O prazo para inscrição do curso de formação de voluntários da Defesa Civil foi prorrogado para até as 12h da próxima sexta-feira (8/11). As aulas dos Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs) serão ministradas no fim de semana dos dias 9 e 10 de novembro. Quem fizer o curso aprenderá noções básicas de percepção de risco, de como evitar desastres naturais, do que fazer em caso de novas tragédias das chuvas em Petrópolis e de primeiros socorros.

As inscrições devem ser feitas pelo telefone 2246-9163 ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . As aulas serão no sábado (9/11), de 9h as 16h, e no domingo (10/11), de 9h as 12h.

Serão formados Nudecs em 25 comunidades no próximo fim de semana: Ferroviários, Euclides da Cunha, Oficina, Sargento Boening, Castelânea, Vila Felipe, Chácara Flora, Taquara, Cremerie, Independência, Bairro Mauá, Serrinha, Pedras Brancas, Mosela, João Xavier, Duarte da Silveira, Morro do Gavião, Bingen, Amazonas, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Duques, Gulf, Bataillard e Capela.

Nas comunidades onde não houver 30 inscrições, não haverá Nudecs. A criação dos 25 núcleos será dividida em nove endereços. A listagem está disponível no site da Defesa Civil (www.petropolis.rj.gov.br/dfc) e no Facebook (Defesa Civil de Petrópolis). Petrópolis já conta com mais de cem voluntários da Defesa Civil.

A capacitação desses agentes é uma medida da Prefeitura para preparar a cidade para as chuvas de verão. A meta da Prefeitura é criar 50 Nudecs até o fim do ano, capacitando 1,5 mil agentes comunitários voluntários, que serão um elo entre a comunidade e a Defesa Civil. A formação é contínua.

O secretário de Proteção e Defesa Civil, tenente-coronel Rafael Simão, lembra que nos últimos desastres das chuvas o poder público demorou a conseguir chegar aos lugares atingidos, porque algumas ruas ficaram interditadas. “Nós precisamos dos voluntários da Defesa Civil para prevenir desastres e também em uma situação de tragédia, para fazer os primeiros socorros caso os órgãos municipais tenham dificuldades para chegar ao local. O voluntário da Defesa Civil ama a comunidade onde mora, e isso é fundamental”, disse o secretário.

ENDEREÇOS DOS NUDECS:

Nudecs: Ferroviários, Euclides da Cunha e Oficina

Escola Municipal Vereador José Fernandes da Silva

Rua Teresa, 1781, Alto da Serra

 

Nudecs: Sargento Boening e Castelânea

Escola Municipal Ana Mohamed

Caminho do Paraíso, 701, Sargento Boening

 

Nudecs: Vila Felipe e Chácara Flora

Escola Municipal Rubens de Castro Bomtempo

Rua Permínio Schimidt, s/n, Vila Felipe

 

Nudecs: Taquara, Cremerie, Independência, Bairro Mauá e Serrinha

Escola Municipal Alto Independência

Rua Leonor Maio, 1670, Alto Independência

 

Nudecs: Pedras Brancas, Bataillard e Mosela

Escola Municipal São Judas Tadeu

Rua Mosela, 1445, Mosela

 

Nudecs: João Xavier, Duarte da Silveira, Morro do Gavião e Bingen

Escola Municipal Johan Noel

Rua Bingen, 843, Bingen

 

Nudecs: Amazonas, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Duques

Escola Municipal Marcelo Alencar

Rua Araruama, lote 69, Quitandinha

 

Nudec: Gulf

Escola Municipal Jamil Sabrá

Rua Coronel Veiga, 1130

 

Nudec: Capela

Escola Municipal Santa Maria Goretti

Rua Dr. Paulo Hervê, 1539, Bingen

Petrópolis já conta com mais de cem voluntários da Defesa Civil e os interessados em participar dessa rede de voluntariado têm até a próxima terça-feira (5/11) para se inscrever no curso de formação dos Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs). As aulas serão ministradas no fim de semana dos dias 9 e 10 de novembro. Quem fizer o curso aprenderá noções básicas de percepção de risco, de como evitar desastres naturais, do que fazer em caso de novas tragédias das chuvas em Petrópolis e de primeiros socorros.

As inscrições devem ser feitas pelo telefone 2246-9163 ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . As aulas serão no sábado (9/11), de 9h as 16h, e no domingo (10/11), de 9h as 12h.

Serão formados Nudecs em 25 comunidades no próximo fim de semana: Ferroviários, Euclides da Cunha, Oficina, Sargento Boening, Castelânea, Vila Felipe, Chácara Flora, Taquara, Cremerie, Independência, Bairro Mauá, Serrinha, Pedras Brancas, Mosela, João Xavier, Duarte da Silveira, Morro do Gavião, Bingen, Amazonas, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Duques, Gulf, Bataillard e Capela.

Nas comunidades onde não houver 30 inscrições, não haverá Nudecs. A criação dos 25 núcleos será dividida em nove endereços. A listagem está disponível no site da Defesa Civil (www.petropolis.rj.gov.br/dfc) e no Facebook (Defesa Civil de Petrópolis).

A capacitação desses agentes é uma medida da Prefeitura para preparar a cidade para as chuvas de verão. A meta da Prefeitura é criar 50 Nudecs até o fim do ano, capacitando 1,5 mil agentes comunitários voluntários, que serão um elo entre a comunidade e a Defesa Civil. A formação é contínua.

O secretário de Proteção e Defesa Civil, tenente-coronel Rafael Simão, lembra que nos últimos desastres das chuvas, o poder público demorou a conseguir chegar aos lugares atingidos, porque ruas ficaram interditadas.

“Nós precisamos dos voluntários da Defesa Civil para prevenir desastres e também em uma situação de tragédia para fazer os primeiros socorros enquanto o poder público não chegar ao local. O voluntário da Defesa Civil ama a comunidade onde mora, e isso é fundamental”, disse o secretário.

ENDEREÇOS DOS NUDECS:

Nudecs: Ferroviários, Euclides da Cunha e Oficina

Escola Municipal Vereador José Fernandes da Silva

Rua Teresa, 1781, Alto da Serra

 

Nudecs: Sargento Boening e Castelânea

Escola Municipal Ana Mohamed

Caminho do Paraíso, 701, Sargento Boening

 

Nudecs: Vila Felipe e Chácara Flora

Escola Municipal Rubens de Castro Bomtempo

Rua Permínio Schimidt, s/n, Vila Felipe

 

Nudecs: Taquara, Cremerie, Independência, Bairro Mauá e Serrinha

Escola Municipal Alto Independência

Rua Leonor Maio, 1670, Alto Independência

 

Nudecs: Pedras Brancas, Bataillard e Mosela

Escola Municipal São Judas Tadeu

Rua Mosela, 1445, Mosela

 

Nudecs: João Xavier, Duarte da Silveira, Morro do Gavião e Bingen

Escola Municipal Johan Noel

Rua Bingen, 843, Bingen

 

Nudecs: Amazonas, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Duques

Escola Municipal Marcelo Alencar

Rua Araruama, lote 69, Quitandinha

 

Nudec: Gulf

Escola Municipal Jamil Sabrá

Rua Coronel Veiga, 1130

 

Nudec: Capela

Escola Municipal Santa Maria Goretti

Rua Dr. Paulo Hervê, 1539, Bingen

O prefeito Rubens Bomtempo e o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, estiveram em Brasília, na última terça-feira (29/10), para o início da parceria entre o governo federal e o Japão na prevenção de desastres naturais em Petrópolis. O convênio entre a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) e o governo federal começará no dia 12 de novembro. Além de Petrópolis, também fazem parte do projeto os municípios de Nova Friburgo e Blumenau (SC).

“É muito importante a iniciativa do governo federal de juntar os três ministérios para trabalhar na integração, com o objetivo de diminuir as vulnerabilidades dos municípios. Para isso, é fundamental a experiência que será passada pela Jica para os nossos técnicos”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.

A proposta é a de que os três municípios se tornem referência na gestão de riscos naturais no Brasil. No dia 12 de novembro, agentes da Jica realizarão visitas de campo em comunidades de risco em Petrópolis e em maio, a agência japonesa capacitará técnicos brasileiros. A parceria irá durar quatro anos, com medidas de cooperação entre os dois países na prevenção, monitoramento e alerta, preparação, resposta e recuperação em relação a desastres naturais.

Os ministérios das Cidades, da Ciência e Tecnologia e da Integração Nacional representam o governo federal nessa parceria, que prevê troca de conhecimento, consultoria, pesquisa e apoio institucional nas atividades de prevenção de desastres das chuvas.

O objetivo do projeto é fortalecer a capacidade dos municípios de análise de risco de desastres de deslizamentos e inundações, com a implantação de medidas prevenção. A parceria também prevê o aprimoramento do protocolo de alertas, com a disseminação da informação de risco e métodos para previsão de desastres, além do aprimoramento do sistema de monitoramento e prevenção de desastres naturais.

“Petrópolis se sente honrado em participar deste projeto, por ter sido escolhida entre milhares de municípios brasileiros. E quem sai ganhando é a população. Certamente o aprendizado e o conhecimento dos japoneses trarão mais segurança para Petrópolis”, disse o secretário Rafael Simão.

Também participaram da reunião representantes da Jica, do Ministério das Cidades, do Ministério da Integração Nacional e da Secretaria Nacional de Defesa Civil.

As fortes chuvas da madrugada de terça-feira (22/10) tiveram uma rápida resposta da Prefeitura. Foram registradas 89 ocorrências na Secretaria de Proteção e Defesa Civil no mesmo dia, principalmente de vistorias preventivas, deslizamentos e quedas de árvores. Todas foram atendidas. Além disso, a Comdep garantiu que, ainda na terça, a cidade voltasse à normalidade, retirando mais de 100 metros cúbicos de barreiras, lama e areia das ruas. Os moradores das casas atingidas foram no mesmo dia atendidas pela Secretaria de Trabalho, Assistência Social e Cidadania (Setrac), e duas já contam com aluguel social.

Não houve vítimas nestas chuvas. Para isso, foi fundamental a conscientização da população, que mostrou que a cidade está mais preparada para o verão. Das 18 sirenes do Sistema de Alerta e Alarme, nove foram acionadas. Moradores de áreas de risco seguiram as orientações das sirenes e deixaram suas casas, conforme relataram agentes da Defesa Civil que desde cedo estavam nas regiões atingidas pelas chuvas.

As sirenes soaram durante cinco horas. Os riscos de deslizamento não acabam quando as chuvas param, até porque o solo continua encharcado. As sirenes servem para alertar moradores de áreas de risco a deixar suas casas e ir para locais seguros. A Secretaria de Proteção e Defesa Civil esclarece também que as sirenes não são acionadas quando vai chover, mas sim quando há risco iminente de deslizamentos generalizados no bairro.

A população também mostrou conscientização sobre os riscos de deslizamentos ao solicitar vistorias preventivas da Defesa Civil. Das 100 ocorrências, cerca de 40 foram pedidos desse tipo, que devem ser feitos pelo telefone 199, sempre que houver sinais de instabilidade na casa ou no terreno do morador, como trinca nas paredes, água empoçando no quintal, portas e janelas emperrando, rachaduras no solo e água minando da base do barranco. A ligação e o serviço são gratuitos.

Todas as 89 ocorrências recebidas pela Defesa Civil tiveram o primeiro atendimento no mesmo dia, sendo que 80% foram resolvidas. O restante precisou de nova visita, no dia seguinte, de engenheiros e geógrafos da Secretaria de Proteção e Defesa Civil. Na quarta-feira, outras 11 ocorrências foram registradas. Apenas sete ainda não foram atendidas. A Defesa Civil estará nesses locais nesta quinta-feira (24/10).

Duas famílias desabrigadas no Duques, com 11 pessoas no total, já estão com o Aluguel Social oferecido pela Setrac. Por enquanto, uma das famílias permanece na casa de uma vizinha e outra se acomoda num templo local. A Prefeitura também forneceu alimentos, colchonetes, cobertores e travesseiros.

O presidente da Comdep, Hélio Dias, explicou que os trabalhos dos próximos dias serão voltados para os acabamentos, como jardins e canteiros, já que o principal já foi feito, como varrição e limpeza das ruas. Foram 200 servidores trabalhando com seis retroescavadeiras, cinco caminhões pipa e dez caminhões na terça-feira.

“A resposta foi muito positiva. Agradecemos mais uma vez o esforço dos funcionários da Comdep. Nos momentos mais difíceis da cidade, eles sempre mostram que gostam de trabalhar e de ajudar a população”, disse Hélio Dias.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil registrou nesta terça-feira (22/10) 89 ocorrências, a maioria de pedidos de vistorias preventivas ou avisos de queda de árvores. Do total, 31,46% corresponderam a deslizamentos em ruas ou próximo às casas. Não houve vítimas.

O bairro mais atingido pelas chuvas da madrugada foi o Quitandinha, com 18 ocorrências, seguido por Valparaíso (9) e Independência (7). Nas últimas 24 horas, choveu mais de 103,5 milímetros no Quitandinha, o correspondente à metade do esperado para outubro.

Mais de 80% das vistorias também já foram atendidas pela Defesa Civil. Cinco casas foram interditadas, sendo duas no Duques e três na Rua Lopes de Castro, no Valparaíso.

A previsão de chuvas para a madrugada desta quarta-feira (23/10) é de pancadas de chuvas moderadas. A Secretaria de Proteção e Defesa Civil opera em estado de atenção.

Duas famílias desabrigadas no Duques, com 11 pessoas no total, também já estão com o Aluguel Social oferecido pela Secretaria de Trabalho, Assistência Social e Cidadania. A partir desta quarta-feira, elas devem estar procurando os imóveis para alugar. Por enquanto, uma das famílias permanece na casa de uma vizinha e outra se acomoda num templo local. A Prefeitura também forneceu alimentos, colchonetes, cobertores e travesseiros.

Comdep responde com rapidez às chuvas

Cerca de 300 funcionários da Comdep estão empenhados na limpeza das vias atingidas pelos alagamentos causados pelas chuvas da madrugada desta terça-feira (22/10). As ações começaram antes das 7h da manhã, com o auxílio de cinco caminhões pipa, seis retroescavadeiras e dez caminhões. A previsão é que à tarde toda a cidade já tenha voltado à normalidade. “A Comdep está mobilizada, e a Águas do Imperador também está nos auxiliando com máquinas e mão de obra. A empresa Locar está empenhada na limpeza da cidade e intensificou a coleta de lixo no Independência e Quitandinha, onde a chuva foi mais intensa”, explicou o presidente da Comdep, Hélio Dias.

Na Rua Dr. Thouzet, próximo a Escola Menino Jesus, a enxurrada causou danos e o afundamento da via. O mesmo problema ocorreu na Rua Amaral Peixoto, no Quitandinha, assim como na Rua Colômbia, no Quitandinha, enquanto na Rua Dr. Bonjean, no Bairro Esperança, um deslizamento de terra fechou o trecho, impedindo a circulação de veículos.  Nesses pontos, os ônibus de transporte coletivo estão impedidos de circular. “No caso da Rua Dr. Bonjean, estamos aguardando a chegada de funcionários da empresa Ampla, já que um poste foi afetado. Em seguida iniciaremos a limpeza da via”, explica o presidente da Comdep.

Segundo a CPTrans, as linhas 406, 439 e 209, que atendem o bairro Dr. Thouzet, não estão indo até o ponto final. A linha 425, que passa pela Rua Colômbia, em Quitandinha, teve que ser desviada pela Avenida Getúlio Vargas. Os ônibus das linhas 423 e 428 que atendem a comunidade da Rua Rio de Janeiro, também tiveram o itinerário alterado para garantir o transporte dos moradores. As ações de limpeza acontecem, principalmente, nas regiões do Quitandinha, como a Rua General Rondon e Pontes Fones. A Rua Coronel Veiga, uma das áreas mais prejudicadas com o alagamento, foi uma das primeiras a ser atendida, mas o trabalho é intenso e prossegue. A retirada de lama das vias está sendo feita ainda na Rua do Imperador e Itamarati.

53 Ocorrências, sem vítimas

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil registrou nesta terça-feira (22/10) 53 ocorrências, entre deslizamentos, queda de telhados, queda de árvores, vistorias preventivas e quedas de muros. Entre às 3h e às 8h, nove sirenes do Sistema de Alerta e Alarme foram acionadas: Duques; São Sebastião – Vital Brasil; Amazonas; Espírito Santo; Ceará; Rio de Janeiro; Dr. Thouzet; Independência – Rua Ó; e Independência – Taquara. O momento mais crítico da madrugada foi a partir das 3h45, quando choveu cerca de 100 milímetros na Rua Coronel Veiga – o esperado para metade do mês de outubro na região.

Moradores de áreas de risco seguiram as orientações das sirenes e deixaram as suas casas, o que foi fundamental para que as chuvas desta madrugada não causassem mortes. Os riscos de deslizamento não acabam quando as chuvas param, até porque o solo continua encharcado. As sirenes servem para alertar moradores de áreas de risco a deixar suas casas e ir para locais seguros. A Secretaria de Proteção e Defesa Civil esclarece também que as sirenes não são acionadas quando vai chover, mas sim quando há risco iminente de deslizamentos generalizados no bairro. A Secretaria de Proteção e Defesa Civil opera em estado de atenção. Equipes estão empenhadas nas áreas atingidas fazendo vistorias em ruas e imóveis.

Terça, 22 Outubro 2013 - 11:38

Boletim da Defesa Civil - 7h20

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil informa que as chuvas da madrugada desta terça-feira (22/10) geraram 13 ocorrências de deslizamentos e quedas de árvore na cidade até o momento, principalmente na região do Quitandinha. Não houve vítimas. O período mais crítico foi a partir das 3h45, quando choveu 100 milímetros em menos de 45 minutos na Rua Coronel Veiga. Nove sirenes do Sistema de Alerta e Alarme foram acionadas nos bairros. Houve inundação das ruas do Imperador e Coronel Veiga.

O prefeito Rubens Bomtempo, acompanhado pelo secretário de Proteção e Defesa Civil,tenente-coronel Rafael Simão, comanda as ações de resposta e está percorrendo os locais atingidos.Petrópolis continua em estado de alerta. Até o momento, uma família de quatro pessoas ficou desabrigada e duas famílias com um total de cinco pessoas ficaram desalojadas.

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil orienta a população a telefonar para 199 solicitando uma vistoria preventiva no caso de qualquer sinal de instabilidade em casas ou terrenos. A ligação e o serviço são gratuitos.

Sete comunidades da cidade passaram a contar no último fim de semana com Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs): São Sebastião, Presidente Sodré, Siméria, Chapa 4, Pica-Pau, Dr. Thouzet e 24 de Maio. Já são mais de cem agentes comunitários em Petrópolis capacitados pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, para atuar como voluntários em trabalhos de prevenção de tragédias das chuvas e na resposta a situações de desastres naturais.

Os agentes aprenderam sobre prevenção de tragédias e tiveram noções de percepção de risco e de primeiros socorros. O secretário de Proteção e Defesa Civil, tenente-coronel Rafael Simão, esteve em todas as comunidades que receberam o curso. Ele lembrou que, nos últimos desastres das chuvas, o poder público demorou a conseguir chegar aos lugares atingidos, porque ruas ficaram interditadas.

“Nós precisamos de vocês para prevenir desastres e também em uma situação de tragédia para fazer os primeiros socorros enquanto a assistência não chegar ao local. Vocês amam a comunidade, e isso é fundamental para ser um bom agente comunitário”, disse Rafael Simão.

O funcionário público Sérgio Tesch, de 54 anos, morador do Dr. Thouzet, foi um dos agentes comunitários capacitados neste fim de semana. “Diante das tragédias que nós vemos na comunidade, o que aprendemos hoje aqui é fundamental. O Nudec nos leva a participar e a estarmos juntos. Na hora da necessidade, esse núcleo vem para integrar a comunidade”, disse Sérgio.

A capacitação desses agentes é uma medida da Prefeitura para preparar a cidade para as chuvas de verão. A meta é criar 50 Nudecs até o fim do ano, capacitando 1,5 mil agentes comunitários voluntários, que serão um elo entre a comunidade e a Defesa Civil. A formação é contínua e não acabou neste fim de semana.

Foram capacitados 30 moradores da 24 de Maio. Já no São Sebastião, Siméria e Presidente Sodré formaram 29 agentes. Dr. Thouzet, Chapa 4 e Pica-Pau capacitaram 26 pessoas. Em setembro, o Morin recebeu o Nudec com 15 pessoas. Mas, desde então, outros 17 moradores já aderiram ao núcleo do bairro.

A criação de outros 24 Nudecs foi adiada para os dias 9 e 10 de novembro. Os interessados devem se inscrever até o dia 5 pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou pelo telefone 2246-9291. Nas comunidades onde não houver pelo menos 30 inscritos não serão formados Nudecs.

No fim de semana dos dias 9 e 10 de novembro, serão criados os Nudecs das comunidades: Ferroviários, Euclides da Cunha, Oficina, Sargento Boening, Castelânea, Vila Felipe, Chácara Flora, Taquara, Cremerie, Independência, Bairro Mauá, Serrinha, Pedras Brancas, Mosela, João Xavier, Duarte da Silveira, Morro do Gavião, Bingen, Amazonas, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Duques, Gulf e Capela.

A emissora de TV japonesa News Zero esteve na última sexta-feira (18/10) em Petrópolis para conhecer os trabalhos de prevenção de desastres naturais do município. Uma equipe de oito pessoas entrevistou o prefeito Rubens Bomtempo sobre as medidas que vêm sendo tomadas no município e sobre as expectativas do governo local em relação à parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica). No grupo, havia representantes da agência.
Bomtempo explicou que a prefeitura vem trabalhando em duas linhas: prevenção e reconstrução das regiões atingidas pelos desastres das chuvas dos últimos anos. Ele afirmou que está prevista a construção de cerca de 2,5 mil moradias até o fim do governo. Na reconstrução da cidade neste ano, foram gastos mais de R$ 2 milhões em obras. Outros R$ 14 milhões já foram solicitados junto ao governo do estado para contenção de encostas e dependem de aprovação.
“Queremos muito trabalhar próximo de vocês, aprender com toda a experiência adquirida, para cada vez mais qualificar o nosso trabalho”, disse o prefeito.
O entrevistador foi o ex-jogador de futebol Tsuyoshi Kitazawa, que jogou pela seleção japonesa nos anos 1990. Hoje ele é comentarista esportivo e embaixador da Jica. Após a entrevista com o prefeito, a equipe esteve na Secretaria de Proteção e Defesa Civil para uma apresentação sobre as medidas de prevenção do município. À tarde, os japoneses, acompanhados pelo secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, estiveram em uma região atingida pelas chuvas de março no Quitandinha.
O termo de cooperação, assinado em agosto pelo prefeito Rubens Bomtempo, trará especialistas e tecnologia do Japão para prevenir desastres das chuvas. A ideia é que, depois desse projeto, a experiência em Petrópolis possa ser aproveitada no cenário internacional de prevenção de tragédias.
Só em prevenção, neste ano, foram instalados em Petrópolis 27 pluviômetros automáticos e cerca de 20 semiautomáticos, somando-se aos quase 30 já existentes. O Sistema de Alerta e Alarme, com 18 sirenes, vem sendo aperfeiçoado com testes mensais. Serão criados, até o fim do ano, 50 Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs), com a formação de 1,5 mil agentes comunitários, que serão um elo da Defesa Civil com a comunidade. Eles atuarão nas campanhas de prevenção e na orientação dos moradores no caso de fortes chuvas.
A prefeitura começará a colocar em prática no dia 29 de novembro – Dia Municipal de Redução de Desastres – o Plano de Contingência de Petrópolis. O documento está sendo construído em conjunto pela Defesa Civil e demais secretarias de governo e órgãos estaduais, para que a função de cada órgão fique bem definida na prevenção de tragédias.
O termo de cooperação com a Jica também foi firmado com Nova Friburgo e Blumenau, Santa Catarina. A parceria foi firmada por meio de três ministérios: das Cidades, de Integração Nacional e de Ciência e Tecnologia.
Nas três cidades brasileiras, 40 japoneses orientarão o governo brasileiro a tornar as cidades mais resilientes (com poder de recuperação) com o menor número possível de perdas humanas. Alguns permanecerão no Brasil por dois anos seguidos.

A secretaria de Proteção e Defesa Civil está aproveitando os meses que antecedem o verão para reforçar as orientações à população sobre como se preparar para o período de chuvas. A intenção é reduzir os riscos de desastres provocados por deslizamentos com medidas simples, como colocar calha nos telhados, não jogar lixo nas encostas e não fazer queimadas.

“É importante que as pessoas liguem para a Defesa Civil e peçam informações do que fazer antes do período das chuvas. Antes de acontecer é muito mais fácil tratar o problema”, disse o diretor técnico da Defesa Civil, Ricardo Branco.

Para a prevenção de tragédias, é fundamental que a população também faça a sua parte. Em obras e construções, o proprietário deve contratar técnicos responsáveis, como engenheiros e arquitetos, além de buscar a autorização da prefeitura. Essas medidas são uma garantia de segurança para o morador, já que assim ele saberá se pode ou não construir em um determinado terreno.

O diretor operacional da secretaria, tenente coronel Ramon Camilo, frisa que sempre que houver sinais de instabilidade na casa, no terreno ou no barranco, o morador deve pedir uma vistoria preventiva da Defesa Civil pelo telefone 199. No caso de o imóvel ser interditado, os moradores devem acatar a orientação da secretaria e deixar o local.

“Trinca nas paredes, água empoçando no quintal, portas e janelas emperrando, rachaduras no solo e água minando da base do barranco são sinais de que a pessoa deve solicitar a vistoria preventiva da Defesa Civil”, disse Ramon Camilo.

A calha nos telhados impede que a água das chuvas vá direto para o terreno, o que causaria erosão e saturação do solo, facilitando o deslizamento no caso de fortes chuvas. Com a calha, o morador dá o destino correto para a água, que passaria a seria a ser canalizada para as galerias pluviais. Também é importante não deixar o solo exposto às chuvas. Por isso, não se deve desmatar, fazer queimadas ou cortes irregulares no terreno.