O secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, participou na terça-feira (29) no Rio do lançamento do Mapa de Ameaças Naturais, elaborado pela Defesa Civil estadual. O documento, que lista as cinco principais ameaças naturais de cada um dos 92 municípios, se somará às ferramentas de prevenção e resposta já existentes em Petrópolis, como o Plano Municipal de Redução de Riscos e o Plano de Contingência.

O mapa foi produzido a partir dos dados fornecidos pelos municípios. A Secretaria de Proteção e Defesa Civil indicou que, em Petrópolis, os cinco maiores riscos são alagamentos, deslizamentos, enxurradas, erosão fluvial e granizos. A partir desses dados, os municípios terão que produzir, em parceria com o estado, um Plano de Contingência para cada ameaça, totalizando 460 planos.

“Esse mapa é muito importante para a mitigação das vulnerabilidades no município. As ameaças não deixarão de existir, então temos que estar preparados para elas. Para isso, é fundamental conhecer as ameaças, saber as características dos riscos para que possamos nos prevenir. Esse mapa vem nesse sentido: abastecendo a Defesa Civil com mais informações. Em 2007, no segundo governo do prefeito Rubens Bomtempo, elaboramos o Plano Municipal de Redução de Riscos, que está sendo atualizado agora, e em dezembro do ano passado apresentamos o Plano de Contingência, elaborado no município pela primeira vez sob a forma de matriz, ou seja, com as atribuições de cada órgão, em uma situação de desastre, descritas em planilhas”, disse o secretário Rafael Simão.

O Mapa de Ameaças Naturais foi apresentado na Academia dos Bombeiros, em Guadalupe, no Rio. Representantes das Defesas Civis dos municípios fluminenses estavam presentes. Petrópolis foi representada pelo secretário Rafael Simão e mais cinco servidores da Defesa Civil.

Oficinas começam no dia 5 - Entre os dias 5 e 19 de agosto, os 92 municípios participarão de oficinas para a elaboração dos Planos de Contingência para cada ameaça mapeada. A oficina para os 20 municípios da Região Serrana será realizada em Petrópolis no dia 14 de agosto, na sede da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, com a presença do diretor da Escola de Defesa Civil no estado, tenente-coronel Paulo Renato Vaz. A entrega dos 460 planos será feita no dia 21 de novembro, um mês antes do início do verão. No dia 29 de novembro – Dia Municipal e Estadual da Redução de Riscos de Desastres, serão realizados 92 exercícios simulados simultâneos.

“O grande dever da Defesa Civil é preparar e organizar as comunidades, de forma que os moradores possam agir proativamente em caso de chuvas fortes”, lembrou o secretário de estado de Defesa Civil, coronel Sérgio Simões.

O distrito da Posse acaba de ganhar seu primeiro Núcleo Comunitário de Defesa Civil (Nudec). No último sábado (26), agentes da Secretaria de Proteção e Defesa Civil estiveram na Escola Municipalizada Moyses Furtado Bravo capacitando novos voluntários para atuar nas ações de prevenção a desastres de chuva. Quinze moradores participaram do curso de capacitação, onde foram passadas noções para a identificação de riscos e formas de agir em casos de fortes tempestades.

A criação de Nudecs e a capacitação de voluntários da Defesa Civil são uma determinação do prefeito Rubens Bomtempo para deixar Petrópolis mais segura no período das chuvas. Com os núcleos, a Defesa Civil cria uma grande rede de prevenção de desastres, com as noções de redução de riscos sendo difundidas pelas comunidades do município.

"Eu já havia participado de uma palestra da Defesa Civil no Centro, mas é a primeira vez que estamos tendo este contato aqui na Posse. Essa proximidade é importante. Nós nos sentimos mais confiantes sabendo o que estamos fazendo. Eu espero servir como multiplicador dessas dicas que estão sendo passadas para a gente hoje. Assim, vamos aumentar cada vez mais o número de voluntários", disse Ciro Antônio da Silva, de 40 anos, morador da região.

Com a criação do núcleo no 5º distrito, o município chega à marca de 52 comunidades contempladas com o Nudec. Amazonas, 24 de Maio, Bairro Esperança, Bairro Mauá, Bataillard, Bela Vista, Benfica, Bingen, Boa Esperança, Boa Vista, Capela, Castelânea, Caxambu, Chácara Flora, Chapa 4, Cremerie, Dr. Thouzet, Duarte da Silveira, Duques, Espírito Santo, Estrada da Saudade, Euclides da Cunha, Fazenda Inglesa, Ferroviários, Floresta, Florido, Gentio, Gulf, Independência, João Xavier, Madame Machado, Montese, Morin, Morro do Gavião, Mosela, Oficina, Oswaldo Cruz, Pedras Brancas, Pica-Pau, Presidente Sodré, Rio de Janeiro, Rocio, São João Batista, São Sebastião, Sargento Boening, Serrinha, Siméria, Taquara, Vale do Cuiabá, Ventura e Vila Felipe são as outras áreas onde este elo entre a Defesa Civil e a população já funciona.

Um engenheiro consultor da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) esteve nesta semana em Petrópolis para reuniões técnicas na Secretaria de Proteção e Defesa Civil. A visita do Tanadori Kitamura foi para que ele tirasse dúvidas sobre o funcionamento da Defesa Civil. Ao fim da parceria de quatro anos entre o governo federal brasileiro e Jica para a redução de riscos de desastres das chuvas em Petrópolis, Nova Friburgo e Blumenau (SC), a agência japonesa produzirá manuais sobre mapeamento de risco, planejamento urbano e sistema de alerta e alarme para os três municípios.

Kitamura conheceu o registro de ocorrências da Defesa Civil, o protocolo de acionamento das 18 sirenes do Sistema de Alerta e Alarme, o mapeamento e o funcionamento dos 64 pluviômetros automáticos e semiautomáticos instalados no município. Ele também viu como é feita a mobilização de servidores no caso de chuvas e recebeu outros dados da Defesa Civil na prevenção e na resposta às chuvas.

Durante a visita, ele se reuniu com o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, e com o diretor técnico da secretaria, Ricardo Branco. Kitamura também visitou a sirene instalada na Vila Felipe e o ponto de apoio da comunidade, localizado na Escola Municipal Dr. Rubens de Castro Bomtempo, na Rua Permínio Schmidt, além de áreas de risco da região.

A parceria, iniciada no fim de ano passado, é custeada pela Jica e terá duração de quatro anos. Desde então, técnicos japoneses já realizaram várias visitas e participaram de reuniões em Petrópolis. O prefeito Rubens Bomtempo e o secretário Rafael Simão foram em março para o Japão, conhecer a experiência japonesa na prevenção de desastres naturais. Em maio, dois técnicos da Prefeitura também foram ao Japão, em viagens custeadas pela própria agência japonesa.

O distrito da Posse passará a contar com um Núcleo Comunitário de Defesa Civil (Nudec) a partir do próximo sábado (26/7). O curso de capacitação dos moradores será realizado das 8h30 às 16h, na Escola Municipalizada Moyses Furtado Bravo, na Praça Flávio Castrioto, sem número (atrás do Bramil). Os moradores da região serão formados pela Secretaria de Proteção e Defesa Civil para atuar como voluntários nas ações de prevenção de desastres das chuvas.

O curso é gratuito, aberto à população e dará noções de Defesa Civil aos participantes, para que eles saibam como contribuir para a prevenção de desastres naturais e o que fazer no caso de fortes chuvas. Essa é mais uma medida do prefeito Rubens Bomtempo para a redução de risco de tragédias em Petrópolis. Os interessados devem se inscrever pelo telefone 2246-9163 ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Com o núcleo na Posse, já serão 52 comunidades de Petrópolis contempladas com Nudecs, todos formados pelo prefeito Rubens Bomtempo. Os núcleos funcionam como elo entre a Defesa Civil e as comunidades. Em 2014, a Prefeitura está trabalhando para criar mais Nudecs, aumentar o número de voluntários dos núcleos que já existem e continuar capacitando os cerca de 470 voluntários formados pelo município.

“Para deixar Petrópolis cada vez mais segura, precisamos da ajuda da população. Os moradores que passarem por essa capacitação poderão replicar na comunidade as noções básicas de Defesa Civil, mostrar o que fazer para deixar sua casa mais segura. A nossa intenção é criar uma grande rede de Defesa Civil, com o poder público e população agindo para reduzir os riscos de desastres das chuvas em Petrópolis. Com esses 52 Nudecs, vemos que estamos no caminho certo”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

As comunidades já atendidas por Nudecs são: 24 de Maio, Amazonas, Bairro Esperança, Bairro Mauá, Bataillard, Bela Vista, Benfica, Bingen, Boa Esperança, Boa Vista, Capela, Castelânea, Caxambu, Chácara Flora, Chapa 4, Cremerie, Dr. Thouzet, Duarte da Silveira, Duques, Espírito Santo, Estrada da Saudade, Euclides da Cunha, Fazenda Inglesa, Ferroviários, Floresta, Florido, Gentio, Gulf, Independência, João Xavier, Madame Machado, Montese, Morin, Morro do Gavião, Mosela, Oficina, Oswaldo Cruz, Pedras Brancas, Pica-Pau, Presidente Sodré, Rio de Janeiro, Rocio, São João Batista, São Sebastião, Sargento Boening, Serrinha, Siméria, Taquara, Vale do Cuiabá, Ventura e  Vila Felipe.

O prefeito Rubens Bomtempo confirmou hoje (21/7) que vai formalizar pedido ao governador Luiz Fernando Pezão para que o município assuma a responsabilidade pelo Programa Morar Seguro na cidade. O projeto, do Governo Federal, em parceria com o Estado, está, hoje, sob administração do Instituto estadual do Ambiente (Inea). Com a Prefeitura como interveniente executora, Bomtempo espera acelerar o processo para reassentamento das famílias que hoje vivem em áreas de alto risco, dando a elas, além da opção de participação no programa Minha Casa, Minha Vida, a possibilidade de serem beneficiadas pela compra assistida ou por indenização.
 
A solicitação de interveniência será feita com base em modelo de trabalho que já vem sendo realizado no município, com a execução das obras de contenção de encostas previstas no Programa Gestão de Riscos e Resposta a Desastres (PAC das Encostas). O projeto, que envolve o Governo do Estado e o Ministério das Cidades, está, em Petrópolis, sob responsabilidade da Prefeitura. Como interveniente executor, o município conseguiu agilizar a realização das intervenções, beneficiando milhares de famílias petropolitanas.
 
“Precisamos dar respostas às necessidades da população. Tenho certeza de que podemos contribuir com o trabalho que já vem sendo realizado. Ações integradas como a que estamos propondo, envolvendo município, estado e União, aumentam o poder de ação do poder público e beneficiam diretamente quem espera por soluções”, defendeu Bomtempo, lembrando que, ao executar as obras previstas no PAC das Encostas, a Prefeitura deixou clara a capacidade técnica de sua equipe na elaboração e execução de projetos de resposta a desastres, com trabalhos de macrodrenagem e estabilização de encostas.
 
Petrópolis será a primeira cidade a receber o programa Morar Seguro, que deve beneficiar diretamente mais de 800 famílias. Os primeiros contemplados com o trabalho serão os moradores da Rua Otto Reymarus, no Lagoinha. Nos locais contemplados com o projeto haverá a desocupação das moradias, o reassentamento dos moradores, a demolição dos imóveis e a requalificação da região, com o reflorestamento das áreas.
 
Município pode assumir também a execução das obras no Túnel Extravasor
 
Na última semana, o prefeito Rubens Bomtempo também formalizou pedido de interveniência no convênio celebrado em setembro de 2013 entre o Estado do Rio e o Ministério das Cidades para execução das obras de recuperação do túnel Palatinato (túnel extravasor). As melhorias, que incluem, ainda, a construção de galeria entre o canal do Centro e o Rio Piabanha e a implantação de parques fluviais no Rio Piabanha, contribuirão para garantir a segurança da população afetada pelas cheias às margens da bacia hidrográfica formada pelo Rio Piabanha e seus afluentes.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil já distribuiu, nesses primeiros seis meses do ano, cerca de 25 mil panfletos, cartilhas e calendários com orientações e dicas simples de prevenção a desastres das chuvas. A proposta da Defesa Civil, por determinação do prefeito Rubens Bomtempo, é conscientizar cada vez mais a população sobre os perigos que as fortes chuvas representam para as áreas de risco e sobre o que fazer que os moradores fiquem em segurança. O material foi distribuído nos terminais de integração, em pontos comerciais, em unidades de saúde, em condomínios e em outros pontos de grande circulação.

A Defesa Civil contou também com a colaboração dos agentes das Unidades de Proteção Comunitária (UPCs), dos voluntários dos Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs) e de comerciantes. O material distribuído é fruto da parceria da Prefeitura com a Secretaria Nacional de Defesa Civil: o texto foi produzido pela Defesa Civil de Petrópolis, já a arte e a impressão foram realizadas pela Defesa Civil nacional.

“Vamos sempre enfatizar a importância da prevenção. Só assim vamos garantir que a população esteja cada vez mais segura durante o verão. A conscientização dos petropolitanos sobre os riscos das chuvas, com explicações sobre como agir para se proteger, é um longo processo, mas
tenho certeza de que estamos avançando muito nesse sentido. Contribuíram para isso as ações de panfletagem que fizemos, as capacitações de voluntários nos Nudecs e o nosso trabalho no Facebook, que é uma ferramenta que utilizamos para dar orientações de prevenção e, no caso de fortes chuvas, alertas à população”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

A página “Defesa Civil de Petrópolis” (facebook.com/defesacivilpetropolis) já soma, hoje, mais de 3.200 curtidas. O objetivo da secretaria é aumentar esse número, o que tende a contribuir para o fortalecimento desse instrumento de prevenção de desastres das chuvas.

“No último verão, quando chegamos a acionar sirenes, nós publicamos na mesma hora os alertas no Facebook. Percebemos que muita gente compartilhou a informação, fazendo com que o alerta chegasse rapidamente aos moradores das comunidades”, disse Simão.

Os dois técnicos da Prefeitura que foram ao Japão para um curso de prevenção de desastres naturais e planejamento urbano chegaram de viagem, após um mês fora. O geólogo Yuri Garin, da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, e a engenheira civil Ana Maria Zanetti, da Secretaria de Habitação, puderam aprender com a experiência japonesa sobre a redução de riscos de tragédias naturais. As palestras e visitas a campo foram nas cidades de Tóquio, Nagasaki e Nagano. Eles foram indicados pelo prefeito Rubens Bomtempo para dar continuidade ao trabalho de gestão do projeto iniciado por ele e pelo secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, durante o curso e as visitas que ambos fizeram ao Japão em fevereiro.

A ida dos dois técnicos ao Japão também faz parte da parceria entre o governo federal brasileiro e a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) para a redução dos riscos de desastres naturais em Petrópolis, Nova Friburgo e Blumenau (SC). O convênio, iniciado em 2013, tem duração de quatro anos e será concluído com a produção de manuais pela Jica voltados para esses três municípios.

“É fundamental para Petrópolis esse curso no Japão. Uma oportunidade de aprendermos com a larga experiência que os japoneses possuem em prevenção dos mais variados tipos de desastres naturais. E o foco do curso foi justamente em mapeamento de áreas de risco e planejamento urbano, ferramentas muito importantes para a prevenção e que precisamos cada vez mais aperfeiçoar em Petrópolis”, disse o secretário Rafael Simão.

Os técnicos assistiram a aulas diariamente. Nas duas primeiras semanas, eles aprenderam sobre a legislação japonesa e as medidas e contramedidas adotadas pelo país, como contenções e barragens. Nas duas semanas seguintes, Yuri e Ana Maria se separaram – o geólogo ficou na parte de mapeamento de risco e Ana Maria, na de planejamento urbano.

“A forma em que eles definem áreas de risco é muito interessante. Há áreas com restrição de construção, onde há as opções de contenções ou barragens feitas pelo governo ou de sirenes com planos de evacuação da área, realizada de forma efetiva pela população. Também foi interessante ver como, já no ensino fundamental, as crianças possuem a noção de risco. Em Petrópolis, já temos uma estrutura montada. Agora, podemos usar essa experiência que aprendemos nos Japão para treinar mais as pessoas, capacitar e informar”, disse Yuri.

Os dois técnicos da Prefeitura destacaram a importância que o mapeamento de risco tem no Japão. O documento é formulado pelo governo central japonês e recebe contribuições da população, que, por conhecer os locais onde vive, aponta detalhes e informações específicas de cada localidade. Além disso, as ferramentas de planejamento, como o Plano Diretor, são elaboradas com base no mapeamento de risco.

“Toda essa bagagem que aprendemos no curso, nós vamos aproveitar para contribuir com o Plano Diretor e os planos setoriais. As soluções para os riscos de desastres naturais no Japão vêm sendo construídas há 50, 60 anos. Não é da noite para o dia. Aqui, no Brasil, às vezes cometemos esse erro, de buscar o imediatismo”, disse Ana Maria.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil agiu rápido, neste feriado de  Corpus Christi (19/6), para devolver a segurança aos pedestres e comerciantes da Rua Paulo Barbosa, no Centro. No início da noite do feriado, uma placa de gesso da cobertura da calçada feita por uma loja caiu, por causa do peso da água das chuvas. Agentes foram imediatamente ao local e interditaram com faixas o trecho da calçada. Na mesma noite, o proprietário do edifício foi comunicado de que teria que remover as outras placas de gesso, caso contrário a loja não poderia abrir no dia seguinte. O dono acatou a orientação, e as placas foram removidas antes das 8h desta sexta-feira (20/6).

A Coordenadoria de Fiscalização, ligada à Secretaria de Fazenda, notificou desde o ano passado todos os edifícios do Centro Histórico a apresentarem laudo técnico comprovando a segurança de marquises e fachadas. No prédio da Rua Paulo Barbosa onde houve a queda da placa de gesso, a notificação foi realizada no fim de maio, com um prazo de 30 dias. Portanto, o condomínio está dentro do prazo para apresentar o laudo.

“É um compromisso do governo Rubens Bomtempo agir prontamente para garantir a segurança da população. E assim foi feito pela Defesa Civil e pela Coordenadoria de Fiscalização. É importante destacar que o proprietário colaborou com o poder público. Assim que foi acionado pela Defesa Civil, na noite de quinta-feira, ele se mobilizou para seguir as orientações que passamos para que as outras placas fossem removidas. É fundamental a população sempre estar atenta para o cumprimento das orientações da Defesa Civil”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.

O secretário afirmou ainda que o objetivo da Prefeitura na ação foi remover o risco e liberar rapidamente o local, já que é um espaço de muito movimento onde há um ponto de ônibus. Como as placas foram retiradas antes mesmo das 8h de sexta-feira, a loja pôde abrir normalmente.

Representantes da Secretaria de Proteção e Defesa Civil estiveram em Areal, na última segunda-feira (16/6), para ministrar uma palestra para representantes do poder público local sobre a atuação de Petrópolis na prevenção de desastres naturais. O evento foi um convite da Coordenadoria de Defesa Civil de Areal, interessada em conhecer a experiência da Defesa Civil de Petrópolis e obter mais informações sobre o Sistema de Alerta e Alarme, já que sirenes estão sendo instaladas naquele município. Em Petrópolis existem, hoje, 18 sirenes em funcionamento.

Cerca de 60 pessoas assistiram à palestra, entre membros da Defesa Civil de Areal, secretários de governo, vereadores e representantes de concessionárias de serviços públicos. O diretor administrativo da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, Gileno Alves, falou sobre ações desenvolvidas em Petrópolis: o Sistema de Alerta e Alarme, o Plano de Contingência e a mudança de coordenadoria para secretaria, realizada pelo prefeito Rubens Bomtempo em abril de 2013, o que garantiu mais estrutura, mais recursos e mais funcionários para prevenção e resposta a desastres naturais.

“Eles gostaram e se interessaram pelo o que apresentamos sobre o que é Defesa Civil. Falamos sobre os conceitos básicos e mostramos como a Secretaria de Proteção e Defesa Civil funciona em Petrópolis. O coordenador de Defesa Civil de Areal, Elber Ávila, se mostrou muito receptivo, elogiou a nossa atuação e já afirmou que solicitará uma parceria com a Defesa Civil de Petrópolis”, disse Gileno Alves.

A palestra foi na Secretaria de Desenvolvimento Social de Areal, no Centro da cidade.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil realizou na segunda-feira (16/06) o teste mensal das sirenes – o terceiro em parceria com os agentes das Unidades de Proteção Comunitária (UPCs). Às 10h, da sede da Defesa Civil, as 18 sirenes instaladas em Petrópolis foram acionadas remotamente, pela internet. Lotados nas comunidades, os agentes das UPCs relataram que os alertas puderam ser ouvidos nos bairros, sem falhas.

Cinco minutos depois, os próprios agentes realizaram o acionamento manual das sirenes, uma forma de se familiarizarem com os equipamentos. Esse tipo de acionamento é o “plano B” da Defesa Civil. No teste, somente houve problema no equipamento da João Xavier. No mesmo dia, a empresa responsável pela manutenção foi comunicada pela Defesa Civil e fez os reparos necessários.

Os testes são uma forma de a Defesa Civil corrigir a tempo possíveis erros que possam acontecer no Sistema de Alerta e Alarme. As sirenes são consideradas a principal ferramenta de prevenção de desastres naturais a curto prazo que Petrópolis tem. Quando há risco iminente de deslizamentos generalizados no bairro, as sirenes são acionadas. Neste caso, os moradores de áreas de risco devem sair imediatamente de casa e procurar locais seguros, como os pontos de apoio sinalizados pela Prefeitura ou casas de amigos ou parentes que não fiquem em áreas de risco.

As 18 sirenes estão instaladas em dez comunidades: no Quitandinha, Ferroviários, Vila Felipe, João Xavier, Sargento Boening, São Sebastião, Siméria, Independência, Dr. Thouzet e 24 de Maio.