Os quatro delegados titulares e suplentes que representarão Petrópolis na 4ª Conferência Estadual do Meio Ambiente foram eleitos durante a 3ª Conferência Municipal de Meio Ambiente, aberta pelo prefeito Rubens Bomtempo no último sábado (8/06), na Universidade Católica de Petrópolis. Os eleitos levarão dos debates realizados em nível municipal para a etapa estadual, que precede a Federal.

Representando o governo, o delegado titular indicado pelo prefeito foi o secretário de Meio Ambiente Almir Schmidt. Os empresários são representados pelo titular Alexandre Carlos Rocha, da Firjan, sendo o primeiro suplente Kleber Nei Godinho Vertulli, da Associação Comercial e Empresarial de Petrópolis (Acep), o segundo suplente Ari de Almeida Filho, também da Firjan, e a terceira suplente Rosemary Viana de Castro Pinheiro Borges, da Lagos de Itaipava Empreendimentos Imobiliários.

Os catadores são representados pela titular Marli de Souza Santos Gonçalves, da cooperativa T’Esperança, tendo como primeiro suplente Jorge José Gomes da Rocha. Representando o movimento social, a titular eleita foi Cláudia Martins Alves Carvalho, da Associação Recicla Tecido, sendo a primeira suplente Nelci Cruz Francisco David, do Fórum de Associações de Moradores de Petrópolis, a segunda suplente Maria de Lourdes T. de Souza, do projeto social Aprendendo a Brincar e o terceiro suplente Ademar de Oliveira Filho, do Instituto de Pesquisa de Cultura Negra.

Com o tema Programa Nacional de Resíduos Sólidos, a conferência municipal foi dividida em quatro eixos temáticos, voltados para a discussão acerca da produção e consumo sustentáveis, redução dos impactos ambientais, geração de trabalho, emprego e renda e educação ambiental. Em cada um dos grupos de trabalho por eixo temático, foram aprovadas propostas para implantação de coleta seletiva, o incentivo para criação e instalação de uma cooperativa de catadores em Petrópolis, a criação de leis e incentivos fiscais para empresas que encaminhem seu lixo para a futura cooperativa e o estímulo para a realização de consumo sustentável.

Em sua fala, Bomtempo destacou a importância da participação popular nos rumos das políticas públicas da cidade. “É importante que o Conselho Municipal de Meio Ambiente seja realmente deliberativo, com mais participação popular. A sociedade deve influenciar o destino das políticas públicas da cidade e também levar para a prática do seu dia a dia todos os temas discutidos aqui. Então eu espero que essa conferência se torne um marco da participação popular, porque como cidadãos nós devemos nos apropriar do bem comum e, assim, vamos todos cuidar das nossas ruas, dos nossos rios, da nossa cidade como um todo”, disse o prefeito.

O prefeito Rubens Bomtempo abriu no último sábado (8/6) a 3ª Conferência Municipal de Meio Ambiente, que este ano trouxe como tema o Programa Nacional de Resíduos Sólidos, seguindo as diretrizes das conferências nacional e estadual de Meio Ambiente. Na abertura da cerimônia, foram apresentados os principais problemas ambientais encontrados em Petrópolis, entre eles as ocupações irregulares do solo, a poluição dos rios, do ar e sonora, mas essencialmente a questão do destino a ser dado para o lixo produzido em Petrópolis durante os próximos anos. O evento aconteceu na Universidade Católica de Petrópolis (UCP) e contou com palestras e debates sobre redução de impactos ambientais, saneamentom políticas para resíduos sólidos e sustentabilidade.

O Programa Nacional de Resíduos Sólidos engloba as soluções para os resíduos sólidos no que se refere a coleta seletiva, reciclagem, inclusão social e participação da sociedade, além de incluir os resíduos provenientes dos serviços de saúde, da construção civil e industriais, entre outros. Além do tema central, a conferência foi dividida em quatro eixos temáticos voltados para a discussão acerca da produção e consumo sustentáveis, redução dos impactos ambientais, geração de trabalho, emprego e renda e educação ambiental.

“O destino dos resíduos sólidos precisa ser mais racional na nossa cidade, assim como a questão do transporte público e da ocupação desordenada. Por isso é importante que o Conselho Municipal de Meio Ambiente seja realmente deliberativo, com mais participação popular. A sociedade deve influenciar o destino das políticas públicas da cidade e também levar para a prática do seu dia a dia todos os temas discutidos aqui. Então eu espero que essa conferência se torne um marco da participação popular, porque como cidadãos nós devemos nos apropriar do bem comum e, assim, vamos todos cuidar das nossas ruas, dos nossos rios, da nossa cidade como um todo”, disse o prefeito.

Durante a conferência, foram realizadas as palestras Redução dos Impactos Ambientais, ministrada pelo professor Cleveland Jones, e Pacto pelo Saneamento e as Políticas para os Resíduos Sólidos, proferida pelo superintendente de saneamento da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Victor Zveibil. Também fizeram parte da programação uma palestra da presidente da Associação Recicla Tecido, Cáudia Martins, e debates entre grupos de trabalhos sobre produção e consumo sustentável, redução do impacto ambiental, geração de emprego e renda e educação ambiental. Ao final do evento, foram eleitos os delegados que representarão Petrópolis na 4ª Conferência Estadual do Meio Ambiente.

A 3ª Conferência Municipal de Meio Ambiente foi realizada pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comdema) de Petrópolis, em conjunto com o Gabinete do prefeito e a secretaria de Meio Ambiente. Também estiveram presentes no evento a primeira-dama e chefe de gabinete, Luciane Bomtempo, o secretário de Meio Ambiente, Almir Schmidt, o procurador geral do município, Marcus São Thiago, o presidente da Comdep, Hélio Dias, o presidente da Comdema, Rogério de Almeida Guimarães, o vice-reitor da UCP, Marcelo Vizani e os vereadores Thiago Damasceno, Silmar Fortes, Anderson Juliano, Ronaldo Medeiros e Pastor Sebastião, além de representantes de instituições e organizações não governamentais.

A tarde desta sexta-feira (7/06) vai ficar na memória de dez alunos da rede municipal: eles foram premiados no concurso “Frases Educativas sobre o Meio Ambiente” desenvolvido pela Secretaria de Educação. O material produzido pelos estudantes do 5º ao 9º ano do ensino fundamental será afixado nas coletoras de lixo instaladas em todo o município, como forma de mobilizar a população para a necessidade de cuidado com o meio ambiente.

A chefe de Gabinete e primeira-dama, Luciane Bomtempo, participou da premiação realizada às 15h, na Casa Barão de Mauá e disse que o evento significa a retomada de um programa iniciado pelo prefeito Rubens Bomtempo em seu último governo. “Agora, o objetivo é perseguir as ações de reciclagem e queremos promover mais ações nas escolas, pois as crianças levam a ideia para dentro de casa. São agentes multiplicadores. A escola é o caminho para começar tudo”, disse Luciane Bomtempo.

Ao todo, foram selecionadas onze frases que serão encaminhadas para a Comdep para a confecção dos adesivos. Segundo o presidente da Companhia, Hélio Dias, essa importante ação das crianças ajuda a melhorar o meio ambiente. “Esse é um presente que a Comdep está recebendo e as frases serão utilizadas nas lixeiras com o objetivo de conscientizar a população”, disse o presidente da Companhia.

A sub-secretária de Educação, Rosilene Ribeiro, destaca que o projeto exige conscientização das
crianças. “Todos os alunos tiveram que parar para pensar no futuro e na importante questão de
preservação. Não se trata de um concurso qualquer”, disse.

A professora Esmeralda Collares, organizadora do concurso também se emocionou com o resultado do trabalho. “A educação não existe sem a educação ambiental. É preciso olhar para essa questão e assim criar cidadãos comprometidos com o meio ambiente”, salienta.

Foram premiados alunos das escolas Paroquial São Pio X, Augusto Pugnaloni, Rotary, Paulo Freire, Dr. Rubens de Castro Bomtempo, Geraldo Ventura Dias, Fábrica do Saber, Prefeito Jamil Sabrá e Theodoro Machado.

Frases vencedoras:

 "Não Jogue Lixo no chão, apenas no Latão” – Carolina Fernandes da Silva, 5º ano, Escola Paroquial São Pio X.

 “O Meio Ambiente é uma preciosidade, que nós deveríamos cuidar como prioridade – Amanda Soares Ferreira, 9° ano, Escola Municipal Augusto Pugnaloni.

“Você vive bem? Cuide do Meio Ambiente, para os seus filhos viverem também” – João Victor da Silva Oliveira, 6º ano, Escola Municipal Augusto Pugnaloni.

“Cada lixo no seu lugar e o planeta vamos ajudar”, Eduardo Freire Azevedo Gonçalves, 5 º ano,
Escola Municipal Rotary.

“Com mais conscientização haverá menos poluição”, Eduardo Freire Azevedo Gonçalves, 5 º ano,
Escola Municipal Rotary

 "Ajude a natureza, não jogue lixo no chão”, Lucas Rodrigues da Silva, 5º ano, Escola Municipal
Paulo Freire.

“Para que jogar lixo no chão, se na lixeira está a solução”, Rafael da Silva Alves, 6º ano, Escola
Municipal Dr. Rubens de Castro Bomtempo.

“Só tem um jeito de mostrar sua educação: não jogue lixo nos rios, não jogue lixo no chão”, Robert da Silva Leite, 7º ano, Escola Municipal Geraldo Ventura Dias.

“O futuro está no presente: Cuidar do Meio Ambiente”, Diego de Souza Silva, 7º ano, Escola
Municipal Fábrica do Saber.

“Lixo Reciclado, mundo renovado; Preserve a vida, jogue o lixo na lixeira”, Michel Antônio Justen
da Silva, 9º ano, Escola Municipal Prefeito Jamil Sabra.

“O lixo não é um luxo, mas pode se transformar,basta você reciclar”, Diovana Vieira Furtado, 6º
ano, Escola Municipal Theodoro Machado.

Por determinação do prefeito Rubens Bomtempo, desde terça-feira (21/05), funcionários da Comdep atuam na revitalização do Parque Natural Municipal de Petrópolis, na Avenida Ipiranga. Capina, roçada, pintura e limpeza do mobiliário estão ganhando a atenção da companhia. A previsão é de que as intervenções se estendam até a próxima semana. O secretário de Meio Ambiente, Almir Schmidt lembra que o parque já foi encontrado em estado de abandono em janeiro e, com as chuvas de março, o cronograma de limpeza do espaço acabou ficando prejudicado.“É uma área importante para a cidade e deve receber toda a atenção. Mas, num primeiro momento, a Comdep precisou se dedicar a outros setores que afetavam diretamente a vida da população, como a falta de coleta de lixo, que ocasionou o reforço de campanhas como a de desratização, e a questão de limpeza e desobstrução de ruas com as chuvas de março”, frisou. Após essa primeira etapa, o serviço de manutenção será feito em caráter permanente. A limpeza das trilhas está sendo acompanhada por um engenheiro florestal, para garantir que espécies nativas não sejam removidas. Outra determinação do prefeito Rubens Bomtempo se refere à verba de R$ 1 milhão perdida pelo governo passado, devido à falta de apresentação de projetos para o Parque Natural. A Secretaria de Meio Ambiente está empenhada na recuperação do recurso e todas as exigências da Secretaria do Ambiente do Estado estão sendo cumpridas e analisadas. “Um levantamento técnico financeiro exigido pela SAE já está sendo elaborado e será entregue na próxima semana. A Secretaria Estadual tem nos dado apoio para a recuperação dessa verba que servirá para a segunda etapa da obra do Parque”, disse Almir. Todas as informações também são repassadas ao Conselho Municipal de Meio Ambiente, que este ano já realizou três reuniões ordinárias e uma extraordinária.

O prefeito Rubens Bomtempo é parceiro da concessionária Águas do Imperador na construção de um biodigestor no bairro Vila Rica, em Pedro do Rio. O equipamento, destinado à produção de biogás, irá tratar dois litros de esgoto por segundo e tem capacidade para atender 700 famílias, o que representa uma média de 1,8 mil habitantes, abrangendo ainda a escola da comunidade. O diretor adjunto da concessionária, Márcio Salles, participou da visita ao lado do Prefeito e secretários municipais.

O projeto para a construção do biodigestor no Vila Rica já havia sido apresentado ao Comitê Gestor da Bacia do Rio Paraíba do Sul e à sua Câmara de Compensação. Mas apesar de toda a contrapartida do município oferecida através da empresa Águas do Imperador, os recursos destinados ao trabalho ficaram retidos. “Estamos antecipando esse valor para que as obras pudessem ser iniciadas e, ao mesmo tempo, vamos trabalhar para conseguir liberar esses recursos, disse o prefeito, salientando que com a medida, começa a executar mais um compromisso que não teve tempo de concluir antes do fim de seu segundo mandato, em 2008.

Esse é o sétimo aparelho instalado pela concessionária no município, e não há cobrança de tarifa pelo tratamento. Cinco, dos seis biodigestores já implantados na cidade, foram construídos durante os dois primeiros mandatos do prefeito Rubens Bomtempo, como por exemplo, no Independência, Vila Ipanema e Vital Brasil, assim como no Bonfim e em Nogueira, além de um biossistema no Vale do Carangola. O próximo equipamento será construído no Quarteirão Brasileiro.

Os biodigestores não consomem energia elétrica, tratam o esgoto no local onde ele é gerado e, ao final do processo, o esgoto tratado é devolvido aos rios com até 85% de pureza em relação à carga orgânica inicial. Ouro fator importante é o custo de implantação de um biodigestor, que é cinco vezes menor do que de uma Estação de Tratamento de Esgoto convencional, cerca de R$ 60,00 por habitante. Os filtros são feitos com pneus e garrafas pet e não há cobrança de tarifa pelo tratamento.

Para a moradora Maria Rita Alves, que representa a Associação de Moradores do Vila Rica, o biodigestor irá aumentar a qualidade de vida da comunidade, principalmente por conta do mau cheiro causado pelo valão que passa pelo bairro. “É um cheiro muito forte, principalmente nos dias de sol. Ficamos empolgados com a providência e esperançosos, pois o governo mal começou e já começamos a ver os resultados”, disse.

Outro que elogiou a providência foi André Pitzer, de 40 anos. “É um benefício importante para a comunidade, porque o esgoto é jogado sem qualquer tratamento nesse valão. O mau cheiro irá sumir e a população de ratos irá diminuir consideravelmente”, disse, lembrando: “Ainda irá beneficiar a nossa creche, que passará a ser atendida pelo gás produzido pelo biodigestor”.

“É uma alegria fazer mais um biodigestor, que sem dúvida é a única maneira de tratar esgotos em determinados locais. Esse de Vila Rica, como os demais, contou com a participação efetiva da comunidade”, afirmou Marcio Salles, diretor adjunto da concessionária. A visita ao local contou com a presença dos secretários municipais, da equipe da Águas do Imperador, dos moradores da região e ainda do vereador Thiago Damaceno.

O prefeito Rubens Bomtempo se reuniu hoje com a presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Marilene Ramos, e reafirmou que irá rediscutir com o órgão todas as ações para o Vale do Cuiabá. Bomtempo solicitou ao Inea a entrega de todos os projetos em andamento para conhecimento e análise da atual administração.  

“Tem um mês que assumi a Prefeitura e não seremos omissos como o governo passado. O que está sendo feito pelo Estado na região não atende aos interesses da população. As famílias querem e precisam estar inseridas no projeto. São pessoas que perderam entes queridos, amigos e as suas casas. O poder público precisa, no mínimo, levar isso em consideração”, disse Bomtempo.

A falta de diálogo entre o Estado, o poder local e os moradores foi criticado: “Só vamos avançar quando perceberem que o trabalho deve ser feito em conjunto, com a construção de uma linguagem única. É por isso que me proponho a participar diretamente deste problema para a construção de um projeto onde a prioridade seja os moradores”.

O problema das pontes do Vale do Cuiabá foi um exemplo dado pelo prefeito Rubens Bomtempo para explicar a falta de presença e sensibilidade do poder público na região. “A reconstrução ou até mesmo a melhoria de pontes para dar dignidade e o direito ao cidadão de ir e vir não foi realizada até hoje. A Prefeitura deveria ter assumido essa responsabilidade junto com o Estado para dar uma resposta imediata. O mais importante é a pessoa que vive lá e que depende dessa estrutura. Dois anos se passaram e nenhuma melhoria foi realizada nesses acessos danificados. É uma falta de respeito”, destacou.

A presidente do Inea, Marilene Ramos, concordou que houve pouco entendimento e disse ainda que “ás vezes não tem como compatibilizar os interesses do Estado com os das famílias”. Marilene explicou também que o a faixa de exclusão obedeceu aos critérios hidrológicos: “A participação da Prefeitura será muito importante e imprescindível. Estamos abertos ao diálogo e vamos apresentar tudo a esta administração”, garantiu.

No dia 14 de janeiro o prefeito enviou ofício à Secretaria de Estado de Ambiente e à Secretaria de Estado de Obras, com cópia para o Governador Sérgio Cabral solicitando uma reunião em caráter de urgência e a paralisação e rediscussão do projeto executivo em andamento. A decisão foi tomada por Bomtempo depois de uma reunião no dia 12 de janeiro, data que marcou os dois anos da tragédia, com as principais lideranças comunitárias da região, além de representantes da Defensoria Pública, do Centro de Defesa dos Direitos Humanos, de todo secretariado municipal e de diversos representantes da Câmara Municipal.

Na ocasião, Bomtempo recebeu a informação de que o projeto oferecido pelo Governo do Estado em parceria com a União para sanar as graves consequências das chuvas na região, não atende aos interesses dos moradores, que alegam nunca terem tomado conhecimento do mesmo em sua íntegra.

Os moradores também não estão satisfeitos com o valor da compra assistida das casas oferecido pelo Governo do Estado porque se mostra abaixo dos valores que são pagos pelas unidades habitacionais construídas para a população que recebe de 0 a 3 salários mínimos.

Pagina 47 de 47