessionária Águas do Imperador, que irá ceder um caminhão pipa para a limpeza da via.

Em Pedro do Rio, na Estrada União Indústria, após o escorregamento de lama na noite de sábado (7/2), água e terra entraram em cerca de 80 casas. A Prefeitura continuará o trabalho de limpeza nesta segunda-feira (9/2). A Comdep seguirá realizando a limpeza da via. A companhia está no local desde a noite de sábado, com cinco máquinas, 12 caminhões, três caminhões pipa e 73 funcionários para a limpeza da via. A limpeza do local deverá ser concluída em dois dias. A Secretaria de Estado de Obras, a pedido do prefeito Rubens Bomtempo, se comprometeu a enviar máquinas e caminhões para auxiliar nos trabalhos. A CPTrans estará sinalizando a via e auxiliando os motoristas. Neste domingo, técnicos da Defesa Civil vistoriaram as casas e constataram que, por enquanto, não há necessidade de interdição. Nesta segunda, agentes da Defesa Civil voltarão ao  local. Neste domingo, a Secretaria de Trabalho, Assistência Social e Cidadania (Setrac) já distribuiu kits de limpeza e de higiene e cadastrou os moradores.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil orienta a população a ligar para o número 199 e solicitar uma vistoria no caso de qualquer sinal de instabilidade no terreno ou na construção. A Defesa Civil segue operando em estágio de atenção.

Domingo, 08 Fevereiro 2015 - 12:41

Boletim da Defesa Civil (12h)

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil informa que a pancada de chuva localizada na região de Pedro do Rio na noite deste sábado (7/2) não gerou ocorrências graves. Não houve vítimas ou feridos. A Defesa Civil opera em estágio de atenção.

Na Estrada União Indústria, houve escorregamento de lama das encostas, interditando a via e alagando cerca de dez casas da região. A Defesa Civil enviou prontamente equipe ao local e acionou o Plano de Contingência de Petrópolis, mobilizando outros órgãos envolvidos na resposta às chuvas, para devolver a normalidade à região com rapidez. Nenhum imóvel precisou ser interditado. Já na noite de sábado, o trânsito foi liberado. Na manhã deste domingo, técnicos da Secretaria foram à região realizar novas vistorias e constataram que, ao menos por enquanto, não é necessária a interdição de imóveis.

O prefeito Rubens Bomtempo está no local nesta manhã (8/2). Ele já solicitou reforço de máquinas do estado e da iniciativa privada. O secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, irá acompanhar e gerenciar esse reforço nos trabalhos.

A Comdep está no local desde a noite de sábado, com cinco máquinas, 12 caminhões, três caminhões pipa e 73 funcionários para a limpeza da via. Já foram removidos 26 caminhões de lama, com previsão de mais 45 até o fim do dia. A limpeza do local deverá ser concluída em dois dias.

Equipe da Secretaria de Trabalho, Assistência Social e Cidadania (Setrac) também foi ao local na noite de sábado, atendendo os moradores das casas atingidas por lama e avaliando as necessidades especiais de crianças, idosos e gestantes. A Setrac está fornecendo alimentos, kit higiene e material de limpeza. Neste domingo, equipe da Secretaria está avaliando as perdas materiais dos moradores.