Obra, retomada pela Prefeitura neste ano, restaura áreas externa e interna do símbolo da cidade

Quando o Palácio de Cristal for reaberto, antes da Bauernfest, os petropolitanos e turistas vão desfrutar de uma inovação de que poucos espaços públicos ao ar livre dispõem no país: o piso fulget, em lugar do antigo pedrisco. O novo piso usa a tecnologia para manter estética semelhante, mas com maior conforto, além de ser antiderrapante e permeável à agua da chuva. A moderna pavimentação vai agregar ainda mais valor estético a um dos bens históricos mais conhecidos de Petrópolis.

A adoção do fulget é uma das novidades da reforma do Palácio de Cristal – todas, aprovadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O monumento em ferro e vidro, que remonta ao século XIX, vai ser entregue ao público ao fim de obras.

O prefeito Rubens Bomtempo destaca a relevância da reabertura do Palácio de Cristal com o novo piso da área ajardinada e outras novidades.

“Estamos unindo tradição histórica e tecnologia a serviço do melhor atendimento dos petropolitanos e de nossos visitantes, valorizando um bem de características únicas no Brasil”, assinala. A entrega da reforma está prevista para junho, dois meses antes da edição 2022 da Bauernfest.

Qualidade e estética

O fulget é uma técnica de pavimentação que utiliza granito e quartzo triturados e aglutinados com resina, proporcionando drenagem e resistência. Adotado em espaços como o Terreirão do Samba, no centro carioca, e na área externa da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp), no bairro paulistano do Butantã, o novo piso será aplicado nos quase 600 metros de passeios do jardim do palácio – uma área pavimentada de 2.240 metros, das quais 780 metros vão suportar o peso de veículos.

Os caminhos de fulget ao redor do Palácio de Cristal terão placa desse material com espessura de 2,5 centímetros, sobre camada de 16 centímetros de pedra britada, assentada em solo compactado. Para eficiência da drenagem nos dias de chuva, um sistema de recepção de água instalada em meio à brita será conectado à rede pluvial. No trecho com capacidade para automóveis, ligado ao portão lateral do jardim, o fulget terá base de concreto.

“Vamos incorporar não somente um piso de característica drenante à estética do Palácio de Cristal, mas também de melhor qualidade, sem fugir visualmente do que existia antes”, diz na Secretaria de Obras, Habitação e Regularização Fundiária da Prefeitura o engenheiro Diego Cariús Machado, do Departamento de Obras Públicas. Responsável pelo acompanhamento da reforma, ele explica que o fulget será aplicado na fase final de replantio do jardim.

Revitalização integral

O investimento na reforma do Palácio de Cristal está dividido em dois contratos de obras. O mais antigo abrange a recuperação da área externa, incluída a instalação do piso fulget, a recuperação dos banheiros e a instalação de elevador de acesso a eles, no subsolo.

O segundo contrato de obras foi firmado em fevereiro deste ano, após o levantamento arqueológico intensivo no terreno do palácio, que levou à paralisação das obras entre abril de 2021 e o início de 2022. O contrato selado em fevereiro inclui serviços como a recuperação e pintura dos forros de madeira do palácio, da portaria e dos gradis do muro, pintura da estrutura de ferro e da cobertura, impermeabilização das bases dos chafarizes, troca de vidros e rejuntamento do piso interno.

“Sem as obras que iniciamos em fevereiro, teríamos uma área externa recuperada e nova, mas o Palácio de Cristal, em vez de passar por revitalização, estaria com pintura desgastada e vários outros problemas”, diz o engenheiro Diego Cariús Machado, para destacar que o segundo contrato de obras complementa o primeiro, garantindo a completa revitalização de um dos mais famosos cartões-postais de Petrópolis.

Rio Palatino, na Rua do Imperador, e o Rio Quitandinha, na altura da Rua Coronel Veiga, vão receber as intervenções

A Prefeitura, por meio da Comdep, e o Instituto Estadual de Meio Ambiente (Inea), seguem avançando com a dragagem e limpeza dos rios da cidade. Nesta semana, as equipes estão trabalhando no leito e margem do rio na altura da Avenida Koeler e vão seguir nos próximos dias, em direção à Rua Roberto da Silveira, Rua Padre Siqueira e Av. Tiradentes. O Rio Palatino, na Rua do Imperador; e o Rio Quitandinha na altura da Rua Coronel Veiga, também vão receber as intervenções nos próximos dias.

A matriz definida pela 4ª Vara Cível estipulou que o Governo do Estado tem a responsabilidade pela dragagem dos rios. Mesmo assim, o município iniciou ação conjunta para garantir a recuperação da cidade no menor prazo possível. As intervenções começaram no mês de março, no rio Piabanha, no trecho do Palácio de Cristal, entre as Avenidas Barão do Rio Branco e Piabanha.

“Muito material ficou acumulado nos rios após as chuvas. Por isso, estamos somando forças com o Governo do Estado para acelerar o processo de limpeza dos rios. A Comdep tem equipe especializada e com grande conhecimento na dragagem dos rios de Petrópolis. São profissionais preparados e que conhecem muito bem os leitos dos rios”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.

Recuperação das margens dos rios e bancos de areia removidos

Ao todo, duas escavadeiras hidráulicas, um trator e 10 caminhões estão sendo utilizados na execução do trabalho. O trabalho vai além da dragagem do leito dos rios: todo o mato que se acumulou ao redor do rio está sendo retirado, assim como os bancos de areia e lixo estão sendo removidos. As equipes de jardinagem da Comdep estão recuperando os canteiros e fazendo o plantio das flores que ficam nas margens dos rios.

“Muitas vezes, os sedimentos são empurrados de forma natural pela água ou pelo vento. Porém, muito lixo tem sido encontrado no leito dos rios. É importante que a população tenha o cuidado de não jogar lixo e não deixar resto de material na beira dos rios.”, destacou o diretor-presidente da Comdep, Léo França.

A ação conjunta segue acontecendo em toda a extensão dos rios que cortam a cidade, ao longo das próximas semanas.

Aval às obras foi dado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

O aval às obras de reforma do Palácio de Cristal foi reafirmado à Prefeitura, nesta segunda-feira (2), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Em reunião no escritório técnico do Iphan na Região Serrana, no Centro, o secretário municipal de Obras, Habitação e Regularização Fundiária, Almir Schmidt, expôs o andamento dos trabalhos ao representante regional do instituto, Thiago Fonseca, reforçando o diálogo retomado junto com o reinício da reforma, no início de abril.

O projeto de reforma abrange serviços internos e externos. Na edificação, o trabalho inclui a recuperação da instalação elétrica, cobertura e piso, assim como a pintura da estrutura de ferro; fora, a restauração do jardim e a melhoria dos passeios. Além de atender aos requisitos de acessibilidade para pessoas com deficiência, as obras vão melhorar a segurança e o conforto dos visitantes na parte externa, com substituição do piso de saibro por pavimento de fulget, feito com granulado de pedras.

O secretário Almir Schmidt destacou como saldo da reunião “o entendimento e o diálogo para devolvermos aos petropolitanos e turistas o Palácio de Cristal”, tombado como patrimônio histórico e arquitetônico pela União. Ao lado de Schmidt, estiveram na reunião o subsecretário Aldir Cony dos Santos, a diretora de projeto da secretaria, Virna Jacomo, e o coordenador de Planejamento e Gestão Estratégica da Prefeitura, Thiago Damaceno. Pelo Iphan, participou também a arquiteta Cláudia Rocha, do escritório serrano.

A Prefeitura está trabalhando em nove obras de contenção na cidade: Avenida Piabanha, Rua Saldanha Marinho, Rua Afrânio Melo Franco (Quitandinha), Rua Coronel Veiga, Avenida Barão do Rio Branco, Rua Bingen e ponte de Corrêas. Somente na Rua Bingen, são três contenções.

Os nove pontos são margens de rios que cederam com as chuvas de 15 de fevereiro e 20 de março. Para a recuperação dessas margens, a Prefeitura, por meio da Secretaria de Obras, está construindo muros de gabião (estruturas de pedras armadas com telas metálicas).

"Os estragos causados pelas chuvas deste ano foram sem precedentes. As encostas, as ruas e as margens dos rios foram duramente atingidos, comprometendo o funcionamento da cidade. A Prefeitura está trabalhando nesses nove pontos, para que sejam recuperados o quanto antes e de forma segura, com contenções de qualidade", disse o prefeito Rubens Bomtempo.

Das nove obras, quatro já estão mais avançadas: Avenida Piabanha, Rua Saldanha Marinho e duas na Rua Bingen. As outras cinco estão em estágio inicial.

Para as nove obras, a Prefeitura utiliza recursos da União e da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), encaminhados ao município em função das chuvas de 15 de fevereiro. Há ainda, nessas obras, recursos próprios do município, como contrapartida aos recursos recebidos.

Portão será instalado no local e somente moradores cadastrados vão poder passar pela área

A Prefeitura fez a demolição do muro que separa a Rua do Túnel e a antiga fábrica de veludo. A área vai funcionar como rota alternativa segura para moradores de áreas que não foram interditadas pela Defesa Civil.

Um portão será instalado no local, e somente moradores cadastrados poderão passar pela área, assim como serviços essenciais, como a coleta de lixo e ambulâncias. A rota segura passa por dentro da antiga fábrica, com saída pelo portão principal, na Rua Quissamã (já próximo ao Itamarati).

A Prefeitura chegou a um acordo amigável com o proprietário do local. “A medida foi tomada em comum acordo para garantir a acessibilidade e segurança dos moradores, após conversa que contou com a colaboração da Procuradoria-Geral do Município”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.

Durante uma audiência com o poder judiciário e a Prefeitura, realizada no dia 24 de março na 4ª Vara Cível, o Governo do Estado ficou com a responsabilidade fazer a obra emergencial no túnel extravasor do Rio Palatino - no trecho do Quissamã e também na entrada do túnel, na Rua Souza Franco, no Centro.

Ainda ficou estabelecido um prazo de 45 dias para que o Governo do Estado e o INEA iniciem a obra, com previsão de seis meses para a conclusão da obra.

A Prefeitura cobra da gestão estadual, desde 2014, as intervenções para garantir segurança dos moradores.

Estão previstas intervenções na parte elétrica, revestimento de paredes, tetos e piso e impermeabilização do espaço

A Prefeitura de Petrópolis retomou as obras de reforma do Palácio de Cristal, no Centro Histórico. No projeto estão previstas intervenções na parte elétrica, revestimento de paredes, tetos e piso, impermeabilização do espaço, além de limpeza dos vidros, remoção de pichação dos monumentos históricos, pintura interna e externa, entre outras ações. O escopo engloba tanto o palácio como as portarias e gradil externo.

O processo de licitação para contratação da empresa que está executando as intervenções foi realizado em fevereiro e teve como empresa selecionada a Engeprat Engenharia e Serviços Ltda. A execução da obra foi publicada em Diário Oficial nesta terça-feira (5).

“O Palácio de Cristal é um dos atrativos turísticos mais importantes da cidade. As obras estavam acontecendo apenas na parte externa e abrimos licitação para garantir que o palácio também fosse restaurado. Precisamos resgatar a imagem de Petrópolis e aos poucos retomar o turismo, que é um setor econômico importante da nossa cidade”, ressaltou o prefeito Rubens Bomtempo.

Para a secretária de Turismo, Silvia Guedon, a reforma vai garantir que o local seja usado com segurança. “O Palácio de Cristal é nosso aparelho cultural mais emblemático. É palco de inúmeros eventos e é um símbolo da nossa cidade fora do país. A reforma era necessária”, pontua.

Sobre o Palácio de Cristal

Sua estrutura pré-moldada em ferro fundido foi encomendada a uma fundição francesa pelo Conde D’Eu, sendo montada em Petrópolis pelo engenheiro Eduardo Bonjean. Foi inaugurado em 1884 com a finalidade de abrigar as já tradicionais exposições de produtos hortícolas e pássaros da região, que aconteciam em instalações provisórias no local. No Palácio, em abril de 1888, foram libertados os últimos escravos de Petrópolis com a presença da Princesa Isabel.

Ação acontece após acordo amigável com proprietário da antiga fábrica de veludo

A Prefeitura chegou a um acordo amigável com o proprietário do prédio onde funcionou a antiga fábrica de veludo, na Rua do Túnel, possibilitando um acesso alternativo seguro aos moradores do local.

Nesta terça-feira (5), o muro que separa o terreno da rua será demolido. Um portão será instalado e moradores cadastrados poderão passar pela área, bem como serviços essenciais, como a coleta de lixo e ambulâncias.

A Prefeitura vem atuando no local com a interdição da via e a iluminação de LED, além da abertura de um CRAS volante. Além disso, os buracos foram cercados. A obra está sob responsabilidade do Governo do Estado, que já iniciou sondagem.

Verbas vindas da Alerj e do Governo Federal estão sendo destinadas para as intervenções

Equipes da Comdep e da Secretaria de Obras já estão fazendo a recuperação de vias e das pontes atingidas pelo temporal do dia 15 de fevereiro em Petrópolis. As intervenções acontecem em várias partes da cidade, como no Centro Histórico (Praça da Liberdade, avenidas Piabanha e Koeler, entre outros) e em Corrêas.

“Aos poucos a cidade vai voltando à normalidade. Essas obras vão garantir a mobilidade e segurança dos pedestres e motoristas. Na semana passada junto com as prefeituras do Rio e Niterói fizemos a limpeza de várias ruas. O trabalho de recuperação da cidade continua junto com os trabalhos dos bombeiros e Defesa Civil no resgate das vítimas”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.

O vice-prefeito e secretário de Obras, Paulo Mustrangi explica que parte das verbas provenientes da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e do Governo Federal foi destinada para essa recuperação emergencial. “Estamos arrumando o guarda corpo da ponte de Corrêas que foi levado pela enxurrada e também de outras pontes. Também já iniciamos algumas obras de contenção”, explicou.

Prefeitura, agora, aguarda remanejamento da fiação das empresas de internet, telefonia e TV a cabo

O projeto de construção da rotatória na entrada do Carangola continua avançando. Os novos postes foram instalados neste domingo (13) pela Enel Distribuição Rio e a Prefeitura aguarda, agora, o remanejamento das instalações das empresas de telefonia e TV a cabo para dar início às obras.

“Acompanhamos a reposição da rede para liberar o espaço para construção da baia e devolver a pracinha para região. Esse é um trabalho que vai qualificar a União e Indústria”, esclareceu o prefeito Rubens Bomtempo.

Sobre o novo projeto

Com a construção da nova entrada do Carangola, o ponto do ônibus será instalado ali, junto à pracinha central. Além disso, o acesso ao Carangola para quem sair dos distritos em direção ao bairro será alargado. As obras no local preveem o remanejamento de dois postes (com a migração das redes elétricas e de telefonia para as novas estruturas); o recuo do ponto do ônibus que sai dos distritos em direção ao Centro; o alargamento do acesso ao Carangola para quem sai dos distritos; a devolução da pracinha central à população (com asfaltamento e acessibilidade para pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida); e a mudança do ponto dos ônibus que descem o Carangola em direção ao Centro (que ficará mais acima, antes da entrada de acesso ao Construmil).

Intervenção permitirá a instalação de um recuo para o ponto de ônibus

A construção da nova entrada do Carangola teve um importante avanço no último fim de semana: a Prefeitura instalou um novo poste na pracinha central no domingo (6). O antigo poste, que fica alguns metros mais perto da via principal (Rua Hermogênio Silva), está previsto para ser removido neste mês, quando também será realizada a migração da fiação para a nova estrutura.

O remanejamento do poste possibilitará que seja instalado um recuo para o ponto dos ônibus que saem dos distritos em direção ao Centro. Dessa forma, com o recuo, o tráfego na via principal sentido Centro não será mais interrompido para o embarque e o desembarque de passageiros do transporte público coletivo.

Com a construção da nova entrada do Carangola, o ponto desses ônibus será instalado ali, junto à pracinha central, que será devolvida à população, reformada. Além disso, o acesso ao Carangola para quem sair dos distritos em direção ao bairro será alargado. Para isso, outro poste será remanejado.

Os remanejamentos dos dois postes são custeados pela Prefeitura e executados pela Enel Distribuição Rio (empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica em Petrópolis).

Mudança no projeto

Para a implantação de uma rotatória na entrada do Carangola, um terreno às margens da via que dá acesso ao bairro (Estrada do Carangola) foi desapropriado no ano passado pelo então governo interno. No entanto, a implantação da rotatória nos moldes do projeto apresentado pelo governo passado exigiria uma desapropriação maior do que a que de fato foi realizada.

As obras para a construção da nova entrada do Carangola preveem, portanto: o remanejamento de dois postes (com a migração das redes elétricas e de telefonia para as novas estruturas); o recuo do ponto do ônibus que sai dos distritos em direção ao Centro; o alargamento do acesso ao Carangola para quem sai dos distritos; a devolução da pracinha central à população (com asfaltamento e acessibilidade para pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida); e a mudança do ponto dos ônibus que descem o Carangola em direção ao Centro (que ficará mais acima, antes da entrada de acesso ao Construmil).

Pagina 5 de 91