Em reunião com a Defesa Civil, comunidade foi informada sobre a responsabilidade do Estado pelas intervenções no local e recebeu orientações para os próximos dias de chuva

A Prefeitura, por meio da Secretaria da Defesa Civil, conversou com os moradores da Rua do Túnel neste sábado (26) e levou informações sobre quais intervenções serão feitas no local. As equipes técnicas deram orientações de segurança. Foi esclarecido que, em decisão judicial, o Governo do Estado - por meio do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), que tem a atribuição de manter o túnel extravasor, terá a responsabilidade de realizar as obras emergenciais. Com as últimas chuvas de fevereiro e março, no último domingo (20), a região teve a rua principal afetada em diferentes trechos, deixando imóveis em situação de risco.

A obra do túnel extravasor é uma das medidas de prevenção a desastres, tendo em vista que desvia as águas do Rio Palatino em situações de chuvas fortes. O túnel tem a função de reduzir a quantidade de água do Rio Quitandinha, minimizando as condições para inundações no Centro da Cidade.

“O túnel extravasor é uma das importantes soluções para que a nossa cidade não sofra mais com as fortes chuvas. Além da recuperação do túnel, o desassoreamento do rio é outra medida extremamente necessária”, destacou o prefeito Rubens Bomtempo, lembrando que em audiência com o Poder Judiciário (4ª Vara Cível) na última quinta (24), prevaleceu o que determina a Lei 3.239/99 - que institui a Política Estadual de Recursos Hídricos – em que o INEA fica como o responsável pelo desassoreamento dos rios.

Além do desassoreamento, o INEA também deverá desenvolver os projetos de macrodrenagem no Centro Histórico e um plano de restruturação ambiental na bacia hidrográfica do Piabanha. Todas as informações foram apresentadas aos moradores, que estão orientados a não permanecerem nas casas diretamente afetadas com as ocorrências em função da chuva.

Orientação para que moradores não permaneçam em áreas de risco

Tendo em vista a previsão de chuva de intensidade moderada para este domingo - podendo se estender até terça (29) - a equipe técnica da Defesa Civil orientou os moradores a não permanecerem nos locais localizados às margens do túnel extravasor. No trecho, por conta dos danos estruturais da via, um prédio foi afetado e está temporariamente interditado.

“Estamos com técnicos dedicados à avaliação de risco nessa localidade e é importante que os moradores tenham consciência dos riscos. Medidas de segurança já estão sendo adotadas, mas de forma imediata, orientamos que os moradores das casas próximas ao túnel, não permaneçam nos imóveis”, destacou o secretário de Defesa Civil, o tenente-coronel Gil Kempers.

Com previsão de chuva moderada a forte, a partir do fim da tarde deste domingo (27), a Secretaria de Defesa Civil planejou ações para o atendimento a possíveis ocorrências. Foram organizados 34 pontos de apoio, sendo 19 em escolas e 15 em locais alternativos, como igrejas, para o acolhimento das famílias. Foram definidos ainda 4 pontos avançados de resgate em conjunto com o Corpo de Bombeiros; além de mantido o reforço das equipes operacionais da Defesa Civil, para atendimento aos chamados de emergência e realização de rondas pela cidade.

Pontos de apoio em escolas:

Alto da Serra – E. Comunidades Santo Antônio (R. Cel. Albino Siqueira, 197);
Ato da Serra – Paróquia Santo Antônio (R. Santo Antônio, 245)
24 de Maio – COMAC – E.M. Germano Valente (Rua Dr Sá Earp, 88 - Morin.);
Vila Felipe - E.M. Dr. Rubens de Castro Bomtempo (Rua Hermínio Schmidt, s/n);
Sargento Boening - E.M. Ana Mohammad (Estrada do Paraíso, Nº 701);                
São Sebastião - E.M. Papa João Paulo (Rua São Sebastião, 625)
Siméria - E.M. Rosalina Nicolay (Est. Presidente Sodré,  Nº 1026);      
Independência - E.M. Alto Independência  (Rua Leonor Maia, Nº 1670);
Dr. Thouzet - Escola Paroquial Bom Jesus (Rua Dr. Thouzet, Nº 820);
Quitandinha 1 / Amazonas - E.M. Stefan Zweig  (Rua Sergipe, 49);
Quitandinha 2 / Ceará  - E.M. Marcelo Alencar (Avenida Amaral Peixoto s/n);
Quitandinha 3 / Espírito Santo – E.M. Marcelo Alencar (Avenida Amaral Peixoto s/n);
Quitandinha 4 / Duques – E.M. Odette da Fonseca (Estr. Rio-Petrópolis, km 85);
Quitandinha 5 / Rio de Janeiro – C.E.I. Chiquinha Rolla  (Rua Campos s/n);            
Bingen - Salão Paroquial São Paulo Apóstolo (Rua João Xavier s/n);
Gentio - E.M. Dr. Paula Buarque (Est. de Teresópolis Km 2, s/n);
Vale do Cuiabá - Quadra do Boa Esperança  (Est. Min. Salgado Filho s/n);
Floresta - E.M. Duque de Caxias (Travessa Luciano Camarota,78);
Caxambu – E. M. Senador Mario Martins (Rua Flávio Cavalcante, s/n).

Pontos de apoio alternativos

Quitandinha /Dr. Thouzet - Paróquia Bom Jesus - R. Doutor Thouzet 820
Retiro / Alemão - Associação de Moradores - Rua Dr. Hans Bistrischan, s/n
Retiro  - Paróquia São Tomás de Aquino - Rua Fernandes Vieira, 110
Comunidade do Barcelos e Vale dos Esquilos - Assembleia de Deus Vencendo Desafios -  Rua Ferreira Barcelos, 630
Alto da Serra - Paróquia Santo Antônio - R Coronel Albino Siqueira
Chácara Flora - Igreja Comunidade Ramá – Estrada do Paraíso, 26
Floresta - Paróquia Menino Jesus de Praga – Rua Dr. João Glass, s/n
Taquara - Igreja Católica - Rua Onofre Santos, 825
Quissamã - Paróquia São José do Itamarati - Rua Quissamã, 2000
João Xavier - Salão Paroquial São Paulo Apóstolo - Rua João Xavier s/n
Estrada da Saudade - Paróquia Santana e S. Joaquim de Cascatinha
Bairro Castrioto - Paróquia Santa Rita - Rua Santa Rita de Cássia, 30
Caxambu - Paróquia do Rosário - Praça da Inconfidência s/n, Centro
Posse – CEU da Posse - Estr. União e Indústria, 746-844
24 de Maio - Posto de saúde – Rua de Maio, 197

apio1

apoio_2

Equipes intensificam mapeamento e vistorias das vias que estão obstruída por conta de deslizamentos

Com vistorias em áreas de cerca de 50 localidades afetadas pelas chuvas, a Secretaria de Defesa Civil segue na realização de vistorias dos imóveis das pessoas que estão nos pontos de apoio. A medida visa assegurar quais famílias poderão voltar para as residências em segurança e quais serão encaminhadas para o programa Aluguel Social, a partir da interdição das casas. No momento, 23 pontos de apoio estão em funcionamento em diferentes localidades para o acolhimento de 1097 pessoas. Hoje, as equipes percorreram as localidades do Siméria, Floresta, Dr. Thouzet, Quitandinha, Vila Felipe, Alto da Serra, Coronel Veiga, São Sebastião, Independência, Quarteirão Brasileiro, Valparaíso, Sargento Boening, Morin e Meio da Serra.

Até o momento, a Defesa Civil soma 7405 ocorrências em função das chuvas de fevereiro e março. Mais de 3,2 mil laudos estão concluídos, cerca de 2,9 mil casas foram interditadas por conta de ocorrências registradas em todo o período. A maior parte dos casos foi por deslizamentos, dos quais, mais de 2,5 mil afetaram diretamente residências. As equipes atuam ainda na vistoria em ruas que foram afetadas seja por deslizamentos ou por danos estruturais. Dos registros feitos até o momento, 192 atingiram vias.

A Secretaria de Assistência Social mantém o atendimento a todas as pessoas afetadas com o suporte aos serviços essenciais, além do encaminhamento para o Aluguel Social. As famílias que tiveram as casas interditadas estão tendo o suporte para encontrar os novos lares.

Bombeiros encontram corpo no Rio Piabanha

Nesta quinta-feira (24) o Corpo de Bombeiros informou ter encontrado um corpo durante as buscas no Rio Piabanha, na altura da Posse. A equipe Técnica e Científica da Polícia Civil trabalha na identificação para confirmar se é uma das três vítimas desaparecidas em função das ocorrências da chuva de fevereiro. A chuva do último domingo (20), deixou 7 vítimas que já foram encontradas pelo Corpo de Bombeiros. Com essas, o município soma 241 vítimas fatais das chuvas de fevereiro e março.

Pontos de abrigo em funcionamento no momento:

Escolas públicas: Paróquia de Santo Antônio, Comac - Escola Germano Valente, E. das Comunidades Santo Antônio, E.M. Papa João Paulo II, Paroquial Bom Jesus, Cei Chiquinha Rolla, E. M. Rubens de Castro Bomtempo, E. M. Alto Independência, E. M. Ana Mohammed, E. M. Marcelo Alencar, E. M Duque de Caxias, E. M. Senador Mario Martins, E.M. Rosalina Nicolay e E. M. Geraldo Ventura Dias.

E ainda os pontos voluntários: Igreja Videira, Quadra do Oswaldo Cruz, Associação de Moradores Vila São José, Igreja Wesleyana – Caxambu, Igreja Católica Floresta, Igreja Redenção, Sitio São Luiz, Assembleia de Deus Chama Viva e Abrigo São Manoel.

Em novo Boletim Geológico, a Secretaria de Defesa Civil sinaliza a permanência de risco de nível alto para deslizamentos nas regiões do primeiro e segundo distritos. Devido ao elevado índice pluviométrico registrado com a chuva do último domingo - que chegou a marcar 547.4 milímetros em 24 horas – algumas regiões ainda podem apresentar instabilidade, ficando mais suscetíveis a escorregamentos, principalmente em áreas das localidades destacadas no mapa do boletim.

O município volta a ter previsão de chuva já para esse sábado e as equipes da Defesa Civil seguem em monitoramento para identificar riscos e planejar ações preventivas.

Mesmo sem ocorrências de chuva nos últimos dias, o solo ainda apresenta condições instáveis, principalmente das regiões do primeiro e segundo distrito.

Nas últimas 96 horas, há o registro de 549.2 milímetros de chuva na localidade do São Sebastião e 123.5 mm no Itamarati. Já nos 3º, 4º e 5º distritos, que foram as regiões menos afetadas pelas chuvas de fevereiro e março, os índices estão abaixo de 50 milímetros.

O Boletim de Risco Geológico é mais um instrumento de monitoramento da Defesa Civil e de alerta para a população das áreas indicadas com índices mais elevados. É importante que mesmo sem haver chuva, a população fique atenta aos sinais de instabilidade nas encostas. Esse alerta aumenta com a previsão de chuva que pode voltar a afetar a cidade no fim de semana.

Fim de semana pode ser de chuva moderada a forte

Para esta quinta (24) e sexta-feira (25), um sistema de alta pressão oferece estabilidade para o tempo na cidade, no entanto, a elevação das temperaturas e a disponibilidade de umidade nos próximos dias, podem mudar as condições meteorológicas. Para sábado, a previsão é de pancadas de chuva de intensidade moderada, de forma isolada no período da tarde.

A partir de domingo (27), a passagem de uma frente fria pelo oceano volta a modificar as condições de tempo no município. A previsão é de pancadas de chuva moderada a forte, de forma isolada nos períodos da tarde e noite. A estimativa é de que sejam registrados índices pluviométricos de 60 milímetros no período.

A população deve ficar atenta aos avisos e boletins que podem ser emitidos no período. Em caso de emergência, ligue 199.

Secretaria de Assistência Social avalia perfil social das famílias para direcionamento de benefícios

Com um total de 7264 ocorrências em função das chuvas de fevereiro e março, a Secretaria de Defesa Civil mantém esforço para a realização das vistorias das áreas afetadas. No momento, as equipes estão empenhadas na avaliação das residências das 1114 pessoas que estão sendo acolhidas nos 24 pontos de apoio na cidade. As equipes técnicas estão distribuídas pelas localidades do Siméria, Floresta, Dr. Thouzet, Quitandinha, Alto da Serra, Coronel Veiga, São Sebastião, Quarteirão Brasileiro, Valparaíso, Sargento Boening e Meio da Serra para avaliar as condições de segurança de cada imóvel e verificar a possibilidade de retorno seguro.

As equipes estão concentradas em concluir as vistorias. Até o momento, quase 3 mil laudos estão prontos e podem ser solicitados pelo site https://www.petropolis.rj.gov.br/dfc/ ou retirados pessoalmente na sede da Defesa Civil. Do total de ocorrências que estão sendo atendidas, cerca de 6 mil são referentes à chuva de fevereiro e mais de 900 são de março. Nas duas situações, a maior parte dos registros - mais de 6 mil - é por deslizamentos, que afetaram áreas de 48 localidades, atingindo residências ou vias. Mais de 2,3 mil casos são de ocorrências que atingiram imóveis. Desde a chuva de fevereiro, a Defesa Civil procedeu com mais de 2,7 mil interdições a imóveis.

Para as casas que foram afetadas pelas chuvas, mas que apresentam condições de recuperação a partir de obras de contenção, os moradores poderão retornar após a realização das intervenções recomendadas. Para os imóveis afetados em sua totalidade ou localizados em região com demarcação de risco, será recomendada a interdição permanente. Essas famílias serão encaminhadas para o programa de Aluguel Social.

Corpo de Bombeiros conclui buscas das vítimas da chuva de domingo

Os militares dos Bombeiros concluíram nesta quarta-feira (23), as buscas das vítimas da chuva do último domingo. Entre os óbitos, estão duas pessoas do Morro da Oficina e cinco da Rua Washington Luiz. Uma das pessoas que estavam desaparecidas desde de fevereiro, foi encontrada. Agora, o município tem um total de 241 óbitos, sendo 234 em função da chuva de 15 de fevereiro e 7 referentes às ocorrências de domingo. Três pessoas, vítimas de fevereiro, ainda estão desaparecidas. Cerca de 130 militares dos Bombeiros seguem com os trabalhos buscas.

População afetada segue em atendimento no Pontos de Apoio

Todas as pessoas que precisaram sair de suas casas por conta de riscos na região recebem o suporte da Secretaria de Assistência Social, que direciona às famílias os serviços essenciais e avalia os perfis sociais para direcionamento aos benefícios adequados. Todas as pessoas que tiverem a casa interditada, serão direcionadas ao programa do Aluguel Social.

Pontos de abrigo em funcionamento no momento:

Escolas públicas: Paróquia de Santo Antônio, Comac - Escola Germano Valente, E. das Comunidades Santo Antônio, E.M. Papa João Paulo II, Paroquial Bom Jesus, Cei Tia Alice, Cei Chiquinha Rolla, E. M. Rubens de Castro Bomtempo, E. M. Alto Independência, E. M. Ana Mohammed, E. M. Marcelo Alencar, E. M Duque de Caxias, E. M. Senador Mario Martins, E.M. Rosalina Nicolay e E. M. Geraldo Ventura Dias.

E ainda os pontos voluntários: Igreja Videira, Quadra do Oswaldo Cruz, Associação de Moradores Vila São José, Igreja Wesleyana – Caxambu, Igreja Católica Floresta, Igreja Redenção, Sitio São Luiz, Assembleia de Deus Floresta e Abrigo São Manoel.

Para os próximos dias a previsão é de redução da chuva; tempo volta a ficar instável no sábado

A Secretaria de Defesa Civil realizou a desmobilização das sirenes que foram acionadas no último domingo. O desligamento dos equipamentos ocorre após o período de 24 horas de ausência de chuva e consequente redução do acumulado pluviométrico. Nesta terça, o indicador da região do São Sebastião marcou 1.4 milímetros em 24 horas, o mesmo que no domingo (20), chegou ao registro de 534.4 mm/24h. E ainda, em novo Boletim Geológico, a Defesa Civil comunica a redução de risco para deslizamentos no primeiro distrito, mas que ainda permanece alto tendo em vista os impactos no solo nas localidades afetadas pela chuva.

As 18 sirenes do primeiro distrito foram acionadas no domingo, às 13h56 para aviso de previsão de chuva forte para a região. O segundo toque foi emitido às 14h17, quando houve o registro de volume pluviométrico de 45 milímetros em uma hora, conforme determina o protocolo para o toque de sirenes em dias de chuva forte.

O segundo toque alerta para a necessidade de deslocamento das pessoas de áreas de risco, para locais seguros, como os pontos de apoio abertos nas localidades. A partir deste toque, as sirenes se mantêm acionadas até que a chuva cesse. De acordo com o protocolo, os aparelhos só podem ser desligados após o período de seis horas de ocorrência de chuva em volume significativo.

Apesar da redução da chuva nas últimas horas, a Defesa Civil mantém o alerta para a possibilidade de ocorrência de deslizamentos nas áreas afetadas. “Os acumulados de chuva registrados nesses dias geram uma saturação do solo, o que pode provocar deslizamentos por conta da instabilidade no solo. É importante que a população permaneça atenta aos sinais de instabilidade nas encostas”, destacou a geógrafa da Defesa Civil Eduarda Conde, reforçando a orientação para que a população ligue para o 199 em caso de emergência.

Previsão do tempo indica redução da chuva para os próximos dias

A equipe de monitoramento da Defesa Civil segue no acompanhamento das condições meteorológicas que já começam a mudar nesta terça-feira (22), em que não são esperados volumes de chuva significativos. A previsão é de predomínio do céu nublado, com chuva fraca a ocasionalmente moderada, de forma localizada.

Para esta quarta (23) e quinta (24) as condições do tempo são de maior estabilidade, sem previsão de chuva, o que para sexta-feira (24) começa a mudar devido às temperaturas elevadas e disponibilidade de umidade. Para o período há a possibilidade de pancadas de chuva moderada, de forma isolada, para o período da tarde. A partir de sábado a aproximação de uma frente fria, pode voltar a modificar as condições de tempo na cidade novamente, com previsão de pancadas de chuva a partir da tarde.

Com a previsão de chuva moderada a forte, a partir da tarde deste domingo (20), podendo se intensificar até segunda (21), a Secretaria de Defesa Civil acionou os responsáveis pelos pontos de apoio em diferentes localidades, para que fiquem de sobreaviso para possível acionamento. A recomendação é que, em caso de emergência, a população seja direcionada aos locais de acolhimento onde permanecerá em segurança até que a chuva cesse. No momento, 19 estruturas, a maior parte delas em escolas da rede pública, estão preparadas para receber os moradores de áreas de risco. Os locais serão abertos de acordo com a necessidade e a partir do acionamento da Defesa Civil.

As equipes de monitoramento da Defesa Civil seguem no acompanhamento das mudanças nas condições do tempo. Em caso de necessidade, além do envio de SMS e avisos em grupo de comunicação por aplicativo, será feito o acionamento das sirenes. O primeiro sinal das sirenes avisa a ocorrência de chuva forte, já o segundo toque, alerta para a mobilização das pessoas, para que se desloquem aos pontos de apoio.

A previsão é de que haja chuva em volumes significativos, a partir da tarde deste domingo (20). A chuva pode se prolongar ao longo da madrugada, com condições de ganhar intensidade até segunda (21). A Defesa Civil alerta para a possibilidade de impactos para a cidade, como deslizamentos, inundações e alagamentos, tendo em vista o possiblidade de haver volumes elevados de chuva.  

As equipes de monitoramento seguem no acompanhamento das mudanças no tempo e novos comunicados podem ser emitidos a qualquer momento. A Defesa Civil está com efetivo de sobreaviso para o atendimento a possíveis ocorrências.

Pontos de apoio em funcionamento por localidade:

Alto da Serra – E. Comunidades Santo Antônio (R. Cel. Albino Siqueira, 197);
Ato da Serra – Paróquia Santo Antônio (R. Santo Antônio, 245)
24 de Maio – COMAC – E.M. Germano Valente (Rua Dr Sá Earp, 88 - Morin.);
Vila Felipe - E.M. Dr. Rubens de Castro Bomtempo (Rua Hermínio Schmidt, s/n);
Sargento Boening - E.M. Ana Mohammad (Estrada do Paraíso, Nº 701);                
São Sebastião - E.M. Papa João Paulo (Rua São Sebastião, 625)
Siméria - E.M. Rosalina Nicolay (Est. Presidente Sodré,  Nº 1026);      
Independência - E.M. Alto Independência  (Rua Leonor Maia, Nº 1670);
Dr. Thouzet - Escola Paroquial Bom Jesus (Rua Dr. Thouzet, Nº 820);
Quitandinha 1 / Amazonas - E.M. Stefan Zweig  (Rua Sergipe, 49);
Quitandinha 2 / Ceará  - E.M. Marcelo Alencar (Avenida Amaral Peixoto s/n);
Quitandinha 3 / Espírito Santo – E.M. Marcelo Alencar (Avenida Amaral Peixoto s/n);
Quitandinha 4 / Duques – E.M. Odette da Fonseca (Estr. Rio-Petrópolis, km 85);
Quitandinha 5 / Rio de Janeiro – C.E.I. Chiquinha Rolla  (Rua Campos s/n);            
Bingen - Salão Paroquial São Paulo Apóstolo (Rua João Xavier s/n);
Gentio - E.M. Dr. Paula Buarque (Est. de Teresópolis Km 2, s/n);
Vale do Cuiabá - Quadra do Boa Esperança  (Est. Min. Salgado Filho s/n);
Floresta - E.M. Duque de Caxias (Travessa Luciano Camarota,78);
Caxambu – E. M. Senador Mario Martins (Rua Flávio Cavalcante, s/n).

Prefeito determinou reforma da Praça Miguel Couto, devolvendo espaço para a comunidade

Em cumprimento a decisão da 4ª Vara Cível, a Prefeitura de Petrópolis retirou todas as roupas estragadas que foram deixadas pelo Governo do Estado na Praça Dr. Miguel Couto, no Alto da Serra.

Além de devolver o espaço para a comunidade, o prefeito Rubens Bomtempo determinou a reforma da praça, com o objetivo de revitalizar a área.

Desde que o polo de atendimento foi transferido para o Colégio Estadual Princesa Isabel, no Quitandinha, a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social deixou, além da montanha de roupas usadas, barraca e banheiros químicos. Imagens publicadas nas redes sociais também mostram que a Prefeitura de Belford Roxo despejou centenas de sacolas à revelia do governo municipal de Petropolis, agravando o problema.

Há 15 dias, o município notificou o Estado e deu ciência à Defensoria Pública e ao Ministério Público sobre o descaso com essas doações. A decisão da 4ª Vara, proferida neste sábado, determinou que a Prefeitura retirasse o material da praça. Agentes do Estado retiraram a barraca do local.

A Prefeitura ressalta que só realiza a doação de roupas novas, em perfeitas condições, fruto de doações da Receita Federal do Brasil. Esclarece, ainda, que a central de doações administrada pela gestão municipal é o galpão da Tec Auto, em Itaipava, com logística, normas de condicionamento, separação e segurança dos donativos, conforme divulgado por diversas vezes.

A Secretaria de Defesa Civil emitiu neste sábado (19), Aviso Meteorológico para alertar a previsão de chuva moderada a forte, em volumes significativos, a partir da tarde deste domingo (20). A chuva pode se prolongar ao longo da madrugada, com condições de ganhar intensidade até segunda (21). A modificação nas condições do tempo é provocada pela passagem de frente fria pela Região Sudeste. A Defesa Civil está com efetivo de sobreaviso para o atendimento a possíveis ocorrências. A orientação é que em caso de emergência, a população que mora em área de risco, se desloque para os pontos de abrigos seguros nas comunidades.

Tendo em vista a possibilidade de ocorrência de chuva em volumes elevados, o órgão alerta para impactos com deslizamentos, inundações e alagamentos pela cidade. Além da chuva, poderá haver intensificação dos ventos, passando de moderado a forte, com declínio acentuado das temperaturas. A máxima prevista é de 19°C. As equipes de monitoramento seguem no acompanhamento das mudanças no tempo e novos comunicados podem ser emitidos a qualquer momento.

Além do envio diário do Boletim Meteorológico, dos avisos por SMS e pelos grupos de comunicação por aplicativo, a população pode acompanhar os informes pelo site da Defesa Civil https://www.petropolis.rj.gov.br/dfc/ e pelos canais nas redes sociais. Para receber os alertas por SMS basta cadastrar o CEP, enviando mensagem de texto para o número 40199 e ainda, é possível acompanhar a previsão por aplicativo com acesso pelo https://t.me/defesacivilpetropolis. O Boletim Meteorológico atualiza a previsão do tempo para a cidade diariamente, podendo ser acessado através do link: https://bit.ly/3vmRgZ2.

A Defesa Civil orienta que a população fique atenta aos avisos emitidos no período e ao acionamento das sirenes pelas localidades. A emissão do primeiro toque visa alertar a previsão de chuva forte e caso as equipes identifiquem a necessidade de proceder com o segundo toque, a recomendação é que as pessoas se desloquem para locais seguros. Ao sinal de qualquer risco e em caso de emergência, ligue 193 (Corpo de Bombeiros) e 199 (Defesa Civil).

A rocha da 24 de Maio, na Rua Teresa, com cerca de 6 mil toneladas, em um tamanho aproximado de 2 mil metros cúbicos, agora tem monitoramento. Na última quinta-feira (17), a Prefeitura recebeu equipes de empresa especializada que estruturou sensor, específico para registrar qualquer movimentação da pedra - que após a última chuva de fevereiro - passou a ser uma preocupação na localidade. A instalação do aparelho foi uma solução imediata, para fortalecer a segurança na região, tendo em vista que a retirada da rocha de grande porte é uma ação de alta complexidade. O acompanhamento dos registros do sensor está sendo feito pelas equipes no Centro Integrado de Monitoramento e Operações de Petrópolis (CIMOP), que funciona na sede da Defesa Civil.

“Esse é um importante passo para garantir a segurança e tranquilidade da população. Essa foi uma alternativa rápida para que consigamos atuar de forma imediata ao sinal de qualquer instabilidade”, destacou o prefeito Rubens Bomtempo.

A equipe da Defesa Civil acompanhou os técnicos durante a instalação e já faz o monitoramento do sensor, que funciona 24 horas. A pedra de maior porte faz parte de um complexo rochoso que pode somar 17 mil toneladas e que agora passa a ser controlada pelas equipes da Defesa Civil. De acordo com a empresa especializada, o emissor capta inclinações a partir de 5 graus de movimentação. Para isso é utilizado um aparelho que conta com um sensor de movimento com acelerômetro, microcontroladores e softwares no próprio equipamento que enviam sinais para o aparelho receptor.

"O sistema consiste em um emissor e um receptor, cujo objetivo é monitorar 24h qualquer tipo de movimento na pedra", afirma o gestor da empresa idealizadora Ineeds, Luis Sourient, que explica ainda que o aparelho funciona com bateria recarregável por energia solar. “O receptor recebe as informações em tempo real sobre movimentações ao longo do dia, e envia informações caso haja qualquer problema no emissor”, completa.

Com essa configuração, as equipes da Defesa Civil conseguem identificar qualquer anormalidade no funcionamento do aparelho. A proposta é que o serviço seja ainda mais aprimorado, com a criação de um dashboard para a geração de relatórios diários. “Esse é um projeto piloto, para o qual já constatamos o funcionamento. A proposta é monitorar todos os blocos rochosos que possam oferecer algum risco na cidade e vamos conseguir assim, atuar de forma preventiva ao sinal de qualquer anormalidade nas localidades”, ressalta o secretário de Defesa Civil, o tenente Coronel Gil Kempers.

A partir do funcionamento do primeiro sensor instalado na pedra da 24 de Maio, a proposta é seguir com o projeto para rochas que existem ainda no Caxambu, Floresta, Vila Felipe e Morro da Oficina. Além de monitorar o movimento da rocha, a proposta é instalar sensores que irão ajudar a identificar o movimento de massa para o caso de deslizamentos.

Desmontes de rochas continuam sendo feitos em diferentes localidades

As equipes da Defesa Civil seguem no acompanhamento dos técnicos especializados no desmonte de rochas pelas áreas afetadas na cidade. Ao longo da semana foi feita a detonação de cerca de 90 toneladas de rocha na Servidão Francisco Carauta de Souza e na rua Barão de Águas Claras, no Caxambu; na Rua Napoleão Esteves, na Saldanha Marinho; no Morro da Oficina, no Alto da Serra; na Rua Jacinto Rabelo, no Vila Felipe; e Rua Primeiro de Maio.

A detonação das rochas é feita a partir de uma técnica de baixo impacto, que usa uma corrente elétrica de baixa voltagem, que provoca a queima do produto a partir de uma reação exotérmica. A técnica utilizada não causa vibrações e é considerada de maior segurança para ser aplicada em locais habitados, tendo em vista que não provoca lançamento de fragmentos.

Pagina 6 de 139