Teve início nesta terça-feira (10.12) o Serviço de Castração Gratuita para as regiões de Pedro do Rio, Secretário, Posse e Brejal promovido pela Prefeitura de Petrópolis. Estão previstas 1.600 esterilizações de cães e gatos. O serviço atua no controle populacional de animais no município.

As castrações, que estão sendo concentradas no CEU da Posse, ocorrerão até a próxima terça-feira (17.12) e os animais que passarão pelas cirurgias neste período foram cadastrados previamente pela Coordenadoria de Vigilância Ambiental, da Secretaria Municipal de Saúde. A contratação da empresa para prestar o serviço foi feita por meio de licitação. Os procedimentos estão sendo realizados em dois ônibus adaptados para centro cirúrgico e recuperação pós-anestésica. Também foram montadas tendas para triagem e pré-anestésica dos bichos. A equipe conta com cirurgiões e demais veterinários, além de auxiliares.

O cadastramento dos animais na Posse e Brejal foi feito por Agentes Comunitários de Saúde e em Secretário e Pedro do Rio houve ponto de cadastramento. Além de ajudar no controle populacional dos animais, as castrações previnem as doenças da esfera reprodutiva e ajudam no controle de algumas zoonoses, como por exemplo a esporotricose, informou a veterinária Maria Beatriz Pellegrini.

No ano passado, foram castrados animais de Corrêas, Castelo São Manoel, Bairro da Glória, Caetitu, Itaipava, Madame Machado e arredores.

Serão plantadas 1.600 mudas em um terreno no Vale do Cuiabá no dia 14 de dezembro

O maior plantio coletivo de árvores da Região Serrana. O Desafio Mais Mata Atlântica, promovido pela prefeitura em parceria com o Instituto da Criança, viação Cidade das Hortênsias e o Projeto Água, será realizado no dia 14 de dezembro, das 9h às 13h, na Estrada Nova Esperança, que fica no Vale do Cuiabá. A meta é colocar 1.600 mudas em um espaço de 10 mil metros quadrados. Participam da ação equipes da Secretaria de Meio Ambiente, Comdep, Associação de Moradores da região e mais 80 voluntários. Com essa iniciativa, o governo municipal vai conseguir ultrapassar a marca de dez mil novas árvores plantadas em três anos de gestão.

O terreno reflorestado será um espaço que foi usado para abrigar os sobreviventes da tragédia de 2011. A ação está baseada em um plano de recuperação ambiental criado pelo engenheiro florestal Flávio Bandeira, que integra o corpo técnico da Secretaria de Meio Ambiente. “Vamos respeitar tudo que está escrito nesse plano, como o tipo de árvore que vai ser colocado e o espaçamento necessário entre elas”, explica o responsável pelo setor de educação ambiental, Anderson Campos.

A Secretaria de Meio Ambiente também garantiu que fará o acompanhamento dessas árvores após o plantio, respeitando o que for indicado pelos técnicos da pasta. Neste sentido, o Instituto da Criança e os moradores da região também irão auxiliar.   

Com essa iniciativa, o Meio Ambiente vai conseguir ultrapassar a marca de dez mil novas árvores plantadas em três anos de gestão. Grande parte deste trabalho envolve os alunos da rede municipal. Em parceria com o projeto Água, são 3.400 mudas colocadas com a participação dos estudantes. A pasta também já fez a doação de mudas para associações de moradores que fazem o reflorestamento de áreas afetadas por queimadas, por exemplo. São 560 plantadas com esse objetivo.

O plantio coletivo é mais uma ação do projeto Inteligência Ambiental (IA) do setor de educação ambiental, criado pela Secretaria de Meio Ambiente em 2017 com o objetivo de conscientizar a população da importância da preservação ambiental. Em dois anos, o IA envolveu mais de 3 mil alunos em atividades de educação ambiental variadas, como apresentação de eco filmes informativos, caminhadas ecológicas e palestras.

 

Terça, 03 Dezembro 2019 - 18:27

Rio Limpo continua em outros pontos do Piabanha

O programa Rio Limpo continua sendo feito em outros pontos do Rio Piabanha, no Centro. Nesta terça-feira (03.12), o serviço aconteceu na Av. Koeler. Antes, as equipes já haviam atuado no entorno do Palácio de Cristal e na Rua Padre Feijó. O trabalho consiste na retirada de areia, pedras, mato e lixo que podem atrapalhar o curso natural da água e, assim, causa transbordamentos em dias de chuvas mais intensas. Na maioria das vezes, os sedimentos são arrastados de forma natural pelo vento ou pela própria água. É uma das ações da prefeitura dentro do Plano Verão 2020 para minimizar os efeitos da chuva na cidade.

A etapa na Praça Dom Pedro, no Centro, da campanha de recolhimento de lixo eletrônico arrecadou mais de 300 kg de material na última sexta-feira (29.11) e no sábado (30). Foram entregues os mais variados produtos, como monitores e peças de computadores, televisores, impressoras e ventiladores, que foram encaminhados para o Centro de Excelência e Referência Tecnológica (CERT) nesta segunda (02). A iniciativa da Secretaria de Meio Ambiente tem a finalidade de facilitar o descarte correto dos produtos eletrônicos.

A campanha, que teve início em dezembro do ano passado, recolheu quase cinco toneladas de material em dez etapas realizadas. Outro objetivo da ação é conscientizar os petropolitanos sobre o quanto esse tipo de produto pode prejudicar a natureza.

O lixo eletrônico contém substâncias como chumbo, mercúrio, cádmio e berílio que, ao serem descartados incorretamente, poluem o meio ambiente. De acordo com a Organizações das Nações Unidas (ONU), em 2017 foram gerados 44,7 milhões de toneladas desse tipo de resíduo em todo o mundo, sendo que até 2021 esse número deve crescer 17%.

“Além do recolhimento, orientamos também a população sobre a importância do descarte correto do lixo doméstico e de preservar a natureza. Já realizamos a campanha em Nogueira e em Corrêas, facilitando a vida de quem mora nos bairros. No ano que vem, estamos planejando realizar a campanha em mais locais”, disse o responsável pelo setor de educação ambiental da pasta, Anderson Campos.

Com mais essa iniciativa com foco na preservação ambiental, a prefeitura está cumprindo a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

A campanha é mais uma ação do projeto Inteligência Ambiental (IA) do setor de educação ambiental, criado pela Secretaria de Meio Ambiente em 2017 com o objetivo de conscientizar a população da importância da preservação ambiental. Em mais de dois anos, o IA envolveu mais de cinco mil alunos em atividades de educação ambiental variadas, como apresentação de eco filmes informativos, caminhadas ecológicas e palestras.

A Secretaria de Meio Ambiente vai dar continuidade a campanha de recolhimento de lixo eletrônico nesta sexta-feira (29.09) e no sábado (30) no Centro da cidade. O ponto de coleta vai permanecer nos dois dias na Praça Dom Pedro, das 10h às 17h, recebendo o material. A ação tem a finalidade de facilitar para a população o descarte correto dos produtos eletrônicos, além de conscientizar os petropolitanos sobre o quanto esse tipo de material pode prejudicar a natureza.

Na barraca, as pessoas podem deixar diversos equipamentos eletrônicos, como celulares, computadores, câmeras digitais, notebooks e tablets, que estejam obsoletos ou com algum defeito e que não sejam mais utilizados. A Secretaria de Meio Ambiente conta com o apoio da Recicla Ambiental –empresa de reciclagem que vai receber o material – além da Comdep e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

De acordo com a ONU, em 2017 foram gerados 44,7 milhões de toneladas desse tipo de resíduo em todo o mundo, sendo que até 2021 esse número deve crescer 17%. O objetivo do município é andar na contramão desses números. Com mais essa campanha com foco na preservação do meio ambiente, a prefeitura está cumprindo a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

“Além do recolhimento, orientamos a população sobre a importância do descarte correto do lixo doméstico e de preservar a natureza. É um pedido do prefeito Bernardo Rossi, que a gente fortaleça o trabalho de orientação que também é feito nas escolas e nas comunidades” garante o responsável pelo setor de educação ambiental da pasta, Anderson Campos.

A campanha é mais uma ação do projeto Inteligência Ambiental (IA) do setor de educação ambiental, criado pela Secretaria de Meio Ambiente em 2017 com o objetivo de conscientizar a população da importância da preservação ambiental. Em dois anos, o IA envolveu mais de 3 mil alunos em atividades de educação ambiental variadas, como apresentação de eco filmes informativos, caminhadas ecológicas e palestras.

 

A Secretaria de Meio Ambiente promove nesta terça-feira (12.11) um curso de capacitação para professores da rede municipal de ensino sobre Sementes e Árvores da Mata Atlântica. O treinamento tem como objetivo mostrar novas possibilidades de atividades para os profissionais de ensino, chamando a atenção dos jovens com relação ao assunto dentro de sala de aula. A atividade acontece no Teatro Afonso Arinos, no Centro de Cultura Raul de Leoni, às 9h, sendo ministrada pela bióloga Letícia Guimarães, profissional com experiência na Fiocruz e no Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Ao longo deste ano, os professores da rede estão participando do curso de educação ambiental. São aulas teóricas e práticas, divididas em seis módulos: Unidade de Conservação e Água; Cidadania e patrimônio; Meteorologia e Defesa Civil; Lixo, Coleta Seletiva e Artesanato; Bem-estar Animal e Sementes e Árvores da Mata Atlântica. No último mês, foi abordado o tema Bem-estar Animal.

As ações fazem parte do projeto Inteligência Ambiental criado pela atual gestão. “A ideia é que os profissionais de ensino pratiquem e promovam atividades relacionadas aos temas em sala de aula com os alunos. Queremos cada vez mais estimular os jovens a refletirem sobre a questão ambiental", explica Anderson Campos, responsável pelo setor de Educação Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente.

Vale salientar que o curso atende a Lei de Educação Ambiental nº 9.795/99 e está em consonância com os princípios e diretrizes da lei municipal de Petrópolis n º 7.034/12 da política de Educação Ambiental.

Iniciativa fará parte do calendário oficial de eventos da Prefeitura no mês de outubro

As políticas públicas voltadas para a proteção animal seguem avançando em Petrópolis: a Prefeitura sancionou a lei nº 7.878 criando a Semana Municipal de Proteção Animal. Publicada no Diário Oficial de 30 de outubro, a novidade prevê a realização de campanhas de conscientização sobre bem-estar animal, guarda responsável, importância da vacinação e do controle reprodutivo de cães e gatos na primeira semana do mês de outubro. Também estão previstas palestras nas escolas municipais neste mesmo período. A partir de agora, o executivo vai fazer a regulamentação da lei.

Recentemente, o prefeito também sancionou a lei que proíbe o uso e a comercialização de coleiras de choque, além da prefeitura ter criado o Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais, o COMUPA, entre diversas outras ações neste sentido.

A Coordenadoria de Bem-estar Animal (Cobea) realizou em outubro uma série de atividades com alunos e professores da rede municipal, com palestras e eventos de conscientização. Além desse trabalho, também aconteceu o 1º Outubro Rosa Pet - em parceria com a veterinária Patas e Pelos - e que contou com mais de 200 pessoas envolvidas. Neste evento, a “cãominhada” no entorno da Praça da Liberdade foi o destaque.

"Vamos ampliar a programação do Outubro Rosa Pet no ano que vem, para que ainda mais pessoas participem. Agora, com a lei da Semana Municipal de Proteção Animal, será possível realizarmos outras atividades. O bem-estar animal é um assunto cada vez mais presente e que faz parte do dia a dia da população. Estamos avançando nesse sentido", disse Renato Couto, coordenador de Bem-estar Animal.

Outra novidade foi a proibição das cirurgias com fins estéticos em animais, que já é realidade em Petrópolis. As medidas previstas na lei nº 7.853 passaram a valer no município para evitar a realização, por exemplo, de retirada ou corte da cauda e das orelhas em cães e gatos, consideradas mutilações e maus-tratos.

Três dessas cirurgias agora proibidas por lei acontecem em cães: a caudectomia (retirada ou corte da cauda); a cordectomia (retirada das cordas vocais) e a conchectomia (corte na orelha). A onicectomia é a extração das unhas dos gatos e a proibição também está prevista na norma.

"Se o cachorro late muito, por exemplo, o ideal é procurar por adestrador. Se o gato arranha o sofá, é porque essa é uma manifestação natural do felino. É uma questão de esclarecer o dono do animal e explicar que esses procedimentos não são a solução", destaca Renato Couto.

As obras para adequação da estação de transbordo de lixo, que fica no km 79 da BR-040 (Duarte da Silveira), estão avançando. O local recebe todo resíduo domiciliar coletado na cidade, que é transferido para carretas que fazem o transporte para o aterro de Três Rios. A previsão é de que a transferência seja feita de forma correta entre o fim deste mês e início de dezembro, quando serão finalizadas as últimas intervenções no espaço. Nesta segunda-feira (04.11), a Secretaria de Meio Ambiente, a Comdep e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) vistoriaram o espaço e verificaram o progresso do trabalho no local.

Dessa forma, o município dará solução para uma situação que se arrasta há 20 anos e estará cumprindo integralmente o Termo de Ajustamento de Conduta mantido junto ao MPF, ICMBio e APA Petrópolis. As obras são realizadas pela PDCA, empresa que faz o transporte do lixo para aterro de Três Rios e administra a estação de transbordo.

A concretagem do piso onde ficarão as carretas (em uma parte inferior), um muro de contenção e a concretagem do piso que será utilizado pelos caminhões de coleta de lixo (no andar superior) já foram totalmente finalizados. A área também está sendo reflorestada e vai receber cerca de 1,5 mil mudas de espécies nativas – quase metade delas já plantadas.

A pavimentação de uma rampa de acesso e a instalação de uma cobertura com painéis solares na área de operação são dois dos próximos passos do trabalho. Esse espaço também terá uma tela que vai impedir que o lixo acabe sendo espalhado pelo vento.

“Com isso, a gente já pode começar a operar tudo de forma adequada, jogando o lixo direto dos caminhões para as carretas. Depois disso, o último passo será finalizar as duas pistas de desaceleração para entrada na estação e aceleração para volta para a pista”, explica o diretor da PDCA, Jefferson Barreiros.

“O progresso dessa obra mostra a união no município e o esforço da prefeitura, do Inea e da empresa em acabar com esse passivo ambiental de 20 anos. O caminho é exatamente esse, reunir todos os envolvidos para trazer a solução que as cidades precisam”, acredita o superintendente Regional do Piabanha (SUPPIB-INEA), Edmardo Campbell.

Atualmente, o município recolhe cerca de 310 toneladas de lixo diariamente. São 1.633 ruas ou localidades que são atendidas com coleta de segunda a sábado ou com intervalos de 48 horas pela Força Ambiental. Todo lixo é levado para o transbordo e rapidamente colocada em carretas para o transporte para Três Rios.

Todo processo de adequação do transbordo de lixo é acompanhado de perto pelo Ministério Público Federal, pelo ICMBio e pela APA Petrópolis. Além dessas obras, outros pontos determinados pelo TAC que já foram providenciados foram a limpeza da área de entorno do transbordo, instalação de tapume para que o lixo não seja arrastado para a pista, a diminuição da área utilizada no terreno.

Trabalho vem sendo realizado nas escolas, comunidades e conta com o apoio de órgãos ambientais

Cercada 70% por Mata Atlântica, Petrópolis é destaque quando o assunto é reflorestamento: em dez meses, a Secretaria de Meio Ambiente plantou 8.480 mudas de árvores. Entre os benefícios dessa ação estão a preservação de cursos de água, conservação da biodiversidade - com o restauro do habitat de várias espécies de flora e fauna - conscientização e a mudança de comportamento, quando a iniciativa envolve crianças e adolescentes. Até o fim do ano, a meta da prefeitura é ultrapassar a marca de dez mil novas árvores plantadas.

Grande parte deste trabalho envolve os alunos da rede municipal. Em parceria com o projeto Água, são 3.400 mudas plantadas com a participação dos estudantes. O objetivo deste trabalho é envolver os jovens das mais diversas faixas etárias e que são multiplicadores de conhecimento. São assuntos que refletem no dia a dia de cada um deles.

O Meio Ambiente também já fez a doação de mudas para associações de moradores que fazem o reflorestamento de áreas afetadas por queimadas, por exemplo. São 560 árvores plantadas com esse objetivo. "Já fizemos a entrega no Madame Machado, Morin e Carangola, e acompanhamos o desenvolvimento dessas mudas", garante o responsável pelo setor de educação ambiental da pasta, Anderson Campos.

Também foram feitas doações para escolas particulares, além da distribuição na Praça Dom Pedro na programação do Dia da Árvore e na Semana do Meio Ambiente. A pasta irá fazer mais duas ações de reflorestamento ainda esse ano: uma no Vale do Cuiabá e outra em Itaipava.

A Coordenadoria de Bem-estar Animal (Cobea) promove na próxima quarta-feira (30.11) um curso de capacitação sobre bem-estar animal e guarda responsável para professores da rede municipal. O objetivo é mostrar novas possibilidades de atividades para os profissionais de ensino, chamando a atenção dos estudantes com relação aos assuntos. O curso, que acontece na Casa dos Conselhos de 9h às 11h, tem parceria com o setor de educação ambiental da Secretaria de Meio Ambiente.

 "O trabalho em sala de aula é fundamental e o nosso objetivo é apresentar novas possibilidades para os professores. A gente quer que os alunos disseminem essa informação em casa, com os familiares, e em toda a comunidade, com os amigos e conhecidos. O bem-estar animal é um assunto importante para a sociedade e deve ser tratado desde a infância", disse Renato Couto, coordenador de Bem-estar Animal.

Neste ano, por exemplo, a Cobea recebeu 439 denúncias de casos de maus tratos em todo o município. Com o trabalho nas escolas, o objetivo é que esse número diminua no futuro. Neste mês, a coordenadoria também promoveu um "aulão" para 50 alunos da Escola Municipal Geraldo Ventura. O mesmo trabalho também será desenvolvido em outras escolas.

Ao longo deste ano, os professores da rede estão participando do curso de educação ambiental. São aulas teóricas e práticas, divididas em seis módulos: Unidade de Conservação e Água; Cidadania e patrimônio; Meteorologia e Defesa Civil; Lixo, Coleta Seletiva e Artesanato; Bem-estar Animal e Sementes e Árvores da Mata Atlântica. O bem-estar animal é uma novidade neste mês.

“Através do curso os professores também estão tendo a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o projeto Inteligência Ambiental que norteia as atividades relacionadas a educação ambiental da Secretaria de Meio Ambiente. A ideia é que os profissionais pratiquem e promovam atividades relacionadas também ao bem-estar animal com os alunos", explicou Anderson Campos, responsável pelo setor de Educação Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente.

Vale salientar que o curso atende a Lei de Educação Ambiental nº 9.795/99 e está em consonância com os princípios e diretrizes da lei municipal de Petrópolis n º 7.034/12 da política de Educação Ambiental.

Pagina 9 de 47