Marcelo Fiorini é o novo secretário de Meio Ambiente. Ele assume o cargo no lugar de Fernando Fortes, que permanecerá atuando no governo em cargo ainda não definido. Fiorini é bacharel em Direito pela Universidade Católica de Petrópolis (UCP) desde 1987. Foi secretário de Desenvolvimento Econômico de janeiro de 2017 até junho deste ano

A Secretaria de Meio Ambiente recebeu a doação de três abafadores de fogo, um kit de GPS, uma câmera fotográfica e um notebook nesta sexta-feira (22.05). Os equipamentos serão usados nas ações de preservação realizadas na Unidade de Conservação (UC) Monumento Natural da Pedra do Elefante, que fica na Estrada do Taquaril. O local é classificado como UC de Proteção Integral pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC).

O material é fruto do projeto Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente, que fez a doação de material para a Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (SEAS). O órgão estadual distribuiu os equipamentos de acordo com a necessidade de cada um dos 18 municípios que integram o Mosaico Central Fluminense.

Uma operação conjunta das secretarias de Meio Ambiente e de Obras, com o apoio de homens do Grupamentos Proteção Ambiental da Guarda Civil, identificou o responsável pelo desmatamento e construção irregular em um terreno na Rua Renato Petrocchi, no Carangola. A ação foi realizada nesta terça-feira (05.05) e vistoriou ainda outros dois lotes na mesma localidade, também com obras sem as devidas autorizações da prefeitura. Houve ainda o flagrante de queima de vegetação em uma desses espaços, o que resultou em multa para o proprietário.

O responsável pelas intervenções teve a obra embargada pelos fiscais da Secretaria de Obras e não poderá executar nenhuma intervenção no local até que regularize a situação junto ao município. Ele também foi multado por conta da movimentação de terra realizada sem as devidas autorizações. O auto de infração indica ainda o corte irregular de oito árvores nativas no terreno.

"Essa é uma área densamente arborizada e a retirada das árvores sem autorização causa grandes danos ambientais. É importante destacar que o corte ou a poda de árvores precisa ser autorizado pela Secretaria de Meio Ambiente", explica o chefe de fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente, Miguel Fausto.

Os fiscais flagraram ainda a queima de vegetação em uma dessas áreas, o que resultou em multa pelo responsável do espaço. "A queima de lixo, restos de vegetação ou quaisquer outros detritos é expressamente proibida no município", completa Miguel.

Na mesma rua, em outros dois lotes, houve o corte de terreno e movimentação de terra sem as devidas autorizações do governo municipal. "Qualquer intervenção, seja o corte do terreno ou movimentação de terra, precisa ser autorizada pela prefeitura, o que não ocorreu nestes casos", disse Alfredo Vieira, chefe da fiscalização de Obras.

O setor de fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente organiza um cronograma de vistorias em áreas verdes na cidade e também a partir de denúncias, fazendo vistorias em locais apontados pelos reclamantes. A sede no Centro Administrativo, na Av. Koeler, 87, Centro. O horário de funcionamento é de 9h às 18h, de segunda a sexta. A população deve enviar os casos de crime ambiental para o e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

As denúncias para a Secretaria de Obras podem ser apresentadas pelo telefone 2233-8183 e 2233-8184 ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. , informando dados do denunciante (nome, identidade, CPF, endereço e telefone de contato) e do denunciado (nome ou apelido, endereço completo com ponto de referência, descrição da obra e, se houver, fotos).

Proprietário retirou oito árvores nativas sem as devidas autorizações

O setor de fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente multou o dono de um terreno na rua Renato Petrocchi, no Carangola, pelo corte irregular de oito árvores nativas. Ele também irá responder por uma construção irregular, feita no mesmo espaço sem as devidas autorizações. O flagrante de desmatamento aconteceu nesta quarta-feira (29.04), durante uma operação dos fiscais na região.

Em um outro imóvel, na mesma rua, a equipe flagrou uma movimentação de terra também sem nenhuma autorização. O proprietário tinha intenção de construir uma garagem no local, mas não havia autorização da Secretaria de Obras para a execução e foi intimado pelos fiscais a paralisar a obra.

"Qualquer tipo de corte, poda ou retirada de árvore precisa de autorização da Secretaria de Meio Ambiente. Já com relação das construções irregulares, os casos serão encaminhados para a Secretaria de Obras para acompanhamento do caso e demais providências cabíveis", explica Miguel Fausto, chefe do setor de fiscalização.

O setor de fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente organiza um cronograma de vistorias em áreas verdes na cidade e também a partir de denúncias, fazendo vistorias em locais apontados pelos reclamantes. A sede no Centro Administrativo, na Av. Koeler, 87, Centro. O horário de funcionamento é de 9h às 18h, de segunda a sexta.

Depois de mais de 20 anos, o lixo não será mais depositado no chão antes de ser levado para o aterro de Três Rios

Mais de 20 anos de dano ambiental agora fazem parte do passado de Petrópolis. Graças ao esforço feito nos últimos dois anos para realizar obras no local, o transbordo de lixo passa a operar de forma totalmente adequada. O detrito que é coletado em toda cidade não é mais depositado no chão – todo resíduo sai dos caminhões direto para as carretas que fazem o transporte para o aterro de Três Rios.

Agora, toda a operação do transbordo ocupa apenas cerca de 1,5 mil m² da área total do terreno, que fica no km 79 da BR-040 (Duarte da Silveira). A obra feita no local é um muro de contenção que criou um andar superior, para onde vão os caminhões com o lixo coletado, enquanto as carretas ficam na parte de baixo – que agora é impermeabilizado. O detrito é despejado direto nas carretas. Antes, durante duas décadas, era necessário depositar os resíduos no chão e depois colocar nas carretas. Esse cenário não existe mais.

A área inferior foi impermeabilizada com uma camada de 16 centímetros de concreto. O espaço onde é feito o despejo do lixo tem uma cobertura para impedir o contato de águas pluviais e também uma tela para evitar que o vento arraste resíduos para a rodovia. Foi implantado um sistema de drenagem em todo terreno. Também há placas solares para gerar energia para o sistema de iluminação.

O local também está recebendo o plantio de cerca de 1,5 mil mudas de espécies nativas, com um ipê plantado no local onde mais era despejado, no centro do terreno – o objetivo é deixar como um marco da mudança radical do terreno, que agora respeita por completo o meio ambiente.

“Eu acompanho essa situação desde 2000. A gente tinha aqui um passivo ambiental muito sério. Desde que o governo começou, foi firmado um compromisso de que essa situação não ia continuar, que tinha que ter uma mudança. E através do TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) firmado com o Ministério Público Federal, a prefeitura, os órgãos ambientais, o Inea, foi possível virar esse jogo. Olhando isso aqui, sinceramente, tenho a certeza de que tudo que buscamos lá traz foi materializado. É o empenho dos meus funcionários e do governo que tornou possível trazer um novo conceito para cá, um conceito de respeito, de que podemos mais se todo mundo acredita que dá para fazer mais. Esse espaço nunca mais será degradado, como todo ambiente”, comemorou o diretor da PDCA, Jefferson Barreiros.

TAC com MP, prefeitura e órgãos ambientais

Todo processo de adequação do transbordo de lixo foi acompanhado de perto pelo Ministério Público Federal, pelo ICMBio e pela APA Petrópolis. O sistema de transferência passou por testes nos últimos 45 dias e agora a operação acontece definitivamente de forma adequada.

“Temos que ressaltar a importância dessa parceria entre estado, Inea, Secretaria de Meio Ambiente, prefeitura e a empresa que opera a estação de transbordo. Nós não estamos aqui apenas para fiscalizar e multar as empresas, mas para orientar e fazer o melhor possível para o desenvolvimento do município, simplificando e executando tudo que pode ser feito”, destacou o superintendente Regional do Piabanha (SUPPIB-INEA), Edmardo Campbell.

Além dessas obras, outros pontos determinados pelo TAC que foram providenciados pela PDCA – empresa que faz o transporte do lixo para o aterro de Três Rios e opera o transbordo – foram a limpeza da área de entorno do transbordo, instalação de tapume para que o lixo não seja arrastado para a pista, a diminuição da área utilizada no terreno. A empresa ainda fez uma pista de desaceleração e outra de aceleração, para evitar que os caminhões trafeguem com velocidade baixa na rodovia.

Hoje, cerca de 310 toneladas de lixo são coletadas diariamente em toda cidade pela Força Ambiental. O serviço passa em mais de 1,6 mil ruas ou localidades, de segunda a sábado ou então com intervalos de 48 horas. Todo resíduo coletado é levado para a estação de transbordo e colocada rapidamente nas carretas para o transporte.

Ações nas escolas e em espaços públicos se destacam na programação

O calendário do setor de Educação Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente para 2020 está disponível no site da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br). A programação conta com palestras em escolas, instalação de placas de sinalização em cachoeiras e trilhas, capacitação de professores, caminhadas ecológicas e as etapas da campanha de recolhimento de lixo eletrônico. As atividades fazem parte do projeto Inteligência Ambiental (IA) criado pela pasta em 2017 para conscientizar a população da importância da preservação da natureza.

Em março, estão previstas as reuniões do CONDEMA e do Conselho do Parque Natural. Além disso, no mesmo mês, professores da rede serão capacitados para atuarem dentro do IA. Uma etapa da campanha de recolhimento de lixo eletrônico está prevista para o dia 27. O calendário nas escolas, com palestras em parceria com a Coordenadoria de Bem-estar Animal (Cobea), está em fase final de elaboração.

Nas escolas, no primeiro semestre, serão desenvolvidos trabalhos em cima dos temas unidades de conservação e água, cidadania e patrimônio e meteorologia e Defesa Civil. Para o segundo, serão os eixos de bem-estar animal, resíduos sólidos e artesanato, sementes e atividades de reflorestamento com árvores da Mata Atlântica.

"O trabalho consiste em conscientizar a população e, principalmente, os jovens, de que o planeta já está em uma fase crítica de transformações por causa do uso excessivo dos recursos naturais", explica o responsável pelo setor de Educação Ambiental, Anderson Campos.

O projeto também criou a Cartilha da Educação Ambiental sobre a Unidade de Conservação Rebio Tinguá e está implantando placas de sinalizações educacionais socioambientais em todo município, inclusive nos distritos. 

Para a elaboração da metodologia das atividades, foram seis meses de trabalho com estudos e mapeamento, para produzir um diagnóstico real e eficaz do município, ainda no primeiro ano da gestão.  “Queremos aumentar as vertentes da Educação Ambiental. A ideia é evidenciar as ações para todo o município”, aponta Anderson Campos.

Segunda, 17 Fevereiro 2020 - 18:17

Cobea prepara calendário de ações nas escolas

Palestras, rodas de conversa e a entrega de material educativo para os alunos estão previstas

A Coordenadoria de Bem-estar Animal (Cobea) está preparando um calendário de atividades educativas nas escolas da rede municipal. Ao longo do ano, serão realizas palestras, rodas de conversa e a distribuição de material sobre adoção responsável para os alunos. A ideia é fortalecer a compaixão e o respeito pelos animais nas crianças e adolescentes. A iniciativa será em parceria com o setor de Educação Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente e começa em março, com um curso para os profissionais de ensino.

"Será mais uma iniciativa da prefeitura com foco na conscientização dos alunos", garante Anderson Campos, responsável pelo setor de educação ambiental da Secretaria de Meio Ambiente.

Desde o início da gestão, as políticas públicas voltadas para a causa animal avançaram no município. Recentemente, o prefeito apresentou o castramóvel para dar continuidade às ações de controle da população de cães e gatos. Para iniciar o programa de castrações, a Secretaria de Saúde já iniciou os processos de licenciamento para o funcionamento do equipamento e também de contratação de pessoal e de insumos.

Outra notícia importante neste sentido foi o fim do uso de cavalos em charretes de passeios. Este anúncio foi feito pelo chefe do executivo em março do ano passado, após 117 mil pessoas votarem pelo fim do uso dos animais para o trabalho. Também neste sentido, a prefeitura criou o Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais (Comupa) e implementou, também em 2019, a Semana Municipal de Proteção Animal.

Outras novidades são as leis que proíbem as cirurgias com fins estéticos em animais e do uso e a comercialização de coleiras de choque. Outro pedido antigo dos protetores e que se tornou realidade nesta gestão, foi a realização do 1º Outubro Rosa Pet, graças à parceria entre a Coordenadoria de Bem-estar Animal (Cobea) e a clínica veterinária Patas e Pelos.

Pedido antigo dos protetores, o Comupa permite o debate de campanhas que visam à proteção e defesa animal, assim como as medidas para a conservação da fauna silvestre e a manutenção dos seus ecossistemas. A próxima reunião acontece na Casa dos Conselhos no dia 20 de fevereiro. Também será criado o Fundo Municipal de Proteção e Defesa dos Animais (FMPDA), com seus recursos voltados para a elaboração de programas e ações indicados pelo conselho.

Já a criação Semana Municipal de Proteção Animal, prevê a realização de campanhas de conscientização sobre bem-estar animal, guarda responsável, importância da vacinação e do controle reprodutivo de cães e gatos na primeira semana do mês de outubro.

A Secretaria de Meio Ambiente está funcionando em novo endereço, em um prédio na Av. Koeler, 87, no Centro. O atendimento ao púbico funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h. Podem ser feitos os pedidos de licenciamento, autorização e certidão ambiental, além das denúncias de crimes ambientais e os pedidos de avaliação em árvores e terrenos.

O prefeito apresentou hoje (29.01) aos protetores dos animais e a população em geral, o castramóvel que acaba de ser adquirido pelo município. O veículo foi exposto na Praça Dom Pedro II e é considerado um marco nas ações em prol da causa animal. O veículo percorrerá regiões de Petrópolis para dar continuidade às ações de controle da população de cães e gatos.

A unidade móvel de castração possui duas mesas cirúrgicas, unidades de repouso dos animais, pias para higienização, mesa para anestesia e balanças para pesagem dos animais, geladeira e também banheiro. O veículo foi adquirido com verba parlamentar. O trabalho de castrações será desenvolvido pela Vigilância Ambiental, da Secretaria de Saúde em parceria com a Coordenadoria de Bem-Estar Animal.

Segundo Elisabeth Wildberger, diretora de Vigilância em Saúde, para iniciar o programa de castrações ainda é necessária a devida autorização de órgãos competentes. A Secretaria de Saúde já iniciou o processo licitatório para a aquisição de insumos cirúrgicos e processo de contratação de profissionais veterinários para atuarem no castramóvel.  O programa de castrações será desenvolvido junto às áreas de população carente e também em parceria com os protetores de animais das regiões que receberão o castramóvel.

Protetora há 11 anos, Andrea Santos, que é conselheira do Conselho Municipal de Proteção aos Animais, o castramóvel é uma importante ferramenta em prol da causa animal do município. “É de uma importância gigantesca esta aquisição para o nosso município. Estamos muito felizes com esta conquista. Estamos lutando por isso há muitos anos”, disse.

O Instituto Estadual de Ambiente (Inea) vai iniciar obras emergenciais no túnel extravasor do Rio Palatinato nesta sexta-feira (17.01). Os trabalhos vão começar no trecho final da galeria, na Rua Francisco Scali (Quissamã), com prioridade para garantir a segurança de duas casas que foram interditadas pela Defesa civil no local. Em seguida, será feita a recuperação dos trechos que ficaram danificados em função da chuva deste início de ano.

O local que receberá as equipes foi vistoriado no fim da tarde desta quinta-feira (16.01) para definição de detalhes para o início da mobilização dos funcionários. Além de técnicos do Inea, o prefeito também esteve no local e conversou com os moradores.

O diretor adjunto de recuperação ambiental (DIRAM-Inea), Edson Falcão, garantiu que a prioridade é dar estabilidade das edificações próximas e, ao mesmo tempo, fazer a recuperação do túnel extravasor. Uma casa que estava parcialmente interditada foi totalmente interditada pela Defesa Civil – um imóvel vizinho também está interditado.

Serviços de recuperação da cidade

Os trabalhos de recuperação da cidade em função das chuvas do início do ano continuam em diferentes pontos. O prefeito  acompanhou algumas das intervenções de maior porte, como a manutenção de calçamento no Parque São Vicente, e de rede de águas pluviais, na Rua Getúlio Vargas, em no Quitandinha.

“A prefeitura está de parabéns pela atuação rápida após a chuva. Estou satisfeita e impressionada com a rapidez”, falou a moradora do Quitandinha, Clarice do Nascimento.

A manutenção de galerias também aconteceu na Rua Santa Catarina (Quitandinha) e na comunidade Pedras Brancas (Mosela).

A Comdep promoveu limpeza manual do extravasor da Rua Raul Veiga (Dr. Thouzet) e raspagem de lama na comunidade do Contorno.

O serviço de aplicação de asfalto foi levado para 15 ruas de Quarteirão Brasileiro, Bairro Castrioto, Mosela, Duchas, Quitandinha, Bingen e Centro, além do trecho da União e Indústria em Corrêas.

Em 12 dias – entre 2 e 14 de janeiro – a Defesa Civil registrou 540 ocorrências ocasionadas pelas fortes chuvas. Neste mesmo período do ano passado, foram apenas 51 solicitações de atendimento. O órgão trabalha para que o atendimento seja feito da melhor maneira no menor tempo possível. 

Por causa da chuva nos últimos dias, 19 imóveis estão interditados pela Defesa Civil, sendo oito na Rua Piauí, cinco na Rua Alagoas e mais um na Rua Rio de Janeiro, todos esses no Quitandinha. Também estão interditadas casas na Rua Atílio Marotti, no Retiro, Rua dos Ferroviários, no Alto da Serra, Estrada da Saudade, Alto Independência e Mosela.

Até o momento, 53 famílias foram atendidas no ponto de apoio do Quitandinha, na Rua Amazonas, que fica na Escola Municipal Stefan Zweig. E outras oito famílias em bairros como Mosela, Alto Independência e Estrada da Saudade. As famílias foram atendidas e cadastradas pela Secretaria de Assistência Social, que a partir da análise do perfil social individual irá verificar em que programa social cada uma delas deverá ser inserida.

Pagina 7 de 47