Mais de 40 agentes da Secretaria de Proteção e Defesa Civil e das Unidades de Proteção Comunitária (UPCs) participaram, nesta quinta-feira (30/10), de um curso de capacitação sobre riscos geológicos e estruturais. A iniciativa, da Defesa Civil, deixa os agentes cada vez mais preparados para o atendimento às ocorrências e orientação dos moradores das comunidades. Com uma maior percepção de risco, esses participantes do Curso de Percepção de Risco poderão atuar de forma mais segura, avaliando melhor onde podem ou não podem ir.

Os palestrantes do curso foram os engenheiros e os geólogos da Secretaria de Proteção e Defesa Civil. O curso foi realizado das 9h às 16h. A determinação do prefeito Rubens Bomtempo é que a Defesa Civil realize cursos de capacitação constantemente, tanto para os servidores da secretaria, quanto para quem também atua na prevenção e na resposta a desastres das chuvas, como voluntários dos Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs) e agentes de saúde, de endemias e das UPCs.

“A cada curso de capacitação Petrópolis dá um passo à frente na prevenção de desastres das chuvas. Vamos continuar dando esses passos para que os nossos agentes e os de outros órgãos sejam cada vez mais capazes de ajudar o município em relação às chuvas sem se colocar em risco”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

Durante o curso, os palestrantes deram dicas de prevenção, para que os agentes reproduzam essas noções nas comunidades. Entre elas, a de não plantar bananeiras nas encostas, já que é uma árvore com raízes pequenas, o que facilita o deslizamento. Eles também falaram sobre o perigo do destino incorreto da águas das chuvas para o próprio terreno ou para o de vizinhos, uma prática comum em Petrópolis que também aumenta as chances de deslizamentos, porque deixa a encosta mais instável.

“Além de aumentar a sua percepção de risco, o que deixa esses agentes mais seguros, o curso é importante para facilitar a comunicação entre os agentes. Eles aprenderam a diferença entre termos técnicos, como fissuras, trincas e rachaduras, e também entre inundação, alagamento, enxurrada e enchente. Com isso, quando um agente for informar a um técnico da Defesa Civil detalhes da ocorrência, ele passará dados com mais precisão”, disse o diretor técnico da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, engenheiro Ricardo Branco.

Agente da UPC da 24 de Maio, Mário Luiz de Souza afirmou que, com o curso, se sente mais preparado para atuar na comunidade. “Achei muito importante. Os agentes das UPCs precisavam dessas noções básicas sobre estruturas, desses conceitos técnicos. Será bom para a nossa segurança, para a autoproteção”, disse Mário.

A região da Independência receberá uma ação de conscientização da Secretaria de Proteção e Defesa Civil no próximo dia 10, durante o teste mensal das sirenes do Sistema de Alerta e Alarme. Para o ato, a Defesa Civil já está mobilizando voluntários e agentes de saúde, de endemias e das Unidades de Proteção Comunitária (UPCs), que conversarão com moradores e distribuirão cartilhas com dicas de prevenção de desastres das chuvas e panfletos com orientações do que fazer quando a sirene toca. A Cruz Vermelha de Petrópolis também vai participar.

“Temos intensificado as campanhas de prevenção, como determinou o prefeito Rubens Bomtempo. No teste das sirenes de outubro, fizemos uma grande ação na 24 de Maio e deu muito certo. Conversamos com muitos moradores, entregamos material informativo para muitas pessoas. A ideia é bater na tecla da importância da prevenção de desastres das chuvas a cada oportunidade, para que os moradores de áreas de risco saiam de casa quando começar a chover forte e procurem um local seguro. Com essas ações, Petrópolis ficará mais segura”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

Nesta quarta-feira (29/10), o diretor operacional da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, Ramon Camilo, realizou a primeira reunião preparatória da ação de conscientização do evento. Representante da filial Petrópolis da Cruz Vermelha, Alexandre Mayworm, que também será delegado de Petrópolis na Conferência Nacional de Defesa Civil, afirmou que mobilizará seis voluntários do órgão para a ação. A agente de saúde Maria Luiza Gomes da Silva, que atua no Independência há 15 anos, afirmou que a campanha será uma oportunidade para conscientizar os moradores de áreas de risco sobre os perigos das chuvas. “É bom para alertar as pessoas sobre o risco”, disse Maria Luiza.

Segunda, 27 Outubro 2014 - 18:32

Boletim da Defesa Civil - 18h

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil registrou, entre domingo e segunda-feira (26 e 27/10), 15 ocorrências por conta das chuvas fortes que caíram na cidade, nenhuma grave. Todas foram prontamente atendidas. A maioria dos chamados foi de pedidos de vistoria preventiva. Houve, ainda, duas quedas de muro e pequenos deslizamentos. Nenhuma casa foi atingida e nenhum imóvel precisou ser interditado.

Para agilizar a resposta do município às chuvas, a Defesa Civil utilizou na segunda-feira o Plano de Contingência de Petrópolis para acionar a Comdep, para a limpeza de ruas, e a concessionária Águas do Imperador, para o conserto de tubulação de água que rompeu no bairro Duarte da Silveira.

No domingo, equipes ficaram de prontidão na sede da secretaria para o atendimento à população. Por volta das 22h, como medida preventiva, três sirenes foram acionadas (Vila Felipe, Chácara Flora e Sargento Boening), e os moradores de áreas de risco dessas comunidades foram orientados a procurar um local seguro, como casas de amigos ou parentes que não fiquem em áreas de risco ou pontos de apoio sinalizados pela Prefeitura. Em função da diminuição das chuvas, após as 23h30 de domingo, a Defesa Civil deu início à desmobilização das sirenes.

A Defesa Civil orienta a população a ficar atenta a sinais de instabilidade no terreno ou no imóvel, como trincas na parece ou portas e janelas emperrando. Nesses casos, o morador deve ligar para 199 e solicitar uma vistoria preventiva da Defesa Civil. A ligação e o serviço são gratuitos.

Voluntários dos Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs) e agentes de saúde, de endemias e das Unidades de Proteção Comunitária (UPCs) terão nova oportunidade para realizar um curso gratuito de primeiros socorros preparado pelo governo dos Estados Unidos. São 40 vagas e as inscrições estão abertas. A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria de Proteção e Defesa Civil e as ONGs internacionais Care e Cert, com o objetivo de capacitar esses agentes para o primeiro atendimento a vítimas no caso de um desastre das chuvas. O curso será realizado no fim de novembro, em local a ser definido.

Esta será a segunda turma a realizar o curso em Petrópolis. Nos dias 17, 18 e 19 de outubro, na Mosela, 40 pessoas participaram e aprenderam a fazer o primeiro atendimento após um desastre. O Curso de Preparação de Equipe Comunitária de Resposta ao Desastre é ministrado pelo neozelandês Paul Cull, pastor missionário que atua em áreas de risco. Fundador da ONG Cert Brasil (Equipe Comunitária de Resposta à Emergência), Paul Cull é um instrutor treinado pelo governo americano. Ao fim do curso, os participantes recebem certificado.

No curso, os participantes aplicam o que aprenderam em um simulado, com atores representando pessoas feridas depois de diferentes cenários de desastres. Os alunos fazem os primeiros socorros.

O secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, elogiou os instrutores e os participantes do curso. “São pessoas simples e determinadas da comunidade que cederam o seu fim de semana para aprender e trocar experiências. Para isso, a Defesa Civil conseguiu essas importantes parcerias, com a Care e a Cert para capacitar ainda mais nossos voluntários e os agentes de saúde, de endemias e das UPCs. Juntos, poder público, ONGs e comunidades formam uma grande rede de Defesa Civil em Petrópolis. Assim, poderemos deixar a cidade mais segura no verão”, disse Simão.

Os interessados em fazer o curso devem entrar em contato com o chefe do Centro de Integração Comunitária da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, Paulo d’Avila, pelo telefone (24) 2246-9291 ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . “Desde 2013, já capacitamos mais de 500 voluntários em 54 comunidades atendidas por Nudecs. Por determinação do prefeito Rubens Bomtempo, essa capacitação é contínua. Nos reunimos sempre com esses voluntários. Agora, com esse curso, eles estarão ainda mais preparados para ajudar suas comunidades na prevenção e na resposta a desastres das chuvas”, disse Paulo d’Avila.

SERVIÇO – Curso de Preparação de Equipe Comunitária de Resposta ao Desastre
Quem pode participar: voluntários dos Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs), agentes de saúde, de endemias e de Unidades de Proteção Comunitária (UPCs)
Vagas: 40
Como se inscrever: pelo telefone (24) 2246-9291 ou por e-mail ( O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. )
Quando: última semana de novembro (a confirmar)
Duração: 20 horas, divididas em três dias

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil já conta, hoje, com seis rádios do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) para a comunicação com órgãos estaduais e com as Defesas Civis dos municípios da Região Serrana. Com os equipamentos, a Defesa Civil poderá se comunicar com rapidez, mesmo se não houver sinais de telefone, de celular e de internet com outras instituições. Essa é mais uma ação da Prefeitura, em parceria com outros órgãos, para deixar Petrópolis mais segura no verão e garantir respostas mais rápidas do município às fortes chuvas.
Os seis rádios – um móvel, um fixo e quatro portáteis – estão sendo testados diariamente pela Defesa Civil. Eles utilizam o sinal da repetidora instalada no Morin por empresa contratada pelo Inea. A Secretaria de Proteção e Defesa Civil havia indicado o ponto mais adequado e buscado junto à provedora da internet proprietária da antena a cessão do espaço para a instalação da repetidora. Em caso de chuvas fortes, os equipamentos poderão ser utilizados para a Defesa Civil solicitar apoio ou recursos.

“A Defesa Civil vem buscando se integrar ao máximo com outros órgãos municipais, estaduais e federais, além de ONGs, escolas e as comunidades. Nosso objetivo é fortalecer cada vez mais essa grande rede de Defesa Civil que estamos criando para avançarmos na prevenção de desastres das chuvas e também nas respostas às chuvas fortes. Esses rádios contribuem para que, no caso de chuvas fortes, possamos devolver a normalidade ao município o mais rapidamente possível”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

É determinação do prefeito Rubens Bomtempo a rápida resposta do município às fortes chuvas, com o imediato atendimento da Defesa Civil às ocorrências e o acionamento de outros órgãos, como prevê o Plano de Contingência de Petrópolis. Esses rádios são mais um passo nesse sentido.

“Quando chove muito forte, é comum caírem os sinais de telefone, de celular e de internet. Então ficamos às escuras. A comunicação via rádio é mais confiável, mais segura. Já fazemos assim internamente, utilizando os rádios da Prefeitura para falarmos da sede da Defesa Civil com os nossos agentes que estão em campo atendendo as ocorrências. Agora temos também essa opção para nos comunicarmos com órgãos estaduais, como o Corpo de Bombeiros, o Serviço de Operações em Emergência Ambientais (Sopea/Inea), o Centro de Informação e Emergências Ambientais (Ciem) e as Defesa Civis de municípios vizinhos”, disse o diretor operacional da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, Ramon Camilo.

Quarenta voluntários da Defesa Civil e agentes de saúde, de endemias das Unidades de Proteção Comunitária (UPCs) estão participando, neste fim de semana, de um curso de primeiros socorros, preparado pelo governo dos Estados Unidos. A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria de Proteção e Defesa Civil e a ONG internacional Care, com o objetivo de capacitar esses agentes para o primeiro atendimento a vítimas no caso de um desastre das chuvas.

O curso é de sexta-feira a domingo (17, 18 e 19/10). Os participantes aprendem como fazer o primeiro atendimento após um desastre. O Curso de Preparação de Equipe Comunitária de Resposta ao Desastre é ministrado pelo neozelandês Paul Cull, pastor missionário que atua em áreas de risco. Fundador da ONG Cert Brasil (Equipe Comunitária de Resposta à Emergência), Paul Cull é um instrutor treinado pelo governo americano. Os participantes receberão certificados do curso.

Como ele explicou, a ideia do curso é aumentar a segurança dos voluntários que atuam após desastres e possibilitar que eles façam o primeiro atendimento antes de o socorro profissional chegar. “Esse projeto é para treinar o cidadão comum. Quando acontece uma tragédia, todo mundo quer ajudar. O curso foi elaborado depois de um terremoto na Cidade do México em 1985, quando morreram 100 voluntários”, disse Paul.

O secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, conversou com os participantes na abertura do curso. “Tenho certeza que o conhecimento de vocês será muito importante para nós, para nós fazermos a diferença em Petrópolis”, disse Simão.

O coordenador do Nudec da Estrada da Saudade, Paulo Roberto Corrêa de Souza, foi um dos participantes do curso. “O que me motivou a participar foi poder multiplicar na comunidade o que estou aprendendo aqui. É importante transmitir e multiplicar, porque nem todos podem vir. Nós vamos marcar uma reunião do nosso Nudec para eu falar para os demais membros sobre o que aprendi”, disse Paulo.

A agente de endemia Claudia de Almeida, que atua nas ações da Defesa Civil na prevenção de desastres das chuvas, também participou. “Para nós, é importante porque é mais uma oportunidade de estarmos nos capacitando. Aprender sobre primeiros socorros é fundamental, porque, se acontecer algo, poderemos ajudar”, disse Claudia.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil participou de uma videoconferência com técnicos japoneses para debater os próximos passos para a elaboração de novos protocolos de acionamento das sirenes em Petrópolis. Como a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) havia sugerido no início do mês, Petrópolis precisa de mais de um protocolo de acionamento das sirenes, ou seja, para acionar o Sistema de Alerta e Alarme, a Defesa Civil deverá levar em conta, além da intensidade das chuvas, as características do solo da região e do padrão construtivo local. Na prática, isso quer dizer que o toque das sirenes em determinada região pode ser necessário ainda que com volume de chuva menor do que em outra, onde a sirene não foi acionada.

O debate faz parte da parceria entre governo federal e Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) para a redução de desastres das chuvas em Petrópolis, Nova Friburgo e Blumenau (SC). Participaram da videoconferência representantes dos três municípios, da Jica e do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), de São José dos Campos, ligado ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação. Petrópolis foi representada pelo diretor técnico da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, engenheiro Ricardo Branco.

Em um primeiro momento, técnicos da Jica irão formular uma “curva de chuvas”, com base no desastre das chuvas de março de 2013. Trata-se de um gráfico com o cruzamento de dois dados: acumulado de chuvas no período de uma hora e acumulado de chuvas durante um evento chuvoso. Com esse gráfico será possível apontar com mais clareza a quantidade de chuva necessária para gerar deslizamentos em cada região.

Para facilitar o trabalho da Jica, a Defesa Civil disponibilizará para os técnicos japoneses dados detalhados sobre as 470 ocorrências registradas entre 17 e 18 de março de 2013. Para cada ocorrência serão apontados data, hora, local e tipo do evento.

A parceria com a Jica começou em 2013 e terá quatro anos de duração. Ao fim deste período, serão produzidos manuais com orientações para os três municípios sobre alertas antecipados, mapeamento de risco e planejamento urbano. “Com pouco mais de um ano de parceria, já avançamos muito. Os técnicos da Jica estão dando contribuições extremamente importantes”, lembrou o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil contará, já no próximo verão, com o seu Protocolo Operacional, documento que define a responsabilidade de cada servidor nos diferentes estágios em caso de chuva: vigilância, atenção, alerta e alerta máximo. No caso de chuvas à noite, de madrugada, em fins de semana e feriados, o Protocolo Operacional da Defesa Civil será utilizado para que a equipe que estiver de plantão acione os demais servidores da secretaria, os agentes das Unidades de Proteção Comunitária (UPCs) e os voluntários dos Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs). O acionamento dependerá da intensidade das chuvas e da função de cada funcionário da secretaria.

O secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, se reuniu com diretores e assessores para debater a primeira versão do protocolo, que sofrerá modificações até chegar à versão que será executada no próximo verão. “É fundamental que o Protocolo Operacional da Defesa Civil seja exequível, rápido e prático. Com esse protocolo, a resposta do município às fortes chuvas será mais ágil e mais profissional”, enfatizou o prefeito Rubens Bomtempo.

O Protocolo Operacional da Secretaria de Proteção e Defesa Civil se somará ao Plano de Contingência de Petrópolis, documento apresentado pelo prefeito Rubens Bomtempo em dezembro de 2013 que define o que cabe a cada órgão em um desastre das chuvas. Enquanto que o protocolo é específico para a Defesa Civil, o Plano de Contingência envolve todos os órgãos relacionados à resposta às chuvas fortes. “Com o Protocolo Operacional da Defesa Civil fica definido quem liga para quem, quem deve ser acionado se entrarmos no estágio de atenção, quem deve ser acionado no estágio de alerta. É um protocolo que envolve todos os setores da Defesa Civil, como o de motoristas, o de agentes que fazem o primeiro atendimento, o dos técnicos, o dos responsáveis pela coordenação das ações. Além de definir quem é o responsável por cada ação, o documento também lista os nomes e telefones dos suplentes, caso os titulares não estejam, por algum motivo, disponíveis para o trabalho”, disse o Rafael Simão.

A primeira reunião sobre o protocolo contou com a participação do secretário de Ciência e Tecnologia, Airton Coelho, que tem experiência na elaboração de documentos semelhantes em outros órgãos.

O prefeito Rubens Bomtempo acompanhou as ações das equipes do Corpo de Bombeiros no combate aos focos de incêndio na cidade nesta terça-feira (14/10) e mais uma vez colocou a Prefeitura à disposição do Estado. Por meio da secretaria de Proteção e Defesa Civil, o município está garantindo apoio logístico e também reforçando as orientações à população sobre os perigos das queimadas.

“Estamos unindo esforços para combater os incêndios e ainda evitar o surgimento de novos focos. Agradeço o empenho e todo o esforço do estado, que reforçou o efetivo e disponibilizou helicópteros para garantir a chegada às áreas de difícil acesso”, disse Bomtempo. Ele também lembrou, ao lado do secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, que o Grupo de Proteção Ambiental, está à disposição dos bombeiros.

O comandante do Comando de Bombeiros de Área, Cel. Robadey, agradeceu o apoio da Prefeitura. “Estamos com toda a estrutura necessária para combatermos os incêndios, com 140 homens, 20 viaturas e três helicópteros, além de caminhões d´água nas ações de resposta. Estamos fazendo o possível para superar as dificuldades e restabelecer a normalidade nas matas na região”.

Para evitar novos focos de incêndio, a Prefeitura orienta que a população descarte o lixo corretamente, não jogue pontas de cigarro, vidro ou metal em meio à vegetação e não solte balões.

Nos últimos dias, os incêndios florestais foram registrados em diversos pontos dos distritos - Mangalarga, Vale do Cuiabá, Calembe, Bonsucesso, Benfica, Araras, entre outras.

Em agosto, a Secretaria de Proteção e Defesa Civil reuniu órgãos relacionados à prevenção e à resposta às queimadas em Petrópolis para a elaboração de um Plano de Contingência específico para incêndios florestais. O plano irá unificar os planos que já existem em cada órgão. A proposta da Prefeitura é promover uma integração entre diversos órgãos para coibir as queimadas, conscientizar a população sobre os problemas causados por esse tipo de incêndio e agilizar a resposta do poder público a cada evento.

Quarenta voluntários dos Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs) e agentes de saúde (ACS), de endemias (ACE) e das Unidades de Proteção Comunitária (UPCs) participarão, no fim de semana, de um curso de primeiros socorros preparado pelo governo dos Estados Unidos. A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria de Proteção e Defesa Civil e a ONG internacional Care, com o objetivo de capacitar esses agentes para o primeiro atendimento a vítimas no caso de um desastre das chuvas.

O Curso de Preparação de Equipe Comunitária de Resposta ao Desastre será ministrado pelo neozelandês Paul Cull, pastor missionário que atua em áreas de risco. Fundador da ONG Cert Brasil (Equipe Comunitária de Resposta à Emergência), Paul Cull é um instrutor treinado pelo governo americano. Os participantes receberão certificados do curso.

Como explicou o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, o curso é mais um passo da Prefeitura para a criação de uma grande rede de Defesa Civil no município, envolvendo poder público, comunidades, escolas e ONGs. Esse foi um dos aprendizados trazidos por ele e pelo prefeito Rubens Bomtempo da viagem feita ao Japão no início do ano, dentro da parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica). “Estamos trabalhando para que a população esteja cada vez mais envolvida com a cultura da Defesa Civil, tanto na prevenção quanto na resposta a desastres. No Japão, vimos que as crianças, desde cedo, já sabem o que fazer para prevenir uma tragédia. Também o que fazer quando acontece uma tragédia. Cada capacitação que fazemos é um passo que damos nesse sentido”, disse Simão.

O curso tem 20 horas e será realizado de sexta-feira a domingo (17, 18 e 19/10), na Escola São Judas Tadeus, na Rua Mosela, 1.445, na Mosela. As vagas já foram preenchidas.