A chegada da tecnologia 5G no Brasil, prevista para o próximo ano, terá um impacto positivo na vida da população. A maior capacidade e velocidade permitirão mais usuários, mais dados e conexões mais rápidas para novos serviços e maior produtividade das empresas, entre outros benefícios. Petrópolis já está preparada para realizar a implementação desta tecnologia, quando as operadoras de telefonia estiverem autorizadas a operar o 5G. Foi votado e aprovado nesta quarta-feira (25.08) na Câmara de Vereadores, com 13 votos, o projeto de lei que dispõem sobre a normatização urbanística para regulamentar os procedimentos de licenciamento e instalação das antenas 5G, o que vai atender a demanda para ampliação de cobertura e melhoria na prestação de serviço de telefonia e internet móvel na cidade.

“Estamos nos antecipando e garantindo, com a aprovação dessa lei, a base para a tecnologia 5G e isso passa necessariamente pela normatização de todos os processos para instalação desses equipamentos. O 5G será fundamental para uma guinada econômica. Petrópolis é uma cidade que tem forte vocação tecnológica, com um parque avançado. Com a nova tecnologia poderemos ampliar a capacidade para que mais empresas possam se instalar por aqui, gerando empregos de qualidade. Teremos ganhos significativos também na gestão pública, com o advento de novas ferramentas e soluções para as mais diferentes áreas nas quais os fluxos de informações serão essenciais para o seu pleno funcionamento. Estamos largando na frente. Estamos preparando Petrópolis para o futuro, com mais infraestrutura e melhora nos serviços prestados à população”, aponta o governo interino.

A tecnologia 5G irá acelerar o processo de desenvolvimento econômico e social na cidade. A ação direta do governo municipal em regulamentar o tema com uma legislação vai permitir a modernização desta infraestrutura de telecomunicações. Com a ação, será possível implementar novas tecnologias de monitoramento e gestão inteligente da cidade, investimentos em manufatura avançada e de atenção e cuidado com as pessoas, entre tantos benefícios sociais e coletivos. Em um futuro cada vez mais próximo, ter ou não a tecnologia de conexões ultrarrápidas de internet será diferencial para atrair empresas, gerar empregos e renda nas cidades. Além das facilidades no dia a dia, o 5G promete recursos para o ganho na produtividade para a indústria. Na logística, sistemas inteligentes escolherão a melhor rota com base no clima e trânsito. Os veículos autônomos serão menos suscetíveis a acidentes e as linhas de produção serão otimizadas, com melhor aproveitamento de tempo e sem desperdício de insumos.

“A tecnologia 5G vai transformar e revolucionar os parâmetros de desenvolvimento do município. Turismo, tecnologia, educação, saúde, serão diretamente impactados de uma maneira muito positiva. Essas inovações serão um caminho para uma profunda melhora nas condições sociais dos petropolitanos. Teremos uma Petrópolis com uma oferta muito maior de possibilidades e oportunidades para as pessoas”, destaca o governo interino.

Regras e cuidados

Entre os cuidados estipulados em lei, está o resguardo da paisagem urbana, bem como o que diz respeito à proteção da saúde da população, conforme os parâmetros adotados pela OMS sobre os limites seguros de exposição humana à radiação eletromagnética e também quanto ao fomento para o compartilhamento e ao uso racional dos ativos de infraestrutura. Haverá exigências para a instalação de equipamentos em áreas de preservação permanente, conservação, interesse ecológico, reservas biológicas, estações ecológicas e zonas intangíveis, primitivas e de uso extensivo localizadas em parques, além de bens tombados e área de tutela.

O projeto também regulamenta a expedição de alvará de construção, certificação de conclusão da obra e autorização ambiental. Também fica especificado que a fiscalização será de responsabilidade da Anatel, e caso haja algum desacordo nos requisitos estabelecidos pela lei, o órgão outorgante deverá intimar a empresa responsável para que no prazo de 60 dias proceda as alterações necessárias à adequação. O projeto de lei também especifica as penalidades para possíveis desacordos com a lei. Haverá uma notificação de advertência em um primeiro momento, multa com valor aplicado pelo código de obras do município em segundo instante e em caso de recorrência, a empresa responsável deverá promover o desmonte e remoção de material, em um prazo de 60 dias, sob risco de multa diária de 10 UFPES.

O programa de eficientização do governo municipal busca padronizar e uniformizar a iluminação pública em todo o município.

O programa de eficientização energética com luminárias de LED ganha nova etapa nesta terça-feira (22). Desta vez no distrito de Cascatinha, onde as ruas Bernardo Tosta e Gonçalves Vieira Junior recebem a melhoria. O trabalho terá início às 9h e totaliza 36 pontos de intervenção do Departamento de Iluminação Pública.

“Seguimos avançando com esse importante projeto que leva uma iluminação melhorada aos bairros por toda a cidade. Além disso, ainda gera economia e sustentabilidade para Petrópolis com o LED”, explicou o governo interino.

Na Rua Bernardo Tosta, o trabalho será iniciado na altura do número dois e segue até o nº 388. Já na Rua Gonçalves Vieira Júnior, começa no número 275. "O LED gera menor necessidade de manutenção, fora que a durabilidade das lâmpadas é maior. Isso significa economia para o município. Enquanto a lâmpada de vapor de sódio de 250W tem vida útil de 32 mil horas e demanda um reator que dura 20 mil horas, em média, a luminária de LED com 180W dura 50 mil hora”, explicou a secretária de Serviços, Segurança e Ordem Pública, secretaria que coordena o Departamento de Iluminação Pública.

Recentemente, a melhoria foi implementada em Secretário, no distrito de Pedro do Rio, onde 36 pontos foram instalados na Estrada de Secretário. O programa de eficientização do governo municipal busca padronizar e uniformizar a iluminação pública em todo o município. Neste ano, além desses locais, o executivo fez esse trabalho nos bairros Fazenda Inglesa, Castelânea, Bingen, Alto da Serra, Duarte da Silveira, Secretário, Retiro, Araras e Pedro do Rio. O estudo levou em consideração os índices de iluminação estabelecidos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para cada tipo de rua.



O trabalho contará com 36 pontos de iluminação na Estrada de Secretário

A prefeitura de Petrópolis, por meio do Departamento de Iluminação Pública, começa, a partir desta sexta-feira (18) mais uma etapa do trabalho de eficientização energética que já passou por diversos bairros da cidade neste ano. Desta vez o local que recebe as luminárias de LED é Secretário, no distrito de Pedro do Rio. Serão instaladas 36 luminárias na Estrada de Secretário.

O trabalho acontecerá em duas etapas. Entre as 9h e às 16h e depois entre as 23h e as 4h30 da madrugada de sábado (19). A eficientização acontece entre o Mercadinho Lidório e a sede do Campestre. 

O programa de eficientização do governo municipal busca padronizar e uniformizar a iluminação pública em todo o município. Neste ano, além desses locais, o executivo fez esse trabalho nos bairros Fazenda Inglesa, Castelânea, Bingen, Alto da Serra, Duarte da Silveira, Secretário, Retiro, Araras e Pedro do Rio. O estudo levou em consideração os índices de iluminação estabelecidos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para cada tipo de rua.

A tecnologia de luz de LED possibilita menor necessidade de manutenção - as lâmpadas possuem mais durabilidade. Uma lâmpada de vapor de sódio de 250W, por exemplo, tem vida útil de 32 mil horas e demanda um reator que dura 20 mil horas em média. Já uma luminária de LED com 180W dura 50 mil hora.

As obras de construção da nova Estação de Tratamento de Água – ETA Araras, em Bonsucesso, já entraram em sua fase final. A previsão é de que o novo sistema de abastecimento de água, que irá atender 123 mil moradores de Nogueira, Itaipava, Pedro do Rio e Posse, comece a operar a partir de dezembro. O governo municipal, junto com o superintendente da Águas do Imperador, Márcio Salles, visitou o local na tarde desta segunda-feira (14).

Sozinha, segundo o prefeito, a nova estação será capaz de tratar mais de nove milhões de litros de água por dia. “Esse é um grande avanço para a nossa população, principalmente em relação ao saneamento básico. O índice populacional na região dos distritos vem crescendo de forma expressiva, porém, a nova ETA será capaz de garantir o atendimento com segurança pelos próximos 50 anos”, explica o governo interino, complementando que a nova ETA terá papel estratégico para o abastecimento da cidade.

A ETA Araras será interligada aos principais sistemas de abastecimento da cidade e, para o superintendente da Águas do Imperador, Márcio Salles, será um marco para o saneamento de Petrópolis. Isso porque firma a ideia de saneamento sustentável. Ela será provida de alta tecnologia e operacionalizada por um Centro de Controle Operacional (CCO).

“O equipamento vai permitir o reaproveitamento total da água processada e resíduos resultantes. Será equipada ainda com um laboratório para análises da qualidade da água bruta e tratada; um reservatório com capacidade para dois milhões de litros e um auditório para atividades de educação ambiental”, explica Márcio Salles.

Depois de mais de 20 anos de luta, mais de 300 famílias ameaçadas de despejo ao longo do trecho Rio-Juiz de Fora da BR-040 podem, enfim, dormir tranquilas. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, anunciou na noite desta quarta-feira (26), durante reunião com o governo municipal, em Brasília, a suspensão das ordens de demolição de casas às margens da estrada. Os processos judiciais que determinam as demolições correm há anos na justiça, gerando apreensão às famílias – muitas já moravam na região antes mesmo da concessão da estrada à Concessionária Rio-Juiz de Fora. Segundo o ministro, as ordens de demolição, resultantes de ações da Concer, serão suspensas até a nova concessão da rodovia, quando um novo estudo sobre a redução da faixa de domínio deverá ser realizado. Durante a reunião, o ministro garantiu que, mesmo depois, somente serão demolidas as construções avaliadas como “inevitáveis”, ainda assim com a garantia de novo teto para os moradores.

O governo interino citou a importância deste passo junto ao Ministério de Infraestrutura. “São famílias que, há anos, dormem e acordam com o medo de terem a casa demolida. Elas podiam perder tudo o que construíram durante toda a vida. Muitas das histórias começaram antes mesmo da concessão da estrada. Vínhamos atuando juntamente com o CDDH na orientação das famílias e mantendo contato com o governo federal, na tentativa de sensibilizá-los em relação à realidade de quem vive ali. Nós, que já conhecíamos bem todo este histórico, conseguimos, agora, mostrar isso também ao ministro. Ele se emocionou e se sensibilizou, assim como nós, ao ouvir sobre o drama dos que vivem ali e se comprometeu a suspender as demolições. Tenho certeza de que todos os que participaram desta luta, ao longo de tantos anos, nunca esquecerão deste momento”, afirmou.

Dentre os processos judiciais, 53 já estavam com ordem de demolição para serem cumpridos a qualquer momento. “Nunca, com toda a nossa luta, as famílias tinham recebido oferta semelhante. Não havia mais alternativa jurídica. Esta decisão do ministro representa esperança para as famílias, para que permaneçam onde estão. Neste momento, em meio à pandemia e com o fim da concessão da Concer, o ministro foi sensível e assumiu um compromisso bastante claro”, comemorou a coordenadora do CDDH.

A equipe de arqueologia começou a atuar no local nesta semana buscando relíquias

A movimentação iniciada nesta semana no jardim do Palácio de Cristal, um dos principais cartões postais de Petrópolis, vem chamando a atenção de quem passa pela região, no Centro da cidade. No local, uma equipe trabalha em pesquisa arqueológica para investigar a existência de material histórico e cultural no terreno. O trabalho faz parte do projeto de reforma do palácio, construído no século XIX para cultivo e exposições de hortícolas.

As ações em campo foram iniciadas após liberação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Uma equipe de arqueólogos está trabalhando na terra retirada das valetas escavadas no início da reforma do espaço. Máquinas peneiram a terra e ajudam na busca por materiais com relevância histórica e cultural. Além dos arqueólogos, a empresa contratada para o serviço possui em seu staff uma historiadora, que fará a ligação das possíveis descobertas ao contexto histórico do Palácio de Cristal.

“O Palácio de Cristal é um monumento de extrema importância para Petrópolis. O local já foi usado como espaço de exposição hortícola e, no século XX passou a ser sede de diversos eventos. Assim permanece até hoje”, diz Roselene Martins, historiadora da Grifo Arqueologia, contratada pela Engeprat, empresa responsável pelas obras do palácio, após licitação realizada pela Prefeitura. “O trabalho arqueológico serve para resgatar a cultura material do Palácio, para recuperar os vestígios de todas as pessoas que passaram por aqui durante esse tempo”, explica.

Neste primeiro momento, o trabalho dos arqueólogos será analisar toda a terra retirada na abertura das valetas para aterramento dos fios da rede elétrica do Palácio. A expectativa é que no processo sejam encontrados vestígios de material cultural de até 150 anos.

“Aqui já foram encontrados no primeiro dia, alguns fragmentos de louças do século XIX e vidros provavelmente de procedência italiana. Após esse trabalho de peneiramento dessas valas abertas que envolvem o palácio, serão feitas algumas sondagens e o monitoramento contínuo das obras que serão feitas aqui”, detalha Giovani Scaramella, arqueólogo que é diretor da empresa que executa o serviço especializado no Palácio de Cristal.

O Palácio de Cristal é responsável por contar parte da história do Brasil. Localizado na cidade planejada pelo imperador D. Pedro II, foi erguido em um local onde ficava a Praça da Confluência ou de Passeio Público, onde aconteciam exposições hortícolas e cultos religiosos públicos. A construção ocorreu no ano de 1984. Uma estrutura pré-montada foi encomendada da Sociedade Anônima Saint-Souver Lês Arras, na França pelo Conde d’EU e inspirada no Palácio de Cristal de Londres e no Palácio de Cristal do Porto. Trata-se de um presente entregue à sua esposa Princesa Isabel para que ela pudesse cultivar suas flores e hortícolas.

Para o governo municipal, que vinha trabalhando junto da equipe da secretaria de Obras e da empresa licitada para autorizar o reinício dos trabalhos nos jardins, os cuidados com o Palácio de Cristal são importantes para a manutenção de um local tão representativo não apenas para os petropolitanos, mas para os brasileiros.

Trabalhos paralisados

O trabalho de arqueologia faz parte do trabalho de obras no Palácio de Cristal. Os trabalhos tiveram início em 4 de outubro de 2019 e os serviços nos jardins foram paralisados no início de fevereiro de 2020 por uma determinação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), que solicitou acompanhamento arqueológico. Ao longo de 2020, a empresa vencedora da licitação acabou desistindo dos trabalhos e a segunda colocada – Engeprat – assumiu o serviço em setembro.

Neste ano, ao assumir o governo municipal, a gestão interina se empenhou e passou a atuar junto à empresa para garantir a retomada dos trabalhos. Em março, as equipes chegaram a iniciar serviços no terreno (sem, no entanto, mexer nos jardins), enquanto preparava a contratação do arqueólogo e, em seguida, a elaboração do projeto arqueológico. Tudo com o apoio da Secretaria de Obras. O projeto foi enviado para aprovação do IPHAN e, com o retorno positivo do órgão de preservação, o trabalho arqueológico começou nesta segunda-feira 24 de maio.


Depois de quase 30 anos de espera, cerca de 200 famílias da Comunidade Vilage Contorno - Campinho, no Km-79 da Rodovia BR-040, serão atendidas com sistema de abastecimento de água. Na tarde desta quinta-feira (20), o governo interino, junto com representantes da Águas do Imperador, esteve no local para anunciar a conclusão das intervenções, com a interligação da rede construída na comunidade à que já abastece áreas vizinhas. A ONG 'Aldeia da Criança Feliz', foi a primeira beneficiada com a instalação do hidrômetro.

O próximo passo será a realização da pesquisa de adesão para que sejam feitas as próximas ligações, que serão concedidas de forma gratuita pela concessionária. A Tarifa Social, que garante 50% de desconto na tarifa, também irá beneficiar todas as famílias.

A interligação foi feita por meio de uma tecnologia de Método Não Destrutível, (MND), que faz a travessia subterrânea dos tubos e é utilizada em estradas e vias com grande fluxo de veículos, evitando transtornos na estrada. “A obra, planejada há muitos anos, aguardava apenas a liberação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), por tratar-se de uma rodovia federal. Foram 60 metros de rede implantadas para garantir essa interligação. Hoje, o sentimento é de missão cumprida”, destaca o presidente da Águas do Imperador.

O agente regional da região também comemorou a conclusão da intervenção. “Esta é uma conquista importante para a comunidade”, disse. Outro que celebrou a chegada do sistema de abastecimento foi o presidente da associação de moradores do bairro. “Nasci aqui e essa é uma grande vitória para todos, principalmente para as nossas crianças. Não tínhamos água tratada e não fazíamos ideia que ela pudesse não ser boa para o consumo. A sensação é de alívio, valorização e respeito”, frisa.

A moradora Renata Catarina de Assis Rezende, mora há 13 anos no local e lembra dos momentos em que ela e os vizinhos tinham que carregar água nos períodos de estiagem. “O único recurso era o poço, onde buscávamos água no balde. Agora não passaremos mais por esse aborrecimento. Mas o melhor disso tudo é que a taxa de ligação não será cobrada, pois, por conta da pandemia, muitos estão desempregados e não teriam como pagar essa taxa”, pontua.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e a Prefeitura de Petrópolis retomaram as reuniões que vão debater a atualização normativa das áreas sob tutela do órgão federal no município. O primeiro destes encontros com a nova gestão do município aconteceu na semana passada, por vídeo conferência, e reuniu representantes do governo municipal e do órgão que gerencia o patrimônio nacional na cidade de Petrópolis.

A atual portaria do IPHAN que define parâmetros o entorno dos imóveis, logradouros, praças e rios tombados, em conjunto ou isoladamente, no município, é a 213/1996. A proposta é atualizar o documento, através de uma leitura integrada e atualizada do território onde se localizam os mesmos, de forma conjunta entre os agentes públicos locais o IPHAN, paralelamente às revisões dos códigos municipais, que vêm sendo discutidas com a Câmara Municipal.

Segundo a Coordenadora de Articulação Institucional, é importante que este encontro inicial da retomada dos estudos se desdobre em outras reuniões de trabalho que possam definir tarefas sobre temas específicos, que contem com a participação não somente de secretários, mas também de servidores das pastas diretamente relacionadas à tutela do IPHAN na cidade. As reuniões deverão acontecer a cada 15 dias, seguindo o protocolo virtual enquanto vigorarem as medidas sanitárias.

Essa revisão normativa tem por objetivo definir objetivos, diretrizes e critérios para o entorno da área tombada como conjunto urbano paisagístico, dando assim maior celeridade às análises do IPHAN na cidade e diminuindo o conflito de competência entre as esferas municipal e federal. “Essa é uma demanda antiga da Prefeitura, tendo em vista que muitas áreas ainda tuteladas estão altamente descaracterizadas, não apresentando valor patrimonial”, explica Frederico Araújo, Chefe do Escritório Técnico da Região Serrana.

Durante a reunião, foi feita uma apresentação pelo arquiteto urbanista da UNESCO Miguel Sousa, que trouxe a conhecimento dos participantes os principais objetivos no processo de elaboração das novas normas de preservação, entre estes a definição de estratégias de gestão compartilhada dos bens tombados.

“É importante que a Prefeitura e seus agentes tenham conhecimento de como o Iphan pensa, como órgão de tutela, para que esse trabalho conjunto de atualização dos instrumentos normativos se torne viável na prática, ao final”, explicou. Ele acredita que até o final de 2021 essa nova normatização esteja concluída".

“Trata-se de um esforço conjunto que poderá resultar na simplificação dos processos. Em determinadas situações, no futuro, pode ser que somente a Prefeitura precise deliberar, ainda que o interesse esteja na área tutelada pelo IPHAN. Para isso, basta que a própria legislação municipal já comtemple as diretrizes definidas pelo IPHAN”, completa Frederico Araújo, referindo-se à otimização da gestão compartilhada almejada nesta atualização normativa.

O Departamento de Iluminação Pública, ligado à Secretaria de Serviços, Segurança e Ordem Pública (SSOP), deu início à instalação de LED em Pedro do Rio e Secretário nesta sexta-feira (23/04). O trabalho está sendo realizado nas ruas Barro Franco, Capitão José Leal, Canedo, Travessa dos Expedicionários e Estrada de Secretário. Ao todo, serão colocadas 87 luminárias em substituição às lâmpadas de vapor de sódio. A previsão é que o serviço seja realizado em até sete dias, dependendo das condições climáticas.

Neste ano, o governo municipal já fez a instalação de LED na Castelânea, Alto da Serra e Duarte da Silveira. Além da luminosidade, o LED também contribuir com a segurança dos moradores e sustentabilidade.

A tecnologia de luz de LED possibilita menor necessidade de manutenção. Isso por ela ter mais durabilidade. Uma lâmpada de vapor de sódio de 250W, por exemplo, tem vida útil de 32 mil horas e demanda um reator que dura 20 mil horas em média. Já uma luminária de LED com 180W dura 50 mil horas.

Todo o estudo do Departamento de Iluminação Pública levou em consideração os índices de iluminação estabelecidos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT para cada tipo de rua.

Representantes de cinco secretarias de governo (Turismo, Desenvolvimento Econômico, Obras, Meio Ambiente e Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica) representaram o Governo Municipal em reunião realizada na manhã de hoje (22/03), no Clube Promenade, com membros do Comitê Pró-Jardim Botânico de Nogueira (Projardim). O objetivo do encontro foi o de viabilizar a execução da primeira etapa do projeto de implantação do Jardim Botânico nos arredores do lago do bairro.

O projeto já conta com um recurso da ordem de R$ 931 mil, obtido através de convênio assinado em 2019 com o Ministério do Turismo, que prevê a reurbanização de todo o entorno do lago, assim como a implantação dos jardins e alamedas. A Prefeitura pretende agora fazer os ajustes necessários no edital da primeira fase proposta, para que possa ser realizada a licitação para a execução das obras iniciais.

Em seguida, será feita a captação de recursos para uma segunda fase do projeto, que prevê a implantação de decks de madeira ecológica em pontos específicos e a recuperação de toda a pista do entorno. O projeto prevê ainda a implantação de iluminação pública em volta de todo o lago, que poderá ser executada com valores da contribuição de iluminação pública (CIP).

O engenheiro Luís Eduardo Basílio, presidente do Comitê Projardim, agradeceu aos secretários pela iniciativa de retomar as discussões sobre o projeto e disse que essa luta vem sendo feita há oito anos, quando a possibilidade de implantação de uma estação de tratamento de água no local fez com que a sociedade civil se mobilizasse em torno na criação de um Parque Municipal na área.

 O projeto executivo, em sua totalidade, prevê a execução de melhorias como a recuperação de calçadas e guarda-corpo, construção de decks, estufa de vidro, espaço para pesquisas científicas, banheiros, áreas de atendimento ao público, entre outros.

Pagina 2 de 13